Cisto pilonidal - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Não descuide da sua saúde

Escolha a consulta online para iniciar ou continuar o seu tratamento sem sair de casa. Se precisar, você também pode marcar uma consulta no consultório.

Mostrar especialistas Como funciona?

Especialistas - cisto pilonidal

Daniel de Carvalho Damin

Daniel de Carvalho Damin

Coloproctologista

Porto Alegre

Gustavo Scapini

Gustavo Scapini

Cirurgião geral

São Paulo

Marcos G T Pauletti

Marcos G T Pauletti

Coloproctologista

Chapecó

João Leandro Rocha Vieira

João Leandro Rocha Vieira

Cirurgião geral

Santo Antônio de Jesus

Lucio Flavio Araujo Costa

Lucio Flavio Araujo Costa

Cirurgião geral

Campina Grande

Ulyssea Reschke Berquo

Ulyssea Reschke Berquo

Cirurgião geral

Nova Prata

Perguntas sobre Cisto pilonidal

Nossos especialistas responderam a 247 perguntas sobre Cisto pilonidal

Olá, o ideal é tratar o cisto pilonidal com cirurgia sob anestesia no centro cirúrgico, ou seja, o paciente não sente dor durante o procedimento. Se ele estiver infectado, podemos fazer um tratamento…

Na verdade o cisto pilonidal pode cursar com um quadro infeccioso. Nestes episódios ocorrem vermelhidão, dor e calor no local, ou até mesmo saída de secreção purulenta. O ideal é marcar uma avaliação…

Olá, a cirurgia de cisto pilonidal convencional (aberta) pode demora meses para cicatrizar. Até sua completa cicatrização é normal que saia secreção amarela e/ou avermelhada. Se a secreção estiver…

Especialistas falam sobre Cisto pilonidal

E.P.Si.T. (endoscopic pilonidal sinus treatment) é uma nova técnica minimamente invasiva para o tratamento de cistos pilonidais e recidivas. O objetivo da técnica E.P.Si.T. é uma ablação endoscópica do cisto pilonidal, de possíveis fistulas e orifícios da fistula sob controle visual. O controle visual direto é uma das características centrais desse novo procedimento cirúrgico. Para o procedimento cirúrgico é utilizado o mesmo fistuloscópio e o conjunto de instrumento para o VAAFT.

Cristiano Denoni Freitas

Cirurgião do aparelho digestivo, Coloproctologista

Florianópolis


O cisto pilonidal é uma afecção crônica das camadas profundas da pele na região sacral (entre as nádegas, próxima ao cóccix). É mais comum em homens e freqüentemente ocorre entre a puberdade e os 40 anos de idade. Também é comum em pessoas obesas e pessoas com pelos espessos e rígidos. O cisto pilonidal pode infectar-se, com formação de abscesso, cujo aspecto é de inchaço com vermelhidão e até com saída de pus.

Felipe Guerrero Prieto

Cirurgião geral, Coloproctologista

São Paulo


Trata-se de uma condição comum que afeta muitas pessoas jovens. A doença ocorre mais frequentemente na adolescência, e os fatores predisponentes estão intimamente relacionados a pessoas com maior presença de pelos, e o sulco interglúteo mais profundo ocasionando inserção de pelos nesse local. A doença pode se apresentar na fase aguda com abscesso e dor, e na fase crônica, com desde assintomáticas elevações na região do sacro e cóccix até orifícios na linha mediana, extensos trajetos, prolongamentos laterais e fístulas com saída de secreção (que ficam constantemente ocasionando mal cheiro e sujando a roupa íntima).

José Antonio Dias Da Cunha E Silva

Coloproctologista

Rio de Janeiro


O Cisto Pilonidal ou Cisto Sacro é uma lesão que se desenvolve na região final da coluna e início das nádegas e é um processo inflamatório constituído por pelos, fragmentos de pele, glândulas sebáceas e sudoríparas. Necessita na quase totalidade das vezes de tratamento cirúrgico. Dentre as técnicas existente existe uma em especial, minimamente invasiva, EPSiT na qual utiliza-se um pequeno aparelho que trata todo o processo diretamente dentro do cisto sem haver necessidade de ressecção como na técnica tradicional e com índice de sucesso no igual ou superior.

Ricardo Lourenço

Cirurgião do aparelho digestivo

Campinas


A Doença Pilonidal tem como causa mais aceita a inflamação de folículos pilosos na derme. A apresentação aguda consiste em um abscesso, com calor, edema e dor local. A drenagem pode ocorrer espontaneamente, ou ser necessário drenagem cirúrgica. A partir daí, pode-se passar por longos períodos assintomáticos com novas crises agudas. Ou evoluir com um abscesso agudo, com drenagem constante de secreção. O tratamento é cirúrgico, com incisão e curetagem do cisto. Alguns casos mais graves, é necessário realizar retalho cutâneo. Tão importante quanto a cirurgia, são os cuidados pós-operatórios. É importante a troca de curativos correta, e manter a região sem pêlos. Exigindo dedicação e paciência.

O cisto pilonidal sacro-coccígeo é uma doença adquirida, crônica e infecciosa. o sintoma principal é a presença de orifícios fistulosos na região sacro-coccígea com dor e drenagem de secreção purulenta na região. O tratamento é cirúrgico e muitas técnicas são descritas para seu tratamento. Atualmente uma técnica conhecida por EPSit (endoscopic pilonidal sinus treatment), pode oferecer alta taxa de cura com tempo de cicatrização menor em relação às demais técnicas.

Mauricio José De Matos E Silva

Coloproctologista, Cirurgião geral

Recife

Agendar uma visita

Cisto pilonidal refere-se a uma cavidade próximo à divisão das nádegas perto do cóccix na qual, frequentemente, encontram-se pêlos, causando uma reação de corpo estranho. O termo "pilonidal"significa "ninho de pêlos". Os homens são acometidos três vezes mais do que as mulheres. Podem apresentar-se, inicialmente, como um abscesso, com dor, vermelhidão, aumento do volume local, com ou sem febre e secreção. Essa situação requer tratamento de urgência com drenagem, para que, posteriormente, se realize o tratamento definitivo para o cisto. Via de regra, o tratamento é cirúrgico, com diferentes taxas de recidiva e um dos pilares do tratamento é a tricotomia até completa cicatrização da ferida.

Thais Yuka Takahashi

Coloproctologista

São Paulo

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Cisto pilonidal?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.