Demência - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é a demência?

  Asdemências são um tipo de doença cerebral. Quando uma pessoa sofre de demência, as células do cérebro se deterioram e perdem suas funções normais mais cedo do que normal. Esta alteração nas células do cérebro fazen com que o cérebro não funcione adequadamente, e, lentamente, os pacientes perdem suas habilidades e intelecto.

Os primeiros sintomas consistem geralmente de esquecimento leve e perda de memória, as pessoas afetadas esquecem as coisas tão comuns como o nome do seu marido ou esposa. Mais tarde, como a doença progride, há determinados dados, como data ou local em que estão, as pessoas não reconhecem, esquecem conversas que tinham mantido, não retem respostas a perguntas sobre simples e ainda são incapazes de satisfazer as encomendas que foram feitas. Devemos prestar especial cuidado quando vamos sair sozinho na rua, pois muitas vezes podem se perder em caminhos que antes eram conhecidos.

Pacientes idosos com demência podem tornar-se apáticos e perder o interesse em atividades que eram importantes para eles. Nos estágios mais avançados, os pacientes são incapazes de cuidar de si e precisam de ajuda com lavar, vestir ou comer. A conversa torna-se repetitiva, e pode fazer a mesma pergunta várias vezes. Às vezes, eles podem tornar-se verbalmente ou fisicamente agressivos e agitados. Na fase final, o paciente normalmente fica na cama, exigindo atenção constante de um cuidador.

Fatos sobre a dementia

  • É uma parte normal do envelhecimento: é normal que uma pessoa idosa apresente demência mas pequenos lapsos de memória ou falhas que não pode ser considerada como uma doença.
  • É causada por stress.
  • Não é contagiosa.
  • Não é devido a uma atividade deficiente ou excessiva mental.

O que causa pode levar a demência?

Podemos distinguir dois principais grupos de causas:

 

Demências reversíveis:

pode ser causada por doenças metabólicas, intoxicação por drogas, alcoolismo, trauma, tumores, etc.

 

 

Demência irreversível:

como, por exemplo, doença de Alzheimer.

 

Que tipos de demência existem?

Doença de Alzheimer

Esta é a forma mais comum de demência, é devido a uma perda de células cerebrais (neurônios) que leva à atrofia cerebral. Parece estar relacionada a um desequilíbrio químico no cérebro. Com o tempo, cada vez menos neurônios  funcionam corretamente, e o estado mental do paciente se deteriora lenta mas seguramente.

Demência vascular, entre os quais incluem multi-enfarte demência

É o segundo tipo mais comum de demência, é devido a uma má circulação sanguínea cerebral. As causas mais comuns são geralmente hipertensão crônica e arteriosclerose dos vasos que levam sangue para o cérebro. Neste tipo de demência, existem muitos pequenos acidentes vasculares cerebrais (infartos), que cortam o fornecimento de sangue a partes do cérebro. Para que  a doença progrida mais lentamente, é importante manter a pressão arterial e o açúcar em número adequado, e parar de fumar.

Demência alcoólica

Beber em excesso causa danos ao cérebro, e uma dessas lesões é o desenvolvimento de demência. É um tipo de demência que impede o seu avanço se o indivíduo deixa de álcool completamente.

Doenças que podem causar demência

O que você pode fazer?

Nos estágios iniciais da doença, existem maneiras práticas para refrescar sua memória, por exemplo, manter um diário ou usar uma placa e deixar as notas. Algumas pessoas mais velhas que não têm família, para evitar problemas na rua, levam sempre  (geralmente em torno do pescoço) uma espécie de cartão com sua foto, nome e endereço ou número de telefone.

Não deve ser confundida com demência, outras doenças neurológicas ou psiquiátricas, embora pareçam similares. Por exemplo, depressão, estados de agitação ou sonolência, ou outras imagens que produzem esquecimento, ou sintomas semelhantes. Tendo em conta estes casos, devemos primeiro olhar para o nosso médico de família, que vai saber aproveitar o problema e diferenciá-lo de uma demência verdadeira.

Quando um novo medicamento para a demência surge na mídia não deve-se pensar que este medicamento já está disponível. Geralmente, estes estudos ainda necessitam de  anos para produzir resultados. No entanto, existem alguns medicamentos que estão sendo usados ??em estágios muito iniciais da doença em alguns pacientes, mas tenha em mente que só pode ser dado a um grupo particular de pacientes, controlada pelo especialista.

Cuidar de pessoas com demência é um ponto crucial: cuidar de alguém com demência pode ser muito difícil, exigindo atenção quase total, especialmente nas fases mais avançadas da doença. Junte-se ou contacte um grupo de cuidadores podem ser úteis. O médico de família pode ajudar a controlar os sintomas secundários que irão aparecer, como agitação, insônia, incontinência urinária, constipação, e prescrever medicação adequada para cada caso.

Um bom conselho

Ninguém tem uma memória perfeita e todas as pessoas de qualquer idade, nos esquecemos de coisas todos os dias. Para isso, não devemos pensar que qualquer alteração da nossa memória ou nossa família vai ser uma demência.

Esqueça o dia ea data não é tão rara, especialmente em pessoas idosas e aposentados que não precisam controlar o tempo.

A maioria dos idosos sem demência e naqueles que são afetadas, os sintomas podem ser leves por vários anos.

Especialistas em demência

Encontre um especialista em Demência na sua cidade:
Renata Camargo

Renata Camargo

Psicólogo

Camaquã

José Justiniano Torrico

José Justiniano Torrico

Médico clínico geral

Rio Branco

William Jofre Almeida de Barros

William Jofre Almeida de Barros

Médico clínico geral, Médico do trabalho

Blumenau

Luis Falivene Roberto Alves

Luis Falivene Roberto Alves

Psiquiatra

Campinas

Ana Larissa Marques Perissini

Ana Larissa Marques Perissini

Psicólogo, Sexólogo

São José do Rio Preto

Thiago Cesar Rocha Azevedo

Thiago Cesar Rocha Azevedo

Médico clínico geral

Recife

Perguntas sobre Demência

Nossos especialistas responderam a 64 perguntas sobre Demência

Olá!
Você informa que sua avó tem apresentado esquecimentos e menciona situações que muitas vezes não ocorreram ("cria cenários").
O idoso pode apresentar queixas de…
6 respostas

Olá, internauta! Algumas pessoas têm tendência a sofrer com danos cerebrais causados pelo consumo de álcool bem maior que a maioria da população. O mais importante para controle desses danos…
3 respostas

 Carla Giacominelli
Carla Giacominelli
Fonoaudiólogo, Neurologista
São Paulo
As demências degenerativas tem como principal sintoma, a pessoa não conseguir fazer as coisas que fazia anteriormente ou seja não ser mais funcional Existem baterias de testes a serem aplicados…
3 respostas

Especialistas falam sobre Demência

A demência representa uma causa muito frequente de atendimentos médicos principalmente em idosos e muitas vezes vem cercada de medo , preconceito e desinformação. A idéia é primeiro esclarecer o paciente e família que nem todo esquecimento é demência e , principalmente , que nem toda demência é Alzheimer. A avaliação através de conversas e provas com testes e padronizados proporcionam um diagnóstico mais apurado e consequente alívio para todos . Buscamos valorizar outras chances de diagnóstico para efetuar o tratamento de base amplo e otimizar tempo de vida com participação familiar e social .bem como conforto além do uso de medicamentos ao paciente em uma visão mais ampla e humana

Avelino Missialdes Dutra Junior

Neurologista

Fortaleza


Demência é uma doença cerebral que gradualmente e em longo prazo causa diminuição da capacidade de memória e raciocínio a tal ponto que interfere com a função normal da pessoa.

Tânia Martins Do Carmo

Neurologista, Neurologista pediátrico

Goiânia


Alteração do comportamento e problemas relacionados com a memória. Necessário avaliar causa e realização de exames e testes de memória para certeza do diagnóstico para um melhor tratamento .

Sheila De Araújo Martani

Médico clínico geral, Geriatra

São Paulo

Agendar uma visita

A medida que vivenciamos o aumento da expectativa de vida, a prevalência das demências tende a aumentar com o avanço da idade. As síndromes demenciais se caracterizam pela derrocada de habilidades cognitivas causando prejuízo nas atividades rotineiras da pessoa, repercutindo na vida pessoal, social e profissional. A função comumente acometida é a memória, no entanto, para o diagnóstico de demência se faz necessário a presença de declínio de pelo menos mais uma habilidade, seja ela linguagem, praxia, gnosia ou funções executivas. As alterações dessas esferas manifestam-se de forma peculiar, conforme o tipo de demência.

Andreia Oliveira Do Carmo

Psicólogo

Goiânia


Muitos pacientes buscam a geriatria com relato de perda de memória e receio de quadros de demências. A avaliação e diagnóstico destes casos devem ser feitos por meio de uma boa anamnese, exame físico e realização de testes específicos. Durante a consulta, podemos esclarecer dúvidas e iniciar o tratamento.

Marcelle Xavier Bastos

Médico clínico geral, Geriatra

Niterói

Agendar uma visita

Diferenciar entre esquecimentos e alterações de memória "normais" daqueles decorrentes de doenças neurológicas ou clínicas. Esse atendimento se baseia na coleta de história clínica, exame neurológico, incluindo testes cognitivos e e solicitação de exames laboratoriais e de imagem, quando necessário.

Luciana Barberino

Neurologista

Salvador


As demências são perdas das funções cerebrais e têm diversas causas. A demência mais comum atualmente é a Doença de Alzheimer, que é uma doença que atinge, na maior parte das vezes, pessoas idosas. As demências geram uma série de alterações cognitivas (esquecimento, desorientação, confusão mental), de comportamentos (agressividade, irritação) e de humor (ansiedade, depressão, angústia). Assim, a demência vai além da perda de memória. Ela envolve muitas mudanças comportamentais, gerando grande efeito no indivíduo demenciado e também em seus familiares. Logo, tanto o idoso com demência quanto sua família precisam ser orientados sobre como agir diante desse quadro de doença progressiva.

Vanessa Santiago Ximenes

Psicólogo

Londrina


No transcorrer de uma síndrome demencial, todos os indivíduos apresentam sintomas neuropsiquiátricos. Agitação, alucinações, delírios, irritabilidade, ansiedade, depressão, desinibição, euforia e apatia, dentre outras alterações estão associadas a uma menor qualidade de vida e ao estresse do cuidador. O diagnóstico precoce destas alterações e o manejo preciso dos sintomas pode diminuir a velocidade do declínio cognitivo e melhorar o convívio entre o indivíduo acometido pela doença e seus familiares, evitando a institucionalização e outros desfechos negativos. Muitas vezes as alterações comportamentais precedem o declínio cognitivo, cujo diagnóstico precoce pode prevenir a demência.

Marcelo Paoli

Psiquiatra

São Paulo


Demência é uma condição em que ocorre perda da função cerebral. É um conjunto de sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida da pessoa, levando a problemas cognitivos, de memória, raciocínio e afetando, também, a linguagem, o comportamento e alterando a própria personalidade. As demências podem ser agrupadas em dois grandes grupos: as reversíveis e as irreversíveis, estas últimas também chamadas de degenerativas. O melhor exemplo de demência degenerativa é a doença de Alzheimer. Já as demências reversíveis são aquelas que, apesar de causarem danos ao cérebro, podem ter seus sintomas revertidos. Bons exemplos para esse caso são tumores cerebrais e deficiência de vitamina B12.

Avaliação para diagnóstico e/ou seguimento de pacientes com queixas de "esquecimento". Lembrando que não é porque a pessoa tornou-se idosa é normal "ficar esquecida". Há várias causas destes esquecimentos, inclusive reversíveis.

Na doença de Alzheimer e demências similares, o estimulo cognitivo tem a função de, estimular as capacidades da pessoa de modo a obter um funcionamento o mais aproximado possível da autonomia, procurando atrasar o processo demencial. Ao estimular a pessoa, pretende-se maximizar as potencialidades residuais das estruturas subjacentes à cognição, ajudando-a a compensar as suas dificuldades. Quando falamos em atividades de estimulação cognitiva, estamos nos referindo a toda e qualquer atividade que possa estimular as funções do cérebro como atenção, memória, percepção, raciocínio lógico, sensação dentre outras. O objetivo das atividades é de manutenção das funções preservadas.

Meire Maciel Rocha

Terapeuta ocupacional


Demência é deterioração progressiva, de natureza crônica, do funcionamento cognitivo ou comportamento, em intensidade suficiente para privar o paciente de sua autonomia. Perante declínio cognitivo e/ou comportamental persistentes, é imprescindível avaliar seu impacto na funcionalidade do paciente. Posteriormente deve-se excluir as causas tratáveis de demência por exames laboratoriais e de Neuroimagem. Dada a hipótese de demência Neurodegenerativa, o paciente deve ser tratado o mais precocemente possível para melhorar sua funcionalidade, sua qualidade de vida e da família. Não existem atualmente fármacos que comprovadamente retardam a progressão dessas doenças.

Rodrigo Vasconcellos Vilela

Neurologista

Belo Horizonte


Ampla experiência em tratamento e acompanhamento de pacientes com demência de Alzheimer, vascular, fronto-temporal, dentre outras.

Rodrigo Pinto Lara

Médico clínico geral, Geriatra

Contagem


Existem muitos tipo de demência. A mais comum é a Doença de Alzheimer. Trata-se de uma uma doença que afeta o sistema nervoso central interferindo principalmente na memória, porém outros domínios como linguagem, orientação e capacidade de executar e planejar uma tarefa podem estar comprometidos. Geralmente o paciente inicia com esquecimentos para fatos recentes e ao longo do tempo passa ter imensa dificuldade ou até mesmo não consegue realizar tarefas muito comuns do seu cotidiano. A Doença de Alzheimer não tem cura, porém existem medicamentos que podem ajudar a diminuir a progressão da doença. A informação ainda é a maior aliada para a melhora da qualidade de vida de pacientes e familiares.

Sibelle De Almeida Tierno

Geriatra

São Paulo


A Demência é o estado de comprometimento das funções cognitivas, com alterações de memória, capacidade de realização de atividades, dificuldades de conversação e com repetições, déficit de reconhecimento, podendo também manifestar-se com alterações de comportamento, podendo ter como diagnóstico que a justifiquem a doença de Alzheimer, a demência vascular, a demência mista (Alzheimer e Vascular), demência fronto-temporal e afasia progressiva, dentre outras, onde o correto diagnóstico permitirá uma adequada abordagem terapêutica, com melhoria das condições de vida do paciente. O diagnóstico baseia-se na entrevista, com aplicação de testes de memória e outros, além de exames complementares.

José Milton Cardoso Jr

Geriatra

Belo Horizonte


Para avaliação de uma demência faz necessário além, dos exames de neuroimagem uma avaliação neuropsicológica para se mensurar as perdas cognitivas atuais, o QI atual, e as funções cognitivas preservadas para auxilar na conduta medicamentosa, na confirmação do diagnóstico, na conduta terapêutica mais assertiva por meio de reabilitação cognitiva: treinos cognitivos e habilidades cognitivas, terapia ocupacional para auxiliar em um retardamento da progressão da doença ou menor perdas cognitivas por meio, de novas habilidades e consequentemente possíveis novos circuítos neuronais.

Julia Sereicikas Loyola

Psicólogo

São Bernardo do Campo


Demências são um grupo de doenças em que acontece uma perda da capacidade cerebral (cognitiva) do paciente. Em geral o sintoma mais comum é perda da memória. O tipo mais conhecido é a demência da doença de Alzheimer, em que a perda de memória é o sinal mais evidente. A consulta médica nestes casos é fundamental para primeiramente definir o diagnóstico, ou seja o tipo específico (para direcionar o tratamento) e também para identificar possíveis causas que sejam reversíveis, que apesar de mais raras, podem ocorrer.

Guilherme Liausu Cherpak

Médico clínico geral, Geriatra

São Paulo

Agendar uma visita

Quando devemos nos preocupar com esquecimentos, "brancos" e falhas de memória? Observe: isso ocorre com frequência? A vovó não lembra se colocou sal no arroz? Ou o vovô vai a consulta médica e não lembra das recomendações do médico? Esse processo de esquecimento pode fazer parte de um quadro de comprometimento cognitivo leve (CCL) ou pode sugerir que existe um quadro demencial em curso. Somente a perda de memória não pode caracterizar um quadro neurológico degenerativo. Ocorre perda de autonomia e maior dependência para realizar as atividades. A avaliação neuropsicológica verifica os déficits cognitivos e comportamentais e se há depressão associada ao quadro.

Elisabete Paoletti

Psicólogo

São Paulo


A Neuropsicologia é a área da psicologia e das neurociências que estuda as relações entre o sistema nervoso central, o funcionamento cognitivo e comportamento. A Avaliação Neuropsicológica possibilita o raciocínio de hipóteses diagnosticas, identifica o tipo e a extensão da alteração cognitiva, discrimina funções cognitivas preservadas e comprometidas, a presença de alteração comportamental e do humor, e como o impacto que as mesmas têm em atividades da vida diária, ocupacional, social e pessoal. Diversos transtornos podem ser avaliados juntos da Neuropsicologia: TDAH, AVC, epilepsias, cefaleia, dislexia, Alzheimer e demências, autismo, danos a partir do de substancias...

Demência é a classificação dos transtornos neurocognitivos, que inclui o Alzheimer, Demência Frontotemporal (DFT), Demência de Lewy e Demência Vascular. As causas são variadas, desde fatores como pressão alta e diabetes, a predisposição genética. O atendimento psiquiátrico para avaliação da demência consiste numa entrevista médica completa sobre sintomas, hábitos de vida, medicações em uso, identificação de doenças associadas, história familiar e exame físico/psíquico. Nas primeiras consultas e nas consultas de manutenção, são realizados testes de avaliação cognitiva e mensuração do prejuízo da memória. Além disso, alguns exames podem ser solicitados de forma complementar a consulta.

Thiago Xavier Correa

Médico de família, Psiquiatra

Brasília

Agendar uma visita

Todos vamos demenciar algum dia. Talvez seja a melhor forma de se despedir daqui, sem dor e sem sofriemento. Com o avanço da medicina passamos a viver muitos mais anos. Poucas décadas atrás morria-se por tuberculose, gripe e uma séria de doenças que hoje curamos. Vemos uma redução nas mortes por eventos cardio-vasculares e até mesmo oncológicos. Resta-nos a neurodegeneração, ou seja, o processo biológico que leva à demência. Em função disso as dinâmicas familiares mudaram drasticamente, e os filhos passaram a ser "pais" dos próprios pais. Assim como as crianças, os idosos dão trabalho. Um grande problema tem sido a super medicalização deles, enquanto pouco se faz pela prevenção.

Walter Sena

Psiquiatra

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Existe demencia senil? Não é infrequente esse termo. No meu dia dia, vejo colegas e familiares atribuindo alterações cognitivas ao envelhecimento. De acordo com DSM-V, não existe esse diagnóstico. Qualquer queixa de esquecimento deve ser investigada por um profissional especializado. O diagnóstico de demência requer que a alteração cognitiva cause dependência funcional ao idoso. Ou seja, deve impactar em atividades do dia dia.

Laís Abreu

Médico clínico geral, Geriatra

Natal


A Demência é caracterizada principalmente pela perda progressiva de memória, que se associa a outras perdas de funções cognitivas, tais como: dificuldade na linguagem (escrita ou falada), em realizar movimento, em reconhecer objetos, pessoas ou realizar atividades que outrora sabia e em funções executivas (dificuldade de planejamento, organização e abstração). A principal causa de Demência é o Alzheimer. Os fatores de risco para Demência são: idade acima de 65 anos, Hipertensão, Tabagismo, Diabetes, histórico familiar, sedentarismo e baixa atividade intelectual. O tratamento visa prover melhorar os sintomas manifestados e retardar a evolução da Demência, propiciando qualidade de vida.

Demétrius De Luna Lopes Benevides

Psiquiatra

São João del Rei


Demência é o termo utilizado para descrever os sintomas de um grupo alargado de doenças que causam um declínio progressivo no funcionamento da pessoa. É um termo abrangente que descreve a perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio, competências sociais e alterações das reações emocionais normais.

Camila Lourenço

Psicólogo

Curitiba


Demência é uma condição em que ocorre perda da função cerebral. É um conjunto de sintomas que afetam diretamente a qualidade de vida da pessoa, levando a problemas cognitivos, de memória, raciocínio e afetando, também, a linguagem, o comportamento e alterando a própria personalidade.

Henrique Barreto Rego

Médico clínico geral, Geriatra

São Paulo


Pacientes com demência apresentam perda de capacidade cognitiva (como memória, dificuldade de linguagem, alteração de comportamento, desorientação etc) associada a dificuldade de realizar tarefas que executava com facilidade anteriormente gerando um impacto negativo na qualidade de vida do indivíduo. Sua principal apresentação é pela doença de Alzheimer, mas pode ser devido a um AVC ou outras doenças que levam a perda de neurônios. Muitas vezes está relacionada a depressão. Quanto mais precoce for a sua detecção e acompanhamento, há tendência para progressão mais lenta.

Lucas Rampazzo Diniz

Médico clínico geral, Geriatra

Recife

Agendar uma visita

A demência é definida como um prejuízo progressivo das funções cognitivas, o prejuízo intelectual global é sua principal característica (memória, atenção, pensamento e compreensão). Outras funções mentais são também afetadas, entre elas: humor, personalidade, discernimento e comportamento social. A causa mais comum na população acima de 65 anos é a Doença de Alzheimer. A prevalência deste quadro vem aumentando e a incapacidade e despreparo dos familiares para lidar com ela é perceptível. O diferencial de nossa abordagem é o acolhimento do paciente, familiares e cuidadores. Orientação assertiva para o cuidado do paciente, visita domiciliar e psicofármacos fazem parte do tratamento.

A demência não é uma doença específica e sim um grupo de sintomas caracterizado pela disfunção de pelo menos duas funções do cérebro, como a memória e o discernimento.Os sintomas incluem esquecimento, habilidades sociais limitadas e habilidades cognitivas prejudicadas a ponto de interferir no funcionamento diário. Medicamentos e terapias podem ajudar a controlar os sintomas. Algumas causas são reversíveis.

Joana Lobo

Geriatra, Médico de família

Rio de Janeiro


O tratamento das doenças neurodegenerativas necessita ser pormenorizado visando principalmente o controle dos sintomas e queixas que mais incomodam o paciente e seus familiares. Como a maioria das doenças apresentam curso progressivo, apesar de sabermos que algumas causas de demência podem ser reversíveis, o mais importante é estabelecer um vínculo de confiança com a família para que o controle dos sintomas permita que o paciente e seus familiares tenham qualidade de vida.

Helena Providelli De Moraes

Neurologista

Belo Horizonte


Doenças que podem causar um declínio progressivo no funcionamento cognitivo são classificadas como demência. Os primeiros sinais para procurar uma investigação diagnóstica são: perda de memória, declínio da capacidade intelectual, alteração nas competências sociais e emocionais, dificuldade de planejamento e execução de atividades da rotina.

Demência é o termo utilizado para descrever os vários sinais e sintomas de declínio progressivo no funcionamento da pessoa. É um termo abrangente que descreve a perda de memória, capacidade intelectual, raciocínio e competências pessoais. A demência pode surgir em qualquer pessoa, mas é mais frequente a partir dos 65 anos. Em algumas situações pode ocorrer em pessoas com idades compreendidas entre os 40 e os 60 anos. Alguns sintomas comuns são: perda de memória frequente e progressiva; confusão; alterações da personalidade. O suporte é vital para as pessoas com Demência. A ajuda da família, amigos e cuidadores pode fazer uma diferença positiva na forma de lidar com a doença.

Thiago Dantas

Médico clínico geral

Campinas


A mais comum e mais conhecida de todas, a Demência de Alzheimer cursa com alteração da memória, dificuldade em reconhecer pessoas e lugares, dificuldade em realizar atividades sozinho, alteração do sono e humor. Ainda não existe cura, porém o tratamento ajuda a reduzir a velocidade de progressão da doença. Devemos ainda lembrar que existem outros tipos de demências que podem ser tratadas e revertidas. Em caso de alteração de memória, procure o neurologista e esclareça o diagnóstico.

A avaliação neuropsicológica tem sua importância quando o quadro clínico é ambíguo ou complexo, propiciando uma diferenciação precoce e confiável entre os diferentes tipos de demência, entre demência e envelhecimento normal ou entre demência e outras afecções. A avaliação neuropsicológica vem confirmar ou não a hipótese diagnóstica, e, em caso de demência, averiguar o grau e a possível etiologia, além de especificar quais são as funções cognitivas afetadas.

Rosicléa Moura

Psicólogo

Nova Iguaçu

Agendar uma visita

Por ser neurologista geral e ter feito especialidade em clinica médica previa sei e já vivi em familiares próximos a experiência de se diagnosticar e tratar de demência ,nos especialistas sabemos que a mais comum é Alzheimer e sim o tratamento é possível e necessário.. Existem outras demências como diagnostico diferencial. Diagnóstico correto muitas vezes feito com equipe multidiciplinar e o mais precoce possível. Temos que quebras ...tabus pois todos podem ajudar. Conhecer sobre doença , falar sobre o tema e sim junto ao medico tomar decisões antecipadas para melhorar a funçao deste paciente e tambêm , auxilio de seus familiares. Doença é dificil mais você não esta sozinho.

Atendimentos em Oficina de Cognoteca para todas as faixas etárias, com o objetivo de promover ao nível máximo os potenciais físico, psicológico, social e de aprendizagem estimulando capacidade criativa, autonomia e independência. A Oficina de Cognoteca é um bom programa de reabilitação neuropsicológica e por isso aconselhável nos quadros neurológicos como doença de Alzheimer, Acidente Vascular Cerebral (AVC), encefalites, doença de Parkinson, traumatismos cranioencefálicos, dentre outros e nos quadros neuropsiquiátricos como Déficit de Atenção (TDAH), Transtorno Global do Desenvolvimento, depressão e compulsões.

Maria Das Graças M De O Castano

Psicólogo, Psicopedagogo

São Gonçalo


Existem formas variáveis de demência. A maioria é progressiva e degenerativa, porém há algumas passíveis de tratamento e reversão. A terapêutica empregada vai depender diretamente do tipo de demência diagnosticado, assim como também irá variar o seu prognóstico. Pequenos esquecimentos e repetições podem ser o alerta para um processo demencial incipiente, devendo-se procurar um especialista em seus primeiros sinais. Alterações de comportamento, mudanças súbitas de humor e nos hábitos diários também podem funcionar como sinal de alerta. Exames clínicos e complementares podem apontar o diagnóstico e direcionar o tratamento. É fundamental o envolvimento da família no tratamento.

Esquecimento é uma queixa frequente e perturbadora ao paciente que procura atendimento com o neurologista. Faz parte do atendimento reconhecer as causas do esquecimento, bem como se esse esquecimento faz parte da naturalidade do dia-a-dia, ou se representa um quadro de declínio cognitivo leve, ou mesmo casos de doenças neurodegenerativas, como por exemplo a doença de Alzheimer. É importante também entender que o esquecimento é apenas um dos domínios cognitivos da mente e saber interpretar os sinais e sintomas é essencial para o diagnóstico mais apropriado do tipo de demência.

Renan Amaral Coutinho

Neurologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Demência?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.