Luxação no ombro - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é um ombro deslocado?

É o deslocamento total da articulação formada pela cabeça do úmero e glenóide. Ela é produzida porque a cabeça do úmero está fora da articulação.

Quando falamos de subluxação é porque ele está parcialmente deslocado .

Ambos podem ser acompanhados de uma fratura na área, mas é uma imagem rara, a menos que haja  colapso da cabeça do úmero fratura sofrida quando chocou-se contra a borda da glenóide.

Qual é a articulação do ombro?

É o linker formadoras de osso do úmero com a escápula, ou os ombros, a cabeça do úmero, que é grande e em forma de uma esfera, se articula com a glenóide do ombro, uma pequena bolsa e em uma tigela rasa. Isso o torna muito móvel, com cerca de 360 ??faixa grau de movimento do braço.

Mas há pouco consistente (o ajuste entre os dois lados das juntas não é perfeito), então você precisa aumentar o espaço entre os dois ossos por um anel de fibrocartilagem que rodeia a borda do aro glenóide (labrum), além da estabilidade que depende de músculos e ligamentos.

O que é um deslocamento?

Quando o paciente sofre um movimento forçado de rotação do braço e também uma tensão muscular ou compressão, pode superar a resistência das ligações que estabilizam a articulação. O ombro é deslocado.

O deslocamento é normalmente para cima, ou seja, a cabeça do úmero se move para cima a partir da glenóide, que está vazia.

  • É típico quando o atleta vai enfrentar um oponente e tem o seu braço levantado, e assim por diante.
  • É mais comum em homens que em mulheres, afetando em sua maioria jovens.
  • Dependendo da forma como os deslocamentos são produzidos, a necessidade de repetir o trauma está se tornando menor.

Quando o deslocamento é posterior da cabeça do úmero se move para trás com relação à glenóide, que está vazia.

  • É típico de pacientes com transtornos convulsivos: electrocussão, epilepsia, etc.

Como se mostra um ombro deslocado?

O deslocamento anterior produz uma dor brutal e imediata, impedindo qualquer tentativa de o paciente se mexer. Com a mão boa segure o antebraço oposto, mantendo os braços separados. Esta posição é  menos dolorosa.

Altera o visual do ombro, tornando-o procurando "pontudo" em vez de ver a sua forma redonda de costume. É o "dragona no ombro" e é virtualmente o diagnóstico de deslocamento anterior.

A luxação posterior é menos dolorosa, pois causa pouca mudança na aparência do ombro e limita a rotação do braço para fora. Pode passar despercebida.

A menos que seja muito evidente, é difícil de avaliar por causa da dor sentida pelo paciente por lesões associadas com os nervos e perda de força no ombro, formigamento, diminuição da sensibilidade na pele.

Que testes são necessários para avaliar o ombro deslocado?

Deve sempre obter radiografias para descartar uma fratura associada, e fragmentos fraturados podem mover-se mais com as manobras realizadas pelo médico para ajustar o conjunto, e o risco de lesão dos vasos e nervos ao redor das bordas desses fragmentos.

Embora a luxação anterior seja evidente em radiografias de rotina, a posterior pode passar despercebida a menos que um rastreio seja realizado para comparar ambos os ombros, ou uma exibição especial do ombro ferido.

Uma vez instalado e dependendo da evolução do homem, podem ser necessários exames de imagem, como tomografia computadorizada (scan) ou a ressonância magnética (MRI) para ver o colapso da cabeça do úmero, o estado da articulação da parede, impulsor, e assim por diante. Normalmente estes testes são solicitados ao paciente já que ele pode sofrer uma cirurgia para estabilizar a articulação.

Como é diagnosticado?

Basicamente pelo exame clínico é confirmado por radiografia, o que exclui fraturas associadas do úmero ou do ombro.

Às vezes a luxação posterior é detectada por tomografia computadorizada ou ressonância magnética, solicitado pelo resultado ruim do paciente clínico.

Tendo em conta que quase sempre estão associadas a uma fratura do colapso da cabeça do úmero e sua extensão determina o tratamento, o TAC traz valores melhores do que a radiografia convencional no percentual de superfície enterradas.

Que lesões podem simular um ombro deslocado?

A fratura do ombro pode mimetizar ou mascarar a luxação posterior.

O deslocamento anterior com deformidade típica e dor, só pode ser confundida com casos muito específicos, como uma fratura do colo anatômico do úmero ou do pescoço chamada glenóide, e também os fragmentos são muito deslocados. Mas são situações muito raras.

O que pode o paciente com um ombro deslocado?

Em muito evoluído, que tiveram múltiplos deslocamentos e dor é mínima, o próprio paciente sabe como encaixar o ombro.

Normalmente, a dor é tão intensa que o paciente não pode fazer nada, mas manter o braço em uma tipóia e ir para um pronto-socorro. Muito importante é a velocidade de ação, incluindo a obtenção da necessária raios-x, uma vez que em meia hora começam as contraturas musculares. O problema aqui é a superlotação na emergências dos hospitais, o que atrasam todos os atos médicos.

Se a contratura não começou, é essencial que o paciente tente relaxar seu ombro, porque muitas vezes nas manobras  o médico consegue encaixar rapidamente e sem aborrecimentos.

Como é o deslocamento do ombro?

Você tem que diferenciar o tratamento de urgência, ou seja, aquele que persegue o envolvimento da articulação, e o tratamento definitivo, que visa prevenir deslocamentos no futuro.

Tratamento de emergência consiste de uma série de manobras específicas de tração e rotação lateral do membro, que se encaixa no ombro, ou seja, o reduz.

Podem ser feitas várias tentativas de redução suave. Se houver uma contratura muito reduzida, pode ser repetida sob anestesia geral de curta duração, por isso não é necessário intubação do paciente, ou seja, a colocação de um tubo na traquéia para inflar os pulmões (respiração assistida por máquina).

O que você deve fazer é insistir na tentativa de reduzir com o paciente consciente, porque pode causar uma fratura ou lesão neurológica ou cartilagem.

Uma vez reduzida, é colocado em uma tipóia por cerca de três semanas, seguido de exercícios progressivos para a mobilidade e força, que às vezes requerem a ajuda de um fisioterapeuta. Os movimentos que fazem com que o deslocamento piore, devem ser proibidos por um tempo.

Pacientes com uma luxação "recorrente", ou seja, aqueles com mais de um deslocamento, muitas vezes são candidatos à cirurgia.

Existem técnicas de pesquisa utilizadas para estabilizar a articulação, ou aperto a tampa, aumentando a altura da borda da glenóide, e assim por diante.

Em jovens com três ou menos episódios de luxação anterior pode ser tentada por cirurgia artroscópica. A segurança em pacientes com múltiplos episódios aumento é conseguido com a cirurgia tradicional, chamada aberta.

Em subseqüentes deslocamentos recorrentes há consenso sobre a melhor técnica possível, como série limitada publicada de pacientes operados.

Que complicações podem estar associadas com luxação no ombro?

Muito raramente, a ruptura arterial de um membro tornando-o pálido, frio, sem pulso, o paciente sofre dor grave. Às vezes é manifestada por um hematoma súbito e significativo na axila. Requerem cirurgia de urgência, serviço de cirurgia vascular.

Raramente são feridos os nervos, e afeta mais o circunflexo, o que reflete a sensibilidade da pele do ombro e a força do músculo deltóide. É muito mais rara lesão do plexo braquial. Geralmente se recuperam bem, mas leva vários meses.

É freqüente, especialmente em pacientes de meia idade, a lesão do manguito rotador em torno da articulação do ombro. Causa um conflito de espaço subacromial (esfregando contra o túnel que o rodeia) ou limita o movimento de força e braço quando ele quebra.

Como tratar um ombro deslocado?

  • Em pacientes jovens é comum que não haja operação de recidiva da luxação anterior, devido à atividade física vigorosa.
  • Em pacientes mais velhos geralmente não se repetem, mas apresentam problemas do manguito rotador e rigidez capsular no movimento do ombro limitado.

Deslocamentos posterior podem recorrer (voltar), se o paciente entra em convulsões.

Especialistas em luxação no ombro

Encontre um especialista em Luxação no ombro na sua cidade:
Thiago Dotta

Thiago Dotta

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Angelo Bertelli Neto

Angelo Bertelli Neto

Ortopedista - traumatologista

Taubaté

Fabiano Rebouças Ribeiro

Fabiano Rebouças Ribeiro

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Márcio Schiefer

Márcio Schiefer

Ortopedista - traumatologista

Rio de Janeiro

Luciano Pascarelli

Luciano Pascarelli

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Carlos Augusto Seito

Carlos Augusto Seito

Ortopedista - traumatologista

São Paulo

Perguntas sobre Luxação no ombro

Nossos especialistas responderam a 14 perguntas sobre Luxação no ombro

Dr. Alberto Oda
Dr. Alberto Oda
Ortopedista - traumatologista
São Paulo
A capsulite adesiva ou ombro congelado é uma complicação do tratamento da lesão do manguito,mesmo não cirúrgico.Se esgotou todos os tratamentos não cirúrgicos,talvez se beneficie de tratamento…
2 respostas

Dr. Eduardo Felizola
Dr. Eduardo Felizola
Ortopedista - traumatologista
Salvador
Bom dia, a luxação acrômioclavicular é uma lesão que tem tratamentos eficazes. Geralmente, a cirurgia é indicada para os tipos 4, 5 e 6.
Se seu tipo de lesão é 3 e você é atleta de arremesso…
2 respostas

Dr. Fernando Cesar Furlan
Dr. Fernando Cesar Furlan
Ortopedista - traumatologista
São Paulo
O melhor a ser feito é procurar um especialista em Ombro para examina-lo, fazer uma boa história claro boca e caso necessário complementar sua avaliação com estou de imagem (Ressonância Magnética).
3 respostas

Especialistas falam sobre Luxação no ombro

A luxação é o deslocamento articular, onde a articulação "sai do lugar" completamente. No ombro, é dramático, doloroso, e normalmente é necessário a ajuda de um especialista para colocá-lo novamente em seu lugar. Na primeira vez, o tratamento é clínico. À partir da segunda luxação, o tratamento é cirúrgico, pois significa que houve destruição das estruturas que estabilizam o ombro, e temos que reconstruí-las. Cada vez que o ombro luxa,acontecem lesões graves e irreversíveis à junta, e os resultados podem ser desastrosos. O tratamento cirúrgico é eficaz, e quase sempre o paciente retorna à sua vida normal, inclusive com atividade física e esportes.

George Alfred Delatorre

Ortopedista - traumatologista

Vila Velha

Agendar uma visita

É o ombro que sai do lugar. É uma doença desafiadora porque o espectro de apresentação é muito grande e o de tratamento é igualmente grande. O mais comum é o traumático no jovem, com luxação rescidivante, que geralmente tem tratamento cirúrgico. Entretanto o atraumático nesse mesmo jovem não costuma ir bem com esse tipo de tratamento. Na pessoa com mais idade aumenta a chance de tratamento fisioterápico dar certo, mas aumenta também a chance de lesão tendínea associada, que indica cirurgia. Temos experiência de 17 anos com a correção artroscópica, inclusive sabendo os casos em que ela provavelmente não vai resolver. Grande experiência também com a cirurgia de Latarjet, da escola francesa.

Alexandre Pagotto Pacheco

Ortopedista - traumatologista

Piracicaba


O termo luxação define uma incongruência articular completa, na qual as superfícies articulares são incapazes de deslizar uma sobre a outra, provocando dor e bloqueio do movimento A luxação do ombro geralmente acontece após um trauma sobre o ombro, principalmente em esportes de contato ou durante movimentos em que o membro superior se encontra elevado acima da cabeça. Também pode acontecer em episódios de convulsões e choque elétrico, devido a forte contração muscular que acaba deslocando o ombro do lugar. A maioria das luxações são anteriores (cerca de 85% dos casos), e provocam lesões ligamentares e ósseas durante o deslocamento súbito.

Rafael Patrocinio

Ortopedista - traumatologista

Fortaleza

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Luxação no ombro?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.