Diabetes tipo 1 - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em diabetes tipo 1

Encontre um especialista em Diabetes Tipo 1 na sua cidade:
Sabrina Macedo

Sabrina Macedo

Nutricionista

Birigui

Anna Theresa Alencastro

Anna Theresa Alencastro

Endocrinologista

Rio de Janeiro

Natália Menezes

Natália Menezes

Nutricionista

Anália Barhouch

Anália Barhouch

Nutricionista

São Paulo

Debora Camila da Fonseca

Debora Camila da Fonseca

Nutricionista

Florianópolis

Priscila Santos Pacheco

Priscila Santos Pacheco

Nutricionista

São Paulo

Perguntas sobre Diabetes tipo 1

Nossos especialistas responderam a 87 perguntas sobre Diabetes tipo 1

Dra. Tatiane Barbosa Souza
Dra. Tatiane Barbosa Souza
Nutricionista
Ribeirão Pires
Primeiramente não deve dar nada sem uma consulta medica, leve no medico pois alguns medicamentos podem alterar o nível glicêmico
2 respostas

Dr. Thiago Santos Hirose
Dr. Thiago Santos Hirose
Endocrinologista, Endocrinologista pediátrico
Ribeirão Preto
Boa tarde. Pode comer sim, dentro de uma alimentação adequada e equilibrada para diabético, pode ingerir estes alimentos. Mas deve ter acompanhamento de nutricionista junto com o endocrinologista.
5 respostas

 Kallina Duarte
Kallina Duarte
Nutricionista
Recife
O indivíduo portador de diabetes Tipo 1, doença auto imune, precisa manter acompanhamento médico e nutricional periódicos, assim como buscar estilo de vida saudável, como atividade física regular…
3 respostas

Especialistas falam sobre Diabetes Tipo 1

Os pacientes que apresentam Diabetes Tipo 1 precisam de um cuidado especial. Precisam de orientações sobre aplicação de insulina, alimentação, quais os dispositivos para aplicação de insulina existentes e qual seria melhor para cada paciente. Gosto de atender pacientes interessados em mudar sempre para melhor. Pacientes que praticam esportes/ atividade física de alta intensidade e são diabéticos tipo 1 também sempre são bem vindos.

Daniela Fiorin Cubas

Médico clínico geral, Endocrinologista

Curitiba


O Diabetes tipo 1 é uma doença na qual pouca ou nenhuma insulina é liberada pelo corpo. Assim, a glicose não consegue ser usada como energia e fica no sangue - a famosa hiperglicemia. Estima-se que mais de 30 mil brasileiros sejam portadores de Diabetes tipo 1 e que o Brasil ocupe o terceiro lugar em prevalência no mundo, segundo a International Diabetes Federation. É mais comum em crianças e adolescentes, mas pode ocorrer em qualquer idade. Essa doença é sempre tratada com insulina, que pode ser administrada por S.I.C.I ("bomba de insulina"), canetas ou seringas. Uma dieta equilibrada e atividade física regular complementam uma boa terapia para o alcance de um bom controle glicêmico.

Dra. Denise Mendonca Coelho De Araujo

Endocrinologista

Brasília


Quando a família se depara frente ao diagnóstico de Diabetes Melitus tipo 1 feito em uma criança geralmente são muitas as dúvidas e as preocupações; O objetivo do médico endocrinologista infantil vai além de ajustar as doses de insulina e ensinar nas aplicações das injeções. É necessário propiciar a educação, ajudando na mudança de atitude da criança e de toda a família, tornando-a participativa, pois isto preserva a criança de hospitalizações por complicações agudas como hipoglicemia (queda do açúcar no sangue) e hiperglicemia (elevação de açúcar no sangue), o coma e as complicações crônicas futuras decorrente do diabetes tipo 1.

Renata Atihe

Endocrinologista, Endocrinologista pediátrico

São Paulo


As pessoas com diabetes tipo 1 (DM1) não produzem insulina (hormônio produzido pelo pâncreas que ajudar o corpo a usar ou armazenar a glicose dos alimentos). O tratamento é feito com injeções de insulina. A maioria dos casos de DM1 aparece na infância ou no início da adolescência. SINTOMAS Os principais sintomas que mostram que o nível de glicose está elevado no sangue são cansaço, muita sede e fome excessiva, grande quantidade de urina, perda de peso e visão turva. TRATAMENTO A única opção de tratamento do diabetes tipo 1 é com o uso de insulina, para melhorar as glicemias antes e após as refeições. As formas de aplicação são: seringa, caneta ou bomba de insulina.

Thiago Santos Hirose

Endocrinologista, Endocrinologista pediátrico

Ribeirão Preto


A Diabetes é uma doença que afeta 7% de pessoas no Brasil, entre homens, mulheres e adolescentes, de todas as idades, ou seja, 13 milhões de pessoas convivem diariamente com os sinais, sintomas e todas as comorbidades envolvidas. O dia mundial da Diabetes é um alerta para promover a prevenção da doença. Hábitos alimentares saudáveis, a prática de atividade física regular, o controle emocional e um check up anual são determinantes para passar bem longe.

Andreia Rodrigues

Nutricionista

São Paulo


O Diabetes tipo 1 refere-se a ausência de produção de insulina pelo pâncreas. A insulina é um hormônio responsável por manter os níveis de açúcar normais no sangue. A sua falta leva a níveis de açúcar muito elevados no sangue, manifestando-se com perda de peso, muita sede, urinar com muita frequência, desidratação, vômitos, dor abdominal e até o coma. A longo prazo, há prejuízo da visão, dos rins, dos nervos, do coração e do cérebro. O tratamento consiste em repor a insulina através de injeções subcutâneas tentando imitar a secreção normal pelo pâncreas e assim evitar suas complicações e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Dalva Castro De Oliveira

Endocrinologista pediátrico, Pediatra

São Paulo

Agendar uma visita

O Diabetes tipo 1 é uma doença ocasionada pela queda da produção de insulina no pâncreas. Isso acontece porque o indivíduo sofre um ataque auto-imune, quando suas células de defesa destroem partes do pâncreas responsáveis pela produção do hormônio. Quando a destruição atinge pelo menos 50% do pâncreas aparecem os primeiros sintomas, que podem ser boca seca, emagrecimento, muita urina, muita sede, muita fome, tontura, desmaios. Se esses sintomas ocorreram não pode esperar e a pessoa deve se dirigir a alguma emergência para evitar um quadro chamado cetoacidose que expõe o paciente a risco de morte. Depois de estabilizado o quadro deve ser acompanhado por um endocrinologista para ajustar doses.

Victor França De Almeida

Endocrinologista, Nutrólogo

Salvador


O diagnóstico de diabetes sempre gera ansiedade não apenas para o paciente, mas também para quem convive com ele. Nestes casos, é importante um tratamento humanizado, que forneça mais do que uma receita. O portador de doenças crônicas precisa de um acompanhamento que oriente como conviver com a doença, reduzindo ao máximo o índice de complicações. Por exemplo, como fazer dieta comendo em restaurantes? Como agir em caso de festas?

Céres Felski

Nefrologista, Internista

Balneário Camboriú

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Diabetes tipo 1?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.