Distúrbios alimentares - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que são transtornos alimentares?

Vamos nos referir à anorexia nervosa e à bulimia nervosa, transtornos alimentares mais freqüentes. Falamos de anorexia nervosa quando uma pessoa tem uma necessidade urgente de perder peso, mesmo quando seu peso está entre 15% e 60% abaixo do que corresponderia à sua idade, sexo e altura. Aqueles que sofrem deste distúrbio, geralmente são mais mulheres do que homens sentem "terror" ao ganho de peso, embora sejam extremamente magras. Geralmente não se acham magras porque distorcem a percepção da imagem corporal. Esta extrema magreza tem problemas graves, como a amenorréia (interrupção da menstruação) e pode levar à morte.

Pacientes com bulimia passam por fases onde há grande necessidade de comer de forma excessiva e descontrolada. Como elas se sentem gordas, essas pessoas vomitam para perder peso e tomam laxantes e diuréticos. No  exercício físico também tendem a exagerar.

Três em cada 10 casos  pacientes com anorexia nervosa também, ocasionalmente, comem muito, e depois vomitam, como na bulimia.

Quem sofre de distúrbios alimentares?

Estudos mostram que 9 em cada 10 casos ocorrem em mulheres. Eles tendem a ser perfeccionistas e pessoas com um ambiente familiar, especialmente exigente. Esses distúrbios são mais comuns nas sociedades industrializadas. Em termos de idade de início, anorexia começa geralmente entre 14 e 18, enquanto bulimia aparece depois de 20 anos de idade.

Recentemente, tem havido cada vez mais casos diagnosticados da chamada "Ortorexia", consistindo de obsessão patológica por alimentos biologicamente puros.

Quais são as causas dos transtornos alimentares?

Parece não haver uma única causa, mas sim um acúmulo de fatores que desencadeiam estas doenças. A verdade é que as pessoas afetadas pela anorexia e bulimia estão acima do peso, com excesso de gordura e estão insatisfeitos com isso. Entre os fatores que podem desencadear anorexia e bulimia destacamos os seguintes:

  • Pode haver uma predisposição familiar.
  • Uma pesquisa recente concluiu que a vulnerabilidade a desenvolver um distúrbio alimentar é determinada por fatores genéticos e ambientais, embora o primeiro parece ter maior peso.
  • Também podem ser fatores biológicos envolvidos.
  • São mais propensas a sofrer desses distúrbios quem têm uma personalidade perfeccionista, ambiciosa e rígida.
  • As pessoas são muitas vezes insatisfeitos com sua saúde física e baixa auto-estima.
  • São mais prováveis ??para as pessoas que vivem em mídias, quando se lhe santificou o  sucesso e precisa ter controle sobre si mesmo.
  • Pode ocorrer em adolescentes passando por momentos de incerteza sobre sua orientação sexual.
  • Mídia fortemente influenciados em nossa sociedade. Refletem o protótipo da pessoa vencedora e desejável Atraente, Atlético e vê sua dieta. Vemos isso nos modelos, grandes estrelas e as pessoas que aparecem na mídia.

Quais são os seus sintomas?

Sintomas de anorexia nervosa

  • Medo intenso de ganhar peso e são obcecados com isso.
  • Perder o senso da realidade da própria imagem corporal. Elas são gordas, quando na realidade eles são esqueléticas.
  • Evitam comer, na medida do possível. Plano de dieta espartânico.
  • Desaparece a menstruação (amenorreia).
  • Sentem tonturas frio, ou desmaio.
  • Podem sofrer de desnutrição e doenças físicas do sistema circulatório, fígado, rim, dor abdominal, problemas dentários e de cabelo.
  • Sofrem grandes oscilações no humor.
  • Em três de cada dez casos, adicione também os sintomas de bulimia.
  • O paciente, em casos extremos, pode morrer de desnutrição.

Os sintomas da bulimia nervosa

  • Um medo enorme de engordar e são obcecados com isso.
  • Sentem-se inevitável compulsão em alimentos sem preenchimento.
  • Após a farra, vomitam ou tomam laxantes e diuréticos para evitar ganho de peso.
  • A compulsão alimentar muitas vezes ocorre após períodos em que eles têm seguido uma dieta rigorosa e em situações de ansiedade, depressão e stress. Em primeiro lugar obter um grau de satisfação, mas depois eles criam sentimentos de culpa, de modo que vomitam, etc.
  • Muitas vezes, vergonha de seu comportamento, o que os leva a esconder.
  • Problemas são comuns na faringe e dentes, devido aos efeitos de vômitos constantes.
  • Em casos graves, há uma falta de minerais que pode afetar vários órgãos.
  • Muitas vezes elas têm feridas nas costas da mão, causado pelos dentes para induzir o vômito. Este pode ser um sinal que necessitam da ajuda do médico, parentes ou amigos para identificar o caso.

O que podemos fazer para prevenir e tratar esses transtornos?

Quanto à prevenção, não sobrecarregar os nossos filhos. É conveniente falar abertamente e informá-los sobre o peso, a linha de beleza e assim por diante. Aos primeiros sinais de preocupação, consulte um médico.

O principal apoio que eles vão encontrar aqueles que sofrem de transtornos alimentares é a sua família.

Para iniciar o tratamento, o paciente deve querer ser e está satisfeito. Pacientes com bulimia tendem a ser mais entusiasmados quando começam o tratamento, mas depois volta com freqüência.

No caso da anorexia nervosa, a prioridade é que o paciente recupere o peso. Eles planejam uma dieta que irá incorporar as calorias gradualmente. De acordo com o peso do paciente se recupera, menor a necessidade de supervisão. Esta fase provavelmente deve ser feito em ambiente hospitalar, para gerenciá-lo adequadamente.

Quando o paciente com anorexia nervosa recupera seu peso, é desejável estabelecer psicoterapia. O especialista pode usar a psicoterapia individual, grupo ou ambos, dependendo das características do paciente. Através de psicoterapia, procura informar-se sobre todos os aspectos da sua doença e suas consequências negativas. Procura incentivar e aumentar o acompanhamento da dieta prescrita e exercido autocontrole habilidades. Também levar ao aumento da auto-estima. A psicoterapia pode durar meses, conforme o caso.

Às vezes é útil o uso de medicamentos antidepressivos, que melhoram o humor em pacientes com ambos  anorexia e bulimia.

No caso da bulimia, você também pode precisar  ser hospitalizado.  Os objetivos da psicoterapia são semelhantes às descritas para a anorexia.

É desejável que a família, o principal suporte do doente, obter ajuda e informações. Pode ser útil para ir para as associações de famílias. O paciente, família e amigos podem ajudá-lo a seguir a dieta, fornecer suporte para superar as atividades diárias e, principalmente, deve dar-lhe muito amor.

Não vamos negligenciar se observarmos qualquer evidência de pensamento ou tentativa de suicídio.

Como recursos de saúde, é o médico, com a família, que deve aconselhar o paciente a vários dispositivos de assistência (unidades especializadas, hospitais, creches, ambulatórios, etc.) Onde profissionais diferentes cumprem seu papel como o tempo e o caso. O acompanhamento e a continuidade dos cuidados são essenciais para prevenir recaídas.

Especialistas em distúrbios alimentares

Encontre um especialista em Distúrbios alimentares na sua cidade:
Renata Camargo

Renata Camargo

Psicólogo

Camaquã

Ana Larissa Marques Perissini

Ana Larissa Marques Perissini

Psicólogo, Sexólogo

São José do Rio Preto

Andressa Mara Netto

Andressa Mara Netto

Psicólogo

Cristiany Moura Oliveira Lisita

Cristiany Moura Oliveira Lisita

Psicólogo

Goiânia

Ana Amélia de S. Pereira Piske

Ana Amélia de S. Pereira Piske

Psicólogo

Vitória

Rozei Maria Alves dos Santos

Rozei Maria Alves dos Santos

Psicólogo

Rio de Janeiro

Perguntas sobre Distúrbios alimentares

Nossos especialistas responderam a 25 perguntas sobre Distúrbios alimentares

Você dentro da terapia já entendeu o motivo dessa falta de apetite? seria interessante talvez procurar a hipnose para trabalhar algumas coisas que podem estar ocorrendo em seu inconsciente caso…
13 respostas

Sempre importante fazer o acompanhamento do profissional Nutricionista que pode estas avaliando se a alimentação e a quantidade estão dentro do recomendável para seu tipo físico.
5 respostas

 Cristine Pucci
Cristine Pucci
Psicólogo
Rio de Janeiro
Quando se trata de algum distúrbio alimentar, o diagnóstico é sempre muito delicado, pois está muito interligado com o que a pessoa absorveu de experiências em sua vida, como ela interpretou…
11 respostas

Especialistas falam sobre Distúrbios alimentares

Dificuldade em manter uma dieta saudável e excessiva e constante preocupação com a comida e o peso. Distúrbios alimentares podem ser originados de hábitos alimentares negativos ocasionando a redução extrema ou consumo em excesso de alimentos.

A dificuldade de se alimentar de maneira prazerosa e saudável vem sendo pensada por inúmeros profissionais da área da saúde e isso inclui os psicólogos, afinal, são muitos os pacientes que encontram profundas dificuldades de se organizar nesse ponto. O psicólogo pode junto ao paciente ajudá-lo a pensar em toda sua organização de vida e no verdadeiro significado da comida para o paciente.

Daniel Rodrigues Da Silva

Psicanalista, Psicólogo

Araraquara

Agendar uma visita

Distúrbios alimentares são alterações disfuncionais no comportamento de comer. O objetivo da psicoterapia é identificar aspectos psicológicos relacionados aos transtornos alimentares, como anorexia, bulimia e compulsão alimentar. O comer transtornado pode estar relacionado a padrões comportamentais de baixo autocontrole, elevada impulsividade e exigência, e pouca tolerância a frustração. A partir de um trabalho conjunto entre psicólogo comportamental, nutricionista e psiquiatra, o cliente terá mais chances de sair de quadros de risco e aprender a se alimentar de forma não patológica.

Vanessa Santiago Ximenes

Psicólogo

Londrina


São distúrbios psiquiátricos caracterizados por alterações no comportamento alimentar. O distúrbios mais frequentes são a bulimia, anorexia e compulsão alimentar periódica. Atualmente há incidência de novos distúrbios como a vigorexia, ortorexia e também a drunkorexia. Esses distúrbios provocam enormes problemas físicos e emocionais. A psicoterapia é extremamente importante nesses casos conjugado eventualmente com tratamento psiquiátrico.

Luciana Milfont

Psicanalista, Psicólogo

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Atualmente vivemos em uma sociedade onde o culto pela beleza e a felicidade está bastante evidente. As pessoas observam em suas redes sociais e acompanham vidas que não existem na realidade, mas mesmo assim, a desejam, e sofrem com isso, buscando artifícios para o tão sonhado ideal, este, nunca alcançado, gerando muitas decepções.. A terapia pode te ajudar nesse processo de aceitação.

Niliane Maria De Brito Alves

Psicólogo

Salvador


Nos transtornos alimentares, a necessidade e o desejo adquirem uma condição patológica. Nessas patologias, observamos "maus tratos"infligidos ao corpo, principalmente nos casos em que há predomínio de ansiedades primitivas como as anorexias/bulimias e na obesidade mórbida. O ser humano busca a satisfação do desejo e da necessidade.

A comida exerce muitas vezes o papel de acolhimento e recompensa. Exemplo: comer muito doce depois de um término de relacionamento e descontar o estresse na comida. Ela não cobra, é saborosa, dá prazer e preenche um vazio, que não é apenas relacionado à fome. É importante pensarmos sobre o papel da comida na nossa vida e de que outras formas podemos trazer para o consciente esses sentimentos reprimidos. A terapia pode te ajudar a entender melhor essa relação e ter mais qualidade de vida.

Sara Bastos Barroso

Psicólogo

Fortaleza


Segundo a Sociedade Brasileira de Psiquiatria Clínica (SBPC), a cada ano milhões de pessoas desenvolvem graves transtornos do comportamento alimentar. Uma das razões que tornam essas pessoas mais vulneráveis a transtornos alimentares é a tendência de fazerem rigorosos regimes para obterem uma “silhueta ideal”, podendo desenvolver um quadro de bulimia nervosa ou anorexia nervosa. que inclusive já acometem nossas crianças. Por outro lado temos a obesidade que aliada a uma personalidade ansiosa e com baixa auto-estima pode levar a depressão. Estudos na área afirma que a combinação de terapia cognitivo-comportamental e medicamentos antidepressivos podem ser bastante eficazes.

Compulsão Alimentar é um distúrbio alimentar que me deparo com frequência no consultório, e detectando isso no paciente é necessário saber utilizar criteriosamente a estratégia na hora de montar o cardápio alimentar.

Denise Ramos

Nutricionista, Psicanalista

Brasília


Os hábitos alimentares estão ligados à identidade de cada povo, e, portanto relacionados aos mitos, à cultura específica e às estruturas sociais. As condutas alimentares se individualizaram e se automatizaram nos dias de hoje, fomentando os transtornos que visam uma grande variedade de patologias alimentares que vão da infância à idade adulta, se apresentando por meio de sintomas comuns do cotidiano, chegando na doença que pode se agravar, podendo levar à morte. Deste modo, podemos demonstrar esses transtornos como o reflexo da falta ou excesso de afetos na origem, apoio na devoção do corpo, o medo do envelhecimento e da morte, confirmam a recusa ou excesso onde as relações se constituem.

Fabiana Benetti

Psicanalista

São Paulo

Agendar uma visita

Dentre elas, tem a Compulsão Alimentar, que a característica mais comum de quem sofre com esse transtorno é a ingestão de alimentos de forma exagerada. Muitas vezes está associada a ansiedade, que logo em seguida se traduz em um sentimento de culpa e tristeza. A pessoa é tomada de ansiedade crescente e encontra na alimentação exagerada essa válvula de escape temporária. A terapia cognitivo comportamental atua na reeducação alimentar e visa adaptar pensamentos e emoções, que resultarão na melhoria do comportamento dia após dia. O tratamento consiste em uma mudança comportamental. Entre os transtornos de alimentação (TA) existem também: Anorexia ,Bulimia, Vigorexia, Ortorexia, Drunkorexia.

Fabiana Gandolfo

Psicólogo

Rio de Janeiro


Distúrbios alimentares: Anorexia nervosa – (restrição fixo de ingestão de alimentos), bulimia nervosa – (uso exagerado de alimentos calóricos seguido de cenas de indução a vômitos, uso de laxantes, diuréticos, jejum e prática árdua de atividade física), compulsão alimentar – (necessidade de comer mesmo sem estar com fome, ânsia por grandes quantidades de comida em curto espaço de tempo), hipergafia - (provém de eventos traumáticos), ortorexia – (obsessão pela dieta correta), alotriofagia – (necessidade de usar alimentos não nutritivos: terra, tecidos, etc.) e vigorexia (busca pelo corpo perfeito). Em todos os casos é sugerido acompanhamento médico, psicológico, nutricional e medicamentos.

Francisca Barros

Psicólogo

Guarulhos


Dentro dos transtornos alimentares a gente tem: anorexia, bulimia e as compulsões alimentares. A compulsão alimentar é a mais comum na minha experiência. Eu como psicóloga, percebo que é uma raiva colocada pra dentro que volta com a compulsão pelos alimentos. Geralmente a crise de Compulsão Alimentar aparece depois de um momento intenso de raiva. O trabalho emocional é vasto, desde entendermos as emoções, percorrendo um caminho que mudará sua relação consigo, buscando consciência do que está se dando com esse comportamento? Conforto? Permissão? Enfim, é um longo trabalho e quanto antes começarmos, antes trará bons resultados.

Fabiana Fuchs

Psicólogo

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Os sintomas dos Distúrbios Alimentares são: culto excessivo ao corpo, maus hábitos alimentares, distorção da imagem corporal, auto estima baixa, sentimento de culpa, questões hormonais e distúrbios emocionais.

No tratamento psicanalítico, a atualização dos processos primários exalta o lugar da oralidade alimentar e da imagem da obesidade. É a constituição de um espaço interior que, finalmente, vem assegurar as condições de uma nova imagem narcísica e é a partir daí que o paciente pode encontrar seu regime alimentar equilibrado e as atividades físicas e esportivas que lhe convêm, sem atribuir ao exterior a solução de todas as suas dificuldades psíquicas.

Hudson Augusto Rodrigues Bonomo

Psicanalista

Rio de Janeiro


Os Transtornos Alimentares, além dos problemas físicos que causa, vêm atrelados a fortes questões psicológicas que levam o indivíduo a piorar muito suas condições de vida e saúde. Na psicoterapia com essa demanda são trabalhadas questões ligadas à autoimagem, autocuidado, confiança/insegurança, relações familiares, etc.

Jamille Façanha

Psicólogo

Fortaleza


Entre os distúrbios alimentares acompanhados pelo gastroenterologista, muitas vezes em parceria com a psiquiatria e a nutrição, destacam-se a Anorexia e a Bulimia Nervosa. São transtornos que podem evoluir com consequencias dramáticas como desnutrição e depressão. Por outro lado, o transtorno de Compulsão Alimentar pode levar à Obesidade e suas complicações.

Adriana Ribas Andrade

Gastroenterologista

Salvador


Disfunção alimentar, ou transtorno alimentar, é um termo amplo usado para designar qualquer padrão de comportamentos alimentares que causam severo prejuízo à saúde de um indivíduo. São considerados como patologias e descritos detalhadamente pelo CID 10, DSM IV e pela OMS. .. Os distúrbios alimentares na adolescência aparecem frequentemente, mas também podem se desenvolver durante a infância ou mais tarde na vida. Estes distúrbios geralmente coexistem com outras doenças como a depressão o abuso de substâncias ou a ansiedade. Em terapia levamos ao cliente e a família ao entendimento que um transtorno alimentar precisa ser tratado.

Vivemos atualmente em uma sociedade na qual é muito comum encontrarmos pessoas com distúrbios alimentares, a preocupação com o "corpo perfeito", além do estresse e frustrações podem resultar em psicopatologias. Anorexia, Bulimia, Ortorexia, Pica e Vigorexia são alguns quadros clínicos que causam sofrimento psicológico e físico significativo, sendo que o paciente precisa de tratamento e rede de apoio. Segundo o DSM V, obesidade também é considerada um transtorno psíquico, da mesma forma causa sofrimento e prejuízos. Devido a isso, o tratamento psicológico junto com a equipe multidisciplinar é imprescindível para uma melhora significativa.

Distúrbios alimentares acarretam tanto sintomas físicos quanto psicológicos, com origem na formação e no desenvolvimento da pessoa. Um tratamento precisa dar conta desses dois campos. Pacientes com transtornos alimentares de anorexia e bulimia apresentam crenças distorcidas e disfuncionais acerca de peso, formato corporal, alimentação e valor pessoal. Hoje em dia, pode-se falar que a obesidade é o transtorno alimentar mais frequente. Mudar hábitos alimentares e a relação com a comida pode não ser tão simples, e a Psicologia é uma grande aliada nesse processo de mudança, foi o que experienciei no Hospital das Clínicas em SP no AMBULIM, Laboratório de Anorexia, Bulimia e Compulsão Alimentar.

Cristine Pucci

Psicólogo

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

O estresse da vida cotidiana tem impactado de forma extremamente negativa a vida das pessoas, seja pela falta de disponibilidade para ficar com a família, seja pela correria do dia a dia ou pela sobrecarga e pressão do trabalho. A busca por produtividade tem prejudicado nossas emoções a todo momento. Como conforto, buscamos coisas que nos deem prazer.... e a comida é uma delas! Acabamos por preencher um vazio na qual sentimos. O alimento acaba sendo nossa rota de fuga... e com isso, acabamos ganhando peso e deprimindo ainda mais nossa auto-estima. Mas calma, tudo tem solução! Apenas precisamos reaver o nosso relacionamento com o alimento e tudo voltará ao normal com poucos ajustes!

Os distúrbios alimentares ou transtornos alimentares são caracterizados por perturbações no comportamento alimentar, que podem levar a obesidade ou a um emagrecimento extremo. Existem vários fatores para que isso ocorra: fatores biológicos,psicológicos, familiares e principalmente sócios-culturais. O tratamento consiste em restaurar o comportamento alimentar adequado,reconhecendo e aprendendo a lidar com os sentimentos e emoções que levaram ao transtorno,trabalhando a auto estima e tudo que ela envolve.

Quais profissionais tratam Distúrbios alimentares?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.