Oi, comecei a fazer terapia com psiquiatra e ele recomendou Tolrest 50mg. Eu agora sei que tenho depressão, nunca fiquei tão triste choro todos os dias. Fico triste até fazendo coisas que já amei. Tenho mto medo de remédios e mais frustada por chegar nesse ponto. Tenho 24 anos. Tem como sem remedio?
 Frederico Bernardo de Oliveira Muller
Frederico Bernardo de Oliveira Muller
Psicanalista, Psicólogo
Rio de Janeiro
Sim, tem como! Tanto a depressão como a ansiedade podem ser tratadas sem medicamento, que pode gerar mais sintomas por efeito colateral, pois a medicação psiquiátrica é de ajuste fino, delicado. E o que uma pessoa que está sofrendo menos precisa é de mais um mal estar.
Todavia, se você já está se tratando, fazendo terapia mesmo, e o próprio psiquiatra que te trata receitou, é possível que você realmente precise usar o medicamento, pelo menos durante essa fase mais aguda.
Só um diagnóstico mais preciso, com você em pessoa, pode definir a real necessidade de medicação ou não. E isso, entende-se por estar já sendo atendida por um psiquiatra, que o mesmo já o fez.
Se você confia no seu psiquiatra, continue confiando e espere um pouco até sentir uma melhora significativa, é um processo difícil e não existem soluções imediatas.
O mais importante é se empenhar no tratamento clínico, esse sim vai poder promover mudança significativa no quadro, com ou sem remédio.

Consiga todas as respostas durante a Telemedicina

Agende uma Telemedicina e pergunte aos especialistas sobre tudo o que precisa sem sair de casa

Mostrar especialistas Como funciona?
Olá!
Acredito que se o psiquiatra recomendou a terapia com medicamentos, este seja um caminho necessário para seu tratamento. E caso este medicamento esteja lhe afetando de maneira negativa, considere conversar sobre isso com o seu psiquiatra. Ele poderá esclarecer suas dúvidas sobre o medicamento que recomendou, bem como esclarecer sobre a necessidade de fazer uso do mesmo. Além disso, considere a possibilidade de fazer acompanhamento psicológico que lhe ajudará a lidar, entre outras coisas, com o seu medo de remédios.l.

 Maria Auxiliadora Costa
Maria Auxiliadora Costa
Psicanalista, Psicólogo
Brasília
A medicação é importante em determinados casos sim mas não produzirá um novo sentido para sua vida. A Psicoterapia pode te ajudar na busca dos novos possíveis.

Olá, só é possível tratar a depressão sem medicamento considerando apenas o processo psicoterápico quando ela se dá num nível leve. Casos onde a depressão se mostra de moderada e forte o ideal é a combinação medicamentosa e psicoterápica. Se você confia no seu psiquiatra siga as orientações e não abandone o tratamento. Busque conciliar o tratamento medicamentoso com a psicoterapia, os resultados tendem a surgir mais rapidamente. E não tenha medo de tomar remédios, quando em constante acompanhamento médico, eles não oferecem nenhum risco de dependência. E por fim, não se sinta mal por chegar a esse ponto, a depressão não é sinal de fraqueza, e sim o indicio que você pode estar vivendo de modo intenso e contante alguma coisa que vem consumindo seu animo. Se precisar estou por aqui.

O combate à depressão muitas vezes é realizado através de tratamentos híbridos:meios naturais como a Psicoterapia e também c/medicação, quando for estritamente necessário.

Conclui-se q vc está no caminho certo: tomando medicação prescrita p/um médico e fazendo Psicoterapia ao mesmo tempo.

Para os sintomas de tristeza, choro diário e falta de prazer em fazer o q anteriormente apreciava, o médico achou p/bem receitar remédios q eliminam estes sintomas.
Esta medicação regula a funcionalidade cerebral, mas isto requer um tempo.

Enquanto isto, acrescente mais alguns cuidados em sua rotina como exercícios físicos, reeducação alimentar e higiene do sono.

Creio q logo q o quadro melhore o médico irá reduzindo a medicação aos poucos e vc poderá continuar a combater a depressão apenas através de meios naturais.

Tenha paciência, confie no seu médico e não falte as sessões de Psicoterapia.
Agindo assim, vc se sentirá melhor mais rápido!

Abraços

Psicóloga Carmen Bitarães (Belo Horizonte)

A questão é só remédios? Tente integrar com uma psicoterapia. Os resultados são mais completos e o espaço vai lhe ajudar no equilíbrio e entendimento, auxiliando nos resultados.
Cuide-se

Dr. Decio Deforme da Cunha
Dr. Decio Deforme da Cunha
Psicanalista, Psiquiatra
Rio de Janeiro
A fisiopatologia da depressão é muito bem retratada na lenda bíblica em que Jonas é engolido pela baleia por ter fugido do chamado do Senhor.

Sua redenção ocorreu a partir do seu a r r e p e n d i m e n t o .

Importante salientar que o arrependimento não foi suficiente, precisando Jonas também r e p a r a r o seu equívoco ao ter optado em ficar numa zona de conforto, ignorando que tal infeliz escolha tivesse consequências tão idesejáveis.

Analisar as atitudes legítimas que devem ser mantidas, bem como as ilegítimas ( causadoras dos sintomas ) que necessitam de correção constitui o método mais eficiente no tratamento resolutivo da depressão.

O tratamento biológico ( medicamentoso), pode eventualmente ser instituído como ferramenta auxiliar em determinada fase do processo terapêutico, mas não necessariamente.

Olá! Você não é a primeira nem a última. Na minha experiência clínica percebi três tipos de pacientes:
a) aquele que quer ir ao psiquiatra, mas nega-se fazer terapia;
b) aquele que vai ao psicólogo e nega-se tomar medicação e c) aquele que vai ao psiquiatra (toma medicação) e faz psicoterapia com psicólogo.
Qual das três opções terá sucesso mais rápido? Sem dúvida, a letra c! Assim, perca seu preconceito e se trate da maneira que a ciência sugere! Boa sorte e sucesso! Um forte abraço!

 Paulo Renato Oliveira
Paulo Renato Oliveira
Psicanalista, Psicólogo
Rio de Janeiro
Você faz terapia com Psiquiatra? O mesmo médico que te ouve, te receita medicamentos? Sinto muito, mas isso não está correto, embora alguns médicos assim procedam. Quando ele te receita, ele está na posição daquele que sabe o que é melhor para você, mas quando te ouve, ele tem que ficar na posição de que você é quem, mesmo sem ainda reconhecer, é você, repito, quem vai saber o que é o melhor para você. Não dá para ocupar as duas posições ao mesmo tempo. Procure um Psicólogo Clínico ou Psicanalista para o trabalho psicoterapeutico ou analítico ou procure um novo Psiquiatra. Outra coisa: muitas vezes, ainda mais se você está se sentindo tão fragilizada, o remedio é necessário, até para você conseguir iniciar um processo terapêutico. Mas, à medida que o tratamento avança, as dosagens podem ser progressivamente reduzidas até a completa dispensa da medicação.

Olá, acredito que a medicação no seu caso seu melhor indicado já que o Psiquiatra lhe receitou, porém com as sessões de Psicoterapia aos poucos pode se fazer o desmame da medicação.

Especialistas em Depressão

Marcos Roberto Viana

Marcos Roberto Viana

Psicólogo

Porto Alegre

Caroline de Araújo

Caroline de Araújo

Psicólogo

Balneário Camboriú

Renata Semighini

Renata Semighini

Psicólogo

São Paulo

Sheila Hauck Barbosa

Sheila Hauck Barbosa

Psiquiatra

São Paulo

Andreza C. Lage

Andreza C. Lage

Psicólogo

Pindamonhangaba

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 667 perguntas sobre Depressão

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.

  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.

Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.