Câncer colorretal - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é o câncer colorretal?

Este tipo de câncer é devido a um crescimento descontrolado de células na camada interna nas últimas seções do intestino. O intestino é um tubo que começa no estômago até o ânus. O intestino delgado é a primeira parte, e é responsável pela digestão e absorção dos alimentos. Começando do lado direito e ao redor do conteúdo do abdômen, é o cólon, ou intestino grosso, que é responsável pela formação das fezes. O reto é a última parte, é responsável por acumular as fezes e permitiu a evacuar quando apropriado.

Como o câncer de cólon e reto?

O câncer colo-retal pode ocorrer em qualquer pessoa (especialmente depois de 40 anos), mas é mais comum após os 60 anos. É o câncer de segundo ou terceiro mais comum em homens e mulheres (que afeta 6% da população) e é a segunda causa mais mortal. No entanto, eles curam até 40-50% dos pacientes, e mais ainda antes do tumor ser diagnosticado.

Geralmente começa com a formação de um pólipo ou adenoma (um tipo de verruga que vem de dentro do intestino). Com o tempo, como resultado de mudanças nos genes (mutações) nestas células o efeito de agentes cancerígenos, algumas são transformados e invadem as diferentes camadas que compõem a parede do cólon e do reto. Uma vez que esta situação ocorre, o câncer pode se espalhar para os nódulos linfáticos, para os órgãos vizinhos ou através do sangue, chamado de metástase.

Sabe-se que todos os cânceres são causados ??por alterações nos genes (mutações) de células, mas não se sabe com certeza como essas mudanças surgem. No entanto, sabe-se que, no caso de câncer de cólon e reto  o principal fator envolvido está na dieta.

Sabe-se que as dietas pobres em fibras (fibras de frutas e legumes) e ricos em açúcar refinado e gordura contribuem para o desenvolvimento de câncer. Embora o mecanismo mais provável é que na ausência das fibras produz-se menos fezes e substâncias que causam câncer (cancerígenos ou carcinógenos) permanecem mais tempo em contato com o intestino, pode haver outros mecanismos envolvidos. Assim, acredita-se que a dieta mediterrânea, rica em frutas e verduras é bom para a saúde e prevenir o câncer colorretal. Parece também que manter um peso saudável e consumir dose baixa de aspirina por dia pode ter um efeito protetor.

São conhecidos em determinadas situações é mais comum do câncer colorretal e devem notificar o médico a tomar medidas preventivas adequadas. Este grupo inclui pessoas com a família com polipose colônica de longa data colite ulcerativa ou uma história familiar de câncer de cólon ou reto em idades precoces.

Quais são os sintomas do câncer colorretal?

Infelizmente, os sintomas do cancro do cólon são geralmente leves e vagos, o que não facilita o diagnóstico precoce destes tumores. Atualmente 85% dos pacientes com câncer colorretal não são diagnosticados até que tenha sido uma infiltração da parede do intestino ou linfonodos ou outros órgãos (o que não significa que eles não podem ser curados).

Os pacientes podem experimentar mudanças em geral, mais ou menos significativa anemia, fadiga ou cansaço, falta de apetite ou perda de peso. O resto dos sintomas relacionados ao sistema digestivo: vaga e difusa dor abdominal, cólicas abdominais, alteração no número e aspecto das fezes (às vezes com prisão de ventre e outros com início dos freqüentes fezes soltas) ou aparecimento de sangue ou muco nas fezes. Mas nenhum destes sintomas é exclusivo para esta doença e às vezes não apresentem quaisquer sintomas.

Quando o câncer é no reto, além dos sintomas acima, os pacientes podem queixar-se de urgência para defecar, sensação de esvaziamento incompleto, dor com os movimentos intestinais ou sangramento retal.

Uma situação especial ocorre quando o tumor cresce e bloqueia ou rompe o intestino. Se ocorre obstrução intestinal aparece dor abdominal, vômitos e falta de deposição e emissão de gases do reto. Em perfuração intestinal é uma dor severa, aumenta com o movimento e é acompanhada de febre. Em ambos os casos, você deve consultar um médico pois a vida do paciente está em perigo e podem exigir cirurgia de emergência.

Se você notar uma mudança mantida sob a forma ou a frequência das fezes ou sangue nas fezes aviso deve consultar o seu médico, especialmente se tiver mais de 40 anos.

Qualquer doença produz sintomas semelhantes aos do câncer colorretal?

  Dependendo dos sintomas, isso pode ocorrer em várias doenças:

Sangramento do reto:

É o primeiro sintoma do câncer do cólon e do reto, uma doença extremamente comum. Hemorróidas geralmente produzem uma aparência de sangue fresco espumante tinto, não relacionadas com a deposição (manchas suas roupas íntimas entre deposição e outros), enquanto sangramento nas fezes pode refletir a existência de doenças do cólon, como a diverticulite A falta de sangue para o cólon, angiomas (veias anormais) ou colite (inflamação do cólon), mas a forma como o sangue normalmente ocorre no caso do câncer, o que exigiu a investigar quando ela ocorre.

Dor abdominal:

causas de dor abdominal são inúmeras e não se deve pensar que você tem um câncer no abdome dói, mas você deve investigar se essa dor persistir ao longo do tempo, especialmente se acompanhada por outras anormalidades.

Anemia:

também pode ser causada por muitas doenças e, geralmente, não é relevante, mas deve investigar se não há nenhuma causa óbvia para provocá-lo (a menstruação muito abundante, esofagite ...).

Diarréia:

sobre a diarreia, as causas mais freqüentes quando dura menos de três semanas são as infecções do cólon (colite), mas você deve considerar quando prolongada. Além de câncer de cólon pode ser causada por doenças como a colite ulcerativa, doença de Crohn, intestino irritável, divertículos, a falta de irrigação do cólon (colite isquêmica), problemas de absorção intestinal, etc.

Como é diagnosticado o cancro do cólon e do reto?

O médico irá realizar uma história clínica seguida de um exame físico geral e um exame do reto com o dedo (toque retal), que não é doloroso e pode sentir se há câncer retal possível e confirmar a presença de sangue ou muco.

O teste fundamental para diagnosticar o câncer colorretal é a colonoscopia ou colonoscopia com amostragem para um estudo mais aprofundado (biópsia). Este teste é inserido através do tubo de luz reto de vídeo para visualizar o interior do intestino. Este teste requer que o intestino esteja vazio e limpo para que você deve tomar alguns dias o preparado antes de ter que remover todos os restos do intestino.

Outros testes utilizados para diagnóstico e estudo de câncer colorretal são enema de bário (x-ray contraste através do reto), ultra-sonografia e ecografia abdominal. O seu médico irá decidir em que circunstâncias esses testes podem ser necessários.

Em qualquer caso, a confirmação do diagnóstico é feito por um patologista, após exame das biópsias ou peças removidas durante a cirurgia.

Como é o câncer do cólon e do reto?

Remoção completa e saudável margem do segmento de intestino que hospeda o tumor é a fase mais importante do tratamento, se você quer curar a doença. Às vezes, isto pode exigir uma colostomia ou remover outros órgãos afetados pelo tumor.

A colostomia é uma abertura no abdômen, que comunica o intestino e as fezes saindo que serão coletados em uma bolsa. A colostomia pode ser permanente ou temporária, caso em que você pode fechar em uma nova cirurgia. Hoje, os dispositivos de colostomia permitem que uma pessoa leve uma vida absolutamente normal, mesmo nos aspectos mais íntimos.

Além de cirurgia pode ser necessária quimioterapia ou radioterapia para ajudar a melhorar as chances de cura do paciente. Isso geralmente é determinado pela extensão do tumor, que é estabelecida através de ensaios pré-operatório ou pela análise patológica do pedaço de excisão cirúrgica e os resultados observados na intervenção.

Que complicações podem surgir?

Cirurgia

No momento da cirurgia, além das complicações de todos os procedimentos cirúrgicos (infecção, sangramento, reações alérgicas, problemas de oxigenação, trombose das veias das pernas, derrames, ataques cardíacos, pneumonia, ...) pode causar uma complicação muito grave se anastomoses (junções) do intestino, que é a saída de líquido intestinal por meio de sutura. Isso faz com peritonite (necessidade de intervenção urgente) ou de uma fístula (comunicação com o exterior do intestino através da parede abdominal e pele) situação menos grave que pode ser tratada sem cirurgia porque o conteúdo do intestino passa o peritônio, mas sair através da pele e não produz infecção.

Até 5% dos pacientes morrem dentro de 30 dias após a operação. Para tentar fazer o mínimo possível de mortalidade geralmente é feito uma limpeza de cólon (com as soluções que a força para expulsar as fezes) antes da cirurgia e antibióticos e derivados de heparina para prevenir coágulos.

De acordo com as complicações que podem surgir e será a duração da internação, mas em um pós-operatório, os pacientes sem complicações pode ser dispensados entre sete e dez dias após a cirurgia, com ou sem pontos. Em seguida, os pacientes geralmente se recuperam normais pelo segundo mês sendo possível retorno a uma atividade de trabalho normal.

Quimioterapia

As complicações mais frequentes da quimioterapia são vómitos e perda de cabelo (problemas geralmente corrigido facilmente), mas às vezes há uma falta significativa de células no sangue que pode pôr em perigo a vida do paciente.

Radioterapia

A radioterapia é normalmente aplicada apenas em casos de câncer retal, pode causar alterações na coloração da pele, irritação do reto ou da bexiga, e as alterações no movimento intestinal.

É possível prevenir o câncer colorretal?

Não é bem assim, mas você pode tomar medidas que tornam o risco é menor: controle de peso, manter uma dieta rica em frutas e vegetais (como na típica dieta mediterrânea) e exercício físico regular. Procurar um médico sempre que aparecerem sinais de hemorragia suspeita, especialmente retal, você pode fazer o câncer ser diagnosticado antes que se espalhe, o que aumenta significativamente as chances de cura.

Hoje não há evidência suficiente para permitir um diagnóstico precoce da doença na população em geral.

No entanto, indivíduos de alto risco (familiares de pacientes com polipose colônica familial, colite ulcerativa de longa duração ou síndromes familial de câncer de cólon ou reto) devem consultar um médico prescrever os exames necessários para detectar a possível ocorrência de câncer o mais cedo possível.

Que vive com cancro do cólon ou do reto

É possível curar e viver muitos anos depois de serem tratados para o cancro do cólon ou do reto, e este é o mais provável que o tumor é menos comum, isto é, quanto mais cedo ele for detectado. Portanto, é importante consultar o seu médico se notar os sintomas acima.

Pacientes jovens geralmente estão estabelecendo um sistema de controle para detectar possível recorrência precoce ou metástase (células tumorais atingir órgãos distantes desenvolvimento de um novo tumor no mesmo) que podem ser removidos e, assim, melhorar as chances de sobrevivência o paciente. Caso contrário, um paciente tratado por câncer de cólon ou no reto pode levar uma vida perfeitamente normal.

Especialistas em câncer colorretal

Encontre um especialista em Câncer colorretal na sua cidade:
Jose Claudio Casali da Rocha

Jose Claudio Casali da Rocha

Oncologista, Geneticista

São Paulo

Andreas Johann Molnar Koszka

Andreas Johann Molnar Koszka

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo

Oswaldo Luiz Pavan Júnior

Oswaldo Luiz Pavan Júnior

Endoscopista, Gastroenterologista

Vitória

David Pinheiro Cunha

David Pinheiro Cunha

Oncologista

Campinas

Ivna Holanda Viana

Ivna Holanda Viana

Cirurgião geral, Coloproctologista

Fortaleza

Marcele Gnata Vier

Marcele Gnata Vier

Oncologista

Florianópolis

Perguntas sobre Câncer colorretal

Nossos especialistas responderam a 50 perguntas sobre Câncer colorretal

De jeito nenhum
Câncer não tem esse aspecto contagioso como falado pela colega acima . Não se preocupe em relação a isso
Muitos estigmas são colocados no paciente portador de câncer…
4 respostas

 Daniel Weiss Vilhordo
Daniel Weiss Vilhordo
Cirurgião do aparelho digestivo, Endoscopista
Porto Alegre
Sua pergunta é muito relevante, e é uma dúvida que com certa frequência aparece no consultório quando o (a) paciente traz um exame ou um conjunto de exames. Aparentemente, estamos diante de apenas…
3 respostas

O antígeno carcinoembrionario, CEA é um exame de sangue utilizado no câncer colorretal . Todavia não para busca do câncer . O exame a ser realizado é a colonoscopia , a partir dos 50 anos ou…
5 respostas

Especialistas falam sobre Câncer colorretal

Patologia muito frequente no Brasil! E muitas vezes avançada ao diagnóstico.Por isso a prevenção através da colonoscopia .Historia familiar ,sangramentos ,alterações do ritmo intestinal assim como secreções devem ser sinal de alerta

Paulo Machado Do Couto Soares

Coloproctologista, Endoscopista

Nova Iguaçu

Agendar uma visita

O câncer colorretal é um dos principais cânceres encontrados no Brasil, geralmente está associado a fatores genéticos como mutações em diferentes genes e/ou fatores ambientais como excesso de consumo de gordura animal, carnes vermelhas, embutidos e poucas fibras na dieta. Seus sintomas são em geral prisão de ventre repentina, diarréia, sangramento nas fezes, afilamento das fezes, cólicas abdominais e emagrecimento. O dia é feito por colonoscopia e biópsia. Seu tratamento depende do estadiamento da doença e condições de saúde do paciente, mas "a priori" é cirúrgico em todas as etapas iniciais da doença e alguns casos até mesmo nos casos avançados com metástases.

Dr. Sergio Renato Pais-Costa

Oncologista, Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Brasília


O que é o câncer colorretal? O câncer do intestino grosso é um tumor que cresce do revestimento (mucosa) do intestino grosso. Geralmente, advém de um acúmulo de alterações genéticas dentro de um pólipo que demoram 5-7 anos para ocorrer. Alguns fatores de hábito de vida podem acelerar esse processo de alterações genéticas. O cigarro é um deles. A dieta rica em gordura, rica em carnes vermelhas e a obesidade também são outros fatores. Quais são os sintomas do câncer de intestino grosso? Se você tem um dos sintomas ou sinais abaixo, procure seu médico: - anemia por deficiência de ferro - constipação de início recente - diarreia

Rodrigo Gomes Da Silva

Coloproctologista

Belo Horizonte


São tumores que acometem o intestino grosso (cólon e reto). Uma característica desses tumores é que tem origem em pólipos (que são pequenas elevações na parede do cólon e/ou do reto e que crescem muito lentamente, podendo levar muitos anos para se tornarem malignos). Isso permite que esses pólipos possam ser identificados e retirados antes de se transformarem em malignos, através da colonoscopia.O sinal mais comum é o sangramento, a anemia é muito comum, principalmente em pessoas com mais de 50 anos, alterações no hábito intestinal (diarreia ou intestino preso), permanência da vontade de evacuar mesmo após a evacuação e desconforto abdominal com gases ou cólicas são sinais de tumores.

Guilherme Lemos Cotta Pereira

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Diagnostico e tratamento do cancer colorretal. Cirurgia laparoscopica.

Marison Koji Uratani

Cirurgião geral, Coloproctologista

Londrina


Abrange tumores que acometem um segmento do intestino grosso (o cólon) e o reto. Os sinais e sintomas dependem da localização do tumor no intestino e, inicialmente, podem ser inespecíficos. Dentre os mais frequentes são dor abdominal e mudança do hábito intestinal. Além destes, destacamos o sangramento anal, anemia e perda de peso. Dentre os principais fatores de risco podemos citar idade acima de 50 anos e história familiar de câncer colorretal. É tratável e, na maioria dos casos, curável, ao ser detectado precocemente, quando ainda não se espalhou para outros órgãos. A cirurgia é o tratamento inicial, retirando a parte do intestino afetada e os nódulos linfáticos próximos à região.

Rodrigo Rego Lins

Coloproctologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

O câncer colorretal atualmente é o terceiro tipo mais comum de câncer na população adulta e pode ser prevenido com a realização de colonoscopia!! A indicicacao do exame e frequência do mesmo são extremamente importantes e devem ser realizadas por médico especialista.

Ana Carolina Pereira De Sousa

Coloproctologista

São Paulo


O tratamento do cancer colorretal evoluiu muito nos ultimos anos com a melhora dos quimioterapicos e as tecnicas de videolaparoscopia. Hoje fazemos uma cirurgia segura com baixo indice de complicaçao e oncologicamente correta e com as vantagens do acesso laparoscopico.

Gustavo Souto Rachid Hatun

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São José dos Campos


O câncer colorretal (câncer de cólon/intestino ou reto) é o terceiro câncer mais comum. Quando descoberto em seus estágios iniciais, geralmente é tratado com cirurgia e muitas vezes curado. Infelizmente, muitas pessoas não apresentam sintomas ou dor até que a doença atinja um estágio avançado e comece a se espalhar para outros órgãos, como fígado ou pulmões. Quando os sintomas ocorrem, eles incluem diarreia ou constipação, sensação de que o intestino não esvazia completamente, sangue vermelho ou muito escuro nas fezes, fezes mais estreitas do que o habitual, dores frequentes de gases ou cólicas, sentir-se cheio ou inchado, perder peso sem motivo conhecido, sentir-se muito cansado o temp

Felipe Guerrero Prieto

Cirurgião geral, Coloproctologista

São Paulo


A grande extensão e variedade de órgãos do trato digestivo nos faz diagnosticar, na prática do consultório, alguns tumores benignos ou malignos. Após o diagnóstico exato, geralmente realizado através de biópsias, deve-se realizar o estadiamento da lesão, ou seja, saber seu tamanho, grau de acometimento de outros órgãos e presença ou não de metástases. Após o estadiamento pode-se iniciar o tratamento seja ele cirúrgico ou medicamentoso (Quimio e/ou Radioterapia). Hoje a grande maioria das cirurgias do Aparelho Digestivo, incluindo as cirurgias oncológicas, é realizada por vídeolaparoscopia. Traz o benefício de uma rápida recuperação pós operatória, com os princípios de radicalidade oncológica

Daniel Kruglensky

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo


O câncer colorretal é um dos tumores malignos mais comuns, tanto em homens como em mulheres. Eles podem ser evitados , quando pacientes são submetidos ao exame de colonoscopia , em geral à partir dos 50 anos. Esse exame é importante pois pode diagnosticar pequenas lesões benignas que no futuro poderiam se transformar num tumor maligno. O tratamento basicamente deste tumor consiste no tratamento cirúrgico e posteriormente faz-se a complementação com a quimioterapia quando necessária. No caso do tumor localizado no reto, muitas vezes a radioterapia também será necessária para reduzir as chances da doença voltar.

É o nome dado ao câncer do intestino. É mais frequente com o passar da idade, e geralmente diagnosticado através de uma colonoscopia. Na maioria das vezes não possui sintomas, mas quando estes aparecem, é comum através de sangramento nas fezes, dor abdominal e alteração do ritmo do intestinal. O tratamento para cura é a cirurgia, a depender caso a caso. Infelizmente alguns casos são muito avançados ao diagnóstico, quando somente a quimioterapia é possível.

Diogo Stinguel Thomazini

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Vila Velha

Agendar uma visita

O câncer colorretal é uma das neoplasias mais prevalentes na população mundial Atualmente houve grande avanço no tratamento, podendo ser realizado com extrema segurança e precisão pela via laparoscópica

Joao Paulo Maciel

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo


O câncer de cólon e reto ou câncer colorretal se caracteriza por tumores que atingem o cólon (intestino grosso) e o reto (ultima porção do intestino grosso). O tipo mais comum de câncer colorretal é o adenocarcinoma colorretal, originado nas glândulas presentes no cólon, e que corresponde a mais de 90% dos casos. O diagnóstico geralmente é realizado por colonoscopia. O tratamento do câncer de cólon e reto é feito cirurgicamente, com a retirada de parte do intestino e os nódulos linfáticos próximos à região. É comum a associação da cirurgia com tratamentos como a radioterapia, e quimioterapia para diminuir a possibilidade de volta do tumor.

Jorge Vasquez Del Aguila

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Belo Horizonte

Agendar uma visita

A cirurgia do Câncer colorretal, assim como dos outros tumores do aparelho digestivo tem sido realizada por cirurgia minimamente invasiva do tipo laparoscopia e robótica.

Jose Paulo Jesus

Oncologista, Cirurgião do aparelho digestivo

Rio de Janeiro


Os cânceres colorretais São tumores que acometem o intestino grosso que é subdividido em cólon e reto. Uma característica importantíssima desses tumores é que a maioria deles tem origem em pólipos que são pequenas elevações na parede do cólon e/ou do reto e que crescem muito lentamente, podendo levar muitos anos para se tornarem malignos. Isso permite que esses pólipos possam ser identificados e retirados antes de se transformarem em tumores malignos, através da colonoscopia.O sangramento ao evacuar é o sinal mais comum, anemia sem causa aparente, principalmente em pessoas com mais de 50 anos, alterações no hábito intestinal (diarreia ou intestino preso), desconforto abdominal.

Busco sempre explicar aos meus pacientes tudo sobre o câncer de intestino, desde o diagnóstico até o tratamento e as expectativas. Minha especialização fora do país me deu uma visão mais abrangente do tratamento e hoje, câncer de intestino é o que mais trato no meu dia-a-dia.

Câncer colorretal é o câncer que acomete qualquer segmento do intestino grosso e o reto. É muito comum em todo o mundo, sendo que no Brasil é o quarto colocado em incidência. Desenvolve-se de forma lenta e silenciosa e, por isso, a realização do rastreamento é primordial para seu diagnóstico precoce. Quando descoberto na primeira fase da doença a cura ocorrerá em cerca de 85% dos pacientes. Dieta pobre em grãos e vegetais e o sedentarismo são fatores de risco para estes tumores. O rastreamento deverá começar entre 40 e 50 anos de idade para as pessoas sem antecedentes familiares de câncer no intestino ou reto.

Adriano Gonçalves Ruggero

Cirurgião geral, Coloproctologista

São Paulo

Agendar uma visita

O câncer colorretal acomete pessoas de todas as idades porém sua incidência começa a aumentar após os 50 anos de idade quando geralmente é necessário começar a fazer exames para o diagnóstico precoce. A cirurgia colorretal convencional ou videolaparoscópica é o pilar central do tratamento sendo também necessário em alguns casos a radioterapia e a quimioterapia. A colonoscopia é o exame mais indicado para o disgnóstico da doença. Quando diagnosticado precocemente e tratado adequadamente as chances de cura são enormes. Se você tem 50 anos ou mais e nunca fez uma colonoscopia procure seu médico o quanto a antes.

André Medeiros

Cirurgião do aparelho digestivo, Gastroenterologista

Maringá

Agendar uma visita

A causa de câncer colorretal é multifatorial, como alimentação, sedentarismo, obesidade, tabagismo, antecedente familiar e até mesmo síndromes genéticas mais incomuns. Os sintomas variam de acordo com a localização do tumor no intestino grosso, sendo os principais: perda de peso, cólicas abdominais, distensão (gases), sangramento e alteração do hábito intestinal. O principal exame diagnóstico é a Colonoscopia, que deve-se inciar como método de rastreio a partir de 45 anos para a população em geral. Em alguns casos, deve-se inciar o rastreio antes, e a repetição do exame varia de acordo com os achados. O tratamento do câncer colorretal é cirúrgico, com ou sem radioterapia e quimioterapia.

Nathalia Lins Pontes Vieira

Cirurgião geral, Coloproctologista

São Paulo

Agendar uma visita

O câncer coloretal é um câncer também bastante comum em homens e mulheres. O Dr. Ramon tem grande experiência nesse tipo de doença na Europa e no Brasil. Tem experiência com uso de anti-corpos monoclonais (terapias alvo), imunoterapia e quimioterapia. Além disso, faz o acompanhamento e rastreio desse tipo de câncer.

O câncer do intestino grosso, também chamado de câncer de cólon e reto ou câncer colorretal, é uma doença que atinge indistintamente homens e mulheres. Em sua maioria, o câncer colorretal se desenvolve gradativamente por uma alteração nas células que começam a crescer de forma desordenada sem apresentar qualquer sintoma. Por esse motivo, a detecção precoce é fundamental. Quanto mais cedo diagnosticada, maiores as chances de cura da doença.

São tumores que acometem o intestino grosso que é subdividido em cólon e reto. Uma característica importantíssima desses tumores é que a maioria deles tem origem em pólipos e que crescem muito lentamente, podendo levar muitos anos para se tornarem malignos. Isso permite que esses pólipos possam ser identificados e retirados antes de se transformarem em tumores malignos, através da colonoscopia. O sangramento ao evacuar e anemia sem causa aparente são os sinais mais comuns. O tratamento nos tumores iniciais geralmente é menos agressivo, através da retirada de pólipos e lesões pela colonoscopia ou por cirurgias com ressecções locais. Nos tumores maiores há necessidade de cirurgia.

Dorivam Celso Nogueira Filho

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

Curitiba

Agendar uma visita

O câncer colorretal (intestino grosso e reto) é um das neoplasias malignas mais frequentes no mundo e a cura pode ser alcançada com diagnóstico precoce e tratamento especializado (cirurgia +/- quimioterapia +/- radioterapia). Pacientes com perda de peso inesperada, falta de apetite, sangramento nas fezes, alteração do ritmo normal de evacuação (intestino preso ou diarreia ou alternância entre eles) devem ser investigados quanto à presença dessa doença. Pacientes com história familiar de tumores colorretais, síndromes hereditárias como lynch, síndromes polipóides podem aumentar chance de ocorrência da doença. O cirurgião oncológico é um profissional habilitado para diagnóstico e acompanhamento.

Felipe Lima Monteiro

Oncologista, Cirurgião geral

Fortaleza

Agendar uma visita

O câncer de intestino grosso e reto está entre os 3 tipos que mais afetam os brasileiros. Geralmente é silencioso no início, por isso é importante fazer o rastreio com colonoscopia a partir dos 50 anos. Quando está mais avançado costuma causar dor abdominal, perda de peso, alteração do funcionamento do intestino (mais preso ou mais solto) e sangramento nas fezes. O tratamento é difícil e longo, porém se realizado no início tem grandes chances de cura. Envolve cirurgia para retirada do segmento de intestino acometido e seus gânglios linfáticos ao redor e a reconstrução do mesmo. Muitas vezes também é necessário quimioterapia e radioterapia. A cirurgia pode ser feita por videolaparoscopia.

Daniel Hortiz De Carvalho Nobre Felipe

Cirurgião do aparelho digestivo, Coloproctologista

João Pessoa

Agendar uma visita

O câncer colorretal ocupa atualmente o quarto lugar em prevalencia no mundo ocidental, correspondendo ao câncer mais comum do aparelho digestivo. Atualmente mais de 80-85 % dos casos podem ser curados, desde que sejam diagnosticados precocemente e que sejam tratados por equipe oncológica multidisciplinar, onde o Cirurgião Oncológico é fundamental, atuando conjuntamente com o oncologista clinico e o radioterapeuta (câncer do reto).

Carlos Bernardo Cola

Oncologista, Cirurgião geral

Rio de Janeiro


Segundo novas diretrizes da American Cancer Society (ACS) a prevenção do câncer de intestino se dá com programas de rastreamento em indivíduos a partir de 45 anos. A recomendação é baseada em dados recentes mostrando um aumento na taxa deste tipo de câncer em populações mais jovens. Os grupos de maior risco são: história pessoal ou familiar de pólipos e câncer de intestino, retocolite ulcerativa, doença de Crohn, câncer de mama, ovário ou útero. Deve ser realizado por meio de exames de sangue oculto nas fezes e endoscopias (colonoscopia ou retossigmoidoscopias) a cada cinco anos. Se pertencer ao grupo de risco, deve iniciar rastreamento aos 40 anos, incluindo a colonoscopia.

Diego Yuji Ito

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo


É um câncer que se localiza em qualquer segmento do intestino grosso, incluído o reto. Os sintomas de câncer colorretal dependem do tamanho e da localização do câncer. Alguns sintomas comuns incluem alterações nos hábitos intestinais e na consistência das fezes, sangue nas fezes e desconforto abdominal. O tratamento do câncer colorretal depende do tamanho, da localização e da propagação do câncer. Tratamentos comuns incluem cirurgia para remover o câncer, quimioterapia e radioterapia. A cirurgia pode ser realizada por videolaparoscopia que consiste na colocação de umas pinças a través de pequenos orifícios na pele. Garantindo uma melhor recuperação.

Ronald Delgado

Cirurgião geral, Cirurgião oncológico

Salvador

Agendar uma visita

O câncer colorretal abrange os segmentos do intestino grosso (cólon) e reto. Fontes sugerem o acometimento de cerca de 37mil brasileiros por ano. Cerca de 90% das vezes esse tumor se inicia a partir de pólipos (verrugas benignas na superfície interna do intestino). Acredita-se que numa média de 10anos há a progressão desse pólipo se transformando em uma lesão maligna. Portanto, a prevenção é o melhor remédio, haja vista que tratar um pólipo é mais simples que um tumor já estabelecido. É mais comum a partir dos 50 anos e alguns sintomas nos preocupam, tais como sangramento nas fezes, perda de peso, mudança brusca no hábito intestinal. Nestes casos procurar auxilio de um gastro.

David Lopes Luvizoto

Cirurgião do aparelho digestivo, Gastroenterologista

Piracicaba


O câncer colo-retal é uma doença maligna que pode acometer o intestino grosso e reto. Sintomas podem incluir sangramento isolado ou junto às fezes, anemia, perda de peso, dor abdominal ou alteração do hábito intestinal. O diagnóstico é feito através de exame proctológico ou por intermédio de colonoscopia e biópsia. Sempre que esses sintomas surgirem, um coloproctologista deve ser consultado para avaliação especializada

O câncer colorretal é o terceiro mais comum. Existem as formas hereditárias, em geral, ocorrendo mais precocemente e as esporádicas, que não tem relação familiar e ocorrem por volta dos 60 anos. O diagnóstico se dá pelo rastreamento em pacientes que não apresentam nenhum sintoma ou na investigação de quadros como anemia, alteração do hábito intestinal, sangramento retal e é confirmado pela colonoscopia com biópsia. Seu tratamento é, na maioria das vezes, cirúrgico, seja por via videolaparoscópica ou aberta. A análise da peça cirúrgica determinará, muitas vezes, a indicação de quimioterapia como complemento terapêutico. Quanto mais precoce o diagnóstico, maiores as taxas de cura.

Thais Yuka Takahashi

Cirurgião oncológico, Coloproctologista

São Paulo


Para tratar todos os tipos de câncer de nódulo sólido, usamos um método alemão chamado Oncothermia - o único aparelho do Brasil está em nossa clínica. A Oncothermia é indolor, não gera sequelas, não é invasiva. Os pacientes se sentem renovados com os tratamento com eletromedicina, e fortalecidos. TEmos muitas remissões em pacientes que já estavam desenganados, e hoje eles tem vida normal. Muitos pacientes que estao fazendo tratamentos quimicos em outras clinicas, nos procuram para fazer umtratamentocomplementar. E isso ajuda muito na recuperação. Usamos algumas estratégias para melhorar nos pos tratamento quimico ou radioterápico.

O câncer de cólon abrange tumores que acometem um segmento do intestino grosso (o cólon) e o reto, sendo um dos tipos de câncer de maior incidência no mundo. É tratável e curável na maioria dos casos quando detectado precocemente. Grande parte desses tumores se inicia a partir de pólipos (lesões benignas que podem crescer na parede interna do intestino grosso). A doença tem maior incidência em pessoas com mais de 50 anos, não havendo diferença significativa em ambos os sexos. O que vai determinar a escolha do tratamento é o estadiamento do tumor. Busque sempre orientação de um profissional habilitado para diagnóstico e tratamento adequado.

Manoel Henrique Dutra

Oncologista, Cirurgião geral

Campo Grande

Agendar uma visita

O câncer de cólon abrange tumores do intestino grosso, alguns sintomas comuns incluem alterações nos hábitos intestinais e na consistência das fezes, sangue nas fezes e desconforto abdominal. Pode ser detectado precocemente usando de dois exames: pesquisa de sangue oculto nas fezes e colonoscopia. Pessoas com mais de 50 anos devem se submeter anualmente à pesquisa de sangue oculto nas fezes. Caso o resultado seja positivo, é recomendada a colonoscopia.

Fábio Oliveira Neves

Cirurgião geral, Cirurgião oncológico

Salvador

Agendar uma visita

A cirurgia para tratamento dos tumores do reto implica na retirada de parte ou de todo o reto e de uma emenda (anastomose). Essa emenda pode apresentar uma cicatrização inadequada e formar uma fístula ou vazamento nessa emenda, o que é uma complicação grave, que pode levar à perda da anastomose e necessidade de uma colostomia (bolsinha do intestino) definitiva e até ao óbito em alguns casos. Oferecemos como alternativa a cirurgia de ressecção transanal de tumor do reto (Tem ou Teo), um procedimento realizado sem corte no abdomen e que tem riscos extremamente menores de complicações se comparado à cirurgia por via abdominal. Esse procedimento pode ser realizado em tumores pequenos do reto.

Carlos Augusto Rodrigues Veo

Oncologista, Cirurgião oncológico

Barretos

Quais profissionais tratam Câncer colorretal?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.