Retração gengival - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em retração gengival

Encontre um especialista em Retração Gengival na sua cidade:
Marcelo de Araujo Garcia

Marcelo de Araujo Garcia

Dentista, Terapeuta complementar

Balneário Camboriú

Marcelo Shin

Marcelo Shin

Dentista

Goiânia

Liliane Mildemberg Vizzotto

Liliane Mildemberg Vizzotto

Dentista

Curitiba

Rodrigo Vosiacki Rossi

Rodrigo Vosiacki Rossi

Dentista

Limeira

Perguntas sobre Retração gengival

Nossos especialistas responderam a 4 perguntas sobre Retração gengival

 Eric Motta Peçanha
Eric Motta Peçanha
Dentista
São Paulo
A cirurgia de retração tem um período de cicatrização ideal de 60 dias, varia de acordo com seu biotipo gengival e qual a técnica empregada! Após 60 dias é possível fazer moldagem intrabucal…
3 respostas

Olá bom dia!
A estrutura gengival está intimamente conectada ao elemento dentário existe a margem cervical que é a junção do dente com a gengiva si ocorre qualquer dano nessa região a…
3 respostas

Dr. João Paulo Toschi
Dr. João Paulo Toschi
Dentista
Florianópolis
Primeiro procure seu dentista e alem do que foi mencionado lembro que até o mau uso da escova dentária na escovação pode causar a retração gengival.
3 respostas

Especialistas falam sobre Retração Gengival

Um dos principais problemas que prejudica a estética gengival é a retração gengival, que é o deslocamento da gengiva, provocando a exposição da raiz do dente. A retração gengival também está muito associada à presença de sensibilidade dos dentes, além de aumentar as chances de desgastes da superfície das raízes dentais. Para resolução deste problema estético e também funcional, várias técnicas de cirurgia plástica periodontal podem ser utilizadas, incluindo o uso de enxertos para recobrir a raiz dental exposta. Tais cirurgias plásticas periodontais devem ser sempre realizadas por um especialista (Periodontista), com formação adequada para sua realização. A experiência é um diferencial.

Fernanda Vieira Ribeiro

Dentista

Barueri


As retrações gengivais (quando a gengiva se afasta dos dentes expondo as raízes) são geralmente provocadas por escovação traumática dos dentes, ou aplicando muita força com a escova, ou utilizando escovas de cerdas duras, e principalmente escovando os dentes na horizontal. O trauma provocado pelo uso inadequado da escova faz com que a gengiva se torne mais delgada e se afaste da superfície dos dentes, expondo as raízes que são extremamente doloridas a qualquer estímulo. Sempre que possível, o melhor tratamento para as recessões da gengiva é o recobrimento radicular, através de técnicas de cirurgia plástica, devolvendo novamente a gengiva para a região onde houve a retração.

A retração ou recessão gengival ocorre na maioria das pessoas adultas, deixando a raiz do dente exposta, prejudicando a estética, causando muita sensibilidade e facilitando a perda futura desse dente. O tratamento é a cirurgia de enxerto gengival ou conjuntivo, que realizo há mais de 8 anos, com técnicas atualizadas e conservadoras, muito diferentes das cirurgias realizadas antigamente. São necessários 3 dias de repouso para esse tipo de cirurgia.

Retração gengival ou recessão gengival é o processo em que a margem gengival do tecido que circunda o dente se retrai em direção à extremidade da raiz, expondo a raiz do dente. Muitos pacientes se enganam ao achar que o dente está maior. O que ocorre é a migração da gengiva, e não do dente. A retração gengival muitas vezes pode provocar a sensibilidade dos dentes. Os motivos podem ser: força excessiva na escovação, mau posicionamento dentário ou doença periodontal.

Podem ser causadas por bruxismo, excesso de força na escovação, ou interferências dentais. Inicialmente de-se identificar e eliminar a causa, para posteriormente tratar, por meio de enxertos de tecido gengival ou restaurações estéticas em resina.

Quais profissionais tratam Retração gengival?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.