Pancreatite crônica - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é o pâncreas?

O pâncreas é uma glândula de consistência mole alongada, localizado no abdome, dorso superior, atrás do estômago. Consiste na cabeça, que é emoldurada pelo duodeno e é cortada pelo ducto biliar principal (colédoco), imediatamente antes de desaguar no duodeno, o corpo, que cruza na frente da coluna vertebral e da cauda, ??que está localizado nas imediações do rim esquerdo e do baço. À medida que o pâncreas está localizado profundamente no abdômen, suas doenças podem ser difíceis de diagnosticar.

Quais são as funções do pâncreas?

O pâncreas tem dois tipos de funções:

  • Produzir uma série de enzimas envolvidas na digestão dos alimentos. As enzimas são secretadas pelo pâncreas na digestão de proteínas, carboidratos e especialmente gordura. Ele também secreta grandes quantidades de bicarbonato para neutralizar o ácido produzido no estômago.
  • Ele produz diversos hormônios que participam significativamente na manutenção da concentração normal de glicose no sangue. O mais conhecido desses hormônios é a insulina, que dá deficiência absoluta ou relativa na diabetes mellitus. O glucagon é outro hormônio que contribui para os níveis elevados de glicose no sangue, outros hormônios envolvidos no controle da função intestinal.

O que é pancreatite?

Qualquer inflamação do pâncreas é a pancreatite.

  • Pancreatite aguda grave provoca inflamação da glândula e pode ocorrer no paciente uma condição muito séria.
  • Pancreatite crônica pode ocorrer como resultado de ataques repetidos de pancreatite aguda ou devido a outras lesões do pâncreas (veja abaixo).

Acredita-se que a lesão pancreática ocorre como resultado da passagem de enzimas digestivas (normalmente fora do pâncreas por ductos pancreáticos), para o do tecido pancreático, que inicia a digestão. Isto causa a inflamação e mais tarde distorce a estrutura do pâncreas e facilita o surgimento de novos episódios de inflamação. Isso cria um círculo vicioso.

Como resultado de longo prazo de danos sofridos pelo pâncreas, ele deixa de produzir enzimas suficientes para digerir corretamente alimentos. Isso leva à perda de peso com o aparecimento freqüente de fezes de cor clara contendo quantidades excessivas de gordura. Além disso, a destruição das células produtoras de insulina é determinada pelo tempo no aparecimento da diabetes.

Quais são as causas de pancreatite crônica?

A causa mais comum da pancreatite crônica é o consumo excessivo e prolongado de álcool. Existe uma relação direta entre a quantidade de álcool consumido e o risco de pancreatite crônica.

Outras causas são:

  • Altas concentrações de cálcio no sangue (hipercalcemia)
  • Malformações anatômicas geralmente presentes desde o nascimento.
  • Fibrose Cística
  • Níveis elevados de certas gorduras no sangue (hipertrigliceridemia)
  • Doença do trato biliar
  • Em raras ocasiões, alguns medicamentos podem causar pancreatite.
  • Em alguns casos é possível identificar uma causa específica. Isto é conhecido como pancreatite aguda idiopática.

Quais são os sintomas de pancreatite crônica?

Os sintomas são muito variáveis.

Dor

A dor é um sintoma comum na maioria dos pacientes. Sua intensidade pode variar de leve a máxima. Geralmente duram horas ou mesmo dias e podem exigir analgésicos potentes para aliviar a dor. Muitas vezes se espalha para as costas e às vezes é aliviada pelo próprio paciente quando ele fica em posição fetal. Muitas vezes, a ingestão de alimentos ocasiona a dor e isso faz com que os pacientes fiquem com medo de comer. Ela também tende a ser mais intensa à noite. A qualidade da dor é variável: em chamas, corrosivos, afiada ou maçante, mas geralmente é bastante constante, sem oscilações de intensidade. Às vezes simplesmente desaparecem, mas as vezes é um problema persistente.

O mecanismo da dor não é clara. Parece ser algum tipo de relação com a atividade do pâncreas, como é muitas vezes desencadeada por comer, especialmente se refeições pesadas ou gordurosas. Alguns doentes têm dúctulos pancreáticos obstruídos por pequenos cálculos e acredita-se que isso aumenta a pressão e destrói o corpo. Nenhuma relação entre a intensidade da dor e gravidade da inflamação pancreática.

A dor pode ser difícil de diagnosticar e pode ser confundida com aquela produzida por qualquer processo localizado no abdome ou parte inferior do tórax.

Pode ser difícil distinguir a dor causada por pancreatite, ou que causa uma úlcera péptica, síndrome do intestino irritável, angina de peito ou de cálculos biliares.

Diabetes

Diabetes também é comum, afetando a metade dos pacientes em estágios avançados da doença. Inflamação prolongada provoca uma cicatriz fibrosa do pâncreas que destrói as áreas da glândula especializada na produção de insulina (ilhotas de Langerhans). Deficiência de insulina causa diabetes, que se manifesta pela sede intensa, aumento da micção e perda de peso. Nos estágios iniciais da pancreatite crônica é possível, embora nem sempre, o controle de sua diabetes com agentes orais, mas em fases posteriores da pancreatite crônica é muitas vezes necessário o uso de injeções de insulina.

Diarréia

Menos da metade dos pacientes têm diarréia. Normalmente, a gordura do alimento é quebrada pelas enzimas do pâncreas e intestino delgado, permitindo a absorção quase completa no intestino delgado. Quando diminuindo as enzimas disponíveis para digerir a gordura não é absorvida e chega ao intestino grosso, que parcialmente digere as bactérias. Este liberam substâncias que irritam cólon e gatilham a diarréia. A gordura não digerida aumenta o volume das fezes, que são amareladas, espumosas, têm um odor fora do normal. A água no banheiro pode ter uma camada de superfície oleosa e mal-cheirosa.

Praticamente todos os pacientes com pancreatite crônica sofrem perda de peso. Isso ocorre porque a absorção de calorias é insuficiente, embora possa também contribuir para a diabetes. Para isto é preciso acrescentar que muitos pacientes têm medo de comer porque desencadeia a dor. A depressão também é comum na pancreatite crônica pode reduzir o apetite e aumentar a perda de peso.

Icterícia

Icterícia (aspecto amarelado dos olhos e da pele) é detectada em aproximadamente um terço dos casos de pancreatite crônica. Geralmente devido à obstrução do ducto biliar (ducto biliar), que transmite a bile do fígado para o duodeno. O ducto biliar geralmente atravessa a cabeça do pâncreas. Na pancreatite crônica, as cicatrizes da cabeça do pâncreas cobrem e fecham o ducto biliar. Até metade dos pacientes com pancreatite crônica sofrem de um certo grau de estreitamento, o que dificulta quando é intenso, a bile secretada pelo fígado atinge o duodeno. Nestes casos, alguns componentes do fluxo biliar voltam para o sangue, que é por isso que a pele, os brancos dos olhos e membranas mucosas tornam-se amarelos. Além disso, como a bile não atinge o intestino e é a principal responsável pela cor marrom das fezes, que tornam-se ainda mais clara e quase incolor ("como cast"). Este sinal é chamado acolia. Enquanto isso, produtos, urina escura e bile contendo mais do que o normal (urina escura).

Vômitos

Vômitos após as refeições é um sintoma menos comum, embora a dor possa dispará-los. Eles também podem ser devido a úlcera duodenal, que parece um pouco mais freqüente nesses pacientes. Em raras ocasiões o duodeno pode ser reduzido se a ser abrangido por cicatrizes da pancreatite crônica.

A deficiência de vitaminas e minerais

A gordura abundante no conteúdo intestinal desses pacientes dificulta a absorção de cálcio e magnésio. Certas vitaminas chamadas lipossolúveis (A, D e K) são absorvidas somente se elas são dissolvidas em gordura.

Como é pancreatite crônica diagnosticada?

Pancreatites crônicas podem não produzir sintomas e serem descobertas incidentalmente durante um exame médico motivado por sintomas relacionados a ela. Por exemplo, você pode ver calcificações no pâncreas em um raio-X realizados por outras razões.

Se o médico suspeita de pancreatite crônica, provavelmente irá solicitar um ultra-som do abdômen. Pode ser necessária em outros exames de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética (RM), CPRE (estudo radiológico contrastado do ductos pancreáticos) e, raramente, uma análise da composição do suco pancreático.

Ultra-sonografia (ecografia) scan

A ultra-sonografia é idêntica ao realizado em mulheres grávidas. No entanto, a imagem do pâncreas pode ser difícil de obter através do difícil acesso para o receptor de ultra-som pâncreas, localizado no fundo da cavidade abdominal. Às vezes, é a obesidade, que causa problemas e às vezes é a presença de ar no intestino.

Embora o resultado do exame de ultra-som é normal, não pode desconsiderar a possibilidade de pancreatite crônica.

CT abdominal

O CAT (tomografia axial computadorizada, muitas vezes chamado de "scanner") é um estudo de raios-X muito complexo. O paciente encontra-se em uma mesa que se move dentro de uma fonte de raios-X A informação obtida é analisada por um poderoso computador que gera imagens seccionais ("fatias") atravessando o abdômen. Esta técnica é mais confiável do que ultra-som para a imagem do pâncreas. No entanto, um CT normal não exclui o diagnóstico de pancreatite crônica.

A ressonância magnética (RM)

Esta é uma técnica relativamente recente para explorar os órgãos abdominais. É baseado no uso de raios-X. O paciente passa por um poderoso campo magnético que dá poder de certas moléculas nos tecidos do corpo. Isto gera pulsos de radiofreqüência que criam um sinal, que são analisados por computadores poderosos. A técnica é segura e não usa raios-X, embora seja um pouco barulhenta e requer que o paciente permaneçar em um espaço muito pequeno, que pode ser insuportável para pessoas com claustrofobia.

CPRE

CPRE representa a colangiopancreatografia retrógrada endoscópica. Método é baseado na introdução de contraste radiológico no ducto biliar e imagens de radiologia do pâncreas para estes tubos. É realizada sob sedação e envolve a inserção de um endoscópio até o duodeno e, através dele, uma pequena cânula (um tubo flexível fino) no ducto pancreático, então o contraste de raios-X é injetado no ducto pancreático e imagens radiológicas são obtidos. O mesmo procedimento é geralmente repetido para preencher os ductos biliares.

CPRE é actualmente considerado como o teste definitivo para o diagnóstico da pancreatite crônica. Hoje é o único método para diagnosticar com certeza alterações ligeiras (pancreatite mudança mínima). Esta técnica serve para identificar a partir de pequenas alterações nos ramos do ducto pancreático principal a distorções muito bruto nela. Às vezes, para extrair pedras do ducto pancreático pela manipulação com a cânula.

No entanto, CPRE não é utilizado rotineiramente como exame de primeira linha em caso de suspeita de pancreatite, porque exige grande habilidade e experiência do endoscopista. Além disso, existe um risco significativo de causar ao paciente um ataque de pancreatite como resultado do efeito irritante de contraste radiográfico para o duodeno.

Análise de suco pancreático

Antes da disponibilidade de CT e CPRE, este método foi muito utilizado. O raciocínio é que a análise de suco pancreático para o duodeno derramado poderia detectar insuficiência pancreática. No entanto, é necessário que a função do pâncreas seja muito pobre para a evidência de resultados anormais. Actualmente, este método é praticamente limitado a poucos centros especializados e fins de pesquisa aplicada.

Ultra-sonografia endoscópica

É um método especial de ultra-sonografia em que o dispositivo que gera e coleta de ultra-som é inserido no final de um endoscópio. Esta técnica não é generalizada e não é tão sensível quanto a CPRE para a detecção de graus leves de pancreatite crônica.

O quão perigoso é pancreatite crônica?

O principal problema de pancreatite crônica é o controle da dor. Pode ser necessário o uso de drogas opióides (morfina petidina e diamorfina). Existe o perigo de desenvolver dependência dessas drogas.

Não há dúvida de que a pancreatite crônica está associada a uma expectativa de vida diminuída. Apenas metade dos pacientes diagnosticados com pancreatite crônica sobrevivem mais de sete anos após o diagnóstico. Há também um aumento da incidência de câncer de pâncreas em pacientes com pancreatite crônica, e esta é a causa de um quinto das mortes. Outras causas de morte são complicações do diabetes e as conseqüências do abuso de álcool.

Como é pancreatite crônica?

Não existe cura para pancreatite crônica. Uma vez que o pâncreas está danificado, não pode recuperar sua função normal e há sempre o risco de novos ataques de pancreatite. Portanto, o tratamento é voltado para a prevenção de ataques, o controle da dor e tratamento de complicações.

Prevenção do agravamento dos sintomas

Pacientes com pancreatite crônica devem eliminar completamente o consumo de álcool. Se a pancreatite é causada pelo consumo excessivo de álcool, esta medida é essencial. Se, devido a outras causas, parece lógico evitar a substância capaz de danificar o pâncreas. Se você identificou uma causa responsável, deve ser tratado. Distúrbios do metabolismo do cálcio ou gorduras são tratamentos adequados. O médico pode solicitar a remoção da vesícula biliar se for considerado que é pancreatite causada por cálculos biliares.

Prevenção de ataques agudos

Sempre foi recomendado deixar o pâncreas em repouso. É administrado extratos pancreáticos, contendo enzimas pancreáticas elevados, junto com medicamentos que reduzem a secreção ácida do estômago. Os pacientes também têm que seguir uma dieta sem gordura. Essas medidas reduzem a quantidade de gordura no duodeno e do estímulo para a secreção de enzimas pelo pâncreas. Com estes resultados positivos são obtidos em um terço dos pacientes, moderadamente bem em outro terço e o zero descanso.

Alguns especialistas prestigiados têm recomendado o uso de antioxidantes no tratamento da pancreatite crônica. Esses produtos incluem o selênio e vitamina C. No momento não há evidências científicas suficientes de sua eficácia e deve ser considerada um tratamento experimental.

Controle da Dor

Este é um aspecto muito importante do tratamento da pancreatite crônica. Intensidade de dor no pâncreas vai desde graus leves (que são controladas com analgésicos menores como o paracetamol) até intensa, necessitando de drogas como a morfina para controle.

Além das medidas preventivas acima enumeradas, o princípio básico é a utilização de analgésico menos potente que pode controlar a dor. No entanto, pode ser necessário usar desde as fases iniciais da doença analgésicos mais potentes, tais como a petidina e morfina. Mas somente quando necessário, por ser uma dor intensa.

O controle da dor muitas vezes requer a visita ao especialistas, o gastroenterologista ou uma unidade de controle da dor. O médico irá orientar de forma adequada, embora em muitos casos o diagnóstico de pancreatite crônica tenha sido realizado em um hospital por um especialista que, provavelmente, supervisiona tratamento subsequente.

Outras drogas potencialmente úteis. Antidepressivos podem reduzir a necessidade de analgésicos e, por vezes, deixar que o paciente estabelece um "passo" na "escada analgésica". Outras medidas incluem a injeção de anestésicos locais ou outras substâncias nas estruturas neurais que recolhem a sensação dolorosa do pâncreas (plexo celíaco bloco).

Tratamento de complicações

  • Má absorção: a batalha é administrar extratos pancreáticos. A forma de dosagem dessas drogas é diferente dependendo se é para aliviar a dor ou má absorção. No primeiro caso, uma vez que liberam enzimas preparadas na entrada do duodeno, para diminuir a secreção pancreática. Nas formulações de liberação são usados ??mais tarde para evitar as enzimas que são destruídas antes de sua função digestiva.
  • A diabetes é, por vezes, controlada com antidiabéticos orais, mas geralmente é necessário o uso de insulina.
  • Icterícia devido à obstrução do ducto biliar, CPRE pode ser feito para colocar um "stent" (tubo de malha de metal que é inserido dobrado e colocado depois de aberto) no canal que atravessa o pâncreas. Também pode ser inserido stents em áreas de estreitamento do ducto pancreático principal, mas ainda não demonstraram a eficácia deste procedimento.

Cirurgia na pancreatite crônica

Em alguns casos, é necessário considerar o tratamento cirúrgico da pancreatite crônica. A indicação mais comum é a dor severa que não responde ao tratamento conservador ou que requer altas doses de morfina ou outros opióides em um paciente jovem.

A cirurgia pode tentar melhorar a drenagem do ducto pancreático, seja dilatando as áreas estreitadas e removendo-as ou abrir o pâncreas longitudinalmente ligando ao intestino. Outros métodos incluem a remoção de parte do pâncreas, geralmente a cabeça pois o corpo e a cauda são relativamente respeitados. A desvantagem deste último procedimentos é que ele pode promover o desenvolvimento de diabetes, se já não existia anteriormente.

Especialistas em pancreatite crônica

Encontre um especialista em Pancreatite Crônica na sua cidade:
Tatiana Assad

Tatiana Assad

Gastroenterologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita
Paula Nardin de Barros

Paula Nardin de Barros

Médico clínico geral, Gastroenterologista

Rio de Janeiro

Milena Santana Girão

Milena Santana Girão

Gastroenterologista

Fortaleza

Ana Luiza Vilar Guedes

Ana Luiza Vilar Guedes

Gastroenterologista

Salvador

Bruno Eugenio Canhetti Mondin

Bruno Eugenio Canhetti Mondin

Gastroenterologista

Curitiba

Evelyn De Paula

Evelyn De Paula

Médico clínico geral, Internista, Nutrólogo

Perguntas sobre Pancreatite crônica

Nossos especialistas responderam a 70 perguntas sobre Pancreatite crônica

Dra. Carla Smiderle
Dra. Carla Smiderle
Gastroenterologista, Internista
Porto Alegre
Bom dia! Não. Se a causa for o álcool, a suspensão do álcool melhora os sintomas e diminui a inflamação, mas é necessário acompanhamento médico.
1 respostas

Dra. Ana Luiza Vilar Guedes
Dra. Ana Luiza Vilar Guedes
Gastroenterologista
Salvador
Geralmente, um paciente com pancreatite crônica deve evitar qualquer tipo de bebida alcoólica, já que o álcool pode lesar ainda mais o pâncreas. O etilismo, inclusive, é a principal causa de…
1 respostas

Dra. Ana Luiza Vilar Guedes
Dra. Ana Luiza Vilar Guedes
Gastroenterologista
Salvador
O ideal é evitar qualquer bebida alcoólica e procurar um médico. Se os olhos ficaram amarelos de repente, o paciente deve procurar um pronto-socorro.
1 respostas

Quais profissionais tratam Pancreatite crônica?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.