Endometriose - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é?

A endometriose é uma doença caracterizada pela presença do endométrio fora do útero. O endométrio é a camada interna do útero que é sempre renovada nos períodos de menstruação. A doença atinge apenas mulheres em sua fase reprodutiva e pode causar problemas nos ovários, na parte anterior e posterior do útero e também em seus ligamentos, nas trompas, no tecido entre a vagina e o reto, na bexiga, na superfície do reto e na parede da pelve. A doença aparece com bastante frequência. Estima-se que atinja 15% das mulheres entre 15 e 45 anos de idade. Em mulheres com problemas de fertilidade esse índice chega a 70%.

Qual é a causa?

No momento da menstruação, parte do sangue que deve ser eliminado passa pelas trompas e acaba se alojando dentro da barriga. Essas células possuem capacidade de crescimento e multiplicação. Por isso, devem ser eliminadas pelo organismo. Quando o sistema imunológico não é capaz de eliminar essas células, surge a endometriose.

Quais os sintomas?

A endometriose pode causar dores durante as relações sexuais, aumentar as cólicas no período menstrual, gerar dores na barriga da perna e nas costas.

Como fazer o diagnóstico?

A entrevista com a paciente é o primeiro passo para criar a suspeita de endometriose. Relato de cólicas muito fortes no período menstrual e de dor que se irradia para a coxa e para o ânus e até na hora de evacuar ou urinar pode ligar o sinal de alerta. O exame físico com toque ginecológico e retal deve ser feito. Para confirmação, pode ser realizado exame de sangue (Ca-125), a ultrassonografia vaginal e até a ressonância magnética da pelve.

Qual o tratamento?

O principal objetivo do tratamento da endometriose é reduzir os sintomas. Por se tratar de uma doença considerada benigna, a cirurgia deve ser evitada. O tratamento deve ser prescrito de acordo com os objetivos da paciente. A suspensão da menstruação através de hormônios pode ser uma opção para quem não deseja ter filhos. Para quem deseja engravidar, geralmente a cirurgia é a melhor solução.

Especialistas em endometriose

Encontre um especialista em Endometriose na sua cidade:
Dr. Erastos Brancalhão

Dr. Erastos Brancalhão

Ginecologista

Birigui

Priscilla Moreira Chaves

Priscilla Moreira Chaves

Ginecologista

Rio de Janeiro

Mariana Aroucha

Mariana Aroucha

Ginecologista

Fortaleza

Sara de Pinho Cunha Paiva

Sara de Pinho Cunha Paiva

Ginecologista, Terapeuta complementar

Belo Horizonte

Luciana Guedes

Luciana Guedes

Ginecologista

Rio de Janeiro

Sidney Pearce

Sidney Pearce

Ginecologista

Fortaleza

Perguntas sobre Endometriose

Nossos especialistas responderam a 339 perguntas sobre Endometriose

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
A endometriose não é a causa da ansiedade. No entanto, ter este problema de…
1 respostas

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
Nunca inicie uma medicação sem a ajuda do seu médico. Nem todas as mulheres…
1 respostas

Olá. A sua avaliação clínica através da historia clinica, suas queixas e exame físico é fundamental para o diagnóstico e tratamento corretos.
O tratamento da endometriose visa melhora…
2 respostas

Especialistas falam sobre Endometriose

A endometriose é uma doença causada pela presença, encontro, de células do endométrio (tecido que reveste a camada interna do útero) fora do seu local habitual, ou seja, fora da cavidade uterina, causando um processo inflamatório crônico nestes locais anômalos. Não existe ainda uma teoria única que explique esta patologia, mas um dos mecanismos que ocorre é o fato das células endometriais (menstruais) em vez de serem expelidas para baixo em direção ao colo do útero e vagina durante a menstruação, elas se movimentam no sentido oposto caminhando em direção das trompas, ovários ou alcançando a cavidade e órgãos abdominal, para se instalar, multiplicar e sangrar nos próximos ciclos menstruais.

A endometriose é uma doença caracterizada pelo disseminação do endométrio fora da cavidade uterina, principalmente em ovários, trompas e intestino. A Dra. Khatty se especializou no diagnóstico e tratamento da endometriose. Para o diagnóstico a médica se aperfeiçoou em ultrassonografia abdominal voltado para o diagnóstico de endometriose. O tratamento é realizado com implantes hormonais. Os implantes hormonais fazem o controle clínico da endometriose e podem melhorar a TPM, a dor cólicas menstruais, aumentar a massa óssea e muscular.

A cólica menstrual é o principal problema da endometriose. Outros sintomas como fadiga, mal-estar, cansaço, distúrbios do sono, dor ao urinar, sangramento irregular podem aparecer, dependendo da localização e extensão da doença. A endometriose é muito sensível aos estímulos hormonais e se não for tratada precocemente, evolui com piora progressiva das dores e da capacidade de engravidar. Por isso, é importante fazer logo o diagnóstico através da consulta médica, exame físico, ultra-sonografia, ressonância e começar de imediato o tratamento para impedir a progressão da doença. O tratamento principal e mais frequente é através do uso de medicações, mas a cirurgia pode ser necessária.

Jose Alexandre Portinho

Ginecologista, Nutrólogo

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Endometriose é uma doença que vem cada vez mais acometendo mulheres no período mais produtivo da vida e afetando o que elas tem de mais sagrado que é o dom da maternidade e sua qualidade de vida. A Endometriose causa infertilidade, dor pélvica crónica incapacitante e dor sexual. Por essa complexidade, é necessário uma equipe multidisciplinar, coordenada pelo ginecologista com conhecimento profundo da doença, para que se possa abordar todos os aspectos envolvidos pela doença.

Corival Castro

Ginecologista

Goiânia


Com Residência Médica na Unicamp, valorizamos os melhores protocolos de tratamento. Dentre as teorias que explicam a Endometriose encontram-se o excesso de toxinas poluentes, principalmente relacionadas ao plástico. Munidas de ferramentas complementares, como a Desintoxicação, Ortomolecular, Fitoterapia, Terapia Quântica e Terapia Bemer, trabalhamos para o seu equilíbrio, na visão integral do ser humano.

Endometriose é uma doença benigna porém com impacto na saúde feminina variável,e que acomete mulheres no periodo fértil. Pode manifestar como dor pélvica , colicas intensas, dor à relaçao sexual e sintomas intestinais ou do trato urinário , a depender dos órgãos pélvicos acometidos. Em 50% dos casos cursa com infertilidade. O tratamento deve ser individualizado e é dependente dos sintomas e do interesse reprodutivo. O tratamento medicamentoso ajuda no controle dos sintomas e em caso de falha o tratamento cirurgico, de diferentes complexidades, se impõem. Em pacientes inférteis a cirurgia traz resultados modestos (40-50%) e a Reprodução Assistida é a melhor opção em idade > 35anos .

Fabio Biaggioni Lopes

Ginecologista

São José dos Campos

Agendar uma visita

Atualmente referência nacional no tratamento de endometriose, nossa equipe é composta de profissionais altamente gabaritados e renomados, com anos de experiência no tratamento videolaparoscópico dos casos simples aos mais complexos da doença. Nosso objetivo é dar assistência completa e de mais alto nível, compatível com os centros de referência na Europa.

Doença que acomete 10 a 15% das mulheres, benigna, definida por implantes de tecido endometrial (camada que reveste a cavidade do útero) em outras partes do corpo, que migram através de menstruação retrógrada, ou até por vasos sanguíneos e linfáticos. As principais características são dor pélvica, cólica menstrual, infertilidade, dor no ato sexual e alterações intestinais ou da urina. O diagnóstico se faz por exames de imagem, Usg e Ressonância especializados, juntamente com a história e exame ginecológico. Tem tratamento medicamentoso e cirúrgico atualmente bastante aprimorados.

Marcello Rocco Ignacio

Ginecologista

São Paulo


A endometriose é uma doença que afeta bastante a qualidade de vida da mulher. Seus principais sintomas são as cólicas menstruais, dores na relação sexual e a infertilidade. Seu tratamento pode ser um grande desafio, e por isso busco sempre o aperfeiçoamento, tanto pelo aprimoramento profissional constante, quanto disponibilizando as mais recentes tecnologias às minhas pacientes, como a tecnologia 3D para laparoscopia. Tenho experiência de mais de 10 anos, mesmos nos casos mais avançados, quando a doença atinge o intestino. Atuo com uma equipe multidisciplinar, composta por médicos especialistas, serviço de imagem especializado referenciado, fisioterapia, nutrição e apoio psicológico.

Dorival Gomide Ramos

Ginecologista

São Paulo


Uma doença benigna de comportamento maligno. É caracterizada pela migração de tecido endometrial, que normalmente reveste o interior do útero, para locais fora do útero, que podem incluir ovários, peritônio, intestino, bexiga e outras estruturas da região pélvica. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, cerca de seis milhões de brasileiras sofrem com a afecção. Os sintomas variam bastante de acordo com as áreas afetadas. Em geral, as mulheres com endometriose podem sofrer com cólicas menstruais intensas, dor durante as relações sexuais, alterações urinárias, intestinais e infertilidade.

Endometriose é uma condição na qual o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras regiões do corpo. Essa formação de tecido ectópico normalmente ocorre na região pélvica, fora do útero, nos ovários, no intestino, no reto, na bexiga e na delicada membrana que reveste a pélvis. Entretanto, esses crescimentos também podem ocorrer em outras partes do corpo. A endometriose é um problema comum. Às vezes, ela pode ocorrer em gerações seguintes de uma mesma família. Embora, normalmente, a endometriose seja diagnosticada entre 25 e 35 anos, a doença provavelmente começa quando a menstruação regular se inicia, ou seja, na adolescência.

Daniel Cesar

Oncologista, Cirurgião geral

Rio de Janeiro


A endometriose existe quando o tecido que normalmente reveste o útero por dentro, o endométrio, encontra-se em outros órgãos. A doença pode causar cólicas menstruais fortes – que podem ficar cada vez mais intensas e frequentes ao longo dos anos -, dor pélvica persistente, dor pélvica durante as relações sexuais – dispareunia – e infertilidade. Estima-se que seis milhões de brasileiras tenham endometriose, ou seja, uma em cada dez mulheres com idade entre 15 e 45 anos.

Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Ela acomete mulheres que estão no período reprodutivo, ou seja, período que vai desde a primeira menstruação até a menopausa. Principais sintomas: Cólica menstrual intensa (presente em 90-95% dos casos) Dor profunda na vagina ou na pelve durante relação sexual Dor pélvica contínua não relacionada a menstruação Obstipação intestinal ou diarréia no período menstrual Dor para evacuar Sangramento nas fezes Dor para urinar Sangramento na urina Infertilidade Tratamentos: clínico e/ou cirúrgico

Viviane Ferreira Ferling

Ginecologista

São José dos Campos


É uma doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina. Os sintomas são cólicas menstruais intensas; dor pélvica/abdominal; dor nas relações sexuais; alterações intestinais na época das menstruações; infertilidade... Dois tipos de tratamento podem ser usados para combater as dores da endometriose: medicamentos ou cirurgia. Cada um deles tem suas especificidades, e cabe ao ginecologista avaliar a gravidade da doença em cada caso e recomendar o melhor tratamento. Dependendo da situação, ambos os procedimentos são feitos de maneira integrada. As cirurgias são realizadas via videolaparoscopia ou robótica.

Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga.

Christiane Curci Regis

Ginecologista

São Paulo


Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: trompas, ovários, intestinos e bexiga. Afeta mulheres em idade reprodutiva, 13 a 45 anos, e 30% tem chances de ficarem estéreis, ou ter dor abdominal crônica, afetando a qualidade de vida. Fazemos endoscopia ginecológica e tratamento clínico.

Tadeu Batista Pereira De Carvalho

Ginecologista

Goiânia


Endometriose é a doença diagnosticada quando o endométrio, que é tecido que reveste o útero por dentro é encontrado fora da cavidade uterina. Os implantes de endometrioses podem se alojar e crescer na parte externa do útero, nos ovários, nas trompas, e até na bexiga e no intestino. As lesões podem causar inflamação no local e nas estruturas vizinhas causando dor e aderências (tecido cicatricial) entres os órgãos. Nos ovários podem formar grandes cistos com conteúdo marrom no seu interior (cisto chocolate) que são os endometriomas. Ao se implantar no miométrio, que a camada muscular do útero, se infiltrando no órgão difusamente ou em nódulos, que parecem miomas chamamos de adenomiose.

Carla Iaconelli

Ginecologista

São Paulo


Trata-se de uma doença ginecológica benigna, caracterizada por focos de endométrio na pelve. Os principais sintomas são infertilidade, dor pélvica crônica e cólicas menstruais intensas. O diagnóstico da doença é feito pela ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal para pesquisa de endometriose ou ressonância magnética de pelve. O tratamento da endometriose é multidisciplinar e envolve tratamento clínico, cirurgia por videolaparoscopia, nos casos mais avançados, e reprodução assistida/fertilização in vitro quando necessário.

Marina De Paula Andres

Ginecologista

São Paulo


A Endometriose é uma doença inflamatória pélvica da mulher que caracteriza-se pela presença do tecido endometrial ( tecido que reveste o utero internamente) fora do seu lugar habitual. O diagnostico, estadiamento (quantificação da doença) e o tratamento são cirúrgicos na grande maioria dos casos através de videolaparoscopia. Realizamos o tratamento da endometriose em todos os seus estadiamentos nos melhores hospitais de São Paulo, a cirurgia promove uma excelente recuperação à paciente.

Gustavo Comodo

Ginecologista

São Paulo

Agendar uma visita

Endometriose é uma doença complexa, que pode comprometer a saúde e a vida da mulher de diversas formas e intensidades, seja causando dores, ou atrapalhando o sonho da maternidade. Ao longo da sua carreira, o Dr Tomyo se especializou no diagnóstico, tratamento e acompanhamento de pacientes com esta doença, seja para controle da dor ou fertilidade. Sua especialização em cirurgias minimamente invasivas avançadas, como a Laparoscopia, Histeroscopia e Cirurgia Robótica, permite a realização de cirurgias complexas, o que é pode ser fundamental para esta doença.

Sidney Tomyo Nishida Arazawa

Ginecologista

São Paulo


A endometriose intestinal é doença grave, de forte impacto na qualidade de vida das pacientes, e que acarreta dificuldades para engravidar. Em boa parte dos casos, a endometriose não intestinal é de tratamento cirúrgico. Utilizamos a vídeo cirurgia para oferecer a paciente, sucesso no tratamento com o melhor resultado estético, mínima dor e retorno precoce as atividades habituais.

Demétrius Germini

Cirurgião do aparelho digestivo, Cirurgião geral

São Paulo

Agendar uma visita

A endometriose (EDM) é caracterizada pela presença de tecido endometrial fora do útero, ocorrendo mais frequentemente na cavidade pélvica, peritônio, ovário, bexiga e/ou intestinos. Os principais sintomas da EDM são: dismenorreia, dor, infertilidade, dispareunia, alterações intestinais e urinárias cíclicas. A EDM está associada a uma grande morbidade física e emocional decorrente da dor crônica, da infertilidade, redução das atividades, isolamento social, do impacto econômico e da interferência nas relações afetivas e familiares. Um psicólogo especialista em dor pode contribuir muito na redução da dor, ansiedade, estresse, sexualidade e relacionamentos afetivos.

Jamir Sardá Jr.

Psicólogo

Florianópolis


A Endometriose está se tornando atualmente uma das principais causas de dores pélvicas e infertilidade nas mulheres. Muitas vezes acaba acometendo estruturas fora dos órgãos ginecológicos, com o intestino / Reto e Bexiga por exemplo, necessitando em alguns casos de intervenção cirúrgica, na maioria por Videolaparoscopia, onde acabam atuando conjuntamente o Ginecologista e o Cirurgião Geral nestas situações.

Ricardo Da Silva Lourenço

Cirurgião do aparelho digestivo, Coloproctologista

São Paulo

Agendar uma visita

Os sintomas mais comuns da Endometriose incluem: dor pélvica(cólicas)durante o período menstrual,dor durante a relação sexual, sangue na urina ou nas fezes durante ou que pioram no período mentrual. Para estas pacientes deverão ser solicitados exames de imagem específicos (Ultrassom transvaginal com preparo intestinal/Ressonância Magnética de Pelve) em locais especializados em realizar este diagnóstico.A maioria dos centros de imagem/laboratórios comuns não estão acostumados a fazerem o diagnóstico específico de Endometriose. O tratamento da Endometriose inclui interrupção das menstruações com pílulas/ hormônios específicos, estímulo para gravidez ou cirurgia laparoscópica multidisciplinar.

Carlos Alberto Marcondes De Oliveira

Ginecologista

São Paulo


Considerada um problema mundial de saúde pública. Acredita-se que a cada dez mulheres, seis são acometidas por esta enfermidade. Os sintomas clínicos, queixas e complicações podem ser discretos ou de maior gravidade, provocando infertilidade e dor pélvica crônica. Nos dois casos, o convívio social, profissional e familiar, podem ser extremamente prejudicados. O diagnóstico, estadiamento e tratamento clínico e cirúrgico da doença, devem ser precisos e ininterrupos, para evitar o dano progressivo da doença. Com experiência e treinamento, possuo capacitação e qualificação, há dez anos, na condução de pacientes com endometriose; oferecendo tratamento completo e multidisciplinar.

Jairo Iavelberg

Ginecologista

São Paulo


Endometriose, doença da mulher moderna, acomete mulheres na idade reprodutiva, geralmente cursa com dor pélvica intensa e cólicas acentuadas durante o período menstrual, dor na relação sexual e dificuldade para engravidar dentre outros sintomas. Em determinados casos, pode ser necessário o tratamento cirúrgico para retirada dos focos da doença para melhora da qualidade de vida e aumento das taxas de sucesso de gravidez. Tratamento cirúrgico deverá ser realizado por equipe com experiência na doença e capacitada em cirurgias laparoscópicas avançadas, uma vez tratar-se de procedimento complexo e delicado.

Marcos Aurélio Martins Travessa

Cirurgião geral, Ginecologista

Salvador


Endometriose é a presença de tecido endometrial( camada interna do útero) fora do útero em diversas localizações( ovários, ligamentos uterinos, reto, ureter, bexiga, dentre outras localizações). A paciente pode ter dor pélvica, cisto no ovário, infertilidade. O diagnóstico de certeza é feito por video-laparoscopia,embora os estudos de imagem possam sugerir o diagnóstico. O tratamento pode ser médico, cirúrgico, ou ambos.

Endometriose é uma doença incapacitante, que consiste em tecido endometrial fora da cavidade endometrial, acometendo ovário, tuba, bexiga, intestino, diafragma, peritônio, e outras partes. Histerectomia não é cura da doença. Tratamento da endometriose é melhor por VideoLaparoscopia ou cirurgia Robótica que oferecem melhor visão e precisão do que cirurgia aberta. com equipe multidisciplinar, composta por Ginecologista especialista (Dr. Welly Chiang) e colegas de sua confiança, com Cirurgião Geral, gastro-coloproctologistas e Urologistas. todos trabalhando em sincronia para melhor assistência ao paciente.

Welly Chiang

Ginecologista

São Paulo

Agendar uma visita

Mulheres que tem endometriose apresentam amplo leque de sintomas. Dor pélvica é um sintoma muito comum. O tratamento sempre é individualizado levando em consideração idade da paciente, estadiamento da endometriose, desejo reprodutivo, etc. Os implantes hormonais , como por exemplo o de gestrinona, podem ser boas opções.

Carlos Moraes

Ginecologista

São Paulo

Agendar uma visita

Doença que cursa com dor importante antes ou durante o período menstrual. Tem associação importante com infertilidade. Muitas vezes o tratamento é cirúrgico, mas hoje, com o avanço dos tratamentos hormonais, especialmente em pacientes com pouco acomentimento de órgãos vizinhos (bexiga e intestino) podemos evitar cirurgias num primeiro momento. O foco é melhorar dor e qualidade de vida em primeiro lugar; depois, tratar infertilidade para pacientes que desejam gestar.

A presença de endométrio (tecido que reveste o útero e descama na menstruação) fora da cavidade uterina caracteriza a endometriose. O local mais comum para implantação dos fragmentos de endométrio é a cavidade pélvica (tubas, ovários, bexiga, intestino..), ocasionando aderências locais com consequentes alterações anatômicas, e provocando um processo inflamatório crônico na região pélvica, problemas que além de culminarem com sintomas como dor importante às relações sexuais e cólica menstrual intensa, podem ser causa de infertilidade na mulher.

O tratamento cirúrgico da endometriose deve ser feito sempre através da vídeo cirurgia. Permite assim uma melhor avaliação do abdômen e pelve com incisões mínimas, garantindo além disso, estética e melhor recuperação pós-operatória. A correta avaliação antes da cirurgia é um dos passos mais . Isso depende de uma consulta detalhada (ouvir as principais queixas da paciente), bom exame físico (examinar a paciente) e exames de imagem específicos que nos permita classificar e entender a extensão da endometriose (USG ou Ressonância para endometriose).

Jeancarllo Silva

Oncologista, Cirurgião geral

Manaus


Dentre os sintomas mais frequentes estão: Dor pélvica crônica, amenorréia secundária, dispareunia, dismenorréia, constipação e infertilidade. A partir da suspeita clínica pede-se exames para se tentar confirmar o diagnóstico. O principal exame solicitado é a ultrassonografia pélvica ou transvaginal. Nos casos de endometriose avançada é solicitado Ressonância nuclear magnética da pelve, exame que se consegue realmente suspeitar da existência da afecção. Por outro lado, quando a doença se apresenta em seus estádios iniciais a ultrassonografia é pouco conclusiva. Outro exame solicitado é a dosagem do CA 125 plasmático. O tratamento se baseia no bloqueio do eixo hipotalmo-hipófise ou cirúrgico.

André Leon Gomes Nahmias

Ginecologista, Médico do trabalho

Rio de Janeiro


Doença caracterizada pela presença do endométrio – tecido que reveste o interior do útero - Os principais sintomas são dores que se manifesta como uma cólica menstrual intensa, ou dor pélvica/abdominal à relação sexual, ou dor “no intestino” na época das menstruações, ou, ainda, uma mistura desses sintoma, além da infertilidade. Á dois tipos de tratamento que podem ser usados para combater as dores da endometriose: medicamentos ou cirurgia. Cada um deles tem suas especificidades, e cabe ao ginecologista avaliar.

Dr. Erastos Brancalhão

Ginecologista

Birigui


A Videolaparoscopia é uma cirurgia realizada através de instrumentos especiais e de uma forma minimamente invasiva, deixando menores cicatrizes no paciente e menor dor no pós operatório.. Videolaparoscopia é uma forma de cirurgia que pode ser utilizada por vários cirurgiões que procuram atuar promovendo a menor morbidade sobre seus pacientes. Vamos aqui dar ênfase a Videolaparoscopia na área da ginecologia. Indicações principais: Infertilidade: avaliação das trompas útero (retirada do órgão) miomas ovários (cistos em geral) aderências dos órgãos pélvicos endometriose Doenças Pélvicas Inflamatórias (DIP) ligadura tubária Tratamento do câncer de colo utero, endometrio, ovário.

A cada dia temos mais certeza que cólica menstrual não é normal. Quando temos experiência com endometriose, valorizamos qualquer dor pélvica durante a menstruação ou não, dor na relação sexual, dor que vem piorando com o decorrer dos anos, dor na região perianal, dor que irradia para coxa. Nesses casos temos que investigar a endometriose, que tem diversas classificações, como: superficial e profunda. Infelizmente, devido ao atraso no diagnóstico, a cada dia vemos mais pacientes com endometriose profunda, com péssima qualidade de vida e sofrendo há anos. Essas pacientes necessitarão de cirurgia com especialista em endometriose profunda, para melhorar os sintomas e tratar a doença.

Michelly Azevedo Da Motta

Ginecologista

Rio de Janeiro


É uma doença inflamatória que se caracteriza pela presença do endométrio (tecido de dentro do útero) fora do útero, principalmente na cavidade abdominal e pelve. Acredita -se que 10% da população feminina em idade reprodutiva possa ter endometriose. O principal sintoma é a cólica muito forte durante as menstruações que piora com o passar dos anos, apesar do uso de analgésicos. A paciente pode ter infertilidade, dor na relação sexual, sintomas urinários e intestinais. O Tratamento depende do local de acometimento da endometriose e dos sintomas da paciente. Em alguns casos pode ser usado medicação para controlar a doença, mas os melhores resultados geralmente são após o tratamento cirúrgico.

Adriana De Mattos Viveiros Da Costa Amorim

Ginecologista

Rio de Janeiro


A endometriose é a “doença da moda” na ginecologia. Se caracteriza pela presença de células endometriais (que só deveriam estar no interior do útero) em outras localidades; principalmente pelve e abdome, mas existindo casos em outras localizações. É um importante fator causador de dor pélvica, normalmente nos períodos menstruais, com piora progressiva dos sintomas, podendo ser acompanhada de dor às relações sexuais, à atividade física e também diarréia durante as menstruações. Existem vários tratamentos possíveis, dependendo da localização, do grau e quantidade de lesões e da sintomatologia apresentada. Estes podem ser de clínicos até cirúrgicos, devendo o especialista recomendá-los.

A endometriose é uma doença inflamatória que geralmente compromete os órgãos genitais femininos. Ela é a presença de tecido uterino fora do útero (nas trompas, ovários, ligamentos uterinos, peritônio, bexiga, intestino e outras localizações) com características funcionais similares às do endométrio. Apresenta sintomas como cólica menstrual, dor na relação e dores abdominais contínuas, não cíclicas, infertilidade, alterações urinárias e alguns outros.O diagnóstico depende de um bom exame ginecológico, exames de imagem, e muitas vezes é necessário realizar a videolaparoscopia para o diagnóstico ser confirmado. O tratamento pode ser clinico ou cirúrgico dependendo da sua extensão.

É caracterizada pela presença de tecido endometrial (camada interna do útero) dentro da região pélvica. Cerca de 10 á 15% das mulheres na idade reprodutiva (período que vai desde a 1º menstruação até a entrada na menopausa) podem sofrer de endometriose. Mulheres que possuem uma dor incapacitante antes do período menstrual ou mesmo durante podem sugerir a presença de endometriose. Dores pélvicas crônicas, inchaço abdominal, cólicas intensas, dores para ter relações ou mesmo alterações do habito intestinal podem também sugerir a presença de lesões na cavidade abdominal. Exames como a RM da pelve e us com preparo intestinal podem ajudar no diagnóstico, mas a confirmação é por Laparoscopia.

Marcos Tcherniakovsky

Ginecologista

São Paulo


Endometriose é uma doença inflamatória crônica, benigna, dependente do estrogênio(hormonio feminino do ciclo menstrual), que se caracteriza por implante de células da camada interna do útero, na cavidade abdomino-pélvica da mulher, assim como em ovários, intestino e trompas, resultando em dor pélvica de evolução gradativa, chegando a dor incapacitante, deteriorando a qualidade de vida dessas mulheres, além de levar à infertilidade!

Paulo Cesar De Almeida

Ginecologista

São Paulo


A Endometriose é definida pela implantação de focos de endométrio (tecido que reveste a parte interna do útero) fora do local habitual, ou seja, tubas uterinas, ovário, intestino, etc. Cada mulher pode apresentar a doença de maneira diferente, mas os sintomas mais comuns são: - Dor pélvica crônica - Dismenorréia (cólica menstrual) - Dispareunia (dor na relação sexual) - Alterações intestinais ou urinárias - Infertilidade Muitas pacientes só descobrem que têm endometriose quando tentam engravidar e não conseguem, mas existem algumas possibilidades para ajudar essas pacientes.

Alexandre Lobel

Ginecologista

São Paulo

Agendar uma visita

Doença muito comum em mulheres, caracterizada pela presença da camada mais interna do útero (endométrio) fora de seu lugar habitual. Afeta órgãos pélvicos como útero, ovários, trompas, intestino, bexiga, além de outros mais distantes. Geralmente causa dor pélvica/cólica e infertilidade, sendo de caráter progressivo. Frequentemente a dor é tão intensa ao ponto de incapacitar para o estudo e o trabalho. Deve ser diagnosticada criteriosamente para que se planeje o melhor tratamento para cada caso. Quanto mais precoce o diagnóstico, melhores as chances de sucesso terapêutico. Apesar das recidivas (retorno) frequentes, sempre é possível auxiliar as portadoras desta doença com algum tratamento.

Doença caracterizada pela presença do endométrio (tecido que reveste o interior do útero) fora da cavidade uterina, podendo comprometer diversos locais, entre eles ovários, peritônio, ligamentos uterossacros, região retrocervical, septo retovaginal, retossigmoide, íleo terminal, apêndice, bexiga e ureteres. O diagnóstico da endometriose é feito pela história da paciente, aliada ao exame físico ginecológico, ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal. "O marcador CA-125, Ressonância Nuclear Magnética da pelve, Uroressonância, ultrassom transretal/colonoscopia têm papel em casos individualizados"

A endometriose é uma doença crônica, cuja a etiologia ainda não é completamente conhecida e que ainda não tem um tratamento definitivo. Caracteriza-se pela presença de células endometriais fora do útero, mais frequentemente no peritônio pélvico, nos ovários, trompas, ligamentos de sustentação do útero e região retrocervical, podendo, ainda, acometer intestino, bexiga, ureteres... Acomete aproximadamente 10% da população feminina geral e 50% das mulheres com infertilidade. Os sintomas mais frequentes estão relacionados a dor: dor pélvica crônica, dor profunda na relação sexual (dispareunia), cólicas menstruais intensas e, em alguns casos, dor na evacuação.

A Endometriose é uma doença complexa e deve ser tratada por especialistas. Oferecemos tratamento cirúrgico por laparoscopia com equipe multidisciplinar especializada e seguimento pós operatório.

Raquel Reis Magalhães

Ginecologista

São Paulo


Realizo todo acompanhamento para Endometriose, desde o diagnóstico até o tratamento, seja clínico ou cirúrgico. Sempre de uma forma humana, visando reestabelecer a qualidade de vida da paciente. Nos casos cirúrgicos ofereço a via laparoscópica como melhor opção, pois se trata de uma via minimamente invasiva, com uma recuperação mais rápida e menos dolorosa.

Dor inflamatória crônica decorrente de implantação do endométrio fora da cavidade uterina. doença progressiva causadora de dores que pioram a cada ciclo menstrual, capaz de levar a esterilidade e muitas vezes com graves consequências quando não tratada adequadamente.

Renata Gouvêa

Ginecologista

Brasília

Agendar uma visita

Endometriose consiste na presença de endométrio em locais fora do útero. Endométrio é a camada que reveste o útero internamente e que vai se tornando mais espesso pelo efeito dos hormônios ovarianos, e ao final do ciclo menstrual se renova com a menstruação. A endometriose de localiza mais comumente na região pélvica .Os locais mais frequentes são : Fundo de Saco de Douglas ( atrás do útero ), septo reto-vaginal (tecido entre a vagina e o reto ), trompas, ovários, superfície do reto, ligamentos do útero, bexiga, e parede da pelve.Existem casos de localização extra-genital,porém,são mais raros.

Armindo Dias Teixeira

Ginecologista

São Paulo

Quais profissionais tratam Endometriose?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.