Câncer e quimioterapia - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é quimioterapia?

Dentro de todo o tratamento inclui-se a quimioterapia,  usada para matar células cancerosas, por meio de medicamentos administrados por via intravenosa (pelas veias), ou boca. Os medicamentos utilizados para este fim são numerosos. Eles são agrupados por seu modo de ação sobre as células cancerosas.

Médicos prescrevem diferentes combinações de fármacos administrados simultaneamente para tratar o tumor. A quimioterapia  não foi aplicada a um tipo específico de medicamentos, mas o tratamento em geral.

Quimioterapia  varia de acordo com o tipo de câncer a ser tratado.  Os médicos agora usam nomes com muitas abreviaturas para indicar o tipo de medicamentos incluídos nestes tratamentos.

O que é quimioterapia?

Todos os órgãos do nosso corpo são compostos de pequenas unidades chamadas células. Para manter o bom funcionamento do nosso corpo, as células devem ser renovadas em uma base regular. Normalmente, este processo de renovação está sujeita a controles rigorosos, mas pode acontecer que algumas células escapam a este controle e começam a proliferar sem controle, formando um tumor. Neste caso, as células se tornam cancerosas.

As células cancerosas podem espalhar-se do seu local de origem, através do sangue ou linfa  (através dos vasos linfáticos) para atingir outros órgãos, onde se formam novos nódulos tumorais chamados metástase.

Como a maioria dos medicamentos utilizados na quimioterapia são administrados por via intravenosa, podem destruir as células cancerosas no tumor primário e as metástases.

A quimioterapia pode, portanto:

  • Curar alguns tipos de câncer.
  • Células tumorais impedir metástase.
  • Reduzir os sintomas associados ao câncer e melhorar a qualidade de vida.

Como o médico escolhe a quimioterapia?

O tipo de quimioterapia é feito de acordo com critérios precisos. Certas drogas são mais eficazes do que outros no tratamento de certos tumores. Portanto, no tratamento destes tumores são usados ??esses medicamentos, embora muitas vezes usandos numa combinação de várias drogas.

A combinação de várias drogas para matar células cancerosas através de vários mecanismos impede que as células desenvolvam resistência ao tratamento. Isso dá uma maior eficiência.

A escolha de um regime de quimioterapia é baseado em:

  • O tipo de câncer
  • A parte do corpo onde o câncer se desenvolve
  • Os efeitos do câncer sobre o corpo
  • Condição geral do paciente.

Ensaios clínicos

Medicamentos eficazes no tratamento de câncer são numerosos e há também uma investigação em curso de novos medicamentos e novas combinações deles. A busca por essas novas parcerias está em ensaios clínicos.

Na verdade, um ensaio clínico encontra um certo número de pacientes que têm o mesmo tipo de tumor e são tratados com o mesmo tipo de tratamento ou tratamento convencional outro, com o qual se quer comparar a sua eficácia. O médico avalia a resposta a este tratamento, e depois compara estes resultados com os de outros estudos. Estes estudos estão a seguir algumas regras muito precisas, definidas por um protocolo. Antes de propor um ensaio clínico de um paciente, o protocolo é objecto de consideração muito cuidadosa por parte do comitê de ética de cada hospital, que valida ou não o estudo. Também deve ser especificamente aprovado pelo Ministério da Saúde, ou órgão autônomo responsável por esta matéria.

A eficácia destas novas parcerias, ou de novas drogas é geralmente desconhecida. No entanto, estes estudos permitem que os pacientes a beneficiar os mais recentes tratamentos e novas combinações de tratamentos recentemente descobriram que elas poderiam ser mais eficazes do que os tratamentos padrão anterior.

Como é a quimioterapia e com que freqüência?

Quimioterapia, por vezes, requer hospitalização por vários dias, mas geralmente pode ser feita em nível ambulatorial por meio dia. Muitos pacientes que recebem quimioterapia ainda estão trabalhando e levando uma vida normal.

A quimioterapia geralmente é feito a cada três ou quatro semanas, durante um ou mais dias. No entanto, isso pode variar dependendo:

  • O tipo de câncer
  • Os objetivos do tratamento
  • O tipo de drogas usadas
  • Efeitos adversos do tratamento.

Como é a quimioterapia?

A maioria das drogas que estão incluídos são administrados por via intravenosa (pelas veias) através de um sistema de gotejamento. O médico pode usar uma veia em seu braço ou um cateter central. Existem dois modelos básicos de cateteres centrais.

Método-a-cath Porth

Uma delas é comumente chamado de Porth-a-cath, que está localizado em uma veia no peito e colocado sob anestesia geral. Este cateter é conectado a um tanque pequeno (1 cm de diâmetro) colocada sob a pele, na altura da clavícula, e uma picada com uma agulha através da pele. O Porth-a-cath pode ser usado mesmo durante anos se necessário. Também pode usá-lo para extrair o sangue.

Cateter Hickman

Outro modelo é a linha central, cateter de Hickman, que também é ligado a uma veia no peito, mas sua extremidade externa tem duas linhas  penduradas na frente do peito, e não sob a pele.

Usando o modelo é geralmente indiferentes, são iguais na função para a qual eles são necessários.

Quais são os efeitos colaterais da quimioterapia?

Efeitos adversos variam com o tipo de medicamentos utilizados e a intensidade do tratamento. Às vezes, uma mudança na quantidade e frequência de administração é possível modular a qualquer um destes efeitos.

Como é o monitoramento da quimioterapia?

O paciente é constantemente monitorado pelo médico em uma base regular para avaliar a resposta ao tratamento e seus efeitos adversos.

O médico receita exames de sangue regulares (duas ou três vezes por mês, geralmente). Este exame de sangue será controlado:

  • Hemograma, que determina a contagem de glóbulos vermelhos e plaquetas.
  • Os parâmetros bioquímicos básicos, que medem os íons no sangue e permitem, entre outras coisas, verificar a função renal.
  • O perfil do fígado, o que torna possível verificar o correto funcionamento do fígado.

Especialistas em câncer e quimioterapia

Encontre um especialista em Câncer e quimioterapia na sua cidade:
Sabrina Chagas

Sabrina Chagas

Oncologista

Rio de Janeiro

Flávia Oliveira Ramos

Flávia Oliveira Ramos

Oncologista

Niterói

David Pinheiro Cunha

David Pinheiro Cunha

Oncologista

Campinas

Nara Rosana Andrade Santos

Nara Rosana Andrade Santos

Oncologista

Belo Horizonte

Lysandra Ioshizumi

Lysandra Ioshizumi

Oncologista

Curitiba

Mayara Borsetti

Mayara Borsetti

Oncologista

Paulo Afonso

Perguntas sobre Câncer e quimioterapia

Nossos especialistas responderam a 10 perguntas sobre Câncer e quimioterapia

Dr. Lucas Motta Fernandes
Dr. Lucas Motta Fernandes
Médico clínico geral, Geriatra
São José do Rio Preto
Olá, tudo bem? é muito importante saber qual o tipo de câncer , os efeitos colaterais da quimioterapia e o status funcional do paciente, normalmente os oncologistas utilizam a Escala de Karnofsky…
2 respostas

Algumas quimioterapias nem dão efeito colateral. Depende muito das medicações usadas e também da sensibilidade de cada um. Cansaço é um dos sintomas mais comuns, e pode contribuir para um aumento…
1 respostas

Olá. É preciso passar por uma avaliação por um dentista para diagnóstico e opções de tratamento, Porque geralmente durante o tratamento quimioterápico o paciente não pode sofrer determinados…
6 respostas

Especialistas falam sobre Câncer e quimioterapia

Acompanhamento Psicológico Personalizado a pacientes Oncológicos e seus familiares e cuidadores, trabalhando as angústias, medos e fantasias sobre o adoecimento e tratamentos. O atendimento psicológico é muito importante nesse momento, pois é quando lidamos diretamente com nossas limitações. Os atendimentos podem ser realizados no Consultório, Hospital ou Residência. Mantenho-me atualizado, participando de Congressos, Simpósios e Cursos em Oncologia. Sou Membro Colaborador da SBOC (Sociedade Brasileira de Oncologia Clinica).

Paulo Roberto Silva

Psicólogo

São Caetano do Sul

Agendar uma visita

O paciente que está passando por quimioterapia necessita de suporte nutricional contínuo. A conduta dietoterápica durante o tratamento visa manter o estado nutricional adequado (peso), reforçar a imunidade e minimizar as possíveis intolerâncias e intercorrências relacionadas à terapia medicamentosa (náuseas, vômitos, diarreia, mucosite, inapetência, por exemplo). Além disso, orientações sobre escolha, modo de preparo e conservação dos alimentos no domicílio e suplementação (quando necessário) também são realizadas no atendimento nutricional.

A palavra câncer assusta e traz medo naqueles que recebem este diagnóstico. Isto porque além de todo o estigma que esta doença traz, é um mundo pouco conhecido pelas pessoas em geral. A ciência como um todo tem se desenvolvido e principalmente na área da oncologia, trazendo melhores resultados com menores efeitos colaterais. É importante receber o tratamento mais adequado, mas também é crucial receber atenção necessária para passar por esta fase de forma segura e bem acolhida.

Tatiana Barros

Oncologista

Duque de Caxias


Quimioterapia é um termo genérico que engloba centenas de medicações diferentes, cujad funções são tratar o câncer. Ela pode ser aplicada para diversos tipos de tumores e é basicamente feita com três objetivos: curar, evitar que a doença retorne ou controlar a doença. Além disso, a quimioterapia pode, e em alguns casos deve, ser acompanhada de tratamento adicionais, como outras medicações, radioterapia e cirurgia.

Rafael Balsini Barreto

Oncologista

Florianópolis


Ramon De Mello é um médico oncologista com qualificação e experiência internacional. Atua no tratamento e em consultas de acompanhamento de pacientes com câncer. Tem enorme capacitação para prescrição de medicamentos contra o câncer, como quimioterapia, terapias alvo, imunoterapia e fármacos inovadores. Tem competência no tratamento sintomático e controle da dor oncológica, com grande experiência em terapias de suporte do doente oncológico. Além disso, o Dr. Ramon trabalha com consultas de segunda opinião de pacientes brasileiros e de outros países, servindo como médico de referência para situações complicadas, especialmente nas áreas de tumores do pulmão, mama, próstata e gastrointestinal.

Após realização de uma longa formação acadêmica (11 anos) além de participação em congressos e aulas de atualização, possuo experiência no tratamento clínico ( quimioterapia e radioterapia) de vários tipos de tumores. Procuro sempre utilizar o que há de melhor e mais moderno disponível no nosso país e acessível ao paciente ( via planos de saúde ou particular). Além disso, procuro sempre oferecer suporte psicológico e nutricional, visando a saúde como um todo, não apenas focando na doença.

Vitor Magalhães

Oncologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Oncologia, ou cancerologia, é a especialidade médica que estuda e trata o câncer (ou neoplasias). O câncer não é uma doença única, podendo se apresentar de mais de 200 maneiras diferentes. É caracterizado pelo crescimento desordenado e descontrolado das células do corpo levando ao surgimento de tumores e, quando avançado, ao comprometimento de diversos órgãos (metástases). Cada tipo de câncer tem um tratamento específico: cirurgia, radioterapia, quimioterapia, hormonioterapia, etc, podendo ser necessária a combinação de tratamentos. A incidência vem crescendo a cada ano, e precisamos reforçar medidas preventivas! Concomitantemente, avançam os estudos com terapias cada vez mais efetivas.

Thais De Melo Passarini

Oncologista, Médico clínico geral

Belo Horizonte

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Câncer e quimioterapia?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.