Hiperplasia endometrial - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em hiperplasia endometrial

Encontre um especialista em Hiperplasia Endometrial na sua cidade:
Marcela Aguiar Reis

Marcela Aguiar Reis

Ginecologista

Teresina

Maria Carolina Caporale Madi

Maria Carolina Caporale Madi

Ginecologista

São Paulo

Adriana Gonçalves Sampaio Coelho

Adriana Gonçalves Sampaio Coelho

Ginecologista

Recife

Andreia Forsin Moro Torre

Andreia Forsin Moro Torre

Ginecologista

Porto Alegre

Raiza Karoline Monteiro

Raiza Karoline Monteiro

Ginecologista

Brasília

Juliana Da Silva Vieira

Juliana Da Silva Vieira

Ginecologista

Volta Redonda

Perguntas sobre Hiperplasia endometrial

Nossos especialistas responderam a 29 perguntas sobre Hiperplasia endometrial

A hiperplasia endometrial não é um fator que colabora com o ganho de peso , no entanto , a obesidade feminina pode ajudar no desencadeamento da hiperplasia endometrial já que o tecido gorduroso…
2 respostas

Boa tarde! a hiperplasia endometrial não causa sintomas de ondas de calor. As ondas de calor estão associadas à falta de estrogênio, que habitualmente acontece no período próximo à menopausa.…
2 respostas

Dra. Carmem Helena Snel Wehmuth
Dra. Carmem Helena Snel Wehmuth
Ginecologista
Novo Hamburgo
A maioria dos espessamentos de endométrio não são câncer. No entanto há que se considerar qual é o espessamento, se é homogêneo ou heterogêneo, sua idade, sua ciclidade menstrual e muitas vezes…
2 respostas

Especialistas falam sobre Hiperplasia Endometrial

Hiperplasia endometrial é o espessamento do tecido que reveste a camada interna do útero (endométrio). O principal sintoma é o sangramento uterino anormal. O diagnóstico da hiperplasia do endométrio pode ser feito através da observação dos sintomas apresentados e confirmados através da ultrassonografia transvaginal. O tratamento cirúrgico padrão ouro é a histeroscopia cirúrgica.

A hiperplasia endometrial é o aumento da espessura do tecido que reveste a cavidade uterina. Normalmente acontece em pacientes com exposição excessiva ao estrogênio, como mulheres que não ovulam todo mês, mulheres obesas e mulheres que fazem reposição hormonal somente com estrogênio. Essa patologia não é um câncer, mas pode evoluir para uma doença maligna em raros casos. Os principais sintomas são: sangramento uterino anormal, dor abdominal e cólica. Normalmente, a ultrassonografia sugere o aumento da espessura do endométrio. Mas o diagnóstico definitivo é a biópsia endometrial realizada por histeroscopia. Assim, poderemos saber o tipo de hiperplasia e o tratamento mais adequado.

Michelly Azevedo Da Motta

Ginecologista

Rio de Janeiro


É o espessamento da camada interna do útero, a responsável pela menstruação, podendo acometer as mulheres no período fértil ou após a menopausa. Durante o período fértil, costumam ter relações com variações hormonais, mas podem ser outras alterações (como pólipos ou miomas) não bem definidas em exame ultrassonografico. Após a menopausa, podem ser causadas pela atrofia tecidual normal deste período ou até por alterações malignas (como o cancer de endométrio). Sempre que forem identificadas, é fundamental que o ginecologista determine sua etiologia para poder estabelecer o tratamento mais adequado.

A Hiperplasia endometrial é uma causa estrutural de sangramento uterino anormal. O diagnóstico desta alteração é pela avaliação patológica de uma biópsia endometrial. Este diagnóstico não é realizado por ultrasom. O ultrasom poderá ver alteração na camada interna ou endometrial do útero, como espessamento e heterogeneidade. A biópsia pode ser realizado por curetagem uterina, Pipelle e por histeroscopia. A histeroscopia é o melhor exame pois visualizada a lesão e colhe a biópsia dirigida. Como dito, a hiperplasia é uma causa de sangramento uterino anormal. O tratamento vai desde o uso de medicações hormonais a procedimentos cirúrgicos com retirada do útero.

Quais profissionais tratam Hiperplasia endometrial?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.