Pré-eclâmpsia - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em pré-eclâmpsia

Encontre um especialista em Pré-eclâmpsia na sua cidade:
Juliana Sá de Araujo Ferraz

Juliana Sá de Araujo Ferraz

Ginecologista

Rio de Janeiro

Julia Freitas

Julia Freitas

Ginecologista

Rio de Janeiro

Rosana Khaski

Rosana Khaski

Ginecologista

São Paulo

Edson Luciano Rudey

Edson Luciano Rudey

Ginecologista

Maringá

Maíra de La Rocque

Maíra de La Rocque

Ginecologista

Rio de Janeiro

Laura Gusman

Laura Gusman

Ginecologista

Rio de Janeiro

Perguntas sobre Pré-eclâmpsia

Nossos especialistas responderam a 40 perguntas sobre Pré-eclâmpsia

Olá. Quem já teve pré-eclampsia em uma gravidez, tem um risco de recidiva dessas patologias nas próximas gravidez.
O uso de AAS e cálcio tem certa evidência para evitar essas síndrome hipertensivas…
1 respostas

Dra. Giulia Cerutti Dalvi
Dra. Giulia Cerutti Dalvi
Ginecologista
São Paulo
Olá!
Sim, existe o risco de pré eclampsia na nova gestação.
2 respostas

Dr. Marcos Pitaluga
Dr. Marcos Pitaluga
Ginecologista
Ji-Paraná
Olá, tudo bem? Se vc teve uma gravidez com diagnóstico de pré-eclâmpsia vc tem risco de desenvolver novamente. E o fato de ter sido realizado uma cesareana anterior não é suficiente para já se…
1 respostas

Especialistas falam sobre Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é um transtorno materno no qual, dentre outras alterações, a pressão da mãe aumenta e o fluxo de sangue para o bebê se altera. Isso pode levar a várias consequências, como a restrição de crescimento do bebê. Só quem está constantemente atualizado pode lhe oferecer o melhor acompanhamento e proporcionar as melhores condições de nascimento para o bebê.

Frederico Vilanova Monken

Ginecologista

Belo Horizonte


A pré-eclâmpsia começa geralmente após 20 semanas de gestação em mulheres com pressão arterial normal. Pode acarretar complicações graves, até mesmo fatais, para a mãe e o bebê. Às vezes, não há sintomas. Pressão arterial elevada e proteína na urina são as principais características. Também pode haver inchaço nas pernas e retenção de líquido, mas pode ser difícil de distinguir de uma gestação normal. Geralmente, é possível controlar a pré-eclâmpsia com medicação oral ou IV até que o bebê esteja suficientemente maduro para a realização do parto. Convém pesar os prós e contras dos riscos de um parto prematuro frente a continuação dos sintomas da pré-eclâmpsia.

Dr. Erastos Brancalhão

Ginecologista

Birigui


A pré-eclampsia é uma doença característica da segunda metade da gestação. Acontece em pacientes que têm elevação da pressão sanguínea e perda de proteínas na urina. O acompanhamento pode ser ambulatorial (em casa e consultório) ou intrahospitalar (internada). Vários exames (de sangue e ecografia) são realizados para garantir o bem estar materno e fetal. Medicações para controle da pressão são obrigatórias e as consultas são semanais para avaliação da pressão e bem-estar geral. O parto é o tratamento e é, preferencialmente, normal, mas pode ser indicada cesariana caso haja algum impedimento para o parto normal ou risco (pra mãe ou feto) que obrigue uma rápida resolução do quadro.

Pré-eclampsia é o surgimento de pressão alta na gravidez ou no período pós-parto, associada à perda de proteína na urina ou alterações renais, hepáticas e neurológicas, entre outras. O acompanhamento pré-natal é fundamental para o diagnóstico e seguimento dessas alterações, através de exame clínico criterioso e de exames laboratoriais e de imagem. Essa condição pode causar complicações graves para a gestante, para o bebê ou para ambos. No entanto, quando a assistência pré-natal e a vigilância durante o parto e após o nascimento são realizadas de maneira adequada, mãe e bebê ficarão saudáveis na grande maioria dos casos.

Julia Freitas

Ginecologista

Rio de Janeiro


A Pré-eclâmpsia (PE) é uma doença da placenta. A placenta é o órgão mais importante do feto, pois ela exerce a função do pulmão, dos rins, dos intestinos, das glândulas e do fígado. Logo, uma placenta com um funcionamento inadequado poderá comprometer o bem estar fetal. Estágios avançados da PE cursam com a aumento da pressão arterial materna às custas de múltiplas alterações vasculares e sistêmicas. O tratamento definitivo para a PE é o parto. Quando o parto é muito precoce, causa o nascimento de um bebê prematuro com todas as suas consequências. Doenças mais graves cursam com convulsões maternas, hemorragias e falência de órgãos. Poderá ser evitada se gestantes de risco forem Triadas

Quais profissionais tratam Pré-eclâmpsia?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.