Alergia a medicamentos - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Não descuide da sua saúde

Escolha a consulta online para iniciar ou continuar o seu tratamento sem sair de casa. Se precisar, você também pode marcar uma consulta no consultório.

Mostrar especialistas Como funciona?

Especialistas - alergia a medicamentos

Eduardo Kishimoto

Eduardo Kishimoto

Pediatra

São Paulo

Marinna Bárbara

Marinna Bárbara

Pediatra

Campos Dos Goytacazes

Paula Sá Barreto

Paula Sá Barreto

Alergista, Pediatra

Salvador

Carolina Vianna

Carolina Vianna

Pediatra

São Paulo

Anne Rafaella Carneiro Roza

Anne Rafaella Carneiro Roza

Oncologista, Pediatra

Recife

Flavia Rabelo Frayha

Flavia Rabelo Frayha

Alergista, Pediatra

São Vicente

Perguntas sobre Alergia a medicamentos

Nossos especialistas responderam a 619 perguntas sobre Alergia a medicamentos

A alergia aos antiinflamatorios, analgésicos não determina contra-indicação ao uso de Ozempic.

Toda alergia a dipirona, AAS, plasil e outros medicamentos deve ser avaliada por médico…

No contexto das reações adversas após uso de contraste, talvez a maioria das reações sejam tóxicas, poucas alérgicas, porém os sintomas se persistir deve procurar atendimento médico, se teve…

Oi bom dia, de inicio não teria contraindicação, por não ter princípio ativo estas substâncias

Especialistas falam sobre Alergia a medicamentos

A alergia a medicamentos pode se manifestar de diversas formas e com diferentes medicações. O especialista vai ajudá-lo a esclarecer melhor qual o medicamento que realmente causa reação em você, e procurar lhe oferecer alternativas seguras. Os testes devem ser indicados pra cada caso em particular. testes hematológicos, cutâneos, de contato, teste de provocação, são os testes disponíveis, porém é imprescindível uma consulta antes até para que eles sejam indicados da forma mais segura para cada paciente.

Bianca Pinheiro

Alergista, Pediatra

Belém


Identificar a medicação que causou a reação alérgica.

Karla Vianna De Souza

Generalista

Rio de Janeiro


Praticamente todos os medicamentos possuem algum risco de provocar reações adversas e as reações imuno-alérgicas podem ser muito importantes, pois podem impedir a continuidade de utilização, vindo a prejudicar o controle terapêutico das doenças para os quais foram prescritos. As reações alérgicas podem variar de discretas a muito graves, inclusive ser potencialmente fatais. Podem ser imprevisíveis, o que obriga os médicos e pacientes a estarem sempre atentos.

Praticamente qualquer medicação tem potencial para causar uma reação alérgica, que vai desde reações de pele leves, urticárias, crises de rinite ou bronquite, angioedema, até edema de glote com insuficiência respiratória. Em crianças existem algumas medicações mais associadas a reações, como é o caso dos antibióticos e dos antiinflamatórios. Em adultos a gama de medicações é maior. Em ambos casos é imprescindivel uma investigação completa para determinar a real causa da alergia, sendo necessário uma boa história clínica com o alergista, testes alérgicos no sangue e na pele e provas terapêuticas.

Victor Lioi

Pediatra, Alergista, Alergista pediátrico

São Paulo

Agendar uma visita

A melhor forma de diagnosticar alergia a algum medicamento é através da história clínica do paciente.Só se deve investigar ou se fazer teste quando há um real relato de reação prévia ao medicamento. Um exemplo comum são as alergias a antiinflamatórios ou analgésicos. Sabemos que estes podem fazer reações cruzadas, ou seja uma pessoa alérgica a dipirona pode também ter a diclofenaco. Outra situação seria as alergias aos anestésicos locais usados pelos dentistas. Sintomas indefinidos como mal estar, dormência, sensação de desmaio,sudorese podem se tratar de efeitos colaterais, tóxicos, uma aplicação inadequada ou superdosagem e não se tratar de reações alérgicas.

Isabel Cristina Moreira Porto

Alergista

São Luís Do Quitunde

Quais profissionais tratam Alergia a medicamentos?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.