Câncer de esôfago - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Câncer de esôfago

O que é câncer de esôfago?

O esôfago é um tubo mais ou menos reto formado por várias camadas concêntricas que ligam a boca ao estômago. Câncer de esôfago ocorre quando as células na camada mais interna da parede (mucosa) multiplicam descontroladamente. Inicialmente, essas células que se multiplicam formam uma protuberância que afeta a mucosa, mas logo invade ou infiltra-se as camadas externas da parede do esôfago. Então, o câncer pode invadir órgãos adjacentes (pulmão, coração aorta, ...) e metástase, tanto nos linfonodos e através do sangue para outros órgãos.

Eles sabem que, basicamente, existem dois tipos de câncer no esôfago. Carcinoma de células escamosas ou espinocelular, que é de longe o mais freqüente (90%) e adenocarcinoma do esôfago, que normalmente aparece em uma lesão conhecida como o esôfago de Barrett e afeta o terço inferior do esôfago.

Como é o câncer de esôfago?

Tal como acontece com todos os cancros, a causa final é uma alteração de genes em uma célula, de modo que fica fora de sua multiplicação. Estes genes poderão ser alterados pela ação de substâncias chamadas cancerígenas.

A incidência (número de casos em uma dada população em um ano) varia muito de um país para outro, é muito comum na China, Irã, Rússia e sul da Normandia (França). No resto da Europa, a incidência é relativamente baixa, cerca de 3-4 casos por 100.000 habitantes por ano. Além disso, o câncer de esôfago afeta 1,5-3 homens para cada mulher e ocorre geralmente após a idade de sessenta anos.

O consumo de tabaco, tanto fumado e mascado, a ingestão de álcool, alimentos salgados e bebidas excessivamente quentes são fatores fortemente associados com o câncer do esôfago. A síndrome de Plummer-Vinson (que é uma desordem da pele e membranas mucosas, especialmente os digestivos associados a anemia por deficiência de ferro e, geralmente, ocorrem em mulheres), muitas vezes degenera em um câncer do esôfago.

Uma situação especial é adenocarcinoma do esôfago que normalmente (mas não sempre) é originária de áreas do esôfago anteriormente afetados por uma anomalia chamada de esôfago de Barrett. Este distúrbio ocorre quando o ácido do estômago é repetidamente agredida ao longo dos anos. A mucosa esofágica para se defender contra essa agressão, muda de forma, tornando-se mais semelhante a do intestino (chamado de metaplasia). Nesta situação, as células são mais suscetíveis aos efeitos de substâncias cancerígenas e câncer do esôfago.

A melhor maneira de prevenir o câncer de esôfago é de se abster de fumar e beber e ir ao médico se tiver azia.

Quais são os sintomas de câncer de esôfago?

Uma vez que a função fundamental do esôfago é a deglutição (engolir), a manifestação fundamental do câncer de esôfago é a disfagia ou dificuldade em engolir. Nos estágios iniciais aparece dificuldade para engolir alimentos sólidos mais volumosos, mas como o tumor cresce e fechamento da luz do esôfago, já não pode engolir sólido e depois não é capaz de ingerir líquidos. Esta dificuldade em engolir pode ser associada com dor na região atrás do esterno ou de alimentos passando esôfago para a traquéia. Nestas circunstâncias, é comum que o paciente perca peso rapidamente e sinta-se fatigado.

Outros sintomas que podem encaminhar o paciente é a dor constante por trás do esterno, vômitos, tosse com ou sem sangue, ou rouquidão. No entanto, é comum que os pacientes não vão ao consultório do médico vários meses após o início dos sintomas, porque nas fases iniciais não são muito alarmantes.

Por outro lado, existem muitas condições que podem produzir sintomas semelhantes aos do câncer de esôfago. Disfagia ocorre na disfunção muscular do esôfago, doenças neurológicas, tumores benignos do esôfago, divertículos de esôfago e em muitas outras situações que surgem no esôfago ou órgãos adjacentes. A queima geralmente é causada ??por refluxo gastroesofágico sem tumores. A dor, tosse e vômitos (embora com sangue) são sintomas que sugerem doenças comumente muito mais comuns, tais como úlcera péptica, doença do refluxo gastroesofágico, doença pulmonar, doença cardíaca e muitos outros.

Como é diagnosticado o câncer de esôfago?

O estudo fundamental para o diagnóstico de câncer de esôfago é endoscopia com recolha de amostras (biópsia) de lesões suspeitas. O endoscópio é um tubo flexível com 16 milímetros de diâmetro, com uma luz e uma câmera de vídeo que permite que o interior do esôfago e estômago. Ele também traz um canal através do qual você pode colocar uma pinça pequena que chama a biópsias para estudo microscópico. Para realizar o teste não requer nenhuma preparação, exceto o jejum, e pode ser administrado um sedativo e um anestésico tópico para a garganta, para minimizar o desconforto.

Outra forma de ver o revestimento do esôfago consiste em radiografias do esôfago após a ingestão de um contraste (bário). Este procedimento é menos irritante, mas não confirma o diagnóstico, porque eles não podem obter biópsias para estudo microscópico (a única prova conclusiva da existência de um câncer). Mas, como geralmente é feito é de grande ajuda para o cirurgião no planejamento da cirurgia.

Para estabelecer a extensão do tumor geralmente é realizada uma tomografia computadorizada do tórax e abdômen. A TAC pode ver se o tumor tem crescido em órgãos próximos e se afetam (que normalmente desencorajam a cirurgia, pelo menos, sem tratamento prévio). Também permite a existência de metástases hepáticas no pulmão ou linfa se eles são grandes o suficiente. Outros estudos podem ser realizados dependendo das circunstâncias de cada paciente como broncoscopia, angiografia ou outros. Em alguns centros há a capacidade de realizar uma ultra-sonografia do esôfago através do endoscópio (SUE), que nos permite observar a profundidade atingida pelo tumor. No entanto, este tipo de estudo normalmente não está disponível, nem é essencial para planejar adequadamente o tratamento.

Em qualquer caso, considerando a possibilidade de tratamento cirúrgico, haverá um pré-operatório completo e análise de raios-x e eletrocardiograma. Geralmente também realizam um estudo da função pulmonar e todas as evidências para recomendar o estado do paciente.

Como é o câncer de esôfago?

Cirurgia é a única alternativa para obter a cura e o melhor procedimento paliativo (para aliviar os sintomas). Infelizmente, apenas uma pequena parte dos pacientes tem um tumor e uma situação bastante pequena no geral bom o suficiente para que você possa tentar uma cirurgia com intenção curativa, e mesmo nestes a taxa de cura é de cerca de 20%.

A cirurgia é realizada com a remoção do esôfago e em torno de linfa. Para fazer isso, e dado que o esôfago passa através do tórax, do pescoço até o abdômen, o abdome é aberto e o peito (geralmente o direito) e às vezes no pescoço. Em função das características de cada tumor e paciente, a cirurgia pode ser realizada apenas por abertura no abdômen e pescoço, o esôfago pode ser substituído por um segmento de intestino ou intestino delgado ou estômago pode incluir a remoção.

Radioterapia com quimioterapia são tratamentos eficazes para câncer de esôfago, o carcinoma de células escamosas, especialmente. Pode reduzir e até eliminar o tumor como visto na endoscopia, prolongar a sobrevida e melhorar a deglutição e alimentar os pacientes. Portanto, ele é usado como terapia inicial para melhorar os resultados da cirurgia ou em alguns casos como uma alternativa quando o tumor é inoperável. Às vezes, um tumor inicialmente considerado irressecável, reduzindo seu tamanho com radioterapia e quimioterapia se torna ressecável.

Outra opção de tratamento paliativo é a colocação dentro do tumor e do esôfago de uma prótese chamada stent para expandir e abrir um túnel em que o tumor pode se mover e a comida ir para o estômago. Em alguns casos a única coisa que ele pode oferecer ao paciente é fazer um buraco no estômago ou intestino para conseguir água e comida em mingau.

Que complicações podem surgir?

Tratamento cirúrgico do câncer de esôfago é um procedimento muito agressivo tem uma mortalidade e morbidade (complicações) altas. As complicações geralmente vêm principalmente derivados 4 fatores:

  • Os pacientes geralmente são mais velhos e, portanto, com doenças associadas.
  • Ele geralmente abre o peito, dando origem a muitas complicações que podem surgir de pulmão.
  • Tem que estabelecer uma ligação (anastomose) entre o estômago ou intestino e na porção superior do esôfago.
  • Em muitos pacientes há uma desnutrição mais ou menos significativos.
  • Porque mortalidade pós-operatória varia de 5 centros e 10% e geralmente sem complicações em mais de 50% dos pacientes. Como por não ter esôfago é geralmente bastante bem tolerado, com pouco desconforto.

As complicações mais comuns são respiratórios, secreção abundante, pneumonia, atelectasia (colapso de parte do pulmão, o que não é aerada), derrame pleural. Assim, em muitos casos, os pacientes passam por fisioterapia respiratória antes da cirurgia e estão proibidos de fumar. Às vezes, eles receberam nutrição parenteral (pela veia) se o grau de desnutrição é importante. Além disso, as orientações são frequentemente tratados com heparina para evitar trombose e destinam-se a permitir que os pacientes a andar o mais rapidamente possível.

Apesar destas medidas as complicações são freqüentes e exigem acompanhamento do paciente, as primeiras horas ou dias em uma unidade de terapia intensiva.

A radioterapia pode produzir uma maior ou menor envolvimento no pulmão ou coração. A quimioterapia pode causar queda de cabelo e vômitos, embora geralmente bem tolerado. Mais importante, quando se produz uma queda exagerada em células do sangue. O stent pode às vezes causar a perfuração do esôfago (sendo uma complicação muito grave com mortalidade elevada, embora felizmente raros) ou pode ser reobstruido para o crescimento do tumor.

No entanto, a pior complicação é a recorrência do tumor, bem como a recorrência na área onde estava antes de removê-la (recorrência local) ou distantes (metástases). Recorrência local é geralmente irressecável e pode produzir sintomas como aqueles que tinham no início. Metástases podem ocorrer no fígado, pulmão, cérebro, ossos, ... causando vários sintomas dependendo da localização.

Qual é o prognóstico de câncer de esôfago?

O prognóstico de câncer de esôfago é ruim o suficiente, já que menos de 10% dos pacientes estão vivos cinco anos para diagnosticar a doença. No entanto, o prognóstico melhora se o tumor é diagnosticado quando ele é pequeno e pode ser removido com tratamentos de até 20%.

Você pode evitar câncer de esôfago?

Você não pode impedir totalmente o câncer de esôfago em nossa sociedade, mas não fumar e evitar o abuso de álcool faz com que seja uma doença muito rara. Como uma variante do adenocarcinoma (atualmente crescente) poderiam ser evitadas com o tratamento de refluxo gastroesofágico e pode ser detectado em traços de esôfago de Barrett.

Por outro lado, não existem procedimentos para facilitar o diagnóstico precoce e o fato de que os sintomas são tão vagos inicialmente ajuda a detectar mais cedo.

Especialistas em câncer de esôfago

Encontre um especialista em Câncer de esôfago na sua cidade:
Bruno Lessa

Bruno Lessa

Cirurgião geral

Fortaleza

Flávio Duarte Sabino

Flávio Duarte Sabino

Oncologista, Cirurgião geral

Rio de Janeiro

Roberto Furlani

Roberto Furlani

Oncologista, Médico clínico geral

Fortaleza

Viviane Andreatta Riuto

Viviane Andreatta Riuto

Oncologista

Dourados

Vinicius Lorandi

Vinicius Lorandi

Oncologista, Internista

Porto Alegre

Mayara Borsetti

Mayara Borsetti

Oncologista

Paulo Afonso

Perguntas sobre Câncer de esôfago

Nossos especialistas responderam a 32 perguntas sobre Câncer de esôfago

Dr. Pedro Sacramento Villar Rodrigues
Dr. Pedro Sacramento Villar Rodrigues
Oncologista, Cirurgião geral, Cirurgião oncológico
Salvador
Não é normal. É importante investigar fístula do esôfago para pulmão. Vc deve fazer uma endoscopia e broncoscopia
2 respostas

Pode sim. Parte dos tumores de esôfago não tem associação com cigarro ou álcool, mas sim com refluxo.
2 respostas

Dr. Pedro Sacramento Villar Rodrigues
Dr. Pedro Sacramento Villar Rodrigues
Oncologista, Cirurgião geral, Cirurgião oncológico
Salvador
Sim é normal...o câncer de esôfago obstrui a saliva e impede de chegar no estômago. Com o tratamento cirúrgico e quimioterápico deve melhorar
2 respostas

Especialistas falam sobre Câncer de esôfago

O câncer de esôfago ocorre geralmente em individuos de meia idade e idosos que apresentam refluxo gastro-esofágico crônico ou com hábitos de vida ruins como abuso do tabaco e alcool. Os sintomas geralmente são dor abdominal, dificuldade para engolir e emagrecimento. Existem dois tipos principais o carcinoma epidermóide e o adenocarcinoma. O primeiro responde bem a quimioterapia e radioterapia sendo que em alguns casos não há necessidade de extirpação do esôfago, no segundo tipo o tratamento é cirúrgico e deve ser realizada a extirpação total do órgão - chamada esofagectomia subtotal. Nessa cirurgia é retirada a maior porção do esôfago, que é ligado ao estômago ou cólon.

Dr. Sergio Renato Pais-Costa

Oncologista, Cirurgião do aparelho digestivo

Brasília

Agendar uma visita

Na maioria das vezes, a dificuldade de engolir (disfagia) já sinaliza doença em estado avançado. A disfagia progride de alimentos sólidos até pastosos e líquidos. Pessoas que sofrem de acalasia, tilose, refluxo gastroesofágico, síndrome de Plummer-Vinson e esôfago de Barrett têm mais chances de desenvolver o tumor. Por isso, devem procurar o médico regularmente para a realização de exames.

Lysandra Ioshizumi

Oncologista

Curitiba


O Câncer de esôfago é uma doença silenciosa. Seus sinais e sintomas quando presentes estão associados frequentemente a doença mais avançada. Pacientes com refluxo gastro-esofágico com evolução de longa data, tabagistas, etilistas intensos, são mais propensos a desenvolver esse tipo de doença. Como o tratamento é mais eficiente quando a doença é diagnosticada precocemente, a endoscopia digestiva é uma grande arma no combate a esse tumor. Em caso de dúvidas consulta um médico que, se necessário, prescreverá tal exame para você e caso ocorra alguma alteração, ele encaminhará ao especialista certo. Grande abraço

Francisco Carlos Nascimento Júnior

Oncologista, Cirurgião geral

São Luís


O cancer de esofago é um doença grave e muito frequente no nosso país. Hábitos de vida como tabagismo e etilismo são fatores de risco para ocorrência da neoplasia, além da doença do refluxo. Pacientes geralmente queixam-se de dificuldade de deglutição, perda de peso, vômitos e até surgimento de linfonodos aumentados (ínguas) no pescoço. O diagnóstico precoce é essencial para tratamento com intenção curativa, além de providência de melhor qualidade de vida. Geralmente o tratamento inicia-se com quimio e radioterapias, seguidas de cirurgia (esofagectomia).

Felipe Lima Monteiro

Oncologista, Cirurgião geral

Fortaleza

Agendar uma visita

O câncer do esôfago ocupa atualmente o sétimo lugar em prevalencia no mundo ocidental, sendo ainda um dos cânceres mais letais do aparelho digestivo. Atualmente o tratamento da maioria dos casos com indicação cirúrgica (Esofagectomia) é multidisciplinar, onde o Cirurgião Oncológico é fundamental, atuando conjuntamente com o oncologista clinico e o radioterapeuta. Os casos avançados são tratados com quimioterapia e radioterapia pre operatórias , seguidas por cirurgia (esofagectomia), preferencialmente videotoracolparoscopica, área na qual desenvolvemos nosso mestrado. Apos a cirurgia o paciente recebe quimioterapia adicional. Os casos precoces são tratados exclusivamente por cirurgia.

Carlos Bernardo Cola

Oncologista, Cirurgião geral

Rio de Janeiro

Quais profissionais tratam Câncer de esôfago?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.