Amputação traumática - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em amputação traumática

Encontre um especialista em Amputação Traumática na sua cidade:
Victor Alves Pereira de Moraes

Victor Alves Pereira de Moraes

Psicólogo

Niterói

Christiane Aguiar

Christiane Aguiar

Psicólogo

São Paulo

Mariana Freitas Borges Cavalcante

Mariana Freitas Borges Cavalcante

Psicólogo

São Paulo

Maria do Carmo da Silva

Maria do Carmo da Silva

Psicanalista, Psicólogo

Manaus

Aline Franco

Aline Franco

Psicólogo

Nilópolis

Perguntas sobre Amputação traumática

Nossos especialistas responderam a 3 perguntas sobre Amputação traumática

Concordo com os colegas. É comum que pacientes amputados continuem sentindo o membro amputado devido ao que chamamos de "membro fantasma". Seria interessante procurar acompanhamento…
5 respostas

A amputação é sem dúvida um processo traumático, cada pessoa lida com o ocorrido de maneira muito diferente. Desta forma, é fundamental levar estes estados emocionais para um psicólogo. Um médico…
10 respostas

Um parecer medico( ortopedista especialista em membros superiores, ), seria o correto, este profissional pode dar uma indicação clara quais procedimentos são adequados e quais os resultados.…
4 respostas

Especialistas falam sobre Amputação Traumática

Amputações de partes do corpo geram, frequentemente, sofrimento psíquico, como crises de angústia, medos, desinvestimento na vida, etc. Isto porque ocorre uma alteração da imagem corporal, o que faz com que, em muitas situações, o paciente não se reconheça mais no próprio corpo, originando conflitos psíquicos. Desta forma, um trauma físico pode gerar traumas psíquicos, incapacitando o sujeito nas suas atividades, como trabalhar, relacionar-se com as pessoas, etc. Essas consequências psíquicas exigem tratamento, que tem como objetivo impedir uma estagnação e auxiliar na criação de novas possibilidades de vida, reconstruindo a imagem corporal na medida em que reconstrói as próprias escolhas.

Deborah Melo

Psicólogo

Rio de Janeiro


A amputação carrega uma reação emocional traumática, pois não somos neurologicamente preparados para nos separar de uma parte de nosso corpo. Do ponto de vista da emoção, considera-se que o tipo de sensibilidade da pessoa, irá definir a intensidade de sua reação. A sensibilidade está ligada ao tipo de vivência afetiva que o corpo recebeu. Além disso temos também uma representação mental do corpo físico, com profundas implicações neurológicas que foi sendo construída a partir das experiências das funções que o corpo realiza. Em resumo pode-se dizer que há muitas dimensões conscientes e inconscientes a serem cuidadas, quando acontece a amputação. O trabalho corporal que realizo é indicado.

Maria De Lourdes Tomé

Psicólogo

São Bernardo do Campo

Quais profissionais tratam Amputação traumática?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.