Dor abdominal - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Não descuide da sua saúde

Escolha a consulta online para iniciar ou continuar o seu tratamento sem sair de casa. Se precisar, você também pode marcar uma consulta no consultório.

Mostrar especialistas Como funciona?

Especialistas - dor abdominal

Encontre um especialista na sua cidade:
Fernando Bortolotto

Fernando Bortolotto

Pediatra

Cuiabá

Marcelo Lopes Furtado

Marcelo Lopes Furtado

Generalista

Jundiaí

Didia Herminia Bismara Cury

Didia Herminia Bismara Cury

Gastroenterologista

Campo Grande

Helcio Teles

Helcio Teles

Gastroenterologista, Endoscopista, Coloproctologista

Santo André

Ibrahim Marcello Machado Saud

Ibrahim Marcello Machado Saud

Gastroenterologista, Médico clínico geral, Médico de família

Niterói

Luís Henrique Jorge

Luís Henrique Jorge

Pediatra

Brasília

Perguntas sobre Dor abdominal

Nossos especialistas responderam a 64 perguntas sobre Dor abdominal

Especialistas falam sobre Dor Abdominal

A endoscopia digestiva alta é o exame mais indicado para a avaliação do esôfago, estômago e duodeno. Sintomas como dor abdominal, queimação, refluxo, náuseas e vômitos, sangramentos, etc podem ser indicações de realizar esse exame para elucidação diagnóstica. A endoscopia é fundamental para diagnosticar lesões malignas nesses órgãos, assim como para detecção da bactéria H. pylori, relacionada a várias patologias gástricas.

João Paulo Aguiar Ribeiro

Endoscopista

Fortaleza


A dor abdominal é uma das principais queixas em consultas a gastroenterologistas. Muitas são as causas, algumas sem gravidade e de simples resolução, mas outras podem ser graves e merecem atenção. Uma investigação detalhada deve ser realizada, além de exame físico adequado. Devem ser abordados intensidade da dor, frequência, localização, duração, relação com alimentação, diarreia, náusea, vômitos, alterações do peso, presença de sintomas associados, fatores precipitantes e também que aliviam a dor, entre outros. Investigar esse sintoma demanda dedicação e conhecimento científico.

Marlone Cunha

Gastroenterologista, Hepatologista

Campinas


Dores abdominais, na maioria das vezes, são transitórias e melhoram sozinhas. Mas, quando se tornam frequentes, ou vêm acompanhada de algum sinal de alarme, como sangramentos intestinais, perda de peso, febre, vômitos ou alteração do ritmo do intestino, requerem investigação complementar e acompanhamento de perto por um especialista, na caso um Gastro ou Cirurgião do Aparelho Digestivo.

Diogo Stinguel Thomazini

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Cariacica

Agendar uma visita

Dor abdominal consiste em uma das queixas mais comuns na infância em todo o mundo. Sua etiologia é na maior parte das vezes funcional, porém o diagnóstico nem sempre é simples, de forma que uma anamnese e exame físico minuciosos são indispensáveis. Além da dor funcional, outras causas de dor abdominal crônica em crianças incluem: cólica do lactente, refluxo gastroesofágico, enxaqueca abdominal, síndrome do intestino irritável, infecção urinária de repetição, anemia falciforme, doença celíaca, parasitose, doença inflamatória intestinal, pancreatite, litíase renal e biliar, úlcera péptica e intoxicação por chumbo.

Dor abdominal é um sintoma comum em crianças, levando a uma importante angústia nos familiares, principalmente se esta dor tiver duração prolongada. Nos casos de dores abdominias agudas é fundamental saber se a patologia exige cirurgia ou não. A presença de dores abdominais refratárias ao uso de analgésicos, presença de vômitos com aspecto de bile (amarelo), diminuição de volume urinário e ausência de evacuações por mais de 2 dias, são indícios de patologia mais grave e com necessidade de exames de imagem. Nos casos de dores crônicas a urgência não é tão grande, mas é fundamental uma boa história, pois as causas podem variar desde constipação até doença inflamatória crônica.

Quais profissionais tratam Dor abdominal?

Pesquisas relacionadas


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.