Candidíase de repetição - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em candidíase de repetição

Encontre um especialista em Candidíase de repetição na sua cidade:
Tadeu Batista Pereira de Carvalho

Tadeu Batista Pereira de Carvalho

Ginecologista

Goiânia

Leonardo Gomes Milagres

Leonardo Gomes Milagres

Ginecologista

Vila Velha

Julia Freitas

Julia Freitas

Ginecologista

Rio de Janeiro

Isabela Braga Coelho Faria

Isabela Braga Coelho Faria

Ginecologista, Mastologista

Santana de Parnaíba

Silvio Halpern

Silvio Halpern

Ginecologista

São Paulo

Antonio Paulo Malmann

Antonio Paulo Malmann

Ginecologista

Campos Novos

Perguntas sobre Candidíase de repetição

Nossos especialistas responderam a 5 perguntas sobre Candidíase de repetição

Olá, se o quadro é recorrente, talvez a solução seja cirurgia (circuncisão).
Agende uma consulta para ser avaliado e saber mais. À disposição
1 respostas

Olá. Converse com o seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
A sua avaliação clínica através da historia clinica, suas queixas e exame físico é fundamental…
1 respostas

Dra. Daniela Bahia Mazzafera
Dra. Daniela Bahia Mazzafera
Ginecologista
Salvador
Voce pode sofrer de Disbiose e se não tratar vai continuar tendo candidíase de repetição
2 respostas

Especialistas falam sobre Candidíase de repetição

A candidíase vaginal está associada a dor nas relações sexuais, coceira e fissuras em região genital. A candidíase de repetição é definida com 4 ou mais episódios em 1 ano. O grande problema está na auto medicação com cremes e comprimidos vaginais repetidamente sem um correto diagnóstico. Muitas vezes a mulher acredita estar com candidíase e na avaliação médica é diagnosticado outra causa para os sintomas. Devemos estar alerta que a candidíase não é a única causa de coceira e corrimento vaginal! Devemos descartar outras infecções sexualmente transmissíveis, bem como causa alérgica para os sintomas.

Esta é uma doença que exige mudanças de hábitos, tanto alimentares quanto comportamentais. Só usar antifúngicos pode não solucionar a cândida de repetição. Com a Ginecologia Integrativa, obtemos ferramentas para te ajudar a eliminar definitivamente esse problema!

Luciana Gandra Camargo De Barros Oliveira

Ginecologista, Mastologista

Sorocaba


O tratamento é realizado com medicamento antimicótico oral (medicação para fungos) ou tópico intravaginal prescrito por um especialista. É importante consultar um médico e ser avaliada, já que mesmo que os sintomas possam ser claros, ainda pode haver associação com outra doença e o uso do medicamento errado poderá agravar ainda mais os sintomas. Lembrando que o objetivo do tratamento é a eliminação dos sintomas com o controle da proliferação do fungo. Não conseguimos retirá-la por completo e nem queremos.

Thalia Maia

Ginecologista

Brasília

Agendar uma visita

Candidíase vulvovaginal recorrente é considerada o aparecimento de ao menos quatro episódios específicos no período de um ano ou ao menos três episódios não relacionados a antibioticoterapia no período de um ano. Estima-se que cerca de 50% das mulheres com mais de 25 anos apresentem um quadro de candidíase em algum momento de suas vidas. Destas, cerca de 5% apresentarão episódios recorrentes de candidíase vulvovaginal.

Fernanda Reis Foresti

Ginecologista

São Paulo


A cadidíase é uma infecção causada por um fungo do gênero Candida. Não é uma DST e seu aparecimento está relacionado ao desequílibrio da flora vaginal, que pode ocorrer em consequência de baixa imunidade, estresse, uso de antibióticos, uso de roupas justas, períodos de calor, entre outros. Os sintomas normalmente são coceira e ardência na região vaginal. Existem medicamentos específicos como comprimidos, cremes ou óvulos vaginais. É sempre importante ser antes avaliado por um médico para excluir outras doenças que podem ter sintomas semelhantes.

Quais profissionais tratam Candidíase de repetição?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.