Câncer de estômago - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é câncer de estômago?

O estômago é um órgão em forma de odre localizado na parte superior do abdome e conecta o esôfago à primeira porção do intestino (duodeno). Sua principal função é acumular a dieta e começar a digestão. Outras funções são para permitir a absorção de ferro e vitamina B12.

Câncer de estômago ocorre porque as células da camada interna (mucosa) multiplicam-se descontroladamente. Inicialmente esta multiplicação afeta apenas a mucosa, formando um caroço. Mas, logo depois de quebrar a barreira que limita as células da mucosa o tumor invade as diferentes camadas da parede do estômago.

À medida que o tumor cresce, ele pode invadir outros órgãos e pode se espalhar em três formas: através dos dutos para os gânglios linfáticos (metástase nodal), através do sangue para outros órgãos, especialmente o fígado (metástases à distância) ou através do peritônio para todos abdômen (carcinomatose peritoneal).

Como é o câncer de estômago?

Câncer de estômago, como todos os cânceres, é devido a uma alteração de genes em células do próprio corpo, o que faz com que elas se multipliquem descontroladamente, destruindo ou invadindo o que encontram no seu caminho em um processo que geralmente leva meses ou anos. Estes genes são alterados principalmente pela ação de algumas substâncias chamadas cancerígenas.

A incidência (número de casos detectados em um ano em uma determinada população) de câncer de estômago tem variações significativas entre os países, sendo 20 vezes mais comum no Japão e no Extremo Oriente do que no menos afetados como Senegal. De qualquer forma, é surpreendente a redução na incidência foi registrada nos últimos 40 anos, especialmente em pessoas mais velhas e brancos. A doença aparece geralmente entre 50 e 70 anos e é muito rara antes dos 30 anos.

É raro que encontrar casos familiares de câncer gástrico. O cigarro, álcool, grãos de cereais, tubérculos e carnes parecem favorecer seu aparecimento. Em vez disso dietas vegetais folhosas e frutas frescas (especialmente cítricas) ajudam a preveni-lo. Além disso, sabe-se que uma série de situações faz com que o câncer seja mais comum do estômago, entre estas as mais importantes são:

  • Anemia perniciosa
  • A história da cirurgia do estômago (gastrectomia especialmente mais de 10 anos de idade)
  • Infecção por Helicobacter pylori
  • As alterações da mucosa e metaplasia intestinal (substituição da mucosa do estômago da mucosa intestinal) ou gastrite crônica
  • Os pólipos gástricos, especialmente os assim chamados adenomas.

Quais são os sintomas de câncer de estômago?

Os pacientes com câncer de estômago normalmente não apresentam quaisquer sintomas nos estágios iniciais da doença e se houver, será um desconforto no abdome superior. Então, como o tumor progride, pode agravá-las pode sentir desconforto e digestão lenta, livre de dor, anorexia (perda de apetite), perda de peso ou halitose (mau hálito).

O tumor pode causar várias complicações, que dão origem a sintomas diferentes.

Os tumores que se originam na última parte do estômago podem obstruir sua saída causando vômitos e dor abdominal após as refeições. Às vezes, os tumores podem sangrar, mas pouco a pouco, com o que parece anemia e continua até aparecerem fezes escuras (chamado melena) ou abruptamente, com hemorragia grave causando vômitos de sangue.

Você também pode perfurar o estômago pelo tumor, levando à peritonite, com fortes dores abdominais, aumento da temperatura e estado geral ruim.

Nos casos mais avançados pode haver outros sintomas devido à natureza do tumor. Você pode começar a sentir uma massa no abdome superior. Se houver metástases hepáticas e icterícia podem ocorrer no caso de carcinomatose peritoneal e aparecem má digestão, constipação, e episódios de obstrução intestinal. Acompanhando tudo isso, naturalmente, tende a acentuar a perda de peso e deterioração progressiva do estado geral.

Como o câncer de estômago é diagnosticado?

Além de coletar dados sobre o histórico do paciente e do exame médico, o teste fundamental para o diagnóstico de câncer de estômago é endoscopia oral ou gastroscopia. Neste teste, um tubo com uma luz e câmera de vídeo através da boca vai até o estômago para que se possa vê-lo de dentro. Além disso, você pode tirar amostras de biópsia - o teste final com a confirmação do diagnóstico e estudar outras lesões não malignas. Para este teste não exige qualquer preparação diferente de algumas horas de jejum e em alguns centros é dado um sedativo e um anestésico tópico na boca para minimizar o desconforto.

A refeição de bário é usado para o estudo radiológico do estômago, no caso de pacientes que relatam sintomas gástricos, pois é menos desconfortável que a endoscopia. No entanto, biópsias podem ser tomadas e os resultados são menos confiáveis ??do que os de endoscopia.

Para estudar a extensão que pode alcançar o tumor pode ser feita ou scanners e ultra-som em alguns centros, onde seja disponível, ultra-som através de um endoscópio (SUE) ou laparoscopia de acordo com os protocolos de tratamento com câncer gástrico. Na laparoscopia, que é realizado sob anestesia local ou geral, de acordo com os centros, uma câmera é inserida através do umbigo para o abdômen para ver se há carcinomatose peritoneal, além de um ultra-som que pode ser usado para aumentar os dados.


Como é o câncer de estômago?

O único tratamento curativo do câncer gástrico é a cirurgia, que vai procurar remover o tumor com margens que podem permitir a cura. Geralmente é necessário remover todo o estômago e linfáticos adjacentes. Em seguida, o intestino delgado une o esôfago ou estômago com o outro (se tiver sido possível deixar algum órgão) para permitir a alimentação do paciente através da boca. Para conseguir isso, é essencial que o câncer seja descoberto logo que possível, por isso as chances de cura são maiores.

Para melhorar os resultados da cirurgia ou às vezes como o único tratamento alternativo quando a cirurgia não é viável, realizar diferentes tratamentos de quimioterapia, com resultados mistos. É por isso que a quimioterapia é administrada de diferentes maneiras de acordo com o centro em questão, e sem qualquer forma significativa tem se destacado acima do resto. Também pode, por vezes, dada antes da cirurgia, ou diretamente no abdômen durante a cirurgia acompanhada por radioterapia. Há, portanto, um sistema de tratamento único.

Que complicações podem surgir?

Complicações podem surgir de progressão cirúrgica, quimioterapia ou câncer. Estudos de diagnóstico não são geralmente levados a complicações e os mais importantes, tais como hemorragia ou perfuração gástrica endoscopia são raros.

Gastrectomia é uma intervenção muito agressiva e, portanto, pode levar a várias complicações. Normalmente, o paciente com remoção completa do estômago deve passar alguns dias em uma unidade de terapia intensiva de monitoramento. Complicações podem ser gerais, as respiratórias são mais freqüentes (colapso do pulmão de parte ou atelectasia, pneumonia, derrame pleural) e do trato urinário (infecção urinária). Entre estes, os mais comuns são infecção e sangramento (que pode chegar ao paciente requer reoperação), mas também são importantes pancreatite e deiscência anastomótica (quando pontas soltas que foram emendados para fora e o conteúdo o abdômen, causam peritonite ou fístula).

Pacientes que tenham removido o estômago podem levar uma vida normal, com algumas precauções. Mastigar muito os alimentos e fazer várias refeições ao dia menos do que a quantidade usual. A mastigação é especialmente importante e frutas e legumes devem ser esmagados em um alimento, se você não pode mastigar muito bem. Além disso, é geralmente necessário administrar vitamina B12 por meio de uma injeção mensal.

Quimioterapia causa várias complicações, dependendo da combinação usada, mas muitas vezes a perda de cabelo e distúrbios digestivos (principalmente náuseas e vômitos).

Por seu turno, o câncer pode:

  • Espalhar através da carcinomatose peritoneal causando uma obstrução intestinal.
  • Reaparecer no mesmo local (recorrência local), dando problemas diferentes, dependendo do tamanho e localização.
  • Causar metástases hepáticas, com a consequente destruição do fígado.

Qual é o prognóstico para o câncer de estômago?

Infelizmente, o prognóstico do câncer gástrico é ruim, já que o câncer é geralmente diagnosticado em estágios avançados. No entanto, quando detectado precocemente e removido adequadamente pode atingir valores de sobrevivência muito elevada, alcançando até 90% em 5 anos.

No entanto, em alguns casos não é possível curar o câncer, a cirurgia e a quimioterapia podem melhorar a sobrevida ea qualidade de vida dos pacientes, também em unidades de cuidados paliativos normalmente pode obter um controle muito bom de sintomas.

Você pode prevenir câncer de estômago?

Você não pode evitar a ocorrência de câncer gástrico, como tal, mas as seguintes medidas contribuem para casos menos freqüentes e mais são diagnosticados em estágios iniciais e, portanto, um melhor prognóstico:

  • Não fume e faça um consumo moderado de álcool.
  • Incluir uma quantidade significativa de legumes e frutas (especialmente cítricas) em sua dieta.
  • Consulte o seu médico para tratá-lo se você tiver qualquer doença do estômago e siga os controles como recomendado.
  • Consulte o seu médico logo aparecem sintomas relacionadas com o estômago (desconforto com vômitos, digestão, dor abdominal, etc ...)

Especialistas em câncer de estômago

Encontre um especialista em Câncer de estômago na sua cidade:
William Giovanni Panfiglio Soares

William Giovanni Panfiglio Soares

Oncologista, Médico clínico geral

Aracaju

Pablo Mondragón

Pablo Mondragón

Oncologista, Cirurgião geral

Mossoró

Paulo C. B. Vogelsanger

Paulo C. B. Vogelsanger

Cirurgião geral

Aline Chaves Andrade

Aline Chaves Andrade

Oncologista

Belo Horizonte

Danilo Da Fonseca Reis Silva

Danilo Da Fonseca Reis Silva

Oncologista

Teresina

JOAO FRANCISCO DE SOUZA

JOAO FRANCISCO DE SOUZA

Cirurgião geral

Mafra

Perguntas sobre Câncer de estômago

Nossos especialistas responderam a 65 perguntas sobre Câncer de estômago

Dra. Fátima Mohamed
Dra. Fátima Mohamed
Cirurgião geral
Rio de Janeiro
Olá! O termo gastrite significa um processo inflamatório do estômago, tendo várias causas. Sendo aguda ou crônica vai depender do tempo em que esse processo inflamatório iniciou. Ocorrem alterações…
1 respostas

Dr. Rodrigo De Assis Moraes
Dr. Rodrigo De Assis Moraes
Oncologista
Jundiaí
A gastrite atrófica é uma doença autoimune (produção de autoanticorpos contra as células parietais do estômago), que não possui um tratamento específico. Deve ser feita uma vigilância com endoscopia…
2 respostas

PROCURE UM ESPECIALISTA E REPITA A ENDOSCOPIA
2 respostas

Especialistas falam sobre Câncer de estômago

O câncer de estômago é um dos cânceres mais frequentes do Brasil, o tipo mais comum é o adenocarcinoma seguido do tumor estromal -GIST e neuroendócrino. Seu tratamento principal é a retirada cirúrgica. Pode ser realizada por endoscopia nos casos muito iniciais ou por meio de retirada cirúrgica (chamada de gastrectomia) de uma parte (subtotal) ou estômago inteiro (total), além da linfadenectomia que é a retirada de gânglios linfáticos ao redor do tumor. Essa cirurgia pode ser feita de forma aberta ou laparoscópica por furos. O estômago que sobrou e então é ligado ao intestino fino ou no caso da retirada total emendado com esôfago. Tenho realizado po videolaparoscopia.

Dr. Sergio Renato Pais-Costa

Oncologista, Cirurgião do aparelho digestivo

Brasília

Agendar uma visita

Realizamos o tratamento cirúrgico do câncer de estômago pela laparoscopia com resultados melhores para o paciente conforme tem demonstrado a literatura médica. Desta forma o paciente recupera-se de forma mais rápida e pode iniciar mais cedo o tratamento complementar como quimioterapia, se necessário.

Aristotenis Cruz

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Brasília


Realiza-se a remoção do estomago parcialmente ou totalmente com reconstrução do transito intestinal através de anastomoses com possibilidade de remoção dos gânglios linfáticos das cadeias de drenagem próximas.

Bruno Reichmann

Cirurgião geral, Cirurgião oncológico

Porto Alegre


Os sintomas são vagos e inespecíficos: dor epigástrica, vômitos, peso pós-prandial (sensação de má digestão ou estômago pesado), perda do apetite e perda de peso que costuma ser progressiva. O diagnóstico está baseado nas manifestações clínicas e, principalmente, na endoscopia digestiva alta, que permite a visualização do tumor e obtenção de múltiplos fragmentos da lesão para análise. A tomografia abdominal, tomografia de tórax e ultrassonografia do estômago por via endoscópica são úteis na avaliação da extensão da doença. O tratamento pode ser realiado por endoscopia quando inicial, por cirurgia com retirada parcial ou total do estomago. veja a descriçao de gastrectomia videolaparoscopia

Luiz Gonzaga Torres Junior

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Belo Horizonte

Agendar uma visita

O estômago é o órgão responsável por armazenar e iniciar o processo de digestão dos alimentos. Por vezes esse órgão pode ser acometido por alguns tipos de tumores e, de acordo com o tipo histológico e estágio da doença receberá um tipo de tratamento. Dores na porção superior do abdome persistentes, intolerância alimentar, emagrecimento intenso em curto espaço de tempo, fezes muito escurecidas, podem ser alguns sinais de alerta. Caso apresente alguns desses sinais e sintomas, ou mesmo em caso de dúvidas, consulte um médico. Grande abraço

Francisco Carlos Nascimento Júnior

Oncologista, Cirurgião geral

São Luís


O câncer gástrico, é o terceiro tipo de neoplasia mais comum nos homens e o quinto nas mulheres. Entre as principais causas estão a infecção pela bactéria H. Pylori, os maus hábitos alimentares e fatores genéticos. O câncer de estômago pode causar manifestações variadas, incluindo fadiga, anemia, sensação de “inchaço” (distensão abdominal), azia / dor recorrente, náuseas ou vômitos persistentes, e perda de peso não intencional. O diagnóstico geralmente é feito por meio de endoscopia. Na maioria das vezes, o tratamento indicado é a cirurgia oncológica. A realização de quimioterapia e/ou ou radioterapia associadas depende do estadiamento da doença para aumentar a possibilidade de cura.

Jorge Vasquez Del Aguila

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Belo Horizonte

Agendar uma visita

O câncer gástrico é uma das doenças malignas de grande prevalência na atualidade. Seu surgimento tem forte relação com os hábitos alimentares e existe também componente genético. Acomete principalmente indivíduos acima dos 40 anos, porém tem sido diagnosticado casos avançados em pacientes mais jovens. Normalmente, os sintomas são muito semelhantes a " gastrites", nos casos iniciais, por isso deve ser feita uma avaliação adequada, com grandes chances de um diagnóstico inicial e um tratamento curativo. A endoscopia é o melhor exame para detectá-lo, e a base do seu tratamento é a cirurgia, chamada de gastrectomia, com grandes chances de cura e podendo ser realizada por vídeolaparoscopia.

João Bergamasco

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Manaus


O câncer do estômago ocupa atualmente o quinto lugar em prevalencia no mundo ocidental. Atualmente o tratamento da maioria dos casos com indicação cirúrgica (Gstrectomia) é multidisciplinar, onde o Cirurgião Oncológico é fundamental, atuando conjuntamente com o oncologista clinico. Os casos avançados são tratados com quimioterapia pre operatórias, seguida por cirurgia (gastrectomia), preferencialmente videolaparoscopica, área na qual desenvolvemos nosso mestrado. Apos a cirurgia o paciente recebe quimioterapia adicional. Os casos precoces são tratados exclusivamente por cirurgia.

Carlos Bernardo Cola

Oncologista, Cirurgião geral

Rio de Janeiro


O câncer gástrico é atualmente o quarto câncer mais frequente e no nosso país ele é tardiamente diagnosticado. A cirurgia é a principal forma de tratamento e a cirurgia robótica é hoje uma excelente opção.

Dr. Fabio Thuler

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo

Agendar uma visita

É um câncer localizado no estomago. Os fatores de risco podem incluir tabagismo e uma dieta com alimentos extremamente processados ou salgados. Pode não haver sintomas de câncer de estômago no início. Mais tarde, os sintomas incluem sensação de inchaço após comer, sentir-se satisfeito depois de ingerir pequenas quantidades de comida, náuseas, azia ou indigestão. As opções de tratamento incluem cirurgia, medicamentos, radioterapia e quimioterapia. A cirurgia pode ser realizada por videolaparoscopia, conhecida também como minimamente invasiva, garantindo menos complicações e uma mais rápida recuperação com os mesmos resultados oncológicos.

Ronald Delgado

Cirurgião geral, Cirurgião oncológico

Salvador

Agendar uma visita

Cirurgia é o recurso mais comum de tratamento para o câncer gástrico, estando quase sempre indicada algum momento do tratamento. Gastrectomia parcial ou total poderão estar indicadas como parte do tratamento, incluindo a ressecção dos nódulos linfáticos. Quimioterapia neoadjuvante (antes da ciurgia): estudos mostram que pacientes com câncer gástrico localmente avançado tiveram maior sobrevida com essa modalidade. Quimioterapia adjuvante (após a cirurgia): em pacientes com doença mais avançada, a quimioterapia pós-operatória faz parte do tratamento oncológico.

Daniel Weiss Vilhordo

Cirurgião do aparelho digestivo, Endoscopista

Porto Alegre

Agendar uma visita

Também conhecido como câncer gástrico, os tumores do estômago não causam sintomas específicos, alguns sinais da doença podem, na verdade, ser confundidos com outras doenças gástricas, a exemplo da gastrite, úlcera e outros problemas. As opções de tratamento disponíveis para o câncer de estômago dependem do estágio da doença. A cirurgia é, geralmente, o meio mais utilizado para curar o paciente.

Fábio Oliveira Neves

Cirurgião geral, Cirurgião oncológico

Salvador

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Câncer de estômago?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.