Epilepsia - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é epilepsia?

A epilepsia é uma doença que se manifesta como ataques, também conhecidos como convulsões. Uma das doenças neurológicas mais comuns, afetando 0,5% a 1% da população. A epilepsia pode ocorrer em qualquer idade mas é mais comum na infância e na velhice. É uma doença que ocorre sob sintomas diferentes, com causas, tratamentos e prognósticos.

Nem todas as crises são, necessariamente, a epilepsia. Às vezes, o álcool ou alguns medicamentos prescritos para outras doenças podem causar convulsões em algumas circunstâncias.

Atualmente, a maioria dos médicos não interpretam a apreensão isolada como a epilepsia. O prognóstico da epilepsia é uma condição clínica que consiste em crises recorrentes em um paciente.

O cérebro é composto de um grande número de células nervosas chamadas neurônios, que se comunicam entre si através de sinais elétricos. Para um funcionamento normal do cérebro deve haver uma regulação cuidadosa do poder sobre a atividade desses neurônios.

Uma descarga elétrica anormal no cérebro altera o funcionamento normal dos neurônios e pode produzir, entre outras coisas, um ataque epiléptico. O tipo de crise depende da origem e disseminação no cérebro da descarga elétrica em questão. Durante um ataque, essas descargas podem causar:

  • Contração dos músculos.
  • Sensações anormais (percepção de odores ou sabores, formigamento ou coceira, ardor em um hemicorpo).
  • Sintomas emocionais, tais como percepção de medo, de ter vivido antes um evento com os mesmos sintomas, conhecida pelo nome de déjà vu, ou o sinal oposto, conhecido pelo nome de jamais vu.
  • Perda de consciência.

Crises epilépticas são geralmente breves, duram alguns segundos a poucos minutos. Uma vez passada a crise, a atividade elétrica cerebral volta ao normal.

Qual é a causa da epilepsia?

A epilepsia é causada por uma grande variedade de condições que produzem uma mudança no cérebro. Em metade dos pacientes com essa doença não há danos estruturais no cérebro. Na maioria desses pacientes, a causa da doença é provavelmente de origem genética (ver o grupo de epilepsias generalizadas idiopáticas). A idade de início desse grupo é a infância e adolescência.

Quando as crises são focal, ou seja, compreendem uma área específica do cérebro é provável que seja uma causa estrutural, por isso é muito importante estudar o caso usando uma varredura do cérebro.

Possíveis causas de epilepsia são:

  • Distúrbios do desenvolvimento do cérebro (anomalias congênitas)
  • Durante a falta de nascimento, de oxigênio
  • Infecções (meningite ou encefalite)
  • Os tumores cerebrais
  • Trombose cerebral (AVC)
  • Hemorragia cerebral

Qual é o futuro dos pacientes com epilepsia?

Felizmente, as convulsões podem ser superados por 70 a 80% dos pacientes diagnosticados como epilepsia. O curso da doença depende da causa e tipo de crise.

Qual é a base para o médico para estabelecer um diagnóstico de epilepsia?

O diagnóstico da epilepsia é clínico. É com base na interpretação da descrição da apreensão e não os resultados dos exames. Detalhes das apreensões normalmente são dadas por um parente ou a pessoa que presenciou a crise e não o paciente que geralmente está inconsciente. O médico deve diferenciar estes episódios convulsivos de problemas de síncope ou cardíaca. Muitas vezes, é difícil o diagnóstico correto, e os sintomas precisam ser avaliadas por um especialista em epilepsia, tal como um neurologista.

Uma vez diagnosticada a epilepsia executar os seguintes testes:

Eletroencefalograma (EEG)

O EEG é um teste de diagnóstico para a epilepsia, uma vez que não pode determinar por si mesmo ou não se o paciente tem epilepsia. No entanto, ele nos ajuda a determinar o tipo de crise, se focal ou não, levando-nos à definição de tratamento e prognóstico. Ele também é usado para decidir sobre a suspensão das drogas antiepilépticas.

Escaneamento cerebral de MRI ou de estudos

É muito importante no estudo de pacientes com crises focais e início tardio (que ocorre após 20 anos de idade) e serve para descartar anormalidades estruturais como causa de epilepsia.

É interessante notar que mesmo quando existem convulsões, tanto o scan EEG e ressonância magnética do cérebro podem aprensentá-lo normal.

Se não há certeza no diagnóstico pode ser útil:

  • Ativada a privação de sono EEG, ou seja, o paciente permanece sem dormir por 24 a 48 horas.
  • EEG prolongado é realizado por vários dias, usando tanto um vídeo que registra ataques simultâneos.
  • EEG ambulatorial realizado por 24 a 72 horas durante a atividade normal do paciente.

Esses testes confirmam o tipo de crise epiléptica, avaliação e eventos noturnos e se forem diferenciados de distúrbios do sono, descarte as parcelas de episódios uma convulsão, mas são episódios simulados (chamado pseudoconvulsões ou síncope).

Tratamento

A epilepsia é geralmente tratada com medicamentos prescritos por um especialista. Em alguns casos pode ser tratada com cirurgia.

Recentemente, especialmente em crianças com epilepsia refratária (ou seja, difícil de tratar) é usado estimulação do nervo vago. É implantado no peito superior esquerdo, abaixo da pele e os eletrodos conectados ao nervo vago esquerdo.

Epilepsia e Gravidez

A maioria das mulheres com epilepsia têm uma gravidez tranqüila. É muito importante a avaliação de especialista em mulheres antes da gravidez, especialmente se estiver tomando remédios para epilepsia.

O que você deve fazer se uma pessoa tem uma convulsão?

  • Manter a calma
  • Tentar remover os objetos que podem fazer mal ao paciente.
  • Colocar o paciente em posição horizontal.
  • Nunca coloque objetos na boca do paciente durante o ataque.
  • Ficar com o paciente até que ele recobra a consciência e tentar acalmá-lo.

Quando você precisa de tratamento de emergência?

Nas seguintes circunstâncias:

  • Se o ataque durar mais de 10 minutos
  • Se houver repetidas crises convulsivas sem recuperação da consciência entre elas
  • Se poucos minutos após a apreensão do paciente estiver inconsciente, ou não se comunicar corretamente.
  • Se depois de um ataque o paciente não está respirando normalmente
  • Quando um trauma ocorre antes, durante ou após atque
  • Quando um ataque ocorre na água
  • Se o paciente tem um histórico de outras doenças como a diabetes
  • Se a paciente está grávida
  • Quando o paciente não tem história de epilepsia

Restrições na vida diária

A coisa mais importante para uma pessoa com epilepsia é, se possível, viver uma vida normal, longe do medo e incerteza que podem causar convulsões. No entanto, existem algumas restrições que devem ser observados:

  • Dirigir carros - uma pessoa que sofre desta doença deve provar não ter tido convulsões por 12 meses para obter uma carta de condução (autorização de A, A1, B, B + E carta de condução e os ciclomotores) deve fornecer o relatório favorável de um neurologista, e se for dado neste caso, um cartão válido por 2 anos.
  • Se o paciente ainda tem convulsões deve evitar atividades como montanhismo ou pára-quedismo.
  • É melhor estar sempre acompanhado, no caso da natação, por alguém que possa ajudar se necessário.
  • Luzes que piscam, como discotecas ou boates, podem desencadear crises em algumas pessoas, por isso o cuidado deve ser mantido e, sempre que possível evitá-los.
  • Falta de sono e ingestão de álcool podem desencadear crises convulsivas. Isto implica uma mudança no estilo de vida, especialmente em adolescentes.

É importante lembrar que apenas uma regra de comportamento é inadequado em muitos casos, para cada tipo de epilepsia é particular. Por exemplo, é diferente se os ataques são imprevisíveis ou sempre ocorrem ao mesmo tempo. Cada caso deve ser encaminhado ao especialista.

É prudente que as crianças estarem sempre supervisionadas ao realizar atividades que envolvem risco, especialmente se as convulsões interferirem com a consciência.

O médico é a melhor pessoa para responder todas as questões relacionadas com a doença, tratamento e prognóstico, e devem informar aos pacientes e familiares sobre as questões de segurança associadas à epilepsia, especialmente no estado alterado de consciência.

Especialistas em epilepsia

Encontre um especialista em Epilepsia na sua cidade:
Juliana Paula Macci

Juliana Paula Macci

Neurofisiologista, Neurologista

Mayala Oliveira

Mayala Oliveira

Neurologista

Ilhéus

Lauro de Franco Seda Junior

Lauro de Franco Seda Junior

Neurocirurgião, Neurologista

Bauru

Mario Andre Souza Matos

Mario Andre Souza Matos

Neurofisiologista, Neurologista

Montes Claros

Felipe Queiroz Portela

Felipe Queiroz Portela

Neurologista

Boa Vista

Henrique Jannuzzelli Pires do Prado

Henrique Jannuzzelli Pires do Prado

Neurologista

Niterói

Perguntas sobre Epilepsia

Nossos especialistas responderam a 203 perguntas sobre Epilepsia

Olá. Essa bebida contém componente com ação estimulante. Em doses moderadas (40-80 mg = aproximadamente 1-2 xícaras de café coado = 1 café expresso = 1 lata de energético), pode ser agradável.…
1 respostas

A epilepsia é uma sincronização da atividade elétrica cerebral. As causas são inúmeras sendo que numa boa parte dos casos não conseguimos definir o que causa a crise. Alguns fatores atuam como…
1 respostas

A epilepsia é uma patologia complexa pois apesar de ter como mecanismo uma sincronização da atividade cerebral, pode ter diversas causas ou mesmo nenhuma causa evidente.
A grande maioria…
1 respostas

Especialistas falam sobre Epilepsia

A epilepsia é uma doença que se caracteriza por crises convulsivas recorrentes, que podem ser de fácil controle com medicamentos, ou refratárias (de difícil controle), quando uma conduta cirúrgica pode ser indicada. Existem várias causas para as crises, que devem ser investigadas para definir o medicamento mais adequado para cada tipo. É uma doença que já sofreu muitos estigmas, mas que hoje já é bastante conhecida, e sabidamente não é transmitida pela "saliva" eliminada pelo paciente durante a crise. Pacientes com epilepsia podem ter vida normal se realizarem o tratamento adequado, e podem ser inseridos no mercado de trabalho, dependendo de cada caso.

Gladys Lentz Martins

Neurologista

Florianópolis


As epilepsias podem acontecer em qualquer faixa etária, seja na infância, adolescência, fase adulta, ou até mesmo nos idosos. São causados por uma disfunção cerebral (“curtos-circuitos”) em regiões cerebrais específicas, que se expressam por diferentes quadros clínicos. A Convulsão, por exemplo, é um dos tipos de crise que podem acontecer na Epilepsia. Diversos outros tipos de crise epiléptica são descritos. Portanto, é fundamental procurar um neurologista, para o correto diagnóstico e tratamento.

As crises convulsivas e epilepsias são distúrbios no cérebro onde há uma descarga súbita, excessiva e desordenada dos neurônios cerebrais. Há vários tipos de crises convulsivas, tais como as crises convulsivas tônico-crônicas generalizadas e as crises de ausência. Em geral, estas se iniciam na infância ou início da vida adulta. Mas a convulsão pode surgir devido a uma lesão no cérebro, em qualquer faixa etária. Por isso, toda crise convulsiva deve ser avaliada por um neurologista. Os exames necessários são EEG, TCC e RNM de crânio, dentre outros.

Trata-se de uma doença com grande impacto social e que se não investigada e tratada de forma adequada pode trazer prejuízos para a criança e ou adolescente fom risco de morte. Existe tratamento na maioria dos casos, desde que ocorra um diagnóstico correto e um tratamento adequado.

Raphael Rangel Almeida

Neurofisiologista, Neurologista pediátrico

Serra

Agendar uma visita

A epilepsia representa um grupo de doenças caracterizadas pela ocorrência espontânea de crises epiléticas. A crises são causadas por atividade elétrica anormal no cérebro e podem se manifestar de diferentes formas, sendo habitualmente dividias em crises focais e generalizadas. As causas são várias (genéticas, estruturais, infecciosas, metabólicas etc) e a doença pode se manifestar em diferentes idades, a depender da causa. O tratamento é feito com drogas anticonvulsivantes para controle das crises, sendo efetivo em grande parte dos casos. Naqueles refratários pode ser inidcado o tratamento cirúrgico ou o uso de um dispositivo chamado “estimulador do nervo vago”, para controle das crises.

Epilepsia é uma predisposição dos neurônios (células do cérebro) a produzir crises epilépticas . Nem toda crise epiléptica é epilepsia pois existem situações clínicas que podem gerar crises e após elas passarem as crises não persistem. As crises epilépticas podem apresentar várias formas clínicas. A mais conhecida é a crise convulsiva porém a crise vai depender de que local do cérebro ela inicialmente se origina e, por vezes, pode se manifestar apenas por alteração de consciência e discretos movimentos das mãos e orais. Cerca de 35% das pessoas com epilepsia não vão conseguir controlar só com medicação sendo necessária a avaliação de qual método deve ser empregado para o controle de crises.

Isabella D'andrea Meira

Neurologista

Rio de Janeiro


A Epilepsia já foi uma doença estigmatizada no passado, muito provavelmente pela dificuldade de controle das crises. Existem diferentes tipos de crises epilépticas e diversas causas possíveis. Atualmente, com a ampla gama de medicamentos disponíveis, o controle adequado das crises é possível na maioria dos casos, permitindo uma boa qualidade de vida.

Izabel C. Arroyo Marchi

Neurofisiologista, Neurologista

São Paulo

Agendar uma visita

A epilepsia afeta de 0,5 a 1% da população mundial e é causada por uma descarga elétrica de neurônios cerebrais não provocada, e que pode se repetir de forma aleatória, causando consequências psíquicas, físicas e neurobiológicas aos indivíduos afetados. De forma geral as epilepsias podem sem classificadas em focais ou generalizadas, de acordo com a sua forma de apresentação. As epilepsias focais podem se manifestar como episódios de confusão mental, movimentos involuntários de algum membro, ou até mesmo movimentos oculares e alucinações visuais, auditivas e olfatórias. Já as generalizadas são caracterizadas por movimentos de contração tônico clônicos, e mordedura de língua.

Epilepsia é um distúrbio comum a várias doenças. Na verdade, é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sinais e sintomas que caracterizam determinada condição e indicam que, por algum motivo, um agrupamento de células cerebrais se comporta de maneira hiperexcitável. Isso pode gerar manifestações clínicas, ou seja, crises epiléticas parciais (se os sinais elétricos estão desorganizados em apenas um dos hemisférios cerebrais), ou totais (se essa desorganização ocorrer nos dois hemisférios). Na grande maioria dos casos, as crises desaparecem espontaneamente, mas a tendência é que se repitam de tempos em tempos.

Gilmar De Oliveira Dornelas Junior

Neurologista

Campo Grande


Epilepsia consiste em predisposição anormalmente aumentada do cérebro para gerar crises epilépticas com suas consequências neurológicas, cognitivas, sociais e psicológicas. O diagnostico é dado quando ocorrem duas ou mais crises não provocadas (durante infecções, AVC, trauma, distúrbios metabólicos) separadas por pelo menos 24 horas. As Epilepsias sao atualmente divididas conforme a causa em genéticas, estruturais/metabólicas ou de causa desconhecida. As crises podem surgir em qualquer idade e apresentar-se de forma bastante variável de um indivíduo para outro. A gravidade da doença é bem heterogênea de acordo com a causa. Epilepsia pode ser controlada com medicamentos.

Rodrigo Vasconcellos Vilela

Neurologista

Belo Horizonte


A epilepsia é um quadro neurológico comum em que o cérebro tem uma dessincronização e alteração do funcionamento momentâneo. Pode haver ou não perda da consciência e pode acarretar prejuízos de memória, atenção, raciocínio e intelectual. A depender do tipo de epilepsia, as dificuldades podem ser mais ou menos intensas e comprometer a vida acadêmica, trabalho, social, afetiva, sexual. Pacientes que apresentam crises com perda de consciência tendem a se sentir inseguros, com medo de terem crises em locais públicos, e passam a se isolar e evitar contatos. Tanto a avaliação neuropsicológica quanto a psicoterapia são importantes para entender o impacto na vida e lidar com as dificuldades.

Sandra Mara Comper

Psicólogo

Balneário Camboriú

Agendar uma visita

Tratamento cirúrgico da epilepsia. Em paciente com epilepsia refratária ao tratamento com medicamentos e que apresentam algumas determinadas alterações no cérebro como a esclerose medial temporal o tratamento cirúrgico se mostra o melhor método para o controle das crises convulsivas.

Jules Carlos Dourado

Neurocirurgião

Salvador


Epilepsia é uma doença em que há uma predisposição duradoura do cérebro a gerar crises epilépticas (chamadas de convulsões quando tem manifestação motora predominante). Existem diversas possíveis causas: alterações da estrutura do cérebro (como "cicatrizes" de insultos tais como derrames, traumatismos, infecções, tumores...), processos degenerativos, predisposição genética e tantos outros. Exames normais (como ressonância magnética e eletroencefalograma) não descartam o diagnóstico. O tratamento convencional (adequado à grande maioria dos casos) se baseia no uso de medicações (fármacos antiepilépticos).

Tiago Pinho Feijó

Neurologista

Fortaleza


A epilepsia é uma desordem cerebral do indivíduo que tem predisposição a ter crises epilépticas. As crises que ocorrem no indivíduo com epilepsia são causadas por problemas na atividade elétrica e química cerebral. Existem diversos tipos de crises epiléticas que se manifestam como mudanças temporárias no comportamento que ocorrem desde parada comportamental com movimentos sutis e automáticos com segundos de duração (crises focais), à perda da consciência com contrações bruscas do corpo (crise tônico-clônica).

Michelle Zimmermann

Neurologista

Rio de Janeiro


A Epilepsia é uma doença muito frequente e ocorre em cerca de 1% da população. Até 30% das Epilepsias são refratárias ao tratamento clinico (o paciente continua tendo crises mesmo com uso de mais de 2 medicações). Esses pacientes podem ser avaliados para tratamento cirúrgico com uma chance de até 70 % de cura, dependendo do tipo e localiazação da Epilepsia.

A epilepsia é uma doença neurológica que ocorre de diversas formas e nem sempre envolve uma crise convulsiva característica. Muitas vezes são rápidas e se expressam apenas em um membro ou lado do corpo. Outras vezes há somente um olhar fixo, ou um movimento da boca ou da face. Pode haver, também, crises durante o sono, ou em períodos que não são observados por ninguém. Em grande parte dos casos, a causa decorre de alterações microscópicas no funcionamento do cérebro, por isso é muito comum não se observar alteração em nenhum método complementar e os exames de Ressonância Magnética, Tomografia Computadorizada de Crânio e Eletroencefalografias se apresentarem totalmente normais.

Gustavo Franklin

Neurologista

Curitiba


Epilepsia é a doença que cursa com crises epiléptica ou crises convulsivas. Ocorre em qualquer idade e pode ser desencadeada por danos cerebrais, tumores, AVC e vários outros. É importante investigar a causa e assim tratar da melhor forma possível. O eletroencefalograma é uma ferramenta diagnóstica muito eficaz, possibilitando identificar tipo de crises, locais de origem e muitas vezes o tipo de epilepsia. O tratamento é feito com anticonvulsivantes, medicamentos que podem ser comprimidos ou até suspensão (líquido), diminuindo consideravelmente a chance de novas crises convulsivas/epilépticas.

Epilepsia é um transtorno caracterizado por duas ou mais crises não provocadas ocorrendo em um intervalo maior de 24 horas. É uma condição prevalente, acometendo cerca de 1 a 2% da população.

Bruno Takeshita

Neurologista

Curitiba


Epilepsia é uma das doenças mais comuns no meio neurológico. Existe uma enorme variedade nos tipos de crises epilépticas, dentre elas aquelas com fenomenologia motora (p.ex. clônica, tônica, tônico-clônica, mioclônica, atônica) e aquelas com fenomenologia não-motora (p.ex. discognitiva, sensorial, autonômica). Entender a semiologia das crises, a análise do EEG e propor o melhor tratamento é tarefa do neurologista.

Renan Amaral Coutinho

Neurologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Trata-se de condição neurológica prevalente na infância com várias manifestações clínicas e causas a qual deve ser avaliada com critério até mesmo para a melhor identificação e opção terapêutica. Há na infância desde as síndromes epilépticas até condições que simulam tratar-se de crises, entretanto, podem ser outras entidades clínicas relacionadas ao próprio desenvolvimento infantil ou até mesmo condições dentro do grupo de distúrbios de movimento.

Quais profissionais tratam Epilepsia?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.