Câncer de mama - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é câncer de mama?

A mama é uma glândula composta do tecido mamário em si (que é composta de lobos) e um tecido chamado conjuntivo e apoio de gordura. Leite é produzido nos lobos do tecido mamário e dutos e conduzidos até a saída do mamilo.

Câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve no tecido mamário (embora possa haver tumores nos tecidos que suportam, mas não são verdadeiros cancros da mama). Se o tumor está contido nos lobos e dutos é chamado de "in situ" ou não-invasivo. Se as células do tumor saem dos ductos e lóbulos, o tumor é invasivo.

Freqüência de câncer de mama

É o câncer mais comum entre as mulheres e afeta cerca de um milhão de mulheres em todo o mundo. É o tumor maligno que causa mais mortes entre as mulheres. Sua incidência em nosso país é cerca de 46 casos por 100.000 habitantes e mais de 15.000 casos / ano (um em cada uma estimada 11-12 mulheres irá desenvolver cancro da mama). Nos homens esse tumor também pode ocorrer, embora os seus efeitos sejam muito menores (é um câncer raro em homens): menos de 1%. A taxa de cura é de cerca de 60%.

Quais são os fatores de risco para câncer de mama?

Idade

A incidência aumenta com a idade e dobra a cada 10 anos até a menopausa. A idade de maior incidência: 45-60 anos. 75% dos cânceres de mama ocorrem em mulheres acima de 40 anos. Estima-se como fator de risco a idade de 50 anos. Isto não significa que o câncer de mama não ocorre em mulheres jovens, mas é muito menos comum.

Variação geográfica

É menos comum em países asiáticos (China, Japão), e mais comum em países industrializados ocidentais. Neste último, é menos comum em países latinos ou mediterrânicos (Espanha, Itália, Grécia), que em países anglo-saxões ou nórdicos.

Estudos em mulheres japoneses que imigraram para os Estados Unidos mostram que a freqüência de câncer de mama nestas mulheres é elevada em relação as do país da América em uma ou duas gerações. Isto indica uma possível relação entre fatores ambientais e do tipo de vida com câncer de mama.

Fatores reprodutivos, gravidez

Mulheres com um primeiro período em uma idade precoce e menopausa tardia apresentam maior risco de câncer de mama. Menopausa após 55 anos de idade dá duas vezes mais chances de desenvolver câncer de mama do que mulheres com menopausa antes dos 45 anos de idade.

A incidência desta doença é maior em mulheres que tiveram filhos na primeira gravidez tardiamente. Estima-se que o risco de câncer de mama em mulheres que tiveram seu primeiro filho depois dos 30 anos é quase o dobro do que tinha antes de 20. O grupo de maior risco são as mulheres que tiveram seu primeiro filho depois dos 35 anos.

Herança

Estima-se que até 10% dos cânceres de mama são hereditários. Este fator hereditário pode ser transmitido por ambos os pais e membros da família podem passar o gene alterado sem o desenvolvimento de câncer de si mesmos. Eles não são exatamente conhecidos o conjunto de genes envolvidos no câncer de mama, mas poucos foram identificados que desempenham papel importante nestes tumores como o gene BRCA.

Doenças prévias da mama

Apenas a chamada hiperplasia atípica epitelial da mama parece aumentar o risco de câncer de mama em mulheres que anteriormente tiveram.

Radiação

A radiação chamada ionizante são conhecidos como causa do desenvolvimento de câncer de mama. Esta relação é baseada em estudos até meados do século as mulheres ou meninas adolescentes que tinham recebido radiação no peito após exposição repetida aos raios-X como um método de diagnóstico ou tratamento. O risco de desenvolver o tumor depende da idade em que eles receberam dose de radiação recebida por cada exposição aos raios eo número de vezes que foram expostos (dose total).

Estilo de vida

Estão em curso estudos que são realizados sobre câncer de mama e de aquisição de gordura na dieta de pessoas. Alguns sugerem que o óleo de oliva (dieta mediterrânea) ajuda a reduzir o risco de desenvolver o tumor, no entanto, são fatores que ainda precisam de mais estudos e mais prazo. Recentemente, está se concentrando sobre o consumo de soja como protetor contra o câncer de mama.

Excesso de peso

Ela está associada com um risco aumentado em mulheres na pós-menopausa (até duas vezes mais propensos do que os não-obesos).

Álcool

Não parece ser um fator de claro no desenvolvimento do câncer de mama, embora alguns estudos apontam que é inconsistente. Sim, o cigarro pode ser um agente de influência especialmente em casos de mulheres mais jovens em que não há câncer de mama..

Hormônios

Há considerável controvérsia sobre se o consumo

contraceptivos orais

aumenta o risco de câncer de mama. Estudos de grande porte não chegam a um acordo definitivo. Como guia, podemos dizer que descreveu-se um risco levemente maior em pessoas que tomam estes medicamentos, mas que este risco é muito pequeno.

Terapia de Reposição Hormonal

Outras preparações hormonais que as mulheres tomam o que é chamado Terapia de Reposição Hormonal (TRH). Hormônios são dadas às mulheres para aliviar os sintomas da menopausa que ocorrem durante este período. Esses hormônios que estão na mesma situação com os contraceptivos orais: estudos muito diferentes surgem, e ajudam a esclarecer cem por cento se este tratamento é um fator de risco para câncer de mama ou não.

Podemos dizer como regra geral que as evidências que atualmente não sugerem que a TRH aumenta a mortalidade por câncer de mama, embora não possamos descartar exaustivamente para todas as mulheres, um ligeiro aumento no risco de tratamento da doença.

Quais são os sintomas do câncer de mama?

Nos estágios iniciais da doença, as mulheres não sentem quaisquer sintomas ou desconforto aparente. Portanto, muitos cânceres de mama são diagnosticados quando as mulheres são atendidas em exames médicos de rotina, ou programas de triagem para câncer de mama.

Nódulo na mama

Em alguns casos o primeiro sintoma é o aparecimento de um nódulo na mama. A primeira coisa a considerar, não para nos assustar é que nem todos os caroços ou nódulos que aparecem na mama é um câncer de mama. A mulher percebe ao se lavar no chuveiro, no exame de mama.

Alterações na pele

Às vezes, a mulher percebe uma mudança de forma na pele da área do peito, com depressões ou rugas, o que muda ao longo do tempo. Em casos avançados, pode assumir a aparência da pele de uma laranja. Às vezes, essa área, ou toda a mama pode ficar avermelhada, alargada (inchadas).

Alterações na pele da mamilo

Você também pode perceber mudanças na pele do mamilo, que é inserido no peito, a corroer ou descascar (perdendo a descamação da pele), ou que tenha alta do mesmo, tanto leitoso, aguado ou sangue.

Envolvimento dos gânglios axilares

Outro sinal de que pode aparecer são gânglios linfáticos envolvidos na axila, geralmente do lado da mama afetada. Esse caroços ficam inchadas pelo efeito tumor.

Como é diagnosticado cancro da mama?

Qualquer uma das mudanças que acabamos de mencionar surgir, é importante que a mulher consulte o seu médico. Ele então vai iniciar o estudo do caso, pedir mais exames, que irão para o especialista. Em outros casos, o médico fala diretamente com o especialista por ser ele quem iniciou o estudo.

Exame físico

Ele consiste em um primeiro exame, tanto gerais como ambas as mamas, axilas e pescoço. Isto é feito para determinar um nódulo na mama ou nódulos linfáticos nas axilas.

Mamografias

Podemos dizer que são os raios-x das mamas. Possivelmente a melhor evidência para o estudo dessas glândulas. Identificar as áreas anormais no peito, mas nem sempre têm de ser câncer de mama. Você pode dar orientação sobre a benignidade ou malignidade dessas áreas anormais, mas a segurança não está completa. Mamografia em mulheres mais jovens normalmente não são muito esclarecedoras, por causa da densidade diferente da mama nestas mulheres em comparação com outras mais velhos, é por isso que não é necessário ou útil mamografias de rotina neste grupo de mulheres jovens.

Sonogramas

Eles podem ajudar no estudo, determinar se um nódulo é sólido ou líquido, tamanho, etc. Eles são úteis como prova definitiva, mas também são para outras doenças, como cistos.

A aspiração da agulha (FNA)

Ela envolve a inserção de uma agulha em um nódulo detectado anteriormente. Esta agulha permite a coleta de amostras de células linfáticas, que serão analisadas sob um microscópio. Às vezes, há alterações na mamografia, mas não pode se sentir caroços, tornando-se necessário a punção com mamografia ou ultra-som de controle.

Biopsia

Pode ser que seja necessário como muitas células da área anormal para o diagnóstico. O médico, então, recorre à biópsia. Envolve tomar uma amostra de tecido mamário para exame ao microscópio. Este processo pode ser feito no âmbito local ou geral, dependendo da situação de cada paciente e cada caso. Há casos em que se decide remover cirurgicamente o nódulo suspeito, e analisado ??durante o mesmo procedimento cirúrgico, de modo que se tiver que ampliar o local da cirurgia, pode ser feito de uma só vez, sem ter que devolver o paciente à sala de cirurgia outra hora.

Que tipos de câncer de mama existem?

Podemos encontrar diferentes classificações de câncer de mama, servindo diferentes tipos de dados. Para evitar confusão, vamos discutir quais são os tipos mais comuns, além de outros casos raros.

Carcinomas invasivos

Os carcinomas não-invasivos são aqueles que não têm ultrapassado algumas das estruturas microscópicas da mama. Dependendo de onde são originários, pode ser duto (intraductal) ou lobular (intralobular). Por sua vez, o duto pode ter diferentes variedades microscópica. Este tipo de carcinoma não-invasivo raramente gera metástases, mas pode chegar a se tornar invasivo (superiores às estruturas da mama).

Carcinomas invasivos

Os tumores são invasivos ao ter cruzado uma barreira entre espécies na estrutura da mama. Entre eles, temos:

  • O chamado ductal, que é o mais comum de todos os cancros da mama (70-80%).
  • Há também um lobular, muito menos comum.
  • Outros tipos especiais: medular, mucinoso, tubular, etc. e são menos comuns.

Outras doenças malignas

Outros tumores malignos na mama podem ocorrer, por exemplo, os originados no tecido que dão suporte para a glândula mamária (tecido conjuntivo), e são chamados sarcomas. São raros, e não podemos dizer que é realmente um câncer de mama.

Como é o câncer de mama?

O tratamento depende do tipo de tumor e o estágio é a doença: o envolvimento de gânglios linfáticos, se espalhar para outros órgãos, e assim por diante. Por esta razão, existem classificações de tumores com base em uma extensão. Para entender mais facilmente, podemos classificá-los em três grupos:

Câncer de mama precoce

É aquele que se limita ao peito e / ou linfáticos da axila do mesmo lado do corpo.

Câncer de mama localmente avançado

Afeta áreas da pele ou da parede torácica perto do peito doente, mas não se espalhou além do peito e / ou na axila. Sua perspectiva é pior do que o tipo precoce, e aparência da pele é diretamente afetada pelo tumor, vermelha, inchada. É devido à obstrução por células cancerosas nos canais de drenagem do líquido da mama (vasos linfáticos), causando a inflamação da área. Não pode drenar.

Câncer de mama avançado

É que se espalhou além do peito e axila, ou seja, ela se espalhou para outras áreas ou órgãos do corpo. Por exemplo, nós pescoço, ossos, fígado, pulmões ou cérebro.

Desenvolvimento do câncer de mama

Inicialmente, as células tumorais estão confinadas nos lóbulos ou ductos de leite, que, como nós chamamos não-invasivas ou "in situ".

Os dois tipos principais, o ductal e lobular, são diferentes quando microscopicamente observados, e também serão tratados um pouco diferente. O tratamento ductal completo geralmente requer cirurgia e radioterapia ou tratamento hormonal, enquanto que o lobular não-invasivo, apenas geralmente requer a remoção cirúrgica, e alguns autores recomendam apenas seu seguimento, sem intervir.

Carcinoma ductal in situ, se não for tratado, tornou-se invasivo, espalhando-se para o tecido mamário circundante. O período de tempo em que isso ocorre, parece ser de meses a anos, ou seja, não em dias ou semanas.

Quando você tiver desenvolvido um câncer invasivo é quando há mais risco de que as células do câncer se espalharem para os nódulos linfáticos próximos, sendo a primeira a ser afetada os nós na axila do mesmo lado do corpo. Outra área em que o tumor pode se espalhar através dos vasos sanguíneos: as células invadem pequenos locais fornecendo o câncer, e de lá podem mover-se para outros órgãos do corpo, criando a chamada metástase. A localização mais freqüente dessas metástases são ossos, pulmões, fígado e cérebro.

Você pode prevenir o câncer?

O fato de não saber uma única causa comum para todos os cancros da mama, significa que não podemos evitar com segurança adquirir a doença. No entanto, há uma série de eventos ou fatores que podem contribuir para reduzir o risco de adquiri-lo, ou mesmo como se diz "levá-la a tempo."

O exame seletivo de mama (programas de detecção precoce e rastreamento do câncer de mama) pode reduzir a mortalidade, mas não a incidência de câncer de mama, e somente no grupo de pessoas com a idade específica em que os programas são triagem.

Estes programas de rastreio, também chamado rastreio do cancro da mama , muitas vezes são feitos em Espanha. Sua intenção é diagnosticar o câncer de mama precoce, para permitir o tratamento mais rápido e eficiente possível, tentando reduzir o risco de morte da mulher com o câncer. A idade em que as mulheres devem participar desses programas ainda está em debate, e varia entre os países. Por exemplo, a Sociedade Americana do Câncer recomenda que as mulheres comecem aos quarenta. Em outros países, a recomendação é feita após 45 ou 50. Há também controvérsia sobre quantas vezes deve-se repetir o teste de triagem (normalmente uma mamografia), recomenda-se a cada ano, embora, dependendo da idade das mulheres e os custos econômicos de programas de rastreio em algumas áreas são repetidas a cada 2 ou 3.

Mulheres com menos de 40 geralmente não precisam se submeter a este tipo de programa, já que o câncer de mama abaixo dessa idade é raro (embora deva ser lembrado que há casos em mulheres jovens), e também mamografia em mulheres jovens não fornecem toda a informação quanto em mulheres mais velhas, devido ao aumento da densidade do tecido mamário em mulheres mais jovens, e o diagnóstico pode não ser claro.

A partir daqui, recomendamos às mulheres que são citadas nestes programas de rastreio que venham a ser testadas, uma vez que eles são um benefício para elas mesmas.

Especialistas em câncer de mama

Encontre um especialista em Câncer de mama na sua cidade:
Maria Gleide Pinto

Maria Gleide Pinto

Ginecologista, Mastologista

Brasília

Allysson Doi

Allysson Doi

Cirurgião geral, Cirurgião plástico

São Paulo

Thiago Bandeira

Thiago Bandeira

Cirurgião plástico

Mirassol

Danilo Takemura

Danilo Takemura

Ginecologista, Mastologista

Porto Velho

Cinthia Aparecida Moreira

Cinthia Aparecida Moreira

Ginecologista, Mastologista

São Paulo

Emerson Neves Dos Santos

Emerson Neves Dos Santos

Oncologista

Itu

Perguntas sobre Câncer de mama

Nossos especialistas responderam a 105 perguntas sobre Câncer de mama

Dra. Raisa S. Sant' Anna
Dra. Raisa S. Sant' Anna
Ginecologista, Mastologista
Vitória
O aumento do risco do câncer de mama depende do subtipo do papiloma e da hiperplasia mamária. Alguns aumentam e outros não. Sugiro procurar um especialista para maiores informações.
1 respostas

Dr. Alcides Amadeu Giacon Neto
Dr. Alcides Amadeu Giacon Neto
Mastologista, Ginecologista
São Paulo
Olá, essa alteração pode estar relacionada a uma série de doenças benignas da mama como inflamações, infecções e processos cicatriciais, mas também pode ser causada por câncer de mama. É essencial…
2 respostas

Significa que as células retiradas são suspeitas de serem malignas. Sugiro você procurar retornar ao seu mastologista para ele de orientar e esclarecer suas dúvidas.
1 respostas

Especialistas falam sobre Câncer de mama

Com Residência Médica na Unicamp, valorizamos os melhores protocolos para tratamento desta patologia. Além disso, atuamos com medicina complementar para o seu equilíbrio, utilizando Ortomolecular, Fitoterapia, Medicina Quântica e Terapia Bemer, para o seu equilíbrio.

Esta doença afeta mais de 50000 mulheres por ano no Brasil. É fundamental o rastreamento mamográfico das pacientes. O tratamento cirúrgico compreende várias modalidades, como cirurgia conservadora, mastectomia (retirada da mama) e adenectomia (retirada da mama com preservação do bico do seio). Mais ainda, a cirurgia também envolve a avaliação dos gânglios axilares (com a técnica do linfonodo sentinela) e a reconstrução mamária (em conjunto com a equipe de Cirurgia Plástica). Por fim, existem casos em que a abordagem inicial não é a retirada do tumor, e sim a realização de quimioterapia (QT) prévia à cirurgia. Por isso, faz-se necessário equipe multidisciplinar com experiência na área.

Jose Carlos Sadalla

Ginecologista, Mastologista

São Paulo

Agendar uma visita

O cancer de mama é o tumor mais comum entre as mulheres, acometendo frequentemente mulheres apos os 50 anos, mas tem sido comum o diagnostico em idades mais precoce (30 a 40 anos). O tratamento envolve tratamento cirúrgico, quimioterapia, radioterapia, podendo ser uma combinação destes tratamentos ou algum deles de forma isolada. Felizmente, o avanço no tratamento tem melhorado muito a taxa de curabilidade, de sucesso do tratamento e com menos efeitos colaterais. O diagnostico correto e precoce, acompanhado de uma equipe multidisciplinar (mastologista, oncologista, cirurgião plástico, nutricionista, fisioterapeuta, odontologia) auxilia demais para a taxa de sucesso do tratamento.

Marcos Vinicius Franca

Oncologista, Médico clínico geral

Taguatinga


O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Existem vários tipos de câncer de mama. É o câncer mais comum entre as mulheres. O principal exame para detectar precocemente o câncer de mama é a mamografia. O câncer de mama pode se apresentar como um nódulo, microcalcificações, retração de pele, saída de líquido pelo mamilo, entre outros. Qualquer alteração de exame de imagem ou no auto-exame da mama procure logo o Mastologista. O tratamento do câncer de mama inclui a cirurgia, quimioterapia, radioterapia e hormonioterapia.

Sálvia Maria Canguçu Rocha

Mastologista

Salvador


A reconstrução mamária é o nome dado a um grupo de cirurgias que visa a recuperação de uma mama, parcial ou total, e que melhora a qualidade de vida de uma mulher submetida à mastectomia devido ao câncer de mama. Para a mulher, a mama é um órgão carregado de simbologia afetiva. O medo da perda deste símbolo pela mastectomia, projeta a fantasia de outras perdas como a feminilidade e a sexualidade; elementos fundamentais para a sua auto-estima. A reconstrução de mama atenua o impacto emocional e físico provocado pela cirurgia radical, e tem como objetivo imediato a reparação da mutilação da mastectomia. Ao restaurar a forma e o volume da mama amputada, é possível preservar a auto-imagem.

Daniel Fagundes Azevedo

Cirurgião plástico

Belo Horizonte

Agendar uma visita

O câncer de mama é uma doença muito heterogênea, ou seja varia muito em termos de agressividade e de comportamento de pessoa para pessoa. Atinge em sua maioria as mulheres, mas em 1% dos casos ocorre na população masculina. Pode ser basicamente de 3 tipos distintos a depender de receptores que suas células expressam. Os que possuem receptores para hormônios , ou seja receptor estrogênico e o receptor de progesterona. Os que expressam o receptor cerb-B2 ou chamados Her positivos e os tumores Triplo Negativos que não expressam nenhum dos 3 receptores citados anteriormente. Para cada um desses tumores o tratamento será pensado de uma forma diferente, pois terão respostas distintas.

Existem duas possibilidades quanto ao tempo de realização da cirurgia reconstrutiva das mamas, a reconstrução imediata (combinada à cirurgia oncológica) e a reconstrução tardia (após tratamento oncológico). A reconstrução mamária é realizada por etapas, sendo necessário diferentes tempos cirúrgicos, visando restabelecer o volume, contorno, simetria e o complexo aréolo-papilar das mamas. A reconstrução mamária pode ser realizada basicamente por tecido autólogo (retalhos) ou por implantes de silicone.O retalho é um bloco de tecidos de uma região do corpo levado até a região de interesse.O retalho permanece preso ao seu lugar original por um pedículo, através do qual mantém irrigação de sangue

Adrien Alberto Fornazari

Cirurgião plástico

São Paulo


O tratamento do câncer de mama exige atualização constante por parte do mastologista. Participo dos melhores congressos e simpósios, sempre buscando o que há de mais novo no tratamento dessa doença. Uma profunda interação com a equipe de patologistas, oncologistas clínicos e radioterapeutas também é fundamental para o sucesso do tratamento. Minha equipe de cirurgiões plásticos permite obter ótimos resultados estéticos com toda segurança oncológica. Faça uma avaliação, confiança é fundamental para o sucesso do tratamento.

Luciana Gandra Camargo De Barros Oliveira

Ginecologista, Mastologista

Sorocaba


O Câncer de mama é a segunda neoplasia mais comum que atinge as mulheres no Brasil e no mundo. Apesar de ser rara, pode atingir também os homens (1%). Quando diagnosticada precocemente, possui alta taxa de cura. Devido a isso, existe a importância do correto e sistemático rastreamento, prevenção e inicio do tratamento de maneira rapida, possibilitando altas taxas de cura e melhor qualidade de vida para as pacientes.

O câncer de mama consiste em um crescimento descontrolado de células da mama que adquiriram características anormais (células dos lóbulos, produtores do leite, ou dos ductos, por onde é drenado o leite), anormalidades estas causadas por uma ou mais mutações no material genético de uma célula destas estruturas. É a neoplasia maligna mais comum em mulheres em todo o mundo, 25% de todos os canceres diagnosticados anualmente, considerado um problema de saúde pública. Aumenta drasticamente com a idade, sendo relativamente raro antes dos 35 anos, com sua incidência crescendo progressivamente após os 50 anos. Cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos.

Andréa Tatiane Oliveira Da Silva

Oncologista, Médico clínico geral

Maceió

Agendar uma visita

O câncer de mama é o câncer mais comum entre as mulheres, depois do câncer de pele não melanoma. Entretanto é o maior responsável pelas mortes por câncer na população feminina em todo o mundo. Sua incidência é maior após os 40 anos de idade. Com o avanço dos exames de imagem, principalmente a mamografia, hoje podemos detectar o câncer de mama muito precocemente, mesmo antes de ser detectado pela paciente ou pelo próprio médico. Como consequência, atualmente podemos oferecer tratamentos menos agressivos, mais estéticos e proporcionar uma qualidade de vida muito melhor aos pacientes. O câncer detectado precocemente tem maior probabilidade de cura.

Marcelo Barbosa

Mastologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

O Câncer de mama é a doença crônico-degenerativa principal no mundo. Estatisticamente é mais presente em mulheres de 45 a 54 anos , o que não impede que esteja presente em mulheres mais idosas ou mais jovem. É uma doença multifatorial e apenas 10% tem justificativa genética. Dependendo dos fatores atinge uma em cada 8 mulheres que vem ao mundo. É curável em torno de 95% quando diagnosticado precocemente , o que explica a necessidade de acompanhamento médico.

Paulo Couto

Cirurgião geral, Mastologista

Recife

Agendar uma visita

Doença maligna da mama caracterizada pela proliferação desordenanda das células mamárias. Trata-se do Câncer mais frequente na população feminina. É responsável pelas maiores taxas de mortes em mulheres acometidas por câncer. Doença capaz de ser detectada precocemente através da mamografia regular. Seu tratamento principal envolve a retirada tumoral através de cirurgia mamária, que pode ser tanto conservadora (onde se preserva a mama) como radical (retirada da mama), na dependência de diversos fatores, sendo o principal a relação entre o tamanho do tumor e o tamanho da mama. Em grande parte dos casos é possível associar algum tipo de cirurgia reconstrutora ou reparadora no tratamento inicial

Romulo Victor S. Martins

Mastologista

São José dos Campos


O câncer de mama é o câncer mais comum entre as mulheres e, se diagnosticado em estágio inicial, pode ter cura. Se a doença não for tratada pode se alastrar para órgãos vitais, como os ossos, pulmão e fígado - podendo levar à morte. É de difícil prevenção, pois é uma doença ligada ao histórico familiar e aos hábitos de vida. A grande arma que temos nas mãos é o diagnóstico precoce, ou seja, descobrir o tumor quando ele ainda é pequeno. O ideal é diagnosticá-lo com menos de um centímetro, o que possibilita a cura em 90% dos casos.

Fernando Armentano De Pontes

Mastologista

São Paulo


Quais são os tratamentos para o câncer de mama? Existe, nos dias de hoje, um grande leque de opções de tratamento para o câncer de mama. O princípio da terapia curativa do câncer de mama é a cirurgia. Embora a cirurgia não necessariamente tenha de ser o primeiro tratamento, sempre que há intenção curativa no tratamento, a cirurgia deve fazer parte. Em determinadas situações, dependendo do estadiamento da doença, está indicada a radioterapia, seja como complemento cirúrgico, ou como parte de tratamento paliativo, para diminuir sintomas relacionados à doença. O tratamento sistêmico, constituído pelas modalidades de quimioterapia, hormonioterapia e terapia alvo, pode ser indicado.

Norma Luiza Machado Silveira

Ginecologista, Mastologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Umas das doenças que mais acometem mulheres no Brasil, porém se seu diagnóstico e tratamento forem rápidos há grandes chances de cura. Um Mastologista formado nos melhores centros, como o Hospital Pérola Byiington é o inicio do caminho para o sucesso no tratamento.

Rodrigo Aguiar Barbosa

Ginecologista, Mastologista


Um paciente com câncer de mama deve ser avaliado por um profissional capacitado para identificar o melhor tratamento possível, podendo ser necessário quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia, terapia alvo e cirurgia. O mastologista é o especialista capacitado para orquestrar esse manejo junto ao paciente, realizando a cirurgia e o seguimento pós operatório e encaminhando o paciente adequadamente para o tratamento quimioterápico e radioterápico. É sempre discutido com o paciente os prós e contras de cada uma das possibilidades de cirurgias que podem ser realizadas por conta do câncer de mama, cabendo a decisão final sempre ao paciente em conjunto com seu médico.

Thiago Alexi Freitas

Mastologista

São Paulo


Cancer de mama é uma das doenças oncológicas mais frequentes no sexo femino. quando é feito o diagnóstico precoce a chance de cura pode ultrapassar 95%. os tratamentos oncológicos disponíveis são: 1- Cirurgia 2- Radioterapia 3- Quimioterapia, imunoterapia e terapia alvo 4- Hormônioterapia (bloqueio hormonal) Lembrando, o mais importante é o rastreamento e diagnóstico precoce, as chances de cura chegam a ser superior a 95%. converse com seu oncologista.

João Paulo Vendas Villalba

Oncologista

Campo Grande


O câncer de mama é o mais comum nas mulheres. Geralmente atinge faixa etária acima dos 40 anos, porém pode ocorrer em mulheres mais jovens e em homens. O prognóstico depende do estágio da doença e do tipo do tumor, e só é determinado após a análise anátomo-patológica. O tratamento cirúrgico é indispensável para cura, devendo o mastologista definir a quantidade a ser retirada. A reconstrução da mama após a mastectomia é hoje direito de todas as pacientes, sendo cobertas pelo SUS e pelos planos de saúde. Para mulheres que ficarão com assimetria muito grande também é coberto a cirurgia da outra mama para torná-las o mais próximo possível, porém raramente ficam idênticas.

Barbara Brandão De Barros

Cirurgião plástico

Coronel Fabriciano


O câncer de mama é uma das doenças oncológicas mais comuns nas mulheres. É importante fazer sempre o rastreio na idade adequada para tentar o diagnóstico precoce. Isso melhora muito a eficácia dos tratamentos, quer sejam cirurgia, quimioterapia, radioterapia (a base de radiações contra o tumor), ou tratamentos combinados. O Prof. Dr. Ramon De Mello tem grande experiência em tratamento do câncer de mama em Portugal, no Brasil e no Reino Unido. Ele também faz acompanhamento de pacientes já tratadas, com exame clínico, mamografia e outros exames.

tumor maligno que atinge a mama. É muito variado e seu tratamento depende do momento do diagnóstico , tamanho, tipo de tumor e idade da paciente

Rogério Fenile

Mastologista

São Bernardo do Campo

Agendar uma visita

Sou médico especialista no tratamento cirúrgico do câncer de mama, realizando desde os tratamentos conservadores, que preservam a mama, até a remoção completa do órgão e sua reconstrução imediata ou tardia. É importante lembrar que as indicações de uma determinada técnica cirúrgica baseiam-se em características muito pessoais, individuais, e que cada situação deve ser analisada caso a caso.

Luciano Brasil Graziottin Rangel

Ginecologista, Mastologista

Florianópolis


O câncer de mama é o câncer mais comum na mulher, com mais de 60.000 casos ao ano no Brasil. Também corresponde a primeira causa de morte por câncer no sexo feminino. Apesar de raro também pode ocorrer no sexo masculino, no entanto corresponde a menos de 1% dos casos. Os principais fatores de risco estão associados a idade avançada, história familiar e história pessoal da doença. Antes dos 35 anos a incidência e relativamente rara, aumentando a partir dos 50 anos de idade. A história familiar esta associado principalmente com parentes de primeiro e segundo grau. Mulheres com passado de câncer de mama apresentam uma maior predisposição a um segundo câncer na mesma mama ou contralateral.

Jefferson Correia De Souza

Oncologista, Médico clínico geral

Recife

Agendar uma visita

A doença representa a principal causa de morte por câncer em mulheres e é o mais comumente diagnosticado no mundo. No ano de 2016, estimava-se que cerca de 249.260 novos casos de câncer de mama invasivo seriam diagnosticados nos EUA e que 40.890 mortes ocorreriam em decorrência da doença. A incidência de câncer de mama diminuiu entre as décadas de 1990 e 2000 no mesmo país, provavelmente devido à suspensão do uso de terapia de reposição hormonal e ao aumento no número de mamografias de triagem.

Solicitação do teste molecular para Síndrome do câncer de mama e ovário hereditário e aconselhamento genético e das síndromes relacionadas.

Mariana De Carvalho Moreira

Geneticista

São Paulo


O Câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres, podendo também afetar homens. É uma doença que traz consigo grandes medos e grandes mudanças na vida dos pacientes. Por isso, ofereço, além do tratamento cirúrgico de ponta, com técnicas de cirugia oncoplástica e reconstrutiva, um atendimento acolhedor e humano, baseado nas informações mais atualizadas no assunto.

É uma forma de avaliar a mama procurando por sinais precoces de câncer em mulheres assintomáticas, ou seja, uma maneira de descobrir a doença bem no comecinho, antes mesmo que a mulher possa notar qualquer alteração. A principal forma de rastreamento é um tipo específico de raio-X chamado mamografia. O objetivo do rastreamento é encontrar o câncer em sua forma inicial, antes que ele tenha chance de crescer, espalhar e causar algum problema. O rastreamento com mamografia é utilizado pois comprovadamente reduz a chance de morrer por causa da doença.

Ana Maria Kemp

Mastologista

São Paulo


O câncer de mama é um dos principais tipos de câncer que podem atingir a mulher. O principal sinal que pode indicar a presença do tumor é a palpação de um nódulo endurecido, além de sintomas como dor, vermelhidão ou saída secreção pelos mamilos, por exemplo. O câncer de mama têm cura, entretanto depende do estágio em que foi descoberto, por isso, é muito importante a realização da prevenção. Procure um especialista para prevenção ou tratamento.

Murilo Barato Agudo Romão

Ginecologista, Mastologista

São Paulo


Principal doença da mama, e a que mais demanda cuidado especializado, rápido e de qualidade.

Pacientes que passam por mastectomias devido ao câncer de mama tem comprometimento da funcionalidade de braço com perda de força muscular, dor, perda de amplitude do movimento e risco de linfedema. Na primeira consulta é realizada uma avaliação detalhada da condição da paciente. Os atendimentos se constituem, inicialmente, de condutas analgésicas, liberação de cicatriz e ganho de arco de movimento, para então ganharmos força muscular e funcionalidade. Os atendimentos são voltados para terapia manual e alguns recursos eletroterápicos podem ser empregados de acordo com a necessidade. Se a paciente tem reconstrução mamária se realiza também taping e liberação da prótese/expansor.

Jennifer Pereira

Fisioterapeuta

Fortaleza

Agendar uma visita

No Brasil, existem mais de 2 milhões de casos de câncer de mama por ano e ele pode ocorrer tanto em mulheres quanto em homens, apesar de ser bem raro neste segundo grupo. Os sintomas incluem nódulo palpável, secreção sanguinolenta pelo mamilo e mudanças na forma ou textura da mama. O diagnóstico é feito através de exames de imagem e o tratamento depende do estágio em que o tumor é descoberto. Nas pacientes submetidas a retiradas cirúrgicas do tumor (mastectomias), realiza-se uma reconstrução mamária posterior, fazendo uso de expansores, próteses de silicone e retalhos musculares, com o objetivo de devolver uma estética agradável à paciente. Para maiores informações, agende sua consulta.

Laura Aita

Cirurgião plástico

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

O tratamento do câncer de mama é realizado sempre em conjunto com o mastologista. Após discussão multidisciplinar decidimos entre tratamento cirúrgico primeiro ou quimioterapia antes da cirurgia (podendo ou não incluir radioterapia ou hormonioterapia após). Já existe disponível um teste molecular que avalia 21 genes do tumor (analisado da amostra da biópsia ou do material da cirurgia) que é capaz de avaliar o risco de recidiva da doença e auxiliar na decisão de realizar ou não a quimioterapia. Para as pacientes que precisam fazer quimioterapia temos disponível no NOB um aparelho de crioterapia, que faz o resfriamento do couro cabeludo e auxilia na prevenção da queda de cabelo.

Rafael Batista

Oncologista

Salvador


É um dos mais comuns no Brasil, e suas chances de cura são mais altas quando o tumor é diagnosticado nos estágios iniciais. Outro fator que deve se levar em consideração é a mulher conhecer o seu próprio corpo, sendo fundamental que ela faça o auto exame, permitindo em muitos casos identificar alterações nas mamas e, observando qualquer anormalidade, procure imediatamente um atendimento médico. Como forma de prevenção a realização de mamografia anual deve ser feita em mulheres acima dos 40 anos. Nas pacientes com alto risco definido com base em história familiar ou predisposição genética, a recomendação é iniciar o rastreamento aos 30 anos de idade.

Manoel Henrique Dutra

Oncologista, Cirurgião geral

Campo Grande

Agendar uma visita

Exame físico e complementar na prevenção e diagnostico do câncer de mama. Em caso de diagnostico seguimos com o tratamento adequado para cada paciente.

Larissa Oliveira Aquino

Ginecologista, Mastologista

Belo Horizonte

Agendar uma visita

A mama é um órgão complexo para se reconstruir, pois é constituída de pele, preenchimento e aréola/papila (bico do seio). Algumas vezes é preciso utilizar expansores teciduais que pouco a pouco vão “esticando” a pele e ao final são substituídos por uma prótese definitiva de silicone. Outras vezes os retalhos são necessários, utilizando pele e músculos de outras partes do corpo. Técnicas cirúrgicas ou a micropigmentação são também utilizadas para a reconstrução da aréola/papila. Tudo isso é feito em várias etapas, mas sempre objetivando restaurar a autoestima nas mulheres que passam por esses tratamentos. A opção pela reconstrução da mama é direito das mulheres que venham a apresentar o câncer.

Quais profissionais tratam Câncer de mama?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.