Criptorquidia - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Otros nombres: Criptorquidismo

Especialistas em criptorquidia

Encontre um especialista em Criptorquidia na sua cidade:
Felippe Flausino Soares

Felippe Flausino Soares

Cirurgião pediátrico

São José

Monique Morgado

Monique Morgado

Cirurgião pediátrico

Nilópolis

Eulalio Damazio

Eulalio Damazio

Urologista

Teresina

Izabel Cristina Meister Coelho

Izabel Cristina Meister Coelho

Cirurgião pediátrico

Curitiba

Ana Flávia Saccardo Ratti

Ana Flávia Saccardo Ratti

Cirurgião pediátrico

São Paulo

Joyce Lisboa Freitas

Joyce Lisboa Freitas

Cirurgião pediátrico

Florianópolis

Perguntas sobre Criptorquidia

Nossos especialistas responderam a 57 perguntas sobre Criptorquidia

Especialistas falam sobre Criptorquidia

O Criptorquidismo é caracterizado pela ausência do testículo na bolsa escrotal. O testículo inicia sua formação dentro do abdome e à medida que a gestação progride , ele migra até a bolsa escrotal. O normal é que entre o 7o. e o 9o. mês de gestação, o testículo atravesse o canal inguinal e desça até a bolsa escrotal. Quando isso não acontece , ele fica retido em algum ponto da sua trajetória. Como o testículo é um órgão que tem funções reprodutivas , ele deve estar posicionado na bolsa escrotal ; por isso, quando após 1 ano de vida , o testículo não está localizado na bolsa, está indicada a cirurgia para o seu abaixamento e fixação, evitando assim atrofias testiculares no futuro.

Mauricio Jose Lopes Pereima

Cirurgião pediátrico

Florianópolis


Criptorquidia ou testículo ectópico é a posição alterada do testículo fora da bolsa testicular. Pode-se resolver espontaneamente nos primeiros meses de vida e, caso não desça espontaneamente, o tratamento será cirúrgico. A criptorquidia está associada a déficit no desenvolvimento do testículo, resultando em infertilidade ou dificuldade de produção dos hormônios masculinos. Ainda, a criança com criptorquidia tem 6x mais chance de ter tumores no testículo. O tratamento é cirúrgico, preferencialmente antes dos 2 anos de idade para aumentar as chances de fertilidade. Baixar o testículo até a bolsa também permitirá o monitoramento do testículo para evitar câncer no início da vida adulta.

Os testículos do bebê se formam dentro do abdômen e, ainda durante a gestação, descem por um canal na virilha de cada lado, até chegarem na bolsa escrotal. Em alguns casos, o testículo não completa a descida e, ao nascimento, não é identificado na bolsa. Essa situação bastante comum é chamada de criptorquidia. Os testículos podem terminar a descida mesmo após o nascimento, e hoje se sabe que isso ocorre no máximo até 3 a 6 meses de idade. Após essa idade, não há mais possibilidade de descida espontânea, e o testículo fora do lugar pode perder a sua função em longo prazo. Por esse motivo, indica-se a cirurgia para correção da criptorquidia a partir dos 6 meses de idade.

André Luís Fortes Alves

Cirurgião pediátrico

Curitiba

Agendar uma visita

A criptorquidia nada mais é que a ausência do testículo na bolsa testicular. O testículo se origina dentro do abdome junto ao polo inferior do rim e migra pelo canal inguinal até a bolsa testicular por volta da 7-9 semana de gestação. Quando está migração é frustra, ele pode ser encontrado intra-abdominal ou no canal inguinal. A indicação de cirurgia ocorre a partir de 6 meses de idade a fim de evitar alterações morfológicas deste testículo que podem culminar com a esterilidade e malignização, se não houver seguimento adequado.

Cristina Reuter

Cirurgião pediátrico

Blumenau


Ocorre quando o testículo não está ou não fica a maior parte do tempo no escroto ("saquinho" da criança), sendo fundamental avaliação especializada. O ideal é operar até os 2 anos de idade. Na operação, levo o testículo até o escroto, fixando-o neste local. A operação pode ser por via tradicional ou por via laparoscópica (vídeo), a depender do caso.

Rafael Miranda Lima

Cirurgião pediátrico

Florianópolis


A não descida do testiculo até a bolsa escrotal não é normal e não deve ser esperada além do sexto mês de vida. Devendo ser corrigida precocemente. Um olhar atento e acompanhamento e diferenciar criptorquidia de testiculo retratil é fundamental. A cirurgia pode ser via inguinal e laparoscópica. Tenho experiência em ambas técnicas e a indicação delas deve ser feita ao diagnóstico.

Criptorquidia é a não implantação do testículo na bolsa escrotal. O testículo se origina no abdome e durante o período fetal desliza e se fixa na bolsa escrotal. Algumas vezes isso não ocorre completamente e o testículo é chamado de ectópico (fora do lugar onde deveria estar). Na maioria das vezes é encontrado no canal inguinal. É uma situação que exige sempre abordagem cirúrgica, pois o testículo não fixado apresenta risco aumentado de desenvolver um câncer depois de adulto, além, também, de risco de infertilidade. Procure sempre o urologista para receber toda orientação necessária.

A criptorquidia (ou criptorquidismo) ocorre nos últimos meses de vida uterina, quando um dos testículos ou dois deles ficam parados entre o abdômen e a bolsa escrotal, para onde deveriam migrar. Isso acontece por causa de hérnias ou anomalias na conformação do abdômen inferior. Após o nascimento da criança, deve-se checar a existência da criptorquidia. Caso os testículos não estejam localizados na bolsa escrotal, o procedimento é observar a evolução do caso até 1 ano e meio, pois há a chance de eles migrarem naturalmente. Se isso não ocorrer, a anomalia deverá ser corrigida para preservar a função germinativa.

Trata-se de doença congênita comum no menino, ou seja, que acontece ainda durante a vida intrauterina da criança e com causa ainda indefinida. O testículo é formado próximo ao rim, dentro do abdome. Ele migra para sua posição final no escroto no terceiro trimestre de gestação. Devido a retenção nesse processo de descida, ele pode ficar dentro do abdome, na região inguinal ou na entrada do escroto. Pode ser que nos primeiros meses de vida, ocorra a descida final até o escroto. Por isso, a conduta inicial na criptorquia é conservadora. Caso o testículo não desça ao escroto até o 6 mês de vida, deve-se avaliar a necessidade de correção cirúrgica.

Clécio Piçarro

Cirurgião pediátrico

Belo Horizonte

Quais profissionais tratam Criptorquidia?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.