Bom dia! Meu filho tem 11 anos e é super desorganizado. Constantemente tenho que lembrá-lo de ativid
22 respostas
Bom dia! Meu filho tem 11 anos e é super desorganizado. Constantemente tenho que lembrá-lo de atividades que fazem parte de sua rotina (como arrumar a cama, arrumar o material, entre outros), não tem cuidado com os seus pertences, perde objetos, esquece de fatos que aconteceram recentemente, porém, tira notas boas e tem ótima memória para o que ele gosta, com localização e números. Na escola os professores reclamam da organização dos cadernos, que ele esquece de responder questões em prova (já deixou páginas em branco, disse q não viu), mas não tem problemas de disciplina. Se relaciona super bem com os colegas. Ele pode ter TDA? Obrigada
Boa tarde! O fato de uma pessoa apresentar desorganização ou desleixo com suas coisas não faz com ela se enquadre em um transtorno. Talvez esteja mais ligado a hábitos adquiridos ou não. Todo hábito pode ser desenvolvido e treinado, às vezes em casa às vezes com ajuda profissional. O Transtorno de Déficit de Atenção (TDA) é um transtorno neuropsiquiátrico que precisa de avaliação médica para se chegar ao diagnóstico. Geralmente ele atinge diversas áreas da vida da pessoa. Existem protocolos além de entrevista clínica para se chegar ao diagnóstico. Sugiro a consulta a um médico e a um psicólogo. Existem outras questões que podem estar envolvidas e que gerem esta situação que pode ser um sintoma emocional ou não.

Tire todas as dúvidas durante a consulta online

Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa.

Mostrar especialistas Como funciona?
Olá. Sua preocupação é muito válida. Se por um lado você diz que seu filho é "super desorganizado", vivemos numa época em que as crianças são super diagnosticadas. O que é um perigo na infância. Enquanto criança, e mesmo na adolescência, o ser humano está em franco desenvolvimento e quadros diagnósticos só podem ser esboçados nesse período, pois há grande possibilidade de modificação dos sintomas conforme o sujeito se desenvolve. Porém também não é o caso de negligenciar a saúde mental nessas etapas, mas ter um outro olhar. Se ele tem outras áreas da vida bem desenvolvidas, como a socialização e algumas inteligências (para as quais ele tem mais interesse), ele pode ser uma pessoa de grande potencial, mas com algum conflito psicológico não bem trabalhado que o deixa desorganizado e relapso com algumas coisas. Aconselho a busca por orientação com um(a) psicólogo(a) caso esteja notando maiores prejuízos na vida do seu filho. Enquanto cuidadora, é importante que você e quem mais for responsável por ele estejam seguros sobre a criação do seu filho, o que um aconselhamento com um profissional da saúde mental também pode auxiliar. Abraço!

Olá,
Concordo com os argumentos dos colegas que já responderam e destaco que a busca de ajuda numa avaliação neuropsicológica e tratamento terapêutico pode contribuir para descobrir se há fatores emocionais que justificam esta desorganização e distratibilidade. Muitas vezes, fica descartada pela avaliação as questões neurológicas e a terapia vem para investigar e contribuir para questões afetivas e psíquicas que causam tais sintomas.
Há profissionais qualificados que podem te orientar a partir da avaliação para TDAH.
Boa sorte!

Olá! Há outros elementos para serem avaliados antes de confirmar o diagnóstico. Sugiro que procure um psicólogo para realizar essa avaliação. Além disso, esse profissional poderá ajudar o seu filho na questão comportamental da organização.

Olá! Pra diagnosticar o TDA ou TDAH, é necessário uma avaliação criteriosa realizada por um profissional capacitado. Acredito que tem fundamento sua hipótese, procure um psicólogo para fazer essa avaliação.

Seu filho com certeza está precisando de ajuda. Seria interessante procurar um diagnóstico o mais rápido possível pois ele pela sua descrição parece ser uma criança dócil e pelas boas notas, inteligente.O fato de não conseguir se organizar e tudo o que for decorrente disso pode colocá- lo em situações de julgamento causando assim danos a sua autoestima. Conhecendo a origem do problema ele e a família poderão receber contribuições valiosas para o manejo desta situação.

Seu filho é bem resolvido em quase tudo. Só um pouco relaxado com a organização e o foco no que está fazendo.
Você diz que ele não arruma sua cama, não cuida de seus pertences, etc. Será que isso não é consequência de como você trata seu filho?
Será que você, como mãe organizada que deve ser, não acaba fazendo as coisas por ele, e não fica lembrando a ele o que ele deveria fazer, a todo momento?
Acho que esses comportamentos de disciplina devem ser desenvolvidos de outra maneira. Não é só falar o que tem que fazer. É conseguir que ele adquira disciplina aos poucos. E isso exige de você uma constante presença e observação do comportamento dele, incentivando-o e elogiando -o a cada etapa conseguida.
Tente.
Se for muito difícil para você, procure ajuda de um psicólogo,

Ola! Nem todo esquecimento e desorganização vão indicar um transtorno. Existem alguns critérios, inclusive descartando fatores familiares e psicológicos, para se descartar ou confirmar o diagnóstico. Sugiro uma avaliação com um psicólogo (a) para verificar o que realmente está acontecendo e os prejuízos causados no dia a dia, pois isso é fundamental para nos dar segurança de apontar ou não para um transtorno, ou se é uma questão de reestruturação da rotina.

Olá. Antes de se pensar em sinais possíveis para se fazer um diagnóstico psiquiátrico na infância, diversos elementos precisam ser considerados e compreendidos dentro de uma perspectiva clínica que, não se guia apenas por sintomas "observáveis". De acordo com o seu relato, o seu filho tem um bom desempenho escolar e convívio social. Então, apresentar desatenção e descuido não representa necessariamente que estamos lidando com um transtorno, vamos com calma. Mas, se esta desorganização perpassa o espaço de casa, sendo percebida no âmbito escolar, vale ficar atento para que esta "desorganização" possa ser melhor direcionada e entendida. Neste sentido, levar o seu filho a uma consulta com a/(o) psicóloga pode ajudar a esclarecer, inclusive, que se trata apenas de uma preocupação.

Olá tudo bem! A desorganização ou a desatenção não representa um transtorno de TDAH, sugiro que você procure um psicólogo que vai lhe ajudar a esclarecer melhor sobre esse comportamento. Pois são comportamentos que podem ser trabalhos com ajuda de um profissional.

Para ter certeza de um diagnóstico preciso, faltam algumas informações. Para tanto, torna-se necessária uma avaliação psicológica.

É importante fazer uma avaliação Neuropsicológica a fim de detectar o problema de fato do seu filho, para sim buscar um tratamento e acompanhamento psicológico

Gostaria de introduzir outras questões para contribuir. Em primeiro lugar considero que educação dos filhos é mesmo um desafio, por isto recuso a convenção social preconceituosa de que esta tarefa caberia somente à mãe. Quando o trabalho é coletivo e coerente as tarefas se tornam um pouco mais fácil. Perguntaria a razão pela qual a participação do parceiro(a) não é mencionada. Caberia também perguntar quais os outros modelos de referência por meio dos quais o seu filho tem se reportado? De que modo você como mãe tem tratado este modelo de modo a reforçar (ou desqualificar) esta referência em seu comportamento? Uma criança raramente é culpada por apresentar um transtorno de comportamento porque normalmente ela “aprende” com seus pais ou referentes. Entretanto, em casos muito específicos, também é possível que ela tenha TDAH, diagnóstico este que cabe a profissionais bem qualificados que são capazes de discernir entre ser criança e ser reduzida a uma patologia.

Embora a desorganização e o “esquecimento” constem da lista de critérios para o diagnóstico de Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade, segundo o DSM -5, há muitas outras razões pelas quais uma criança apresenta tais comportamentos. Além disso, dentre os critérios, consta a necessidade de prejuízo significativo em mais de um ambiente nos quais a pessoa convive, por exemplo, em casa, na escola, ou no trabalho (no caso de um adulto). Minha recomendação é que você procure um(a) neuropsicólogo(a) para uma avaliação completa, pois será possível conhecer todas as áreas de funcionamento cognitivo de seu filho, além da área emocional. Com isso será possível se chegar a uma conclusão que explique esses comportamentos.

Ser dispersa e desorganizado nem sempre é déficit de atenção!
O transtorno pode acontecer , mas não deve ser confundido com uma desatenção ou desorganização característica de determinadas fases do desenvolvimento infantil. Seu diagnóstico é complexo, envolvendo uma avaliação clínica detalhada da criança nos vários ambientes que ela frequenta, como casa e escola, atividades recreativas !

Olá, boa tarde!
O comportamento que seu filho está tendo, não quer dizer que seja TDAH, pode está expressando sentimentos, sendo desorganizado porque nunca ninguém orientou, muitas vezes só impôs, falta de educação, ou achar que não quer fazer é pronto, pode ser um comportamento opositor desafiador. Deixe ele falar dos seus sentimentos, acolha, diga que quer ajudar no que ele precisar. Quem ama compreende, ama e educa. Paciência, limites e amor..abraço

Oi mãe.
Seu filho faz algum esporte? Verifique como anda a vida dele num todo. Se faz amigos e conserva. Seria importante mais detalhes.
Convidamo-lo para uma consulta: Orientação aos pais - R$ 120
Pode reservar uma consulta através do site Doctoralia, clicando no botão Reservar uma consulta.

Olá, parece que ele tem uma super atenção no que lhe é de interesse e uma desatenção no que é na verdade de interesse seu e de outros adultos, você acha que lhe falta atenção ? Cuidado com diagnósticos feitos aqui na internet, procure um profissional de psicologia. Comportamentos são mais que o diagnóstico que fazemos dele, entender a dinâmica familiar, nesse caso, é fundamental para entender o que está criança esta sentindo e mostrando pra família. Procure um psicólogo, principalmente se essa dinâmica tem trazido sofrimento para algum membro da família, mesmo que seja só em você.

Olá,

Nesta idade é esperado que se apresente desorganização, desleixo e preguiça. O tempo de resposta do adolescente vai variar de pessoa para pessoa.
Independente disso, a orientação dos pais deve ocorrer até que ocorra a maturação deste período.

Olá, além do que já foi postado pelo colegas, posso acrescentar que há técnicas que os pais e o profissional de psicologia podem utilizar para ajudar seu filho a ficar mais atento, mas sem desconsiderar que pequenas desatenções são comuns nessa idade. Penso que vale a pena consultar um profissional para fazer uma avaliação do caso e ajudar naquilo que esteja causando algum tipo de prejuízo à vida dele. Abraço.

Obrigado pela sua pergunta. É muito comum nos dias de hoje esse formato de questão: "eu tenho esse diagnóstico?". No entanto, apesar da importância de se realizar uma avaliação psicológica quando se achar necessário, não podemos colocar o diagnóstico como um fim em si mesmo. Isso poderá ajudar profissionais e educadores a lidarem melhor com seu filho, mas é necessário que se possa ouvi-lo para além de um termo técnico que não define a riqueza e a singularidade de sua personalidade.

Você se preocupa com seu filho, um disciplinado e sociável jovem de 11anos, que apresenta seletividade de memória, dificuldade de atenção e de organização.

Todavia, notei que sintomas frequentes no caso de TDAH como impulsividade e hiperatividade não foram citados em sua descrição, o que pode indicar inexistência dos mesmos.

É importante lembrar que desatenção e desorganização são características comuns a pessoas saudáveis na idade em que seu filho se encontra e que apesar da desorganização percebida por você e pelos professores, ele não tem dificuldade no aprendizado (tira boas notas) e nem de socializar-se (demonstra integração com os colegas), situações nem sempre presentes nos portadores de TDAH.

Entretanto, considero suas observações muito importantes e sugiro que vc continue atenta.
Se partir dele a queixa quanto a este funcionamento mental desorganizado e dispersivo, ou caso você perceba que as características acima causam a ele algum tipo de sofrimento tais como baixa autoestima e comprometimento na qualidade de vida, neste momento será importante buscar ajuda especializada para prestar o atendimento necessário seja relativo a este diagnóstico que vc questionou ou outro a ser pesquisado.

Abraços.
Psicóloga Carmen Bitarães (Belo Horizonte)

Especialistas

Katiuscci Lopes F. S. Candido

Katiuscci Lopes F. S. Candido

Psicólogo

Goiânia

Rachel Regina de Oliveira Bertoncini

Rachel Regina de Oliveira Bertoncini

Psicólogo

Piracicaba

Karen Alonso Horn

Karen Alonso Horn

Psicopedagogo

São Paulo

Júlia do Couto e Silva Mourão

Júlia do Couto e Silva Mourão

Psicólogo

Belo Horizonte

Wilianne Braga

Wilianne Braga

Psicopedagogo

Curitiba

Selma Teixeira de Miranda

Selma Teixeira de Miranda

Psicólogo

Rio de Janeiro

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 264 perguntas sobre Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.