Violência sexual - Informações, especialistas e perguntas frequentes

Especialistas em violência sexual

Encontre um especialista em Violência sexual na sua cidade:
Danielle De Castro

Danielle De Castro

Psicólogo

Nova Iguaçu

Kennedy Morais Camacho

Kennedy Morais Camacho

Psicólogo

Vitória

Ana Paula Magalhães Gouvêa

Ana Paula Magalhães Gouvêa

Psicólogo

Nova Iguaçu

Marco Antônio De Souza

Marco Antônio De Souza

Psicólogo

Itaguaí

Mônica Pereira dos Santos

Mônica Pereira dos Santos

Psicólogo

Macaé

Ana Carolina Morelli

Ana Carolina Morelli

Psicólogo

Osasco

Perguntas sobre Violência sexual

Nossos especialistas responderam a 7 perguntas sobre Violência sexual

Olá!! Muitas pessoas abusadas na infância lembram quando adultas do ocorrido. E apesar de doloroso, lembrar é positivo porque é a única forma de poder abordar e tratar as feridas emocionais.…
5 respostas

Olá! Infelizmente o abuso sexual acontece com maior frequência do que pode ser imaginado deixando marcas profundas e doloridas que podem ser amenizadas quando tratadas. Eu oriento a fazer Psicoterapia…
7 respostas

 Mariana Montes
Mariana Montes
Psicólogo
Rio de Janeiro
Qualquer psicólogo capacitado pode te ajudar, seria legal investigar essa dor também pra poder descartar doenças e ai sim entender se ela tem fundo emocional ou não. E como foi dito acima, em…
6 respostas

Especialistas falam sobre Violência sexual

A violência sexual pode provocar impacto no desenvolvimento neurobiológico e regulação da emoção, ansiedade elevada e transtorno do estresse pós-traumático (TEP). Esse transtorno faz a pessoa reviver a lembrança negativa inúmeras vezes.A recuperação do trauma sofrido pelo abuso sexual depende da idade em que a criança foi vítima, da proximidade com o autor e por quanto tempo a violência foi praticada. O comportamento dos pais após a revelação do abuso é primordial. Se a criança não se sentir acolhida pela família, terá ainda mais dificuldade em superar. Porém, quando há orientação e acompanhamento profissional, o resultado tende a ser positivo.

A violência sexual normalmente, afeta principalmente fatores psicológicos. Pessoas que já sofreram abuso sexual tanto na infância quanto na vida adulta,relatam traumas psicológicos quase irreparáveis, as marcas da violência persiste por toda a vida, caso não haja tratamento. A psicoterapia tem como objetivo dar um novo sentido a existência dessas pessoas,melhorar a qualidade de vida e reencontrar a satisfação na vida sexual.

Sebastião Nascimento

Psicólogo, Sexólogo

Manaus


É feita a entrevista inicial para a coleta da demanda e, com escuta diferenciada e acolhimento do sofrimento, bem como avaliações qualitativas para que possam ser expostas situações que, devido à intensidade do impacto na vida da pessoa violentada, em alguns casos são muito difíceis de expressar verbalmente, intervenções e orientações são feitas para que haja maior qualidade de vida diante de tal quadro. Atividades são propostas para que sejam amenizadas as sequelas. Caso haja autorização, são feitas intervenções junto à família. O sigilo psicoterapeuta/paciente é respeitado em todos os atendimentos.

Marcia Kelen Moscatelli

Psicólogo, Psicopedagogo

Sorocaba


O aceitável dentro das práticas sexuais vem sofrendo mudanças ao longo do tempo em diferentes culturas, entretanto comportamentos sexuais como Exibicionismo, Voyeurismo, Fetichismo, Sadomasoquismo, entre outros, são considerados como pratica abusiva somente quando não existe consentimento entre os pares. Na prática clínica nos deparamos com situações onde o indivíduo não sabe lidar com o seu próprio desejo, nem tão pouco com os limites impostos pela sociedade. Um dos pilares do tratamento consiste na psicoeducação sexual, na qual o indivíduo vai se conscientizar, com consequente mudança de comportamento, que toda prática sexual exige consentimento do parceiro, e que nao e nao.

Paulo Roberto Buarque De Gusmão

Psicólogo, Sexólogo

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Caracteriza-se por ato sexual ou caricias, sem que haja consentimento de uma das partes envolvidas ou em troca de favores entre pessoas em diferentes fase de desenvolvimento sexual. O abuso sexual ocorre geralmente com crianças e adolescentes, através de ameaças, violência física e, até através de convencimento. São diversas as artimanhas utilizadas pelos abusadores, alguns chegam a “pagar” crianças e adolescentes com balinha ou dinheiro para que em troca possam manter relações sexuais com a mesma. Os reflexos da violência sexual, são infinitas e precisam ser tratadas para gerar o menor dano possível na vida do sujeito violentado. É algo extremamente sofrido, dolorido e triste.

Barbara Ahlert Schneider

Psicólogo, Sexólogo

São Leopoldo

Agendar uma visita

É valido ressaltar que a violência sexual, pode trazer sintomas como tristeza, choro, medos, isolamento, mudanças de aparência, alterações do sono, comportamentos regressivos, ideação suicida e tentativa de suicídio, comportamentos regressivos, comportamentos agressivos, condutas disruptivas, conduta auto destrutiva, problemas de concentração, atenção e memória. Além de indicadores de nível sexual como masturbação exacerbada. Através da Terapia Cognitivo Comportamental, os sintomas serão amenizados, com diversas técnicas entre elas a identificação dos pensamentos disfuncionais. Com isso a pessoa terá maior qualidade de vida

Violência sexual, são atos praticados num grau e momento em que uma das partes esteja vulnerável ou em desacordo. Causam feridas e mágoas profundas necessitando de acolhimento, reatualização dos fatos e cura emocional. Além disso, há um processo de luto a ser elaborado, onde análise tem papel importante de apoio, direcionamento e espaço propício para que assuntos delicados e importantes à pessoa tenham possibilidade de serem colocados sem riscos e sem exposição desnecessária.

Eliezer Zulianeli Andrade

Psicanalista

Natal


No caso de violência sexual, a pessoa sempre se considera culpada, suja, etc, o primeiro passo é mostrar que a pessoa não teve culpa de estar naquele lugar, naquele momento. Em seguida ajudar a enfrentar a vida e superar o trauma.

O meu trabalho com a violência sexual veio com projetos de capacitação da rede pública de São Paulo para o enfrentamento da questão. E então, desde 2006-2007, passei a receber inúmeros pacientes que enfrentaram tal problema. O trabalho com o sujeito que sofre a violência envolve o que lhe cabe fazer com experiência vivida. Sentimentos de culpa, ambivalência (amor e ódio pela agressor ou pelas pessoas que podiam tê-lo protegido) são trabalhados. Com isso, vai se diminuindo a intensidade da angústia e impotência e se resgatando a capacidade de fazer valer o próprio desejo e de se posicionar frente aos demais, criando uma rede de proteção e enfrentamento.

Após encontrar a lembrança do evento vivido que gerou o trauma do abuso sexual é preciso primeiro tirar mágoas, ressentimentos, medos, tristezas e outros sentimentos ruins que acompanham a lembrança. Após essa limpeza de emoções, o próximo passo para superar traumas de infância é a ressignificação da lembrança, ou seja, o hipnoterapeuta irá guiar a pessoa para que ela consiga modificar a lembrança. Essa modificação é realizada para que a lembrança não mais afete a pessoa como antes, assim, é possível superar o trauma e reverter as consequências que ele causou à vida da pessoa.

É toda situação em que uma crianças ou adolescente é usado para gratificação sexual de pessoas mais velhas. As práticas geralmente são impostas às crianças ou adolescentes, através de violência física, ameaças, ou em alguns casos, induzindo-as, convencendo-as para sua satisfação sexual. Síntomas: Mudanças extremas de comportamento. Comportamentos regredidos (choro excessivo, enurese, chupar o dedo). Transtornos alimentares e de sono. Distúrbios de aprendizagem. Agressividade ou apatia Sentimento de inferioridade e necessidade de agradar. Interesse súbito por questões sexuais, masturbação compulsiva, jogos sexuais. A terapia através do lúdico, jogos e desenhos é o tratamento ideal.

Quais profissionais tratam Violência sexual?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.