Incontinência urinária em mulheres - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é incontinência urinária?

A enurese é a perda involuntária de urina em um lugar inadequado e tempo que pode ser objetivada e demonstrada e isso cria um problema social e de higiene para a pessoa que o tem. Até agora não tem sido reconhecida como uma doença em si, mas como um sinal ou um sintoma comum a muitos outros transtornos ou doenças.

Quem é mais afetado?

Idade é o principal fator associado à incontinência, detectar uma frequência máxima de pico entre 50 e 60 anos. Eles identificaram um número de fatores de risco adicionais: obstétrico-ginecológicas (gravidez, parto, prolapso pélvico, histerectomia), doenças sistêmicas (obesidade, doenças cardíacas, hipertensão tratados com diuréticos, doenças do sistema nervoso) e fatores ambientais e ocupacionais, que podem predispor a esta desordem.

Tipos de Incontinência

Basicamente, existem os seguintes tipos de incontinência urinária:

  • Esforço: a perda ou perda involuntária de urina com um esforço diário como tossir, espirrar, rir, correr, caminhar, saltar, levantar um peso, incorporou um assento mais baixo, e assim por diante. É o tipo mais comum de incontinência urinária em mulheres.
  • Emergência: é a perda involuntária de urina associada com um forte desejo de urinar. Ela observa que está indo para urinar e não pode conter. Geralmente acompanhada por um aumento na micção diurna ou noturna.
  • Mista: quando existe a perda urinária involuntária associada com urgência e esforço.
  • Contínuo: a perda constante e contínua de urina.
  • Overflow: perda involuntária de urina que se manifesta na forma de gotejamento associada com retenção urinária. Ela pode se referir a sintomas de incontinência associada a sintomas de dificuldade de esvaziar a bexiga de urina.
  • Bexiga hiperativa: inclui aqueles pacientes com sintomas de aumento da frequência urinária e urgência, com ou sem incontinência de urgência, provavelmente produzido pelo mesmo mecanismo que a incontinência de urgência.

Como é diagnosticada?

A avaliação e estudo de um paciente com incontinência urinária começa com uma história correta e abrangente ou perguntas dirigidas e destinadas a fornecer abundante informação fornecida por mulheres, seguido por um exame clínico completo e estudos adicionais para estimar o especialista que estuda (análise, técnicas de imagem, especializada urológica estudos, etc) ...

procedimentos básicos de diagnóstico

incluída a história médica, fatores de risco predisponentes a uma análise de sangue e de urina, chamado de questionários de sintomas e qualidade de vida eo diário miccional (registro de todos os eventos relacionados com a micção e sintomas urinários durante um período determinada 2-7 dias). O exame físico será abrangente e incluir a geral, mas também uma pélvica neurológicas, urológicas e ginecológicas.

 

Procedimentos urológicos

Geralmente incluem um exame urodinâmico, ou seja, a medição de vazão, pressão e volume de urina do paciente. Este é composto por vários testes, tais como urofluxometria ou representação gráfica da cistometria miccional, ou medir o volume / pressão da bexiga urinária, o estudo de pressão / fluxo, estudando a fase de esvaziamento do ciclo de micção, e outros mais sofisticados estudos eletrofisiológicos da eletromiografia do esfíncter uretral, o viedocistografía e videoecocisto

 

Técnicas de imagem

são ultra-sonografia, radiografia abdominal simples cistografia, ou radiografia contrastada da bexiga urinária, a urografia intravenosa ou radiografia contrastada de todo o trato urinário e de ressonância magnética nuclear. Finalmente, você também pode executar uma urina ou uretrocistoscopia endoscópica.

Quais são os tratamentos utilizados?

Cada tipo de incontinência requer um tratamento específico, por isso é muito importante a correcta avaliação e estudo individualizado do paciente pelo médico, como dissemos antes. É interessante conhecer as preferências do paciente, o tipo de vida que você faz e suas circunstâncias pessoais.

Vários tratamentos têm sido propostos, que brevemente expor:

Tratamento médico

Basicamente inclui:

  • Medidas de modificações de estilo de vida mais básicas, como a restrição da ingestão de líquidos e sua distribuição ao longo do dia.
  • Técnicas de modificação de comportamento, tais como a chamada micção programada, treinamento da bexiga, a adaptação da micção, exercícios do assoalho pélvico e técnicas de relaxamento para reduzir a ansiedade, muitas vezes associadas. Em suma, uma série de técnicas e tratamentos que se aplicam os conceitos de teorias de aprendizagem para distúrbios de comportamento.
  • Medicamentos, geralmente a partir da classe de medicamentos chamados anticolinérgicos (oxibutinina, cloreto de tróspio, tolterodina, etc) .. Estas drogas podem até melhorar e resolver a urgência, mas não produzem nenhum benefício em incontinência urinária de esforço.

Cirúrgico

É o tratamento de escolha para a incontinência urinária de esforço. Existem várias técnicas cirúrgicas. Atualmente, o mais comumente utilizados é através da vagina, colocando diferentes materiais ou fitas ao redor da uretra ou do tubo de urina de tentar trazê-lo para a sua localização anatômica correta.

Tratamento funcional

Basicamente de reabilitação do assoalho pélvico, onde os músculos que abrem e fecham o esfíncter da bexiga. A finalidade dos exercícios do assoalho pélvico é para melhorar o tônus ??muscular global nesta área e, mais especificamente, um músculo importante chamado detrusor da bexiga.

Destes exercícios destaca-se o exercício chamado Kejel que é "cortar o fluxo de urina durante a micção voluntariamente." Este exercício vai ajudar as mulheres a saber quando os músculos se contraem. Elas devem praticar fora da micção, 25 sessões consecutivas três vezes por dia. Como acontece com qualquer exercício, exige coerência na sua implementação e seus efeitos podem ser observados ao longo do tempo. Todos estes exercícios são realizados para melhorar a incontinência urinária.

Novas alternativas

  • Agentes injetáveis: é a criação de compressão ao redor da uretra para aumentar a resistência ao mecanismo de bloqueio. Têm sido utilizados com resultados variáveis, várias substâncias como o colágeno, cheios de solução salina ou microesferas de colágeno microbalões, carbono, gorduras, etc.
  • Neuromodulação sacral da raiz: indicado em pacientes com incontinência de urgência que não responderam ao tratamento conservador, e antes da cirurgia. Consiste em estimulação elétrica da raiz sacral do plexo nervoso a fim de modular os reflexos anormais involuntários do trato urinário inferior. O sistema é totalmente implantável com estimulação e consiste em três componentes: um eletrodo, gerador de pulsos elétricos semelhante a um marca-passo, e um cabo que conecta junto.
  • Paliativos: quando nenhum dos tratamentos acima foram eficazes. Produz uma melhora significativa na qualidade de vida dos pacientes e, apesar de não abordar diretamente as causas do problema,  melhora as suas consequências sociais. Neste tipo de tratamentos paliativos são utilizadas produtos para incontinência, e destacam-se absorventes, popularmente conhecidos como fraldas. Como o próprio nome sugere, são produtos destinados a absorver e reter urina e são usado por pessoas incontinentes. Mantem o paciente seco e prevene a cama de roupa molhada. No mercado existem diferentes formas, tamanhos e capacidades de absorção que facilitam seu uso, dependendo do tipo de incontinência urinária, características físicas do paciente e atividade. Eles são colocados no corpo por um dispositivo adequado de fixação.

Especialistas em incontinência urinária em mulheres

Encontre um especialista em Incontinência urinária em mulheres na sua cidade:
Alisson César Freitas Alvarenga

Alisson César Freitas Alvarenga

Urologista

Belo Horizonte

Juliano Ferneda

Juliano Ferneda

Urologista

Chapecó

Edson Luciano Rudey

Edson Luciano Rudey

Ginecologista

Maringá

Maercio Mendes

Maercio Mendes

Ginecologista

Belo Horizonte

Perguntas sobre Incontinência urinária em mulheres

Nossos especialistas responderam a 9 perguntas sobre Incontinência urinária em mulheres

Especialistas falam sobre Incontinência urinária em mulheres

Algumas mulheres quetem perda de urina quando fazem esforços ( como tosse ou espirros ) ou não conseguem adiar a micção ( perdem urina na roupa se tiver muita fila no banheiro por exemplo. Estas mulheres podem ter incontinência urinária, mesmo que a perda seja em gotinhas ou em maior quantidade. Em alguns casos o tratamento é com medicações de uso contínuo. Em outros casos é preciso fazer uma cirurgia relativamente simples, para colocação de uma tela abaixo da uretra. Esta tela segura o colo da bexiga no lugar , evitando a perda de urina.

Maurilio Batista Palhares Junior

Ginecologista

Maringá


Incontinência é a perda involuntária de urina da bexiga em situações impróprias, atingindo 25% após a menopausa. Estima-se que cerca de 40% das mulheres terão algum episódio de incontinência urinária no decorrer da vida, pode ser persistente ou definitiva com instalação e piora progressiva. Muitas mulheres tornam-se incontinentes após o parto, histerectomia (cirurgia para retirada do útero) a perda de urina ocorre ao tossir, espirrar, rir, pular, correr ou realizar algum esforço. O diagnóstico é clínico, baseado em uma história e o Estudo Urodinâmico, É um exame que vai determinar se existem outras alterações e classificar o tipo de Incontinência Urinária norteando ao melhor tratamento.

Fabio Leal

Ginecologista

Vitória

Agendar uma visita

A incontinência urinária é uma condição que afeta dramaticamente a qualidade de vida, comprometendo o bem-estar físico, emocional, psicológico e social. ... Normalmente existe uma perfeita coordenação entre a bexiga e o esfíncter (músculo que funciona como uma válvula que fecha a uretra, impedindo a saída da urina) mas o pós parto, menopausa , infecções, fraqueza muscular e dos ligamentos podem ser uma das causas. Um diagnóstico correto e o tratamento com Laser, fisioterapia, medicamentos ou Slings pode resolver.

Natalia Gama

Ginecologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Dicas como prevenir as incontinências urinárias? Procure orientações de um fisioterapeuta especializado em assoalho pélvico antes de iniciar esportes ou atividades física de impacto, Comer alimentos ricos em fibras para evitar a constipação, Mulheres com tosse crônica evitar os fatores que levem essa tosse com frequência,evitando assim chance de descida do útero e da bexiga, Antes de engravidar realizar treinamento dos músculos perineais com um fisioterapeuta especializado, preparando essa região para um parto integro mantendo esses músculos saudáveis gerando uma qualidade de vida para essa mulher na sua vida intima. Fica a dica!

Sulamita Tomé Silva

Fisioterapeuta

Recife


Incontinência urinária é a perda involuntária de urina, mesmo que em pequenas quantidades. Apesar de muito comum entre mulheres, a perda de urina não faz parte do processo de "envelhecimento" e deve ser tratada. A fisioterapia pélvica é considerada a primeira tentativa de tratamento para incontinência urinária. O objetivo do tratamento é reconhecer e fortalecer a musculatura do assoalho pélvico que é responsável por ajudar na contenção de urina. Na clínica Fisiopelvica, utilizamos vários recursos para o tratamento, entre eles o Biofeedback, eletroestimulação e educadores.

Juliano Silveira

Fisioterapeuta

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Conheça o problema que aflige grande parte da população e que muitas vezes passa despercebido. Popularmente conhecida como perda involuntária de urina, a Incontinência Urinária atinge milhares de pessoas, sendo mais comum do que pensamos. No entanto, segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, no sexo feminino os números prevalecem, ou seja, as mulheres estão mais predispostas à doença. Dados da Sociedade Internacional de Continência (ICS) registram que 50% das mulheres após a menopausa sofrem de algum tipo de incontinência urinária e que 40% das mulheres gestantes vão apresentar um ou mais episódios de incontinência urinária durante a gestação ou logo após o parto. Com interferência direta.

A incontinência urinária afeta quase 30 % de todas as mulheres e muitas delas acham que perder urina faz parte do envelhecimento e por isto não procuram ajuda especializada. Quase todas as mulheres com incontinência ficam curadas ou muito melhoradas com os tratamentos disponíveis hoje. O segredo é o diagnóstico correto para cada caso, individualizado

José Fernando Rodrigues Jr.

Urologista

Florianópolis


A incontinência acomete principalmente as mulheres aos 50 e 60 anos, mas mulheres mais jovens podem ser acometidas. A perda urinária é um sintoma e é fundamental que seja investigada. Podemos agrupar em três tipos mais prevalentes: 1 - Incontinência de esforço: relacionada a perda da sustentação/ força da musculatura que segura a urina no momento em que se faz força no abdome (ao correr, tossir e até mesmo na atividade sexual). O tratamento envolve fisioterapia e muitas vezes cirurgia. 2 - Urge-incontinência: sente-se urgência de ir ao banheiro e aumento da frequência, mesmo com pouco enchimento. Pode ser tratada com medicações. 3 - Mista: quando há sobreposição dos dois tipos anteriores

A incontinência urinária consiste na perda involuntária de urina pela uretra. Compromete a autoestima e prejudica a qualidade de vida. As mulheres são mais acometidas do que os os homens porque tem mais fatores de risco como sua anatomia, gravidez, esportes de alto impacto, constipação, fatores genéticos, tabagismo e menopausa. Ao contrário do que se pensa a incontinência urinária não atinge somente mulheres idosas. A Fisioterapia Pélvica tem recursos para atuar nas incontinências urinárias de esforço, de urgência e mista.

Incontinência Urinária significa não ter o controle sobre a saída de urina, perdendo urina sem querer. Isso pode ocorrer: quando a pressão abdominal aumenta com tosse, espirro, gargalhadas e a bexiga perdeu os mecanismos de controle e deixa escapar urina, ou pelo músculo da bexiga contrair em hora errada, ou pelo transbordamento de urina em casos de comprometimento da inervação, e ainda pode haver combinação desses mecanismos.O tratamento pode envolver cirurgia sim, mas alguns casos rémedio e fisioterapia podem ser a melhor escolha. Perda de urina tem solução, melhore sua qualidade de vida.

Thalia Maia

Ginecologista

Brasília

Agendar uma visita

A incontinência urinária em mulheres pode ser divida principalmente em Incontinência Urinária de Esforço, Incontinência Urinária de Urgência ou Incontinência Urinária Mista que apresenta tanto sintomas de esforço como de urgência. O tratamento deve ser individualizado a partir da intensidade dos sintomas bem como da características da paciente, podendo ser comportamental, medicamentoso e cirúrgico.

A incontinência urinária é uma doença que ocorre em muitas mulheres e causa um grande sofrimento para elas. As mulheres que têm incontinência urinária perdem xixi na roupa quando tossem ou espirram ou então sentem um desejo muito forte de urinar e acabam não conseguindo chegar a tempo no banheiro, urinando na roupa. As mulheres devem saber que essa doença tem tratamento e elas podem procurar um urologista para realizar uma avaliação. A qualidade de vida dessas mulheres melhora muito após o tratamento.

É a perda involuntária da urina pela uretra. Afeta pessoas de ambos os sexos em diferentes faixas etárias. A incidência aumenta progressivamente com a idade, sendo que um em cada três indivíduos idosos apresenta algum problema com o controle da bexiga. O diagnóstico é feito com exame físico, de urina e do Estudo Urodinâmico Completo O tratamento depende do tipo de incontinência, da sua gravidade e da causa subjacente. Pode ser necessária uma combinação de tratamentos. 

Edson Santana

Ginecologista

Rio de Janeiro


Caracterizada pelas perdas involuntária de urina, este problema afeta mulheres em todas faixas de idade, aumentando a frequência de forma diretamente proporcional ao envelhecimento. Diversas são as causas, destacando-se o climatério, obesidade, doenças neurológicas e traumas genitais sobretudo no parto sendo comum o enfraquecimento dos músculos, ligamentos e colágeno que sustentam a bexiga e a uretra. As perdas urinárias podem ocorrer em esforços leves e moderados como tossir, espirrar e correr, portanto limitando a qualidade de vida. Vários tratamentos estão disponíveis e o mais adequado ao caso deve ser indicado após o exame físico e exames complementares.

Muitas mulheres após terem filhos, podem apresentar perda urinária ao tossir, espirrar ou rir. Precisando as mesmas,em muitas vezes, utilizar absorventes para não molhar a calcinha. Com esta queixa, um exame de urodinâmica é importante para ter o diagnóstico com maior precisão, e daí optar pela cirurgia ou fisioterapia pélvica.

Andre Luiz Oliveira

Urologista

Campinas


A perda urinária é uma condição muito recorrente entre as mulheres ; 40% delas apresentam idade superior a 50 anos . A incontinência urinária é um problema multifatorial , ou seja , pode ser desencadeada por mais de uma causa. Existe tipos diferentes de incontinência e a definição dela é imprescindível na escolha do modelo de tratamento que inclue mudanças dos hábitos de vida, fisioterapia, uso de medicações específicas, correções cirúrgicas entre outros.

Luiz Antonio Cipolotti

Ginecologista

São Paulo


Mais comum seu inicio próximo a menopausa , piorando progressivamente devido a carência hormonal deste período juntamente com enfraquecimento da musculatura do esfincter uretral. Pode ocorrer também após partos normais. Muito traumáticos ou infecções urinárias.

Renata Gouvêa

Ginecologista, Especialista em medicina estética

Brasília

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Incontinência urinária em mulheres?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.