Polipose familiar (fap) - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é a polipose familiar, ou FAP?

A polipose familiar (FAP, polipose adenomatosa familiar) é uma doença hereditária transmitida por uma mutação (defeito) de um gene que é transmitido como um autossômica dominante. Isto significa que há uma chance de 50% de que uma criança doente (homem ou mulher) com FAP têm a doença, também podem transmiti-la para seus descendentes.

É caracterizada pelo aparecimento de pólipos (um pólipo é um tumor formado após o crescimento de células anormais, não-malignas, em princípio - como uma ervilha ou maiores - que se desenvolvem em uma haste de células normais). Os pólipos são também chamados de adenomas e tumor benigno representando um estado, mas claramente pré-malignas na maioria dos casos. A partir daqui, pode ou não evoluir para o câncer. Em uma pessoa com esta doença e em 15 e 20 anos de idade podem ser centenas de pólipos adenomatosos no cólon. Embora cada pólipo, individualmente, tem um baixo risco de se tornar câncer, o grande número deles torna inevitável que alguns deles se transformam em câncer e, assim, aparece um tumor maligno do cólon, quando o paciente é de cerca de 50 anos. Nessas pessoas por câncer de cólon aparece no início da vida adulta, a menos que você execute uma colectomia (remoção do cólon) profilática (preventiva).

Embora o cólon é a parte do intestino mais comumente afetadas, a doença pode também manifestações em outros órgãos. Por exemplo:

  • 10% dos pacientes desenvolvem câncer do duodeno (primeira porção do intestino delgado) durante sua vida. Este tumor é muito raro na população em geral.
  • Entre 5% e 10% dos indivíduos com polipose familial coli têm tumores de tecido conjuntivo chamados de tumores desmóide, que estão localizados principalmente no abdômen. Apesar de não ser malignos (cancerosos) podem causar sérias complicações, como eles invadem tecidos adjacentes e pode ser difícil de remover. Cinco indivíduos que desenvolvem um tumor desmóide vai morrer na idade de 35 anos.
  • Tumores ósseos benignos podem ocorrer na mandíbula e do crânio, e cistos (não cancerosos) alterações nas extremidades, face ou couro cabeludo. Quando pólipos do cólon associados a este tipo de cistos, a doença é denominada síndrome de Gardner. Sabemos agora que essa síndrome se deve a uma mutação no mesmo gene defeituoso em polipose familiar. Esse gene é denominado APC (polipose adenomatosa Coli em Inglês)
  • Eles são pigmentados (coloridos) na retina (parte traseira da tampa do olho sensível à luz), que não têm qualquer impacto. Este recurso tem sido útil no diagnóstico da doença em membros da família antes do surgimento dos pólipos sem métodos invasivos.

Existe uma condição menos comum chamada polipose familiar atenuada. Nesses pacientes a mutação ocorre no final do gene APC, o que parece causar uma ligeira alteração da proteína APC (codificada pelo gene). A doença se desenvolve mais tarde e com pólipos menores (menos de 100), mas o risco de desenvolver câncer de cólon também é elevado.

Qual é a causa da polipose familiar?

A doença resulta de uma mutação do gene da polipose familiar do cólon (APC, polipose adenomatosa Coli em Inglês) no cromossomo 5, que codifica as instruções para a produção de uma proteína envolvida na regulação do crescimento celular.

Esta mutação afeta um das duas cópias (alelos) do gene em todas as células do corpo. Quando a cópia do gene normal pertencentes a uma das células do cólon é alterada por acidente (o que comumente ocorre aleatoriamente no cólon normal) faz com que o desenvolvimento de um pólipo adenomatoso.

O FAP afeta 1 em cada 10.000 indivíduos e as mulheres e os homens são afetados na mesma proporção. Aproximadamente um terço dos casos surgem como novas mutações, o que significa que os pacientes não têm história familiar, mas seus filhos têm 50% de chance de ter a doença.

Quais são os sintomas?

A maior parte do tempo polipose não causa sintomas, mas às vezes ocorre:

  • Sangramento retal
  • Dor abdominal
  • Diarréia

Tumores desmóide localizados causando dor abdominal  ocasionalmente, podem obstruir o intestino.

Como é diagnosticado FAP?

Na maioria das vezes a doença é diagnosticada na família de um paciente com FAP por sigmoidoscopia flexível ou colonoscopia. Esta inspecção e teste do cólon através de um pequeno transmissor, tubo de imagem inserido através do ânus. Além disso, existe a possibilidade da triagem genética, geralmente realizada por análise de ligação que requer uma amostra de sangue de pelo menos dois outros membros da família. Isto pode detectar aproximadamente 95% dos casos com uma precisão de 98%. No futuro, será possível identificar a mutação genética em uma amostra de sangue, mas a maioria das famílias têm várias alterações, de modo que hoje seria muito trabalhoso estudo todas as possibilidades no gene inteiro.

Com que outras doenças pode ser confundida?

Em geral, é difícil fazer o diagnóstico da doença. No entanto, pode ser mais difícil de identificar pacientes com a forma atenuada. Há uma outra doença muito rara chamada síndrome de Turcot, que combina polipose com tumores cerebrais. A causa é uma mutação não identificado. Foram publicadas menos de 100 casos em todo o mundo.

Tratamento

Filhos de pais que sofrem da doença devem ser submetidos a sigmoidoscopia anualmente a partir dos 10 anos a 35 anos, e a cada três anos desde então. Se tiver o diagnóstico de polipose familiar, então seria necessário fazer uma endoscopia gastroduodenal cada 2 ou 3 anos à procura de uma doença duodenal. Além disso, uma vez que a doença for confirmada, você deve planejar uma colectomia, geralmente antes dos 14 anos. As opções cirúrgicas são:

  • Proctocolectomia (remoção do cólon e reto), se o reto é removido você pode fazer um reservatório com a ponta do intestino delgado (íleo) e junta-se ao ânus para permitir que o paciente tenha movimentos intestinais normais. Esta operação é complicada e função intestinal não está totalmente normal depois disso, mas tem a vantagem que elimina completamente o risco de câncer de cólon e evita um saco de ileostomia permanente (abertura anal no abdômen). Pacientes, neste caso, costuma fazer quatro fezes por dia e uma noite. Muitas vezes precisa tomar anti-diarréia medicamentos para reduzir o número de vezes que eles defecam.
  • Colectomia total (remoção do cólon sem o reto): resultados funcionais são melhores, mas logo devem ser monitoradas periodicamente para verificar o surgimento de novos pólipos e removê-los no tempo. Eventualmente, pode ser necessário para remover o reto se um tumor se desenvolve. A ingestão regular de medicamentos anti-inflamatórios não esteróides, sulindaco, reduz o risco de recorrência de pólipos no reto não são removidos. Há novas drogas anti-inflamatórias (inibidores de uma enzima chamada cicloxigenase 2 ou COX-2) que oferecem vantagens no controle da ocorrência de pólipos, com menos efeitos colaterais.

O tratamento das lesões duodenais envolve maior dificuldade. Alguns pólipos duodenais podem ser removidos através de uma endoscopia digestiva alta (inserção de um tubo iluminado pela boca até o duodeno). No entanto, o envolvimento mais extenso do duodeno requer a ressecção cirúrgica do mesmo e da cabeça do pâncreas (glândula atrás do estômago e junto ao duodeno, suco pancreático secretor.

Tumores desmóide podem necessitar de tratamento cirúrgico, embora seja difícil removê-las completamente, se ficar generalizado. Recentemente temos usado o tratamento anti-estrogénio para controlar o crescimento de tumor desmóide com considerável sucesso.

Qual é o prognóstico?

As técnicas de diagnóstico precoce, os avanços cirúrgicos e novas drogas, tais como sulindaco podem ter mudado os maus resultados obtidos anteriormente. Não há números exatos sobre a expectativa de vida após a introdução de técnicas de diagnóstico precoce e colectomia profilática. Polipose familiar Se não tratada, a expectativa de vida estimada é de 42 anos. Depois de realizar uma colectomia profilática os principais riscos para os pacientes com câncer duodenal FAP são tumores desmóide. Hoje você deve obter maior sobrevida aos 60 anos.

Especialistas em polipose familiar (fap)

Encontre um especialista em Polipose familiar (FAP) na sua cidade:
Elisangela Gomes da Silva

Elisangela Gomes da Silva

Endoscopista, Pediatra

Londrina

Sergio Eduardo Alonso Araujo

Sergio Eduardo Alonso Araujo

Cirurgião do aparelho digestivo, Coloproctologista

São Paulo

Vinícius Pires

Vinícius Pires

Coloproctologista

Ipatinga

Roseane Valeria Bicalho Ferreira Assis

Roseane Valeria Bicalho Ferreira Assis

Gastroenterologista

Vitória

Paula Alves da Conceição

Paula Alves da Conceição

Coloproctologista

Niterói

Guilherme de Almeida Santos

Guilherme de Almeida Santos

Coloproctologista

Belo Horizonte

Perguntas sobre Polipose familiar (fap)

Nossos especialistas responderam a 42 perguntas sobre Polipose familiar (fap)

Dr. Marlone Cunha
Dr. Marlone Cunha
Gastroenterologista
Campinas
Os pólipos mais comuns do estômago são os de glândulas fúndicas. Não tendem a evoluir naquela cascata que termina com o câncer, então muitas vezes nem são retirados. Habitualmente se faz a polipectomia…
1 respostas

A poliposo adenomatosa familiar ou PAF é uma doença genética que é transmitida aos familiares, não apresentando formas de prevenção ou retardo no seu aparecimento. Toda família com PAF deve ser…
1 respostas

Dra. Renata Bandini Vieira Guglielmi
Dra. Renata Bandini Vieira Guglielmi
Cirurgião geral, Coloproctologista
São Paulo
Olá,
A polipose adenomatosa familiar (PAF) é uma doença na qual milhares de polipos revestem a camada mucosa do intestino. Esses polipos tem potencial maligno e como são muitos é muito…
4 respostas

Quais profissionais tratam Polipose familiar (fap)?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.