Dor pélvica - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Não descuide da sua saúde

Escolha a consulta online para iniciar ou continuar o seu tratamento sem sair de casa. Se precisar, você também pode marcar uma consulta no consultório.

Mostrar especialistas Como funciona?

Especialistas - dor pélvica

Plinio Tostes Berardo

Plinio Tostes Berardo

Ginecologista

Rio de Janeiro

Jose Luis Balieiro Anastacio

Jose Luis Balieiro Anastacio

Ginecologista

Resende

Karina Okajima Bacelar

Karina Okajima Bacelar

Ginecologista, Mastologista

São Paulo

Ludmila Ferreira Tabares Zuluaga

Ludmila Ferreira Tabares Zuluaga

Ginecologista

Gramado

Mariana Rossette

Mariana Rossette

Ginecologista

São Paulo

Ana Paula Menezes Oliveira

Ana Paula Menezes Oliveira

Generalista

Feira de Santana

Perguntas sobre Dor pélvica

Nossos especialistas responderam a 16 perguntas sobre Dor pélvica

Sempre que se para a pílula se pode ter ovulação, depende da paciente, da pílula e de quando parou o anticoncepcional a frequência de ovulação é maior ou menor. O ideal é não parar o anticoncepcional…
1 respostas


Sua queixa depende de um exame físico e, possivelmente, alguns exames complementares. Sugiro agendar uma consulta com seu ginecologista.
2 respostas


Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
A sua avaliação clínica através da historia clinica, suas queixas e exame físico…
2 respostas

Especialistas falam sobre Dor pélvica

Dismenorreia ou cólica menstrual é bastante comum entre as adolescentes, fase em que o ciclo menstrual ainda está em amadurecimento. Mas em alguns casos pode ser um sinal de doenças ginecológicas como endometriose e cistos ovarianos. Cólicas recorrentes, que precisam de muitos analgésicos e necessidade de ir ao pronto atendimento por dor devem ser um sinal de alerta! Fique atenta.

Marina De Paula Andres

Ginecologista

São Paulo


Dor pélvica é uma queixa muito comum dentre as mulheres. Pode ter inúmeras causas, e quando dura mais de 3 meses é chamada de Dor Pélvica Crônica. Esse quadro traz um impacto muito importante sobre a saúde da mulher, tanto física quanto psicológica. Sua investigação deve ser minuciosa, pois muitas doenças podem causar esse sintoma, como a Endometriose, Miomas, doenças renais e intestinais. Geralmente é necessário um acompanhamento conjunto com uma fisioterapeuta, psicóloga e eventualmente um médico de dor (fisiatra).

Sidney Tomyo Nishida Arazawa

Ginecologista

São Paulo


A dor pélvica é um dos sintomas que mais atingem (e preocupam) a mulher, sendo responsável por quase um terço das queixas nos consultórios de ginecologia. Suas causas, porém, não se restringem apenas aos órgãos genitais internos (útero, tubas e ovários), podendo envolver também o aparelho urinário (ureteres e bexiga), os intestinos, além dos ossos, articulações, músculos e nervos situados na metade inferior do tronco.

Marcelo Ponte

Ginecologista

São Paulo

Agendar uma visita

Dor pélvica é uma alteração que acomete grande porcentagem das mulheres, podendo ter múltiplas causas. O exame ginecológico é fundamental para determinar o fator etiológico e intaurar terapêutica adequada e eficaz. As principais causas de dor pélvica podem ser divididas em fisiológicas (normais - dor da ovulação, dor muscular, tendinite) e patológicas (anormais - endometriose, adenomiose, miomas uterinos, infecções pélvicas, tumores, apendicite, diverticulite, etc). Sempre que houver dor pélvica, é fundamental que haja o exame ginecológico para determinar a causa para resolver o problema. Não existe um tratamento genérico para todos os tipos de dor pelvica. Procure o especialista.

Diogo Crevatin Sheldon

Ginecologista

São Paulo


Uma das dores crônicas mais comuns, principalmente entre as mulheres, é a dor pélvica (abaixo do umbigo). Ela é classificada como crônica quando a duração dos sintomas é igual ou superior há 6 meses. Sintomas: - Dor na vagina, vulva, e/ou ânus - Dispareunia - dor durante ou após a relação sexual - Dor ao urinar, urgência e/ou aumento da frequência urinária - Constipação intestinal - Dor ao permanecer sentada A fisioterapia pode ajudar com liberação miofacial, retirada dos pontos gatilhos pélvicos, eletroanalgesia, biofeedback eletromiográfico, dilatadores vaginais, terapia comportamental e exercícios de alongamento e fortalecimento.

Carolina Barreto

Fisioterapeuta

Salvador


A dor pélvica crônica é definida quando a paciente sente dor na região da pelve por um período superior a 6 meses. Acomete cerca de 4% das mulheres tendo um alto impacto negativo na qualidade de vida. Existem várias causas para dor pélvica crônica, não necessariamente ginecológicas, e, algumas vezes, não conseguimos definir a causa da dor, embora sempre possamos trata-la com medidas farmacológicas e não farmacológicas e assim ajudar o paciente a melhorar. Do ponto de vista ginecológico as principais causas de dor pélvica crônica são: endometriose, adenomiose, aderências pélvicas, doença inflamatória pélvica, congestão venosa pélvica, miomatose, vulvodínea.

Yzabel Basílio

Ginecologista

São Paulo


A dor pélvica é uma alteração clínica que compromete o dia a dia da mulher. Muito importante avaliar cada detalhe, como intensidade, periodicidade, fatores associados, localização dentre outros. Na primeira consulta é possível pensar em algumas hipóteses de causa - porque várias patologias podem dar dor na pelve - mas normalmente outros exames são necessários para ser certeiro o diagnóstico. Se você tiver alguma dúvida específica sobre dor pélvica, só perguntar.

Rodrigo Ferrarese

Ginecologista

São Paulo

Quais profissionais tratam Dor pélvica?

Pesquisas relacionadas


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.