Mola hidatiforme - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Tumor uterino derivado de TROFOBLASTOS gestacionais persistentes, mais freqüentemente, após uma gravidez molar (MOLA HIDATIFORME). A mola hidatiforme invasiva se desenvolve em 15 por cento das pacientes, após a retirada de uma mola completa e menos freqüentemente, após outros tipos de gestação. Pode perfurar o MIOMÉTRIO e destruir vasos uterinos causando hemorragia.

A mola hidatiforme ocorre em aproximadamente 1 em cada 1.500 gestações nos EUA (tendo, porém, uma incidência bem maior na Ásia e no 3º mundo), sendo encontrada em aproximadamente 1 em cada 600 abortos.  Esta divide-se em mola hidatiforme completa (75% dos casos) e parcial ou incompleta (25% dos casos).  As molas são mais comuns em gestantes muito jovens ou em idade avançada.

Acredita-se que a mola completa se origina da fecundação de um óvulo que perdeu seu núcleo ou seus cromossomos por um espermatozóide, ou em casos menos comuns, por dois espermatozóides.  No primeiro caso o espermatozóide duplica seu próprio DNA.  A gravidez não possui embrião.

Já a mola parcial na maioria dos casos origina-se da fertilização de um óvulo normal por dois espermatozóides ou mais.  Possui feto, mas este quase sempre tem diversas anomalias incompatíveis com a vida.

Os sintomas são sangramentos que aumentam a cada ocorrência de hemorragia, com corrimento amarelado entre as hemorragias e útero excessivamente grande e mole.  Os valores do Beta-HCG são demasiadamente altos para a semana gestacional.  Não existem batimentos cardíacos, e na ultrassonografia o aspecto é de vesículas ou cachos de uva.

Em 80% dos casos a evolução é benigna, sendo que em 20% torna-se maligno.  18% tornam-se mola invasora e 2% coriocarcinoma (apenas ocorre em mola completa, sendo raro na parcial).

O tratamento é com curetagem a vácuo-aspiração, geralmente após este procedimento realiza-se estimulação com ocitocina e raspagem.  O material é enviado para biópsia a fim de confirmar o diagnóstico.  Se a mulher tiver idade avançada e não desejar mais engravidar pode-se considerar a histerectomia para afastar o risco de coriocarcinoma.

 

Especialistas em mola hidatiforme

Encontre um especialista em Mola Hidatiforme na sua cidade:
Amélia Losada Cerqueira

Amélia Losada Cerqueira

Ginecologista

São Paulo

Verena de Nazaré Batista Butzke

Verena de Nazaré Batista Butzke

Ginecologista

Belém

Debora Coutinho Serruya

Debora Coutinho Serruya

Ginecologista

São Paulo

Elias Melo

Elias Melo

Ginecologista

Recife

Isis Quaresma

Isis Quaresma

Ginecologista

São Paulo

Bruno Toneto

Bruno Toneto

Ginecologista

São Paulo

Perguntas sobre Mola hidatiforme

Nossos especialistas responderam a 41 perguntas sobre Mola hidatiforme

Boa noite! A melhor forma de diminuir a probabilidade de problemas na gravidez é fazer um ÓTIMO pré-natal. Vc deve procurar ginecologistas ESPECIALISTAS em pré-natal de Alto Risco. Boa sorte!!!
1 respostas

Olá. Sempre siga as orientações do seu médico. Agende a sua consulta de reavaliação e esclareça suas dúvidas.
No caso da mola hidatiforme, o tratamento é o esvaziamento uterino através…
1 respostas

sim.... ainda pode engravidar se não fez laqueadura ou vasectomia... e nem usar nenhum método contraceptivo... mas o indicado é que o parto seja por cesárea.... converse com seu medico. a disposição.…
2 respostas

Quais profissionais tratam Mola hidatiforme?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.