Aneurisma intracraniano - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em aneurisma intracraniano

Encontre um especialista em Aneurisma Intracraniano na sua cidade:
Marcos Tweedie Spadoni

Marcos Tweedie Spadoni

Neurocirurgião

Goiânia

Ulisses do Prado Aguiar

Ulisses do Prado Aguiar

Neurocirurgião

São Paulo

Bruno Gonzales Miniello

Bruno Gonzales Miniello

Neurologista, Radiologista

Presidente Prudente

Edilson Toshio Shoji

Edilson Toshio Shoji

Neurocirurgião, Neurologista

Fortaleza

Lauro de Franco Seda Junior

Lauro de Franco Seda Junior

Neurocirurgião, Neurologista

Bauru

Mario Andre Souza Matos

Mario Andre Souza Matos

Neurofisiologista, Neurologista

Montes Claros

Perguntas sobre Aneurisma intracraniano

Nossos especialistas responderam a 12 perguntas sobre Aneurisma intracraniano

Titânio.
Alguns clipes mais antigos eram de cobalto.
3 respostas

Prezada mamãe,
Os aneurismas intracranianos sao uma doença muito peculiar, em que cada aneurisma é único. Assim, cada aneurisma de uma pessoa é diferente do outro, e também diferente em…
2 respostas

Procure o especialista por quem vc se sentir mais acolhido e que tenha passado a vc uma confiança maior. Se vc estiver sendo acompanhado por um médico qualificado e que te dê o amparo que vc…
4 respostas

Especialistas falam sobre Aneurisma Intracraniano

Aneurismas cerebrais são conhecidos por causar hemorragias catastróficas ao se romperem, ameaçando a vida do paciente. Nesse circunstância, o tratamento definitivo excluindo o aneurisma da circulação cerebral é fundamental na busca do melhor resultado clínico possível. Existem duas técnicas para seu tratamento. Sempre que possível (e hoje em dia mais comumente) aneurismas devem ser tratados através de cateterismo cerebral com preenchimento do aneurisma por seu interior até sua completa oclusão. Algumas vezes, porém, ainda é necessário o tratamento microcirúrgico, um procedimento de alta complexidade que exige destreza e experiência para maior segurança na oclusão do aneurisma.

Bruno Loyola Godoy

Neurocirurgião

Rio de Janeiro


Os aneurismas cerebrais originam-se de alterações na parede dos vasos (artérias) que nutrem o cérebro, podendo resultar em acidentes vasculares com hemorragias. São mais comuns em adultos, embora possam ocorrem em qualquer idade. O tratamento dessas lesões é complexo, considerando a idade e condição geral dos pacientes, a forma dos aneurismas e a presença ou não de sangramento. O tratamento pode ser feito por cirurgia (um “clip” metálico exclui o aneurisma do vaso, evitando o sangramento) ou por técnicas endovasculares (com reconstrução do vaso através de punções arteriais). A discussão específica da melhor técnica para cada caso é feito pelo neurocirurgião com experiência em microcirurgia.

Dr. Helder Tedeschi

Neurocirurgião

São Paulo


Aneurisma cerebral pode ser tratado de maneira expectante, microcirúrgica ou por embolização. A escolha do melhor tratamento depende da ocorrência ou não do sangramento, características do aneurisma e clínica do paciente.

Dener Zandonadi

Neurocirurgião, Neurologista

São Luís

Agendar uma visita

Aneurismas cerebrais Os aneurismas cerebrais são dilatações de vasos sanguíneos localizados no cérebro. Essas dilatações geralmente apresentam um enfraquecimento da parede do vaso sanguíneo, o que pode resultar na ruptura dessa parede. O quadro de ruptura do aneurisma costuma ser grave, pois resulta em um sangramento dentro do cérebro. O risco de ruptura de um aneurisma depende de diversos fatores, como idade do paciente, tamanho e localização da lesão. Os aneurismas que apresentam um alto risco de ruptura devem ser tratados cirurgicamente.

Os aneurismas cerebrais são dilatações que se formam na parede de vasos no interior do cérebro. Com o tempo, estes aneurismas podem se romper, ocasionando um grande e grave sangramento cerebral. O tratamento do aneurisma pode ser feito através de duas modalidades: cirurgia e tratamento endovascular. Essa escolha é feita após uma detalhada avaliação do paciente e de exames específicos para esta finalidade. Aqui não há uma regra: o tratamento é sempre feito de forma individualizada. Converse com o seu médico e esclareça todas as suas dúvidas !

Iuri Neville

Neurocirurgião

São Paulo

Agendar uma visita

A maioria das pessoas que tem o aneurisma cerebral são diagnosticadas após um sangramento. Temos duas opções de tratamento, a cirurgia ou o tratamento endovascular. A melhor forma de tratamento vai depender principalmente da condição clínica do paciente e do formato do aneurisma. Os aneurismas incidentais, aqueles que não sangraram, podem receber tratamento intervencionista ou conservador. É muito importante uma consulta com especialistas nos dois métodos de tratamento para definir a conduta. Os aneurismas que sangraram devem sempre ser tratados com urgência, pois são patologia grave.

Egmond Alves

Neurocirurgião

São Paulo

Agendar uma visita

O Aneurisma Cerebral caracteriza-se por uma dilatação anômala nos vasos intracranianos. Há condições que favorecem o aparecimento dessas lesões como pressão alta, tabagismo e história familiar. Existem também algumas doenças que apresentam uma elevada propensão ao desenvolvimento dos aneurismas como Doença Policística Renal, Síndrome de Ehlers-Danlos e Síndrome de Marfan. É necessário uma minunciosa avaliação da localização, vasos envolvidos, tamanho, idade e estado geral do paciente, assim como se o aneurisma é roto ou não-roto para indicar tratamento.

Doralice Batista

Neurocirurgião

Campos Dos Goytacazes

Agendar uma visita

Aneurisma consiste num ponto de fragilidade de um vaso cerebral, e confere um risco de ruptura seguida de hemorragia cerebral em média de 2 a 4% ao ano (este risco pode ser ainda maior de acordo com alguns aspectos e localização dos aneurismas). Para o tratamento destas lesões potencialmente ameaçadoras a vida, a Microcirurgia Vascular Intracraniana (Clipagem do aneurisma) consiste numa opção de tratamento quase sempre definitiva, e quando bem sucedido, na grande maioria das vezes, elimina o risco da ruptura seguida de hemorragia cerebral relacionada ao aneurisma.

Jaquisson Guimarães Filho

Neurocirurgião

Salvador


Os aneurismas originam-se de pontos de enfraquecimento na parede das artérias, com consequente formação de uma espécie de bolha na parede desse vaso, que é o que se denomina de aneurisma intracraniano (se localizados no cérebro). Estima-se que 4% da população mundial tenha aneurismas cerebrais, mas poucos recebem o diagnóstico antes que ele rompa, pois antes desse evento, o aneurisma cerebral é praticamente assintomático. Importante lembrar que apresenta uma chance de romper de 2-4% ao ano. "Então, como saber se tenho um aneurisma cerebral?" Essa pergunta é muito frequente e, hoje em dia, com técnicas não invasivas é possível saber se o paciente têm ou não um aneurisma cerebral.

Ulysses Caús Batista

Neurocirurgião, Neurologista

Vitória

Agendar uma visita

As artérias do nosso corpo são vasos sanguíneos com uma parede muscular bem resistente, capazes de suportar a pressão com que o sangue passa por dentro delas. Se por algum motivo um ponto da artéria se tornar mais fraco, ela deixará de ser capaz de suportar a pressão sanguínea, cedendo lentamente, formando uma área dilatada, como se fosse um balão. Daí o nome aneurisma sacular. Nestes casos o tratamento poderá ser realizado por cirurgia aberta para clipagem do aneurisma ou por tratamento endovascular com a embolização do aneurisma.

Danilo Marques Nogueira

Neurocirurgião, Radiologista

Brasília

Agendar uma visita

Aneurisma Cerebral é uma dilatação anormal de uma artéria do cérebro como se fosse um pequeno ‘balão’ que surge por conta de um enfraquecimento na parede do vaso. É mais comum entre 40 a 50 anos de idade e tem como principais fatores de risco o tabagismo, diabetes, pressão alta, colesterol elevado e consumo excessivo de álcool. Com as novas tecnologias, podemos identificar o aneurisma facilmente por Tomografia ou Ressonância ou Angiografia cerebral. O tratamento mais comum é a cirurgia, mas outro procedimento também realizado é a Embolização endovascular. Hoje em dia, fazer o Check-up neurológico é importante para prevenir doenças graves que podem ser tratadas a tempo.

Adailton Arcanjo Dos Santos Junior

Neurocirurgião

Cuiabá


Os aneurismas cerebrais consistem em uma mal-formação que enfraquece parede de um vaso intracraniano, onde acaba formando uma dilatação nessa parede, com aspecto de bexiga. Essa dilatação com aspecto de bexiga, pode romper devido à passagem de sangue no seu interior, dando origem a uma hemorragia cerebral. O diagnóstico de aneurisma cerebral pode ser feito através de uma Angiotomografia/Angiorressonância ou uma Angiografia cerebral (por cateterismo). O tratamento para a maioria dos aneurismas ainda é a cirurgia aberta convencional, com ótimos resultados. Para alguns outros casos, dá-se preferência para o tratamento por embolização, via cateterismo, que é menos invasivo.

Luiz Paulo Alves

Neurocirurgião

Santos


Aneurismas cerebrais são dilatações vasculares, tipicamente arteriais que em sua maioria são do tipo saculares e se localizam em bifurcações arteriais. Os aneurismas intracranianos podem ser incidentais ou familiares. Os aneurismas incidentais são a maioria e muito relacionados ao tabagismo (fumo) e a pressão alta. Os familiares tem característica genética e muitas vezes são múltiplos. Os aneurismas quando rompem provocam a hemorragia subaracnóide, que possui uma elevada taxa de mortalidade (óbito) e uma grande chance de sequelas neurológica grave. Se tratado antes de romper, com indicações precisas, há uma maior chance de tratamento sem sequelas. Marque consulta para maiores informações.

Aneurismas são pequenas "bexiguinhas" que nascem nas artérias (vasos sanguíneos). Por passar sangue sob pressão dentro deles, existe o risco de romperem e causarem hemorragias dentro da cabeça, podendo ser fatais. Os principais sintomas vêm do seu rompimento, causando dores de cabeça súbitas e de grande intensidade. Os aneurismas grandes podem causar sintomas até sem romper, através da compressão de estruturas vizinhas. O tratamento pode ser a cirurgia com clipagem do aneurisma ou embolização (tamponamento) com micromolas implantadas como um cateterismo. A indicação de tratamento depende do tamanho e da localização do aneurisma e do estado clínico do paciente.

Aneurismas são dilatações das paredes dos vasos que podem romper se não forem tratados. Um rompimento de aneurisma pode ser fatal ou levar a várias sequelas neurológicas. Uma grande variedade de opções de tratamento estão disponíveis: micromolas de platina, micromolas de platina com gel, diversores de fluxo, etc... A definição da técnica utilizada varia com o tamanho e localização do aneurisma. Algumas vezes balões e stents são utilizados para manter as micromolas no lugar, para que elas não mudem de posição e saiam de dentro do aneurisma.

Quais profissionais tratam Aneurisma intracraniano?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.