Doenças do colo do útero - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é?

O útero é parte do aparelho reprodutor feminino. No Brasil, o câncer desenvolvido nessa região é o mais comum entre as mulheres. Ele corresponde a 24% de todos os cânceres. As principais patologias que atingem o colo do útero são:

Câncer do colo do útero

Embora o câncer do útero seja o responsável pela grande maioria dos cânceres em mulheres no Brasil, seu índice de cura é muito próximo a 100% quando o diagnóstico é feito precocemente. Durante o exame ginecológico anual, os médicos devem fazer a coleta de material para o Papanicolau. Esse exame consiste na raspagem do colo do útero para análise em laboratório patológico. As células retiradas indicarão se há o desenvolvimento de algum tumor. Quando o tumor é detectado, há três opções de tratamento: quimioterapia, radioterapia ou cirurgia. Os dois primeiros oferecem a possibilidade de a mulher continuar fértil.

Cercivite

É uma irritação no colo do útero. Sua origem pode ser congênita, hormonal (no período de gravidez ou pelo uso de anticoncepcionais) ou bacteriana (infecções). As infecções podem ser causadas pelas bactérias que já fazem parte da flora do corpo da mulher ou transmitidas através do ato sexual. Eventualmente as cercivites podem ser desenvolvidas pela sensibilidade do colo do útero a produtos químicos como o látex dos preservativos, espermicidas e tampões. Após o parto a mulher pode desenvolver cercivite crônica. Normalmente, a cercivite não apresenta sintomas. Em algumas mulheres, no entanto, causa corrimento vaginal, dor intensa na região e sangramento durante a relação sexual. O diagnóstico pode ser feito através do exame ginecológico e o tratamento, no caso de indícios de infecção, deve utilizar medicamentos antibióticos. As cercivites podem causar o aparecimento de lesões (feridas, erosão ou ectrópio) que precisam ser tratadas com a cauterização do colo do útero.

Feridas no colo do útero

Embora sejam popularmente como feridas ou lesões, naturalmente não é uma ferida comum. Trata-se de um trecho do colo do útero que se vira e deixa o tecido do canal cervical exposto. As feridas do útero podem sangrar, especialmente após o relacionamento sexual. A condição normalmente é consequência de alterações hormonais em mulheres no período fértil e motivada, na grande maioria das vezes, pela utilização de medicamentos anticoncepcionais. O tratamento deve ser feito a partir da suspensão do uso de contraceptivos hormonais. Antibióticos em forma de creme devem ser aplicados na vagina. Depois de sanado o problema da infecção, a cauterização do colo do útero pode acabar com as feridas.

Especialistas em doenças do colo do útero

Encontre um especialista em Doenças Do Colo Do Útero na sua cidade:
Antonio Paulo Malmann

Antonio Paulo Malmann

Ginecologista

Campos Novos

Anne Rafaella Carneiro Roza

Anne Rafaella Carneiro Roza

Oncologista

Recife

Carlos Jose da Fonseca

Carlos Jose da Fonseca

Ginecologista

Cabo de Santo Agostinho

Norberto Nora

Norberto Nora

Ginecologista

Caxias Do Sul

Rozeilda Francisca

Rozeilda Francisca

Ginecologista

Ana Lucia Neves Semmelmann

Ana Lucia Neves Semmelmann

Ginecologista, Radiologista

Porto Alegre

Perguntas sobre Doenças do colo do útero

Nossos especialistas responderam a 247 perguntas sobre Doenças do colo do útero

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
A sua avaliação clínica através da história clínica, suas queixas e exame…
1 respostas

 Jaqueline da Silva Neves
Jaqueline da Silva Neves
Ginecologista
São Paulo
Olá obrigada pela pergunta.
O nic 1 (neoplasia intraepitelial celular grau 1) é considerado alteração de baixo grau do colo do utero. É necessário acompanhamento a cada 6 meses. Essa…
2 respostas

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
O NIC 1 é uma lesão de baixo grau no colo uterino provocada pelo HPV, um vírus…
2 respostas

Especialistas falam sobre Doenças Do Colo Do Útero

Avaliação clinica em consulta ginecológica de rotina para coleta do papa nicolau, realização da colposcopia e vulvoscopia, captura hibrida para HPV e cultura da secreção vaginal. Orientação sobre doenças sexualmente transmissiveis, vacinação para HPV de adolescentes e adultos jovens e patologias do colo, vilva e vagina.

Alyk Vargas Alcobia

Ginecologista

São Paulo


As doenças do colo são diagnosticadas com o exame ginecológico, que deve ser feito por profissional médico. Evite a coleta de preventivo por profissional que não seja Medico Especialista pois a falta de experiência pode gerar um exame de baixa qualidade e, principalmente, deixar passar doenças que ainda estejam em estagio inicial. Minha recomendação: Exame Ginecológico deve ser realizado por Ginecologista. Descrevo os exames na descrição de " Displasia do colo uterino".

Câncer de colo uterino: é o terceiro câncer mais comum entre as mulheres no mundo, e permanece com a principal causa de morte entre as mulheres de países em desenvolvimento. Nos Estados Unidos é relativamente menos comum. A Recomendações para rastreamento são específicas por grupos de idade e baseadas em Guidelines (orientações internacionais) de sociedades médicas, científicas como a Sociedade Americana de Câncer (ACS), a Sociedade Americana de Colposcopia e Patologia Cervical (ASCCP), a Sociedade Americana de Patologia Clínica (ASCP) a US Preventive Services Task Force (USPSTF), o Colégio Americano de Ginecologia e Obstetrícia (AGOC) e aqui no Brasil pela Federação Brasileira de Ginecolo

Mirian Hoeschl

Ginecologista

Brasília

Agendar uma visita

As principais doenças do colo do útero são as neoplasias intracervicais (NIC), lesões intraepiteliais de alto e baixo grau, e condilomas, causadas pelo vírus do HPV. As lesões iniciais (de baixo grau), podem ser tratadas de forma conservadora. As lesões de alto grau e NIC 2-3 em geral podem ser tratadas com pequenas cirurgias como cauterização, laser, conização, dentre outras técnicas.

Marina De Paula Andres

Ginecologista

São Paulo


Colposcopia é um exame realizado para examinar a vagina, e o colo do útero, com o uso de um colposcópio, aparelho semelhante a um microscópio, dotado de lentes de aumento e luzes que permitem uma melhor visualização de lesões nesses locais. Vulvoscopia é um exame semelhante porem realizado na vulva. A biópsia é realizada durante o exame quando são identificadas lesões suspeitas de serem pré-cancerígenas ou cancerígenas. É retirado um pequeno fragmento das lesões ou alterações do colo do útero, da vagina ou da vulva, para realização de análise das características celulares para o diagnóstico da lesão. A duração do exame é de 10 a 20 minutos. Ambos os exames realizo em meu consultório.

O câncer do colo do útero ocorre secundário a infecção do vírus do HPV, e seu tratamento depende de avaliação de cirurgião oncológico na primeira consulta. Através do exame físico é possível determinar se o tratamento inicial será com cirurgia e/ou quimioterapia associado a radioterapia. Ele é curável e precisa do tratamento com equipe multidisciplinar.

Rodolfo Tibério Ferreira Silva

Oncologista, Cirurgião geral

Maceió

Agendar uma visita

O colo é a parte do útero em contato com a vagina e está sujeito a algumas peculiaridades. As inflamações do colo, associadas geralmente a corrimentos, são chamadas cervicites. As mais comuns são a gonorreia, a clamídia e a tricomoníase. Devem ser tratadas prontamente, pois, sem o devido cuidado, podem acarretar infecções pélvicas e infertilidade. Já as alterações neoplásicas vão desde a displasia leve até o câncer. Para o rastreio, de acordo com o MS, toda mulher entre 25 e 64 anos, com vida sexual ativa, deve se submeter anualmente ao exame de Papanicolau ou preventivo. Mas, como cada mulher é única, visitar o ginecologista para discutir as peculiaridades do seu caso é essencial.

Quais profissionais tratam Doenças do colo do útero?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.