Arritmia - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em arritmia

Encontre um especialista em Arritmia na sua cidade:
Rafael Nogueira De Macedo

Rafael Nogueira De Macedo

Cardiologista

Fortaleza

Alexandre Marins Rocha

Alexandre Marins Rocha

Cardiologista

Niterói

Dra. Maria Clara Reis Sari

Dra. Maria Clara Reis Sari

Cardiologista

São Paulo

Luiz Antonio Rodrigues Águila

Luiz Antonio Rodrigues Águila

Cardiologista, Médico clínico geral

Brasília

José Justiniano Torrico

José Justiniano Torrico

Médico clínico geral

Rio Branco

Perguntas sobre Arritmia

Nossos especialistas responderam a 251 perguntas sobre Arritmia

Olá, hoje já sabemos que toda avaliação pré operatória e inclusive odontológica deve ser orientada pelo cardiologista pois existem detalhes que o paciente e o dentista precisa receber para atingir…
2 respostas

O propanolol é um betabloquador.
O ideal é avaliar o tipo e a quantidade de arritmia que você apresenta. Dependendo do tipo de arritmia Utiliza-se betabloqueadores para o tratamento. Mas,…
1 respostas

Bom dia. Seria importante ver todo o resultado do exame para maiores orientações, mas com estas informações básicas que foram passadas não parece haver gravidade no quadro. Atenciosamente,
1 respostas

Especialistas falam sobre Arritmia

Quando o coração bate mais acelerado, causando uma batedeira ou mais lento, ou seja, o coração fraco.

Antonio Da Silva Menezes Junior

Cardiologista, Cirurgião cardiovascular

Goiânia

Agendar uma visita

A frequência dos batimentos cardíacos em repouso oscila normalmente entre 60 e 100 batimentos por minuto. Essa oscilação ocorre de maneira rítmica e coordenada. Alterações na frequência e na coordenação dos batimentos cardíacos que ocorrem fora desses limites podem significar uma arritmia. Isso pode ocorrer tanto para ritmos lentos (quando a frequência cardíaca está abaixo de 60 batimentos por minuto) ou rápidos (quando os batimentos ultrapassam 100 batimentos por minuto). Essas alterações podem ser persistentes ou intermitentes, provocar sinais e sintomas significativos e em alguns casos elevar o risco de morte.

Acácio Fernandes Cardoso

Cardiologista

São Paulo


As arritmias cardíacas são classificadas em benignas ou malignas, podendo ser ainda definidas quanto a velocidade de batimento em taquiarritmias ( batimentos acelerados do coração) e bradiarritmias ( batimentos lentos do coração). Para cada tipo de arritmia existe um tratamento específico que pode ser desde tratamento mais simples como medicamentos até mesmo implante de marcapasso, cardiodesfibriladores (CDI) ou estudo eletrofisiológico e ablação. Por isso a importância de se acompanhar com um especialista de confiança.

Fabio Martins Nardo Botelho

Cardiologista

Brasília


As palpitações podem ou não estar relacionadas ás arritmias cardíacas. Se fugazes e relacionadas a situações de estresse emocional tendem a ser benignas.

Filipe Rego

Cardiologista

Macaiba

Agendar uma visita

As arritmias são alterações elétricas que modificam o ritmo normal das batidas do coração e que podem ser percebidas pelo paciente como palpitações, descompasso no coração, sensação de pausa ou batimentos lentos, tontura, desmaios ou dor no peito, entre outros. Além das doenças próprias do coração, distúrbios da tireóide, uso de drogas lícitas e ilícitas consumo excessivo de cafeína e estresse emocional podem desencadear as arritmias. Como compreendem uma grande quantidade de causas,é fundamental a avaliação pelo cardiologista para definir se é uma alteração benigna ou se é uma doença grave e, eventualmente fatal.

Raíssa Galvão Portella

Cardiologista, Médico clínico geral

Teresina

Agendar uma visita

Transtornos arrítmicos tem características específicas em sua abordagem, levando-se em conta diversas questões, que muitas vezes levam a uma abordagem individualizada para os pacientes. Observo muito isso no INC (Instituto Nacional de Cardiologia), onde faço parte do staff do setor de arritmias cardíacas. Nos deparamos muitas vezes com indicações de condutas diferentes para pacientes teoricamente com a mesmo tipo de transtorno arrítmico / cardiológico. Por isso a importância do nosso parecer, oferecendo a visão do arritmologista como especialista para direcionar a conduta final do paciente.

Arritmia é um termo usado genericamente como alterações do ritmo do coração

Paulo Alberto Soeiro Sampaio

Cardiologista

Rio de Janeiro


A arritmia cardíaca é uma anomalia na formação ou condução do estímulo elétrico do coração. O exame físico, no próprio consultório, bem orientado, permite em alguns casos diagnosticar o tipo da arritmia, porém somente o eletrocardiograma e em alguns casos o Holter fornece os elementos de segurança para a interpretação correta do distúrbio em questão. Para o melhor conforto dos meus pacientes, eu tenho o menor Holter do mundo, não atrapalhando suas atividades diárias e com a mesma tecnologia de toda Rede Dor.

Ana Carolina Lahaud Ramos

Cardiologista, Médico clínico geral

Teresópolis


Arritmia, como o nome já diz, é uma alteração no ritmo do batimento do coração. Elas podem ser alterações que aumentam o ritmo dos batimentos, mantém, ou diminuem os mesmos. Cada tipo de arritmia possui um tratamento, ou até mesmo, algumas delas, não precisam de tratamento, somente acompanhamentro cardiológico.

Batedeira? Mal estar? tontura? podem ser sintomas de arritmias, disturbios do ritmo normal do coração, que passa a bater de forma anormal. Muitos casos são simples e exigem poucos cuidados, mas há casos de doenças graves que podem colocar a saúde em risco. A avaliação cardiológica é fundamental sempre.

Marcus Gaz

Cardiologista, Médico clínico geral

São Paulo


Especialização em Arritmologia, permitindo diagnósticos precisos e tratamento específco para os diversos tipos de Arritmias cardíacas.

Vinícius Gago

Cardiologista, Médico clínico geral

São Paulo

Agendar uma visita

Arritmia é um termo complexo e difícil de explicar, mas consiste em alteração na produção e condução do estímulo elétrico pelo coração, pode ser fisiológica, benigna, ou até bem grave com risco de morte súbita. Existem diversos tipos de arritmia, e diversas opções de tratamento. Tendo dúvidas, procure um cardiologista para que ele lhe tranquilize ou inicie o tratamento adequado.

Diogo Da Luz

Cardiologista, Médico clínico geral

São Paulo


O diagnóstico e tratamento de arritmias cardíacas evoluiu tanto que acabou se tornando uma subespecialidade dentro da cardiologia. Atualmente existem diversas formas de se identificar e tratar um distúrbio do ritmo, com terapias que passam pela mudança do estilo de vida, até a realização de procedimentos invasivos com um estudo eletrofisiológico ou implante de marcapasso. Um bom arritmologista sabe individualizar cada caso, escolhendo a melhor ferramenta diagnóstica e terapêutica disponível.

Vitor Fontes

Cardiologista

Belo Horizonte

Agendar uma visita

É caracterizada pela alteração do ritmo ou da frequência cardíaca. A frequência cardíaca normal varia de 50 a 100 batimentos por minuto. Quando acima de 100, chamamos de taquicardia, e quando abaixo de 50, bradicardia. O sintoma mais comum é a palpitação, mas os pacientes podem experimentar também tontura, falta de ar, dor no peito ou até mesmo desmaio. O diagnóstico baseia-se na história, exame físico e exames complementares, como o eletrocardiograma, holter, ecocardiograma, estudo eletrofisiológico, dentre outros. O tratamento vai depender do tipo de arritmia, podendo ser empregados medicamentos antiarrítmicos, implante de marca-passo ou até mesmo um cardiodesfibrilador (CDI).

Thiago Pouso De Oliveira

Cardiologista

São Paulo


A arritmia cardíaca ocorre quando os impulsos elétricos do coração não funcionam corretamente. Pode não haver sintomas. Quando ocorrem, os sintomas incluem uma vibração ou dor no peito, desmaios ou tontura. Se necessário, o tratamento inclui medicamentos antiarrítmicos, procedimentos médicos, dispositivos implantáveis e cirurgia.

Nereide Machado De Melo Mendes

Cardiologista

Recife


São distúrbios do ritmo cardíaco, que podem provocar a sensação que o coração não está batendo de maneira normal e causam sintomas como as palpitações. Existem inúmeros tipos de arritmias e algumas são graves e outras não. A frequência cardíaca considerada normal em repouso é de 60 a 100 batimentos por minuto. Isso acontece de maneira harmônica e sincronizada entre todas as 4 câmaras cardíacas ( 2 átrios e 2 ventrículos).Quem comanda essa frequência é o nosso sistema elétrico de condução que permite a passagem da corrente elétrica para comandar o batimento das 4 câmaras cardíacas e impulsionarem o sangue por todo o nosso corpo.

Arritmia são alterações elétricas do coração, que podem se manifestar por batimentos acelerados, irregulares, diminuídos, causando sintomas variáveis, tais como tontura, dor no peito, palpitação, desmaios. Essas alterações elétricas podem ser benignas, mas também extremamente graves, inclusive com risco de morte. É necessário uma avaliação cardiológica para determinarmos qual o tipo de arritmia e tratamento específico.

Augusto Sardilli

Cardiologista

São José do Rio Preto

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Arritmia?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.