Clamídia - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é clamídia?

A clamídia é um grupo especial de bactérias que podem ser pequenos parasitas dentro das células dos seres humanos e outros animais.

Há três diferentes espécies: Chlamydia psittaci, Chlamydia pneumoniae e Chlamydia trachomatis. As duas primeiras, principalmente, causam infecções respiratórias, incluindo pneumonia. O estudo da possível relação causal de Chlamydia pneumoniae em lesões aterosclerose tem despertado grande interesse nos últimos tempos.

Por outro lado, os de resultados Chlamydia trachomatis, nos linkam principalmente a infecções sexualmente transmissíveis e infecções oculares, comportando de maneira diferente no Ocidente e no Terceiro Mundo.

Em alguns países subdesenvolvidos da África, Oriente Médio, Ásia e América Latina faz com que surja o tracoma, uma forma de conjuntivite crônica que leva a 15% dos casos de cegueira no mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde existem 146 milhões locais onde seria necessário erradicar essa causa de cegueira. Ela também pode causar uma doença sexualmente transmissível caracterizada por um inchaço dos gânglios da virilha conhecidos como linfogranuloma venéreo.

No mundo ocidental infecções por Chlamydia trachomatis geralmente causam inflamação do trato genital. No geral, a doença bacteriana é a sexualmente transmissível mais comum, à frente de gonorréia ou sífilis. Não sendo uma doença "declaração obrigatória", a verdadeira incidência de infecção de clamídia não é conhecido. Chlamydia afeta principalmente adultos jovens e adolescentes, e no caso das mulheres pode levar a complicações graves, como infertilidade e transmissão da infecção ao recém-nascido.

Como você consegue se contaminar?

Em nosso meio, Chlamydia trachomatis é uma doença sexualmente transmissível, exceto no caso de crianças nascidas de mães infectadas, que passa pelo canal do parto.

Por que acontece?

Clamídias são capazes de se ligar a membrana das células humanas e entrar dentro dela. Uma vez lá, fica maior e multiplica-se, resultando em novas clamídia.

A doença pode causar:

  • Nos machos, inflamação da uretra (uretrite) ou no reto (proctite)
  • Nas fêmeas: inflamação da uretra, reto ou colo do útero (cervicite)
  • No recém-nascido: infecções respiratórias e conjuntivite.

Quais são os sintomas da clamídia?

Em humanos

No sexo masculino os sintomas mais comuns são de uretrite entre três dias e três semanas após a exposição:

  • Ardor ao urinar
  • De exsudato, muco ou pus, pela abertura da uretra.

Mesmo em metade dos casos, a uretrite produz poucos ou nenhum sintoma. Isso facilita não ser diagnosticada e permite também que a infecção se espalhe para o trato genital masculino para o epidídimo (epididimite), causando dor no testículo e a longo prazo, podendo afetar a fertilidade.

Para o sexo anal, pode haver inflamação do reto com sintomas como (diarréia, evacuações dolorosas muco ou sangramento no ânus).

Em mulheres

Em mulheres, com mais freqüência, não há sintomas, apesar de aparecer uma infecção cervical (no útero ou útero, colo do útero é a área mais próxima da vagina e se comunicar com ele). Em caso de sintomas dão-se geralmente devido à inflamação do colo do útero ou na uretra. Os mais comuns são:

  • Aumento da secreção vaginal ou secreção purulenta
  • Desconforto durante o sexo
  • Sangramento vaginal após a relação sexual pequeno ou espontaneamente
  • Ardor ao urinar
  • Aumento da frequência urinária
  • Corrimento uretral purulenta (raro).

A ausência de sintomas leva à infecção e facilita a progressão da clamídia no trato genital feminino e pode causar inflamação no corpo do útero (endometrite) e as trompas de Falópio (salpingite). Inflamação do tubo pode dar um quadro de dor abdominal com febre chamada doença inflamatória pélvica e, em casos graves, peritonite, ou causar cicatrizes que podem interferir com o assentamento adequado da fertilização e do ovo, resultando em infertilidade ou gravidez ectópica . Envolvimento da matriz pode resultar em problemas durante a gravidez, incluindo parto prematuro e bebês de baixo peso.

Em ambos os sexos pode produzir um linfogranuloma venéreo. Esta apresentação é rara no Ocidente. É caracterizada pelo aparecimento de uma pequena lesão genital (caroço ou úlcera), geralmente no pênis ou lábios vaginais, que muitas vezes passa despercebida, seguida pelo aparecimento de febre, o envolvimento geral e linfáticos dolorosos e grandes na virilha que podem tornar-se desgastante.

No recém-nascido

O bebê pode ser infectado no trato genital feminino durante o parto. O mais freqüente é a ocorrência de conjuntivite entre uma e duas semanas após o nascimento, mas também pode ocorrer infecções respiratórias, inclusive pneumonia, durante o primeiro trimestre de vida.

Como é diagnosticada?

Infecções por clamídia são comuns em nosso meio, de modo que o médico deve considerar esta possibilidade diante de qualquer jovem, sexualmente ativo, com sintomas de doença do trato genital e em todo recém-nascido com infecção ocular.

Infelizmente, como a maioria dos casos não apresenta sintomas, é raro que uma pessoa infectada procure um médico, exceto nos casos em que suspeitos de relacionamento sexual prévia. De fato, em algumas áreas têm sido realizados estudos na população em geral para tentar detectar casos assintomáticos e prevenir a propagação da doença e suas complicações.

Podemos suspeitar de casos de clamídia com os sintomas ou qualquer das seguintes circunstâncias:

  • Um homem com uma sensação de queimação durante a micção e secreção uretral
  • Uma mulher com desconforto e aumento da frequência urinária, com a cultura de urina negativa
  • Uma pessoa com outra doença sexualmente transmissível
  • Uma pessoa cujos parceiros sexuais são infectadas
  • Uma pessoa (homossexual ou heterossexual) com múltiplos parceiros
  • Um recém-nascido com conjuntivite.

A confirmação do diagnóstico é feita no laboratório clínico, detectam a presença de clamídia em uma amostra da área infectada. Geralmente é realizada utilizando um cotonete ou similar para obter um determinado número de células na uretra, colo do útero, ou conjuntiva, conforme o caso.

O gonococo (Neisseria gonorrhoeae) é a causa da gonorréia. Este germe pode causar sintomas idênticos aos produzidos por Chlamydia trachomatis, porque pode levar à proctite uretrite, epididimite, cervicite endometrite, salpingite e no adulto e conjuntivite no recém-nascido. Portanto, sempre deve ser excluído que esta infecção seja a causa dos sintomas ou a coexistência de duas infecções (doença sexualmente transmissível que muitas vezes se tornam infectadas e sofrem de várias de uma vez).

Na maioria dos casos estes problemas podem ser tratados pelo médico com cuidados primários e estudos para demonstrar a presença de clamídia e gonorréia em outros organismos sexualmente transmissíveis, e irá tratar com antibióticos. Às vezes o diagnóstico é difícil de confirmar e exigirá o envolvimento de um especialista e até mesmo comunicados com urgência ao hospital se complicações como doença inflamatória pélvica existem.

Como é tratada?

Devido à possibilidade de complicações graves ocorrerem no futuro e  se espalhar a doença a outros, é importante tratar a infecção por Chlamydia trachomatis assim que for detectada.

O tratamento é com antibióticos, usando tetraciclinas ou macrólidos. É conveniente administração de doxiciclina (duas vezes por dia) sendo a mais utilizada, tetraciclina. Tetraciclina não pode ser usado durante a gravidez ou em crianças. Os antibióticos macrolídeos são bastante seguros, mas podem causar desconforto digestivo e interagir com outros medicamentos (anticoagulantes, anti-epilépticos). O clássico é macrolídeo eritromicina, embora haja os mais novos, como a azitromicina, que requerem doses menos.

A maioria das infecções da uretra, colo e reto cura com sete dias de tratamento de doxiciclina ou eritromicina. Nestes pacientes uma dose única de 1 grama de azitromicina parece bem eficaz.

Outros locais (epidídimo) ou LGV necessitam de tratamento com períodos mais longos. Durante a gravidez, os antibióticos são geralmente escolhidos como a eritromicina ou amoxicilina.

É crítico avaliar e tratar adequadamente o casal para evitar reinfecção.

O que você deve fazer se você acha que tem esta infecção?

Você deve contactar o seu médico. Para evitar infectar outras pessoas devem se abster de relações sexuais desprotegidas até após o tratamento.

Você deve informar o seu parceiro ou parceiros dos dois meses anteriores, a fim de que eles podem ser diagnosticados e tratados.

Que pode ser feito para prevenir a infecção por clamídia?

Uma vez que esta é uma doença sexualmente transmissível, é necessário tomar precauções nas relações sexuais, evitando as células infectadas no sêmen ou secreções genitais femininas, em contato com áreas de nosso corpo suscetíveis à infecção como a uretra, do trato genital feminino ou do reto.

Para o sexo seguro deve levar em conta estes princípios:

  • Na vida sexual ativa, use camisinha em todas as relações sexuais- é a forma mais eficaz de prevenir todas as doenças sexualmente transmissíveis.
  • É também aconselhável para certas relações sem preservativo, mesmo que duas pessoas não tenham nenhuma doença sexualmente transmissível e ninguém faz sexo com outro casal. No entanto, em muitas situações é difícil ou impossível garantir que esta é a situação, por ignorância ou desonestidade.
  • O risco aumenta conforme o número de parceiros sexuais, quando o casal tem relações sexuais com várias pessoas e na primeira relação sexual com um novo parceiro.
  • Há evidências de que em alguns casos, o rastreio das populações assintomáticas seria detectar e tratar casos e também poupar dinheiro porque ele seria evitar as complicações da doença, que são mais caras que o programa de rastreio e tratamento dos casos detectados.

Qual é a provável evolução da doença?

Quando a doença é diagnosticada precocemente e tratada adequadamente, você consegue a cura de mais de 90% dos casos, geralmente com uma única dose de antibiótico ou o padrão clássico de uma semana de tratamento.

Se não for tratada a doença, podem ocorrer complicações muito importantes a longo prazo, especialmente em mulheres, tais como:

  • Esterilidade
  • Gravidez ectópica (o óvulo fertilizado não se implante no útero)
  • Complicações da gravidez (parto prematuro, baixo peso ao nascer)
  • Menor dor abdominal ou desconforto persistente
  • A doença pode ter complicações graves, como doença inflamatória pélvica, ou reações com causa remota, tais como a inflamação das articulações ou o fígado.

Especialistas em clamídia

Encontre um especialista em Clamídia na sua cidade:
Deborah Beltrami Gomez

Deborah Beltrami Gomez

Ginecologista

Curitiba

Cristiane N. Suzuki

Cristiane N. Suzuki

Ginecologista

São José Dos Pinhais

Rafael Camardella Carneiro

Rafael Camardella Carneiro

Ginecologista

Rio de Janeiro

Katia Vardanega

Katia Vardanega

Ginecologista

Caxias Do Sul

Camila Bulhoes

Camila Bulhoes

Ginecologista

Salvador

Antonio Paulo Malmann

Antonio Paulo Malmann

Ginecologista

Curitiba

Perguntas sobre Clamídia

Nossos especialistas responderam a 232 perguntas sobre Clamídia

Significa que você teve contato, um dia, com a bactéria. Melhor procurar seu ginecologista. Um abraço.
2 respostas

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
A sua avaliação clínica através da sua história clínica, suas queixas e exame…
2 respostas

Olá. A gonorreia pode vir acompanhada da clamídia. O ideal é o tratamento dessas duas infecções com dois tipos de antibióticos diferentes.
A gonorreia e clamídia são infecções sexualmente…
2 respostas

Especialistas falam sobre Clamídia

Clamídia trachomatis é uma bactéria sexualmente transmissível de alta prevalência no Brasil, que pode provocar infecções pélvicas, dificuldade para engravidar e aumentar o risco de gravidez ectópica (gravidez nas trompas). É importante realizar diagnóstico e tratamento precoces para evitar sequelas dessa infecção.

Deborah Beltrami Gomez

Ginecologista

Curitiba

Quais profissionais tratam Clamídia?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.