Se os antidepressivos da classe dos ISRS são todos medicamentos que atuam no mesmo neurotransmissor (serotonina), então por que as recomendações de uso diferem de um para outro?
 Deyvis Rocha
Deyvis Rocha
Psiquiatra
São Paulo
Olá, os medicamentos ISRS têm todos, basicamente, o mesmo potencial benéfico, o que geralmente os diferencia é o perfil de efeitos colaterais e o grau de interação com outras medicações. Em regra, os ISRS lançados mais recentemente têm menos efeitos colaterais e interferem menos ou nada com outras medicações, mas são também mais caros.

Boa tarde ,apesar de todos estarem incluídos na classe de inibidores seletivos da receptação de serotonina, cada um deles apresenta outros receptores que interagem , por exemplo alguns deles tem um efeito pequeno em receptor de noradrenalina em doses mais altas , outros em receptores colinérgicos e assim por diante , além disso cada um estimula o receptor de maneira variável dependendo da dose , portanto tem efeitos muito variáveis entre eles , alguns mais ansiolíticos , outros tem mais efeitos sexuais colaterais se assim por diante , com a experiência o psiquiatra consegue escolher a melhor medicação para o seu perfil de sintomas , se possível utilizando conceitos da neurociência para melhor escolher , pode ser um inibidor seletivo, um dual ou outro tipo de antidepressivos , grande abraço.

Dr. Mario Aranha
Dr. Mario Aranha
Psiquiatra
Salvador
Eles de fato são da mesma classe e tem um mecanismo de ação semelhante que é agir na serotonina. Porém, cada substância do grupo tem sua particulariedade. Algumas são serotoninérgicos mais potentes, outros menos potentes . Uns são metabolizados por uma enzima em que o outro não é metabolizado (interessante em interação medicamentosa). Uns são mais sedativos, outros menos. alguns dão ganho de peso, outros menos ganho ou até perda. Outros podem dar arritmia em dosagens altas. Estes são exemplos entre dezenas de diferenças deste grupo. A escolha do ISRS ideal requer experiência, conhecimento do perfl individual do paciente e do conhecimento da literatura médica.

Prezado(a),
Muito do que se sabe sobre os Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina foi divulgado pelos próprios fabricantes. Ou seja, há muito de marketing envolvido. Por exemplo, a Fluoxetina (Prozac) foi lançada primeiro e logo se observaram alguns efeitos adversos. Em seguida os fabricantes lançaram novas medicações que resolveriam tais efeitos adversos. Fato é que são todos intercambiáveis e há muito marketing e sugestionabilidade envolvidos.
Recentemente, uma meta-analise publicada no Lancet evidenciou que a Amitriptilina (antidepressivo tricíclico antigo) teria maior eficácia que os ISRS.
Por fim, nada se compara a uma compreensão integral do que acomete quem procura ajuda, e na maioria das vezes isso só é alcançado com ajuda da psicoterapia.
Fique bem.
Abs

ISRS podem ser usados, em geral, de forma intercambiável. Todos funcionam em vários transtornos ansiosos e na depressão. Por falta de suficientes pesquisas comprobatórias, nos EUA, alguns não são oficialmente liberados para tratar de alguns transtornos.

Há diferenças quanto ao tempo que permanecem no organismo, se interagem ou não ou outras drogas que a pessoa precise tomar e algumas pequenas diferenças no sentido de, apesar de não serem duais (antidepressivos que atuam fortemente sobre dois neurotransmissores), poder ter uma pequena ação sobre algum outro neurotransmissor.

Se não tenho sucesso com dose alta de algum ISRS, usado por tempo suficiente, sempre prefiro potencializar com outra medicação ou trocá-lo por um dual. Mas, há autores que sugerem que se possa fazer a troca por outro ISRS.

Algumas pessoas têm menos efeitos colaterais com algum deles e outras, com outros, por possíveis diferenças farmacogenéticas. Testes em relação a este aspecto têm se tornado mais frequentes.

Dentre os medicamentos ISRS encontram-se: Fluoxetina, Paroxetina, Citalopram, Escitalopram, Sertralina, Fluvoxamina. Cada um deles tem suas peculiaridades e tem estudos clínicos que comprovam a sua eficacia em quadros específicos, apesar de todos serem a primeira escolha para o Transtorno Ansioso e para a Depressão. Por exemplo: A Paroxetina apresenta maior potencial ansiolítico, A Fluvoxamina se usa com ótimos resultados no tratamento dos sintomas de TOC, A Sertralina e o Escitalopram são a escolha para o tratamento dessas doenças durante a gestação, sendo a Sertralina a escolha durante o aleitamento materno. O Citalopram devido as peculiaridades de seu metabolismo e uma boa escolha para pacientes geriátricos poli medicados,inclusive para pacientes oncológicos em uso de citostáticos, a Fluoxetina não se associa geralmente ao ganho de peso e tem bons resultados no tratamento da compulsão alimentar. A escolha depende de vários fatores e um exame clinico especializado e fundamental.

Especialistas em Depressão

Renata Camargo

Renata Camargo

Psicólogo

Camaquã

Luis Falivene Roberto Alves

Luis Falivene Roberto Alves

Psiquiatra

Campinas

Ana Larissa Marques Perissini

Ana Larissa Marques Perissini

Psicólogo, Sexólogo

São José do Rio Preto

Tiago Lenz De Brum

Tiago Lenz De Brum

Psiquiatra

Concórdia

Andressa Mara Netto

Andressa Mara Netto

Psicólogo

Cristiany Moura Oliveira Lisita

Cristiany Moura Oliveira Lisita

Psicólogo

Goiânia

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 592 perguntas sobre Depressão

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.