Sou uma pessoa tímida, com tendência a me isolar do mundo e tenho todos os sintomas de distimia, estou sempre indisposto, pra baixo e na maioria das vezes de mal humor, tenho vontade de mudar isso, mas me sinto inseguro em procurar ajuda, em me abrir com alguém, o que devo fazer?
 Flávia Pachiega
Flávia Pachiega
Psicólogo
Curitiba
O papel dos profissionais que podem te ajudar jamais será o de julgar suas dificuldades. Busque profissionais com os quais você se sinta acolhido e confie. Não desacredite da mudança, pois ela é possível! No início você pode se sentir desconfortável, mas a relação e vínculo com o psicólogo se estabelecerá e com o tempo você se sentirá mais a vontade.

Dra. Suzana Moreira
Dra. Suzana Moreira
Psicólogo
Porto Alegre
Dê uma chance a si mesmo! E prove que és capaz de muito mais... como dizia Churchill: em cada dificuldade veja uma oportunidade.

 Beatriz Sá
Beatriz Sá
Psicólogo
Rio de Janeiro
Olá! Bom, o primeiro passo vc já deu q é admitir o problema, o segundo passo é procurar um psicólogo que vc tenha empatia , confiança e Q assim vcs consigam trabalhar juntos para chegar a uma solução satisfatória para ambas as partes.
Espero te-lo ajudado.
Art.Beatriz Sá

Dra. Elisabete Paoletti
Dra. Elisabete Paoletti
Psicólogo
São Paulo
Ao expor as questões pessoais que o incomodam você deu um importante passo rumo à uma possível mudança. Existe um desconforto interno que pulsa e escapa através de sintomas que você nomeia como mal humor, estar pra baixo e indisposição. O próximo passo é viabilizar esse processo através de psicoterapia. Mantenha o foco e procure um profissional especializado com quem você possa tecer um laço terapêutico.

Olá! Tendo em vista a maneira como você descreve a si mesmo, é natural que tenha dificuldades em procurar ajuda. Afinal, considerando sua tendência de isolamento, não é algo fácil iniciar um processo de mudança que envolve a interação com o outro. Contudo, vejo que um passo já foi dado, do contrário não estaríamos interagindo por aqui. Desejo sucesso e o encorajo a procurar uma psicoterapia, um processo presencial.

 Paulo Crespolini
Paulo Crespolini
Psicólogo
São Paulo
Olá. Além dos sintomas que você descreve, de modo tão honesto e bonito, é preciso compreender também a maneira como essa timidez foi construída ao longo da sua vida, principalmente, no sentido de descobrir a finalidade de tudo isso. Afinal, as constantes censuras, a exposição pública, a vivência vexatória, a sensação de envergonhamento podem ser tão intensas a ponto de gerar um transtorno distímico. Suponho que não lhe é nada fácil interagir com as pessoas. Mas, veja só! Você já está interagindo com os profissionais desta página. Eis um bom começo! Com o devido respeito, oriento que procure um psicólogo ou uma psicóloga. Em ambos os casos é possível que se faça um diagnóstico diferencial, inclusive para compreender se os sintomas relatados são condizentes com o Transtorno Distímico ou, do contrário, com um quadro clínico de Depressão Maior. Espero que a resposta tenha lhe esclarecido. Forte abraço!

 Marina Souza Duarte Alvarenga
Marina Souza Duarte Alvarenga
Psicólogo, Terapeuta complementar
Belo Horizonte
Parabéns pela sua iniciativa! Não deve ter sido fácil se expor aqui, mas você conseguiu! Marque uma consulta com um psicólogo. Não perca essa vontade de mudar!

 Bruna Paschoalini
Bruna Paschoalini
Psicólogo
São Paulo
Olá! O primeiro passo você já deu: reconheceu o problema e percebeu que precisa de ajuda, muito importante você conseguir se abrir aqui. O próximo passo é encontrar um/a psicólogo/a que você se identifique, para que consiga elaborar essas questões em um ambiente protegido. Parabéns pela iniciativa e boa sorte!

 Decio Deforme da Cunha
Decio Deforme da Cunha
Psicanalista, Psiquiatra
Rio de Janeiro
O tímido é uma pessoa insegura que receia agir mal. Costuma perturbar-se na presença dos outros, preferindo evitar contatos sociais. Na maioria das vezes é adquirido na infância em funçào da proteção excessiva dos pais, que dificultam o processo natural de desenvolvimento de responsabilidades progressivas. Os sentimentos mais comuns são de incapacidade, inferioridade , agressividade e culpa, que contribuem para a formação de uma personalidade retraída.
A participação em movimentos juvenis e em jogos coletivos são recomendados para os mais jovens e a psicoterapia, individual ou de grupo para os adultos.

 Bruna Dionisio Manoel
Bruna Dionisio Manoel
Psicólogo
Rio de Janeiro
olá,
Seria importante que você buscasse ajuda profissional de um psicólogo para te ajudar a lidar com esses sintomas que voce descreve. Através desse profissional seria possível fazer uma avaliação das suas dificuldades e ensinar estratégias para lidar com elas. Embora você avalie que os sintomas que você apresenta seja da distimia, é possível que haja outras questões suas que estejam influenciando nesses sintomas. Além disso, também igualmente importante a avaliação do psiquiatra até mesmo para diagnosticar corretamente o seu quadro e caso seja necessário usar a medicação a fim de reduzir os seus sintomas depressivos. Abraços

 Elciane Lipski
Elciane Lipski
Psicólogo, Psicopedagogo
Curitiba
Não se sinta inseguro em procurar ajuda, pois somente assim poderá mudar sua história e se sentir melhor! Procure um psicólogo em sua região, poderá fazer o primeiro contato por telefone ou email, não se acanhe por perguntar tudo o que queira saber antes de começar! Se ele achar necessário fará outros encaminhamentos! Você pode fazer este primeiro contato aqui pelo Doctoralia, escolhendo profissionais específicos da sua região!

 Virginia Fernandes
Virginia Fernandes
Psicólogo, Terapeuta complementar
Santo André
Que bom! Você ja conseguiu perceber q precisa de ajuda e ainda melhor vc está afim de se cuidar isso é um grande começo para a melhora...entre em contato e marqur seu horário terapêutico...me deixou a disposição

Ter vontade de mudar é o primeiro passo para a mudança. Procure um(a) psicólogo(a), pois este profissional pode facilitar a expressão dos seus sentimentos e contribuir para que você melhore nesses aspectos apontados por você. Vale ressaltar que psicólogo(a)s são preparados para lidar com essa demanda, bem como tem compromisso ético de sigilo e de evitar julgamentos morais. Logo, não se sinta inseguro e procure ajuda profissional o quanto antes.

Estou à disposição. Um abraço!

Boa noite, primeiramente parabéns pelo reconhecimento de que precisas de ajuda. Procure um terapeuta para uma avaliação psicológica e vais ter um feedback positivo! Fico à disposição.

Olá! primeiramente quem lhe deu esse diagnóstico de distímico? ser tímido é uma questão ser distímico é outra. Procure um bom Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental e Hipnoterapeuta. Paz e Bem!

Olá, primeiramente, você já está caminhando para a mudança, pois mesmo admitindo ter dificuldade em procurar ajuda, já deu o seu primeiro passo. Quanto aos sintomas de distimia que você relata ter, é importante lembrar que nem sempre ter todos os sintomas significa que se tem o diagnóstico pois você não concorda que qualquer pessoa que esteja sempre incomodada com a sua timidez possa ficar a maior parte do tempo mau humorada justamente por essa dificuldade ? E não é natural também que a insegurança que acompanha essa timidez nos coloque pra baixo e nos deixe cada vez mais inseguros contribuindo para um aumento da timidez? Perceber quais experiências passadas influenciam hoje as suas emoções e tb quais dessas emoções levam a quais comportamentos poderá te ajudar a compreender melhor o que acontece em seu íntimo para então tratá-las com mais eficiência; então sugiro que procure agendar uma 1ª sessão com alguns profissionais para encontrar aquele que te deixe mais à vontade. Abs!

É importante que saiba que a vida não precisa ser assim. Você merece se sentir bem, disposto, ter uma vida social, se relacionar, trabalhar, ter momentos de lazer, se divertir. Se não está conseguindo, pode e deve pedir ajuda. Isso é digno e nunca vergonhoso. Todos temos questões, você não é diferente de ninguém. Dê o passo seguinte, que é buscar uma terapia, onde você conseguirá falar sobre suas questões e ela conseguirá avaliar como pode trabalhar com você da melhor forma. Em muitos casos a distimia pode ser tratada sem medicação. Cada caso é um caso. Não deixe sua vida passar pensando no que os outros irão pensar. Boa sorte!

 Renner Cândido Reis
Renner Cândido Reis
Psicólogo
Goiânia
As vezes nossos comportamentos são naturais e acabamos nos diagnosticando de forma enganosa. A linha que separa o comportamento dito normal do anormal é quase imperceptível em muitos casos e isso diminui a nossa capacidade de enfrentar as adversidades da existência. Neste momento, é essencial que você seja assistido por um profissional que se enquadre na confiança que você busca, e felizmente dispomos de muitos. O passo mais importante você já deu, que foi reconhecer a necessidade de te entender melhor. Sucesso!

 Adna Rabelo
Adna Rabelo
Psicólogo
Rio de Janeiro
O primeiro passo já foi dado é que o reconhecimento do problema. O segundo é buscar um acompanhamento psicológico, como foi dito pelo colegas acima. Se o seu caso for, de fato, um transtorno de humor (distimia) é importante aprender a lidar com ela, de modo a não limitar sua vida. Pessoas com distimia muitas vezes não procuram ajuda, pois costumam levar uma vida "normal", porém com muito "esforço", por isso, o cansaço e a irritação constante. Encontrar um profissional com quem estabeleça uma relação de confiança é essencial para os novos aprendizados. Boa sorte e bom trabalho!

 Mayara Souza
Mayara Souza
Psicanalista, Psicólogo
Curitiba
Os sintomas normalmente vêm com a função de manter as dificuldades em lidar com a causa do sofrimento. Em análise, poderia começar a se questionar sobre o que poderia estar por trás da sua timidez, e o que então estaria lhe deixando com todos esses sintomas que o afastam do convívio social e mantém sua timidez. Um bom profissional lhe receberia com muito respeito, ética e sigilo.

 Edicleia Lima
Edicleia Lima
Psicanalista, Psicólogo
Rio de Janeiro
Buscar um analista seria um bom caminho. Um profissional que se sinta seguro e possa falar sobre o que lhe aflige o que pensa. Buscar saber qual direção está orientado seu desejo é porque está se anulando dessa forma.

Olá. O primeiro passo é reconhecer que algo não esta bem, isso você conseguiu identificar. Daqui para frente é procurar ajuda, pois muitas vezes apenas pesquisando sintomas não se chega a um diagnóstico. A Distimia, Transtorno Depressivo Persistente, trata-se de uma depressão crônica, quase sempre de intensidade leve, porém precisa de um acompanhamento multidisciplinar. Procure ajuda sim, não se intimide. Tenho certeza que a psicoterapia será de grande valia e você conseguirá seguir sua vida com mais qualidade e consciência. Fico à disposição. Abraço, Daniela.

Especialistas em Transtorno Distímico

Alan Lopes de Araujo

Alan Lopes de Araujo

Psicólogo

São Paulo

Isis Marafanti

Isis Marafanti

Psiquiatra

São Paulo

Simone Lins de Carvalho

Simone Lins de Carvalho

Psicólogo

São Bernardo do Campo

Andrea Dadalto

Andrea Dadalto

Psiquiatra

Rio de Janeiro

Vanessa Silva Cardoso

Vanessa Silva Cardoso

Psicólogo

Florianópolis

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 18 perguntas sobre Transtorno Distímico

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.