Como funciona uma sessão de terapia psicanalítica lacaniana?

28 respostas
Como funciona uma sessão de terapia psicanalítica lacaniana?
A análise lacaniana é baseada na linguagem e no tempo do inconsciente. O tratamento se torna menos rígido, focando no desejo e no sofrimento do analisando. Um tratamento baseado na fala, um tratamento em que o fato de se verbalizar o sofrimento, de encontrar palavras para expressá-lo, permite, se não curá-lo, ao menos tomar consciência de sua origem.

Tire todas as dúvidas durante a consulta online

Se precisar de aconselhamento de um especialista, marque uma consulta online. Você terá todas as respostas sem sair de casa.

Mostrar especialistas Como funciona?
Olá, tudo bem? Para Lacan, "o inconsciente é estruturado como uma linguagem". Assim, para a psicanálise lacaniana, é a partir da palavra que o inconsciente "toma forma". A ideia é que, por meio do processo analítico, "surja" o sujeito do desejo, o sujeito desejante; menos alienado e mais apropriado de seu desejo. O lugar de fala é do paciente (analisando). Alguns analistas lacanianos trabalham com tempo lógico, ou seja, sem tempo fixo de sessão, mas isso não é regra. Um abraço.
Vou procurar ser bem simples para responder porque a resposta é complexa e não sei se vc está familiarizada com os termos. Um dos princípios básicos dos lacanianos é não influenciar naquilo que o inconsciente do paciente deseja falar. O paciente fala o que o inconsciente ditar, sem interferências. A não interferência proposta por esses psicanalistas é apenas uma forma de deixar o paciente livre para falar aquilo que sente vontade. Contudo, o mito de que especialistas lacanianos ficam muito calados não condiz com a realidade. O terapeuta fala menos que em outras abordagens mas faz perguntas pontuais sempre que achar necessário para provocar o “ insight” do paciente.
É assim transcorre a sessão, que pode demorar 10 minutos ou uma hora e meia, depende do conteúdo que o paciente queira liberar no tempo dele.
As respostas acima já esclarecem os pontos técnicos desta abordagem. De todo jeito, cada profissional irá se apropriar de uma maneira única da teoria que embasa a análise, empatia pelo seu psicólogo ou psicóloga e pela maneira como a sessão é conduzida é essencial para o sucesso do tratamento.
A Psicanálise tem como motor a transferência, uma relação de confiança que se estabelece entre analista e paciente. A cura pela fala é uma das maiores descobertas de Freud: os traumas afetam o corpo sob a forma de linguagem, ou seja, a gente conta e reconta o que aconteceu, que não sobrevive como fato e sim como a narrativa do fato. Através da fala, o paciente vai percebendo quais são seus modos particulares de lidar com o mundo, modos específicos a cada um de nós, forjados nas experiências que tivemos e no modo como lidamos com elas. A fala vai permitindo ao paciente mudar aos poucos essa sua posição subjetiva perante o outro, perante o mundo, frente às situações dificeis. O paciente sai ais poucos do papel de vítima, de objeto do outro, para assumir o papel de autor de sua própria história. Nesse processo, os sintomas que fazem o paciente sofrer vão desaparecendo. Um dos focos é o paciente aceitar melhor a si mesmo e lidar melhor com as limitações e frustrações que são inerentes à vida de todos nós, ao mesmo tempo em que prioriza mais seus próprios sonhos, desejos e interesses, ao invés de atender prioritariamente às demandas dos outros. Eliminar o excesso de autocrítica, que tanto nos faz sofrer, é outra consequência positiva.
A partir da fala do paciente e de uma relação transferencial o desejo deste irá surgir no lugar da demanda do outro e para que isto aconteça e fundamental deixar o paciente falar livremente. Pontuando e interpretando quando necessário sempre na fala do paciente e pautado em sua singularidade. Fazendo o paciente ver por si mesmo o que está por trás do seu sintoma é o que leva a repetição deste.
Segundo Lacan, o analista deve conduzir o processo analítico no teming do analisando. Nesse caso o precurso do método dizia que era preciso lidar com o tempo que o analisando se sentia disponível ou motivado a falar. Contudo a sessão poderia ser curtas ou longas. Um dos princípios básicos dos lacanianos é não influenciar naquilo que o inconsciente do paciente deseja falar.
Meus colegas já explicaram a fundo a parte técnica, então achei que seria interessante tentar explicar de maneira mais leiga, caso você não conheça os termos tão comuns a nós psicólogos.
O profissional lacaniano segue a abordagem da psicanalise, uma abordagem marcada pelo foco da "neutralidade" ou seja, é comum você encontrar profissionais que sigam essa vertente mais "quietos" e que realizem menos intervenções durante a sessão, o lacaniano se destaca entre os psicanalistas pela valorização da linguagem, então as poucas intervenções que ocorrerem virão com esse enfoque.
Como contra ponto para você ter maior clareza do que quero dizer, um Junguiano ou um Fenomenólogo tendem a fazer mais intervenções, questionando mais o paciente durante a sessão.
Agora se você busca um profissional que seja mais diretivo, será mais fácil encontra-lo dentro da abordagem de TCC (cognitivo comportamental).
Vale ressaltar que o que a colega Marcia Rizzo disse se aplica sempre, cada terapeuta é único no sentido de que o jeito do atendimento, já que todos somos únicos o setting terapêutico é influenciado não só pela vertente do psicologo mas também pela personalidade e história de vida dele, bem como pelas do paciente.
Espero ter lhe dado alguma clareza no aspecto mais prático da sua pergunta.
Abraços
Olá!
Quero fazer um único acréscimo às respostas anteriores.
Há uma importante distinção entre as sessões de psicanálise lacaniana e as não lacanianas: o tempo. Nas sessões de psicanálise não lacaniana, o tempo da sessão é previamente definido pelo tempo do relógio, algo em torno de 45 min. Por esse motivo, o tempo dessas sessões é chamado de tempo cronológico.
Nas sessões de psicanálise lacaniana, o tempo é definido em cada sessão. De acordo com a fala do paciente, o analista verifica o momento para realizar o chamado corte ou interrupção da sessão. Essa interrupção não é previamente definida pelo tempo do relógio, e sim pelo tempo do inconsciente. Por esse motivo, as sessões de psicanálise lacaniana são definidas pelo tempo lógico.
Espero ter contribuído.
Talvez esta questão pudesse ser colocada em uma conversa. Alguns profissionais nao cobram honorários na primeira entrevista. Certamente seria mais esclarecedor.
O foco é na fala. O tempo não é fixado por sessão é há o corte quando o analista perceber a necessidade de interromper a sessão. Abçs
Lacan era FREUDIANO. Os sintomas iniciais costumam desaparecer tão logo o paciente se sinta acolhido. Para tal, a transferência deverá ser estabelecida entre o analisando é seu analista. A confiança faz com que se sinta à vontade. Em contra partida o profissional vai conduzir as sessões de acordo com sua habilidade e percepção. Fazer 9 corte ou não, cabe a situação momentânea. A psicanálise é tão abrangente que a menor preocupação sua deve ser com o tipo de teoria a ser utilizada pelo seu analista. Boa sorte! Estou à disposição.
O psicanalista Lacaniano é diferente é moderno vive no século 21 faz uma psicanalise diferente daquela inicialmente proposta por Freud. O mundo não é mais o mesmo: os avanços das ciências e das comunicações trouxeram novas soluções e reformularam os problemas das mulheres e dos homens. Não se adoece mais da mesma maneira, não se é mais feliz ou infeliz da mesma forma. O homem, o pai, o filho, o amante são outros. A mulher, a mãe, a filha, a amada são outras. A orientação que Jacques Lacan deu à psicanálise freudiana retirou-a do terreno hermenêutico, preparando-a para ao tratamento desse sujeito pós-moderno, caracterizado pela falta de ideais e de paradigmas; potencialmente irresponsável em sua subjetividade.

Se o analista de ontem se preocupava em fazer com que o analisando soubesse mais a seu próprio respeito, se conhecesse, o analista de hoje direciona a clínica para a compatibilidade responsável da pessoa com o seu gozo, com a sua peculiar satisfação, que não responde a nenhum standard ideológico ou farmacológico.

Cem anos acumulados de conceitos e técnicas analíticas e os novos sintomas a serem enfrentados, nos levam à necessidade de passar a psicanálise a limpo e de nos perguntar quais são os pontos fundamentais e necessários para compor a bagagem do analista deste novo século internáutico. Uma bagagem que deve ser clara, leve e eficaz, conforme os ares do tempo.
Aconselho a marcar uma sessao e ter empatia . Na prática se ve qual a diferença e oque se identifica. Se concentre em voçe e em que gostaria de falar ao terapeuta. O que importa é a historia que voce controi, para quem voce quer falar e oque voce quer dizer e assim se sentir ouvido.
Todas as explicações dos colegas estão tecnicamente corretas e bem fundamentadas .
A Psicanálise transcende linhas e correntes , ela é única, Lacan era Freudiano, hoje em dia nenhum Freudiano deixa de usar os conceitos Lacanianos.
Procure um Psicanalista com quem desenvolva inicialmente uma empatia, agende uma primeira entrevista , conheça o profissional e o setting psicanalítico, busque se sentir acolhido , perceba se será possível desenvolver uma relação de confiança entre o analisando e o psicanalista.
Lacan mesmo sempre preconizou que cada psicanalista desenvolve sua técnica, a Psicanálise é desta forma , não tem regulamentação.
Psicanálise se desenvolve à partir da fala do analisando com as livres associações e realmente se inicia quando se instala a “ transferência “ ( já citada ) .

Acredito que deve ter uma empatia muito grande entre o paciente e o terapeuta, e principalmente entender quanta vontade que o paciente quer falar , dividir suas necessidades.....isso pode ser uma conversa longa ou curta, como falei depende da vontade do atendido.
A melhor forma de saber como funciona é experimentando. Todos os comentários acima falam teoricamente de alguns pressupostos para a psicanálise Lacaniana. Não é só o tempo que difere na prática Lacaniana. Lacan se dizia Freudiano. A psicanálise trabalha com o inconsciente através da palavra. A Lacaniana não é diferente. Marque uma entrevista .

A terapia lacaniana, formulada pelo psiquiatra Jacques Lacan, é bastante complexa e, às vezes, o próprio analisando (ou paciente) não entende a concepção da escuta proposta por essa corrente.

As respostas acima estão excelentes.
Meus colegas esclareceram muitas questões tanto da clínica Lacaneana, da transferência, to tempo de análise, quanto a associação livre e como deve ser a empatia. Quero apenas contribuir que a experiência analítica é única, que irá compreender quando estiver fazendo análise. Assim arrisque-se a tentar!
A psicanálise lacaniana tem como base principal a consideração do inconsciente estruturado como a linguagem. O que isso quer dizer? Que o analista lacaniano buscará os "pedacinhos" de inconsciente que "escapam" na fala, nos sonhos, entre outros.
O principal objetivo da análise é poder proporcionar que o analisante sinta-se responsável por si mesmo, não no sentido moral da responsabilidade, mas no sentido de sentir as possibilidades de escolhas e bancá-las.
Para Lacan, o inconsciente é atemporal. Por isso, as sessões lacanianas têm fama de serem mais curtas, justamente porque a atenção está na fala do paciente e não no tempo, sendo que o corte da sessão é uma forma de possibilitar o contato do paciente com o seu tempo inconsciente e não com o tempo cronológico.
Olá, boa tarde.

A Psicanálise Lacaniana terá como forma principal de funcionamento a fala e a liberdade dada aos pacientes de poder falar livremente. É a partir da fala e do modo como se fala que é possível entrar em contato com questões até então desconhecidas para o falante e a partir disso poder reelaborar, dar um novo sentido e até mesmo se reinventar.
A aposta está na capacidade do sujeito de falar e se ouvir, podendo descobrir aspectos novos sobre si.
Uma psicanálise lacaniana procura apresentar uma psicopatologia própria, que os quadros clínicos da medicina devem ser novamente escritos pelo método psicanalítico visando despsiquiatrizar e desbiologizar a psicanálise sem deixar de ser uma clínica. O diagnóstico não é de doença, de transtorno ou desvio moral, mas de formas de relacionar com o outro. O trabalho é feito a partir da linguagem (inconsciente está estrutura como uma linguagem) e a partir da livre associação do analisante (regra de ouro deixada por Freud), da rememoração e a reapropriação dos desejos com a finalidade de um espécie de reconstituição simbólica do desejo.
O psicanalista conduz o tratamento em uma experiência de confrontação com a verdade e com o desejo.
A psicanálise de orientação lacaniana consiste em intervir sobre o sintoma por meio da palavra. Oriento minha prática a partir da premissa de que o não reconhecimento do desejo e sua impossibilidade de existência na linguagem abre caminhos para as neuroses (obsessão, fobias, histeria), as angústias (depressão e ansiedade) e inibições (limites autoimpostos). Além disso, conduzo a análise para que a pessoa modifique seu discurso, retificando a sua posição subjetiva em relação à sua história e aos fenômenos que ele julga ser causadores de seu estatuto no mundo.
Uma psicanálise lacaniana é acima de tudo um processo de escuta do possível analisante, que se inicia através de entrevistas preliminares onde o paciente é convidado a falar e portanto se escutar sobre sua vida, sua história, sobre o que o faz sofrer. E assim, quase que sem perceber, começa a se perguntar e se escutar sobre esse sofrimento, sobre o que o incomoda e qual sua implicação no que chamamos de sintoma. Vale a pena!
Convidamo-lo para uma consulta: Primeira consulta psicanálise - R$ 200
Pode reservar uma consulta através do site Doctoralia, clicando no botão Reservar uma consulta.
Um psicanalista, sobretudo lacaniano, se baseia na concepção de que os sintomas psíquicos retratam uma forma como o sofrimento individual se moldou através das relações socioculturais, desde as mais primárias. Desse modo, os sintomas psíquicos são encarados como efeitos produzidos dentro da lógica dos discursos que agiram de maneira determinante na constituição subjetiva do indivíduo. Portanto, o método psicanalítico precisa se basear num convite permanente à fala, ao desdobramento da palavra. Pois, assim, a análise pode operar desvelando a maneira como o indivíduo se submete ao que lhe foi constitutivo, isto é, a maneira como ele se "organizou" estabelecendo seus complexos, suas formas de responder às suas angústias, às suas marcas traumáticas. Através da escuta especializada e intervenções, o psicanalista pode introduzir um trabalho de significação e/ou ressignificação de fatores (não apenas revelados na fala, mas também aqueles latentes) envolvidos na consolidação do mal-estar subjetivo do indivíduo que procura atendimento.
A Psicanálise Lacaniana, assim como outras psicanálises, baseia o seu atendimento na associação livre, onde o analisante pode dizer tudo que lhe vier em mente, sem censura. Além do conteúdo trazido como relato, também são explorados os sonhos, devaneios, fantasias, lapsos de linguagem, entre outros. Um ponto que costuma chamar a atenção daqueles que nunca fizeram análise lacaniana, é o tempo de sessão, que não é fixo, e tem como forma de intervenção o corte clínico.
Olá!

O processo de análise, por vias lacanianas, coloca em destaque o protagonismo do analisando (paciente), isso porque o que está em jogo nas sessões é o inconsciente deste analisando por via da sua linguagem. Esse cenário permite ao analisando o livre falar, que o põe em posição de ressignificar algumas experiências, gerando mudanças em suas ideias e atitudes. A função do analista, é de emprestar seu corpo presente e suas habilidades de forma coadjuvante.

Em resumo trata-se de uma experiência diferente de uma terapia convencional. Caso tenha interesse, estou a disposição para maiores esclarecimentos.

Especialistas

Perguntas relacionadas

Você quer enviar sua pergunta?

Nossos especialistas responderam a 71 perguntas sobre Psicoterapia
  • A sua pergunta será publicada de forma anônima.
  • Faça uma pergunta de saúde clara, objetiva seja breve.
  • A pergunta será enviada para todos os especialistas que utilizam este site e não para um profissional de saúde específico.
  • Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se ao seu médico/especialista ou provedor de saúde da sua região.
  • Não são permitidas perguntas sobre casos específicos, nem pedidos de segunda opinião.
  • Por uma questão de saúde, quantidades e doses de medicamentos não serão publicadas.

Este valor é muito curto. Deveria ter __LIMIT__ caracteres ou mais.


Escolha a especialidade dos profissionais que podem responder sua dúvida
Iremos utilizá-lo para o notificar sobre a resposta, que não será publicada online.
Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.