Pólipos do intestino grosso (cólon e reto) - Informações, especialistas e perguntas frequentes

O que é um pólipo do intestino grosso?

O crescimento do tumor é benigno (não-canceroso) na superfície interna do intestino grosso (cólon e reto). Variável, pode ter um diâmetro de 2 mm a 5 cm ou mais.

Normalmente, sua aparência é a de uma ervilha ligada ao resto do intestino por uma haste de células normais. O tipo de células que formam o pólipo são identificados como susceptíveis de se tornarem câncer.

Tipos de pólipos

Pólipos adenomatosos e metaplásicos

O tipo mais comum é o pólipo metaplásico (as células alteradas de um tipo para outro, mas são normais). Normalmente não superior a 5 mm de diâmetro e o risco de se tornarem malignos (câncer) é insignificante. O aparecimento desses pólipos é bastante semelhante ao pólipos adenomatosos, o tipo mais comum, eles têm risco de se tornar maligno. 50% dos indivíduos com mais de 60 anos têm pelo menos um adenoma mais de uma polegada de diâmetro na cólon.

Há uns tipos mais raros de pólipos outros como:

Pólipos juvenil:

São lesões solitárias que afetam 1-2% das crianças mais velhas e adolescentes. Um pólipo isolado é sem risco, mas se eles são hereditários e múltipla (cerca de um terço dos casos), o risco de desenvolver câncer de cólon é de 10%. Neste caso é necessário o acompanhamento após a excisão das lesões.

Familial coli polipose

(Polipose adenomatosa familiar)

implica a existência de centenas de pólipos no intestino grosso eo aparecimento de câncer de cólon em uma idade jovem se não forem removidos preventivamente.

Pólipos de Peutz-Jeghers:

associados com o aparecimento de manchas marrons nos lábios com leite. Pólipos são um tipo especial chamado hamartomatosa, com o risco, mesmo que baixo, a ocorrência de câncer. Isso equivale a cerca de 5% por pólipo, indicando a necessidade de sua remoção antes de malignidade. O número de pólipos pode variar de 1 ou 2 e mais de 20. As lesões também podem ser encontradas no intestino delgado, tornando-os mais difíceis de diagnosticar porque eles não são acessíveis à navegação com endoscópios de fibra ótica convencional. Pólipos do intestino delgado pode causar sintomas de obstrução intestinal (obstrução do intestino) ou dor abdominal. Para diagnosticar é recorrer a raios-X com contraste (bário) previamente ingeridos por via oral. O tratamento geralmente envolve a remoção cirúrgica da porção do intestino grosso, onde o pólipo se encontra.

Pólipos inflamatórios:

Surgem como uma complicação da doença inflamatória crónica do intestino (colite ulcerosa e doença de Crohn), com envolvimento do cólon. Eles são totalmente inofensivos, mas às vezes pode ser confundida com pólipos adenomatosos.

Cronkhite-Canadá síndrome:

Esta é uma doença muito rara, caracterizada pelo aparecimento de pólipos no cólon hiperpigmentação da pele e atrofia das unhas. Aparece em indivíduos de meia idade e não é hereditária. Tem sido associada com a absorção intestinal prejudicada e parece responder ao tratamento com vitamina E.

O que causa os pólipos?

A maioria dos pólipos, com exceção de pseudopólipos inflamatória, são causadas por uma mutação genética (alteração do DNA) em células da mucosa intestinal (camada de tecido que reveste o intestino). Para essas células, resultando em câncer provavelmente terá que ocorrem cerca de 5 mutações. Pólipos benignos geralmente têm apenas um. A verdade é que as modificações do DNA ocorrem com muita freqüência. Mesmo em indivíduos saudáveis, 10% das células da mucosa mostrou mudanças significativas dos cromossomos. Na maioria dos casos, estas células alteradas passam por um tipo de "programados morte" apoptose chamado e são eliminados com as fezes.

Pólipos adenomatosos, mesmo em indivíduos que não têm polipose familiar sofrem mutações em ambas as cópias (um de origem materna e paterna um) gene polipose adenomatosa do cólon. Quando todas as células de uma perturbação show individual das duas cópias aparece polipose adenomatosa familiar.

Quais são os sintomas?

Normalmente não causam sintomas. O sinal mais comum é o aparecimento de sangue por reto. Se a lesão é suficientemente grande, digamos 2 cm, pode causar um grau de obstrução do cólon, o que faz com que ela contrato para expelir vão (peristaltismo) e isso dá origem a dor abdominal (cólica). Alguns pólipos, chamados peludos na aparência, induzir uma diarréia aquosa que pode causar perda de força muscular, eliminando muitas das quantidades de potássio nas fezes.

Como são diagnosticadas?

Na maioria das vezes eles são observados diretamente durante uma colonoscopia. Endoscopistas experientes podem diferenciar entre pólipos adenomatosos metaplásicas  apenas observando a sua aparência. No entanto, a confirmação deve ser feita pelo estudo microscópico de biópsias (pequenos pedaços de tecido) ou pólipo completa. Neste caso, o microscópico (patológico) pode verificar o estado evolutivo do pólipo e, se o câncer ocorreu, a sua extensão.

Às vezes, pólipos assintomáticos podem ser encontrados por enema de bário (estudo radiológico contrastado introduzida no reto através de um tubo) em pacientes com transtornos da função intestinal (cólon irritável). Eles também podem ser vistas durante a colonoscopia ou sigmoidoscopia em um programa de diagnóstico precoce.

Qual é o tratamento?

Polipectomia

A maioria dos pólipos pode ser removido no momento da colonoscopia e sedado paciente. Isso introduz um anel especial através da conduta colonoscópio. Um loop é apertado em torno da haste do pólipo e queimaduras, aplicando uma corrente elétrica (eletrocautério). Isto é feito para coagular os vasos sanguíneos que passam pelo pedúnculo do pólipo. O procedimento é indolor, pois as fibras nervosas no cólon só respondem ao alongamento. Uma vez removido é enviado para o laboratório de patologia para exame microscópico. Embora seja um cofre, há algum risco de perfuração da parede intestinal, que ocorre em uma em 300 polipectomias e sangramento em 100 polipectomias. O sangramento geralmente regride espontaneamente e raramente requer transfusões de sangue têm sido produzidos por perda excessiva de sangue. Na maioria dos casos, a broca requer cirurgia para fechar o buraco na parede do intestino, embora em alguns casos pode não ser necessário.

Cirurgia

Quando o pólipo é muito grande para remover por via endoscópica, como em pólipos  com um diâmetro maior que 4 cm ou não tem tronco bem definido e sua base é larga, a cirurgia é a única escolha como a endoscopia é um grande risco de produzir complicações como perfuração de sangramento, ou ressecção incompleta. Esses pólipos também têm o maior risco de conter as células se tornam malignas. A operação envolve a abertura do abdômen, removendo o segmento do intestino contendo o pólipo e reconexão (anastomose) das duas extremidades cortadas. Alguns pólipos grandes localizada no reto podem ser ressecados através do ânus, sem precisar abrir a cavidade abdominal.

Qual é o seguimento após polipectomia?

Quando um pólipo foi completamente removido não há risco de voltar. No entanto, alguns indivíduos têm uma tendência a desenvolver novas lesões, por isso novas podem aparecer após polipectomia. Quando um indivíduo tem mais de 4 pólipos ou uma das mais de 1 centímetro de diâmetro ou um pólipo com células anormais (visto no exame microscópico, com sinais de displasia celular), o risco de novos pólipos e câncer forçado a fazer colonoscopias de vigilância, repetidamente, para o diagnóstico precoce. Não há consenso sobre o timing destas colonoscopias, mas é geralmente aceite repetição a cada 5 ou 6 anos.

Posso impedir pólipos?

Embora tenha sido argumentado que mudanças na dieta podem prevenir a ocorrência de pólipos do cólon não foi provado até agora a sua eficácia. Apenas alguns medicamentos (anti-inflamatórios), tais como sulindaco, que inibem uma enzima (proteína que acelera reações químicas) chamado ciclo-oxigenase, são úteis para diminuir o desenvolvimento de pólipos. No entanto, essas drogas reduzem o número de pólipos que se desenvolvem, mas não corrigir a sua tendência a recorrer. Então, se os pólipos são múltiplos e muito grande administração sulindaco não é suficiente para descartar a colonoscopias de seguimento.

Qual é o prognóstico?

Pólipos metaplásicas:

nenhum risco significativo de degenerar em cancro. Mesmo se não forem removidos, eles raramente causam problemas. Apenas a aparência de muitos pólipos metaplásicas (mais de 50) pode estar associada a um risco ligeiramente aumentado de câncer.

Pólipos adenomatosos:

todos os pólipos adenomatosos podem se transformar em câncer, embora o risco de um pólipo único é muito baixo, mesmo se não forem removidos. Na idade de 60 anos, 50% da população tem um ou mais pólipos deste tipo e ainda assim apenas 6% irão desenvolver câncer. A remoção (polipectomia) assegura que não haverá risco de malignidade em um pólipo adenomatoso. Mas se isso ocorreu, o procedimento pode ser suficiente para curar o paciente se as células não se espalharam além do tronco. Agora, isso não é garantia de que nenhum outro ferimento ocorrer. O risco de recidiva (recaída) é maior se houver pólipos identificados tinha mais de 1 cm de diâmetro, se o paciente tinha 4 ou mais ou se alguém tinha alterações pré-cancerosas no estudo microscópico (displasia grave). Portanto, nestes casos é necessário realizar colonoscopias de vigilância.

Polipose adenomatosa familiar:

o diagnóstico de polipose adenomatosa familiar deve ser considerado se virmos mais de cem pólipos adenomatosos. A menos que você execute uma colectomia (remoção preventiva dos dois pontos) ou proctocolectomia (remoção do cólon e reto) como profilático, a ocorrência de câncer de cólon é praticamente certa.

Pólipos juvenil:

se eles são únicos e não são completamente removidos associados com um risco aumentado de desenvolver câncer. Se vários, pode indicar a existência de uma síndrome de polipose familiar juvenil, que por si só aumenta o risco de câncer de cólon (aproximadamente 10%), mas também no estômago e duodeno. Assim, estudos são necessários para o diagnóstico precoce. Estes consistem em uma análise das fezes para sangue oculto dele determinação (sangue não visível) a cada ano e sigmoidoscopia a cada 3-5 anos.

Peutz-Jeghers:

está associada a um risco aumentado de câncer do cólon e do intestino delgado. No entanto, nenhum acordo existe sobre a sua quantificação. Parece que 50% dos pacientes desenvolvem câncer se não for cuidadosamente vigiados. Com a disponibilidade crescente de estudos endoscópico é susceptível  diminuir a incidência de câncer nesses pacientes com o tratamento precoce de pólipos.

Grupos de Apoio

Associação Espanhola Contra o Cancro: http://www.aecc.es

Especialistas em pólipos do intestino grosso (cólon e reto)

Encontre um especialista em Pólipos do intestino grosso (cólon e reto) na sua cidade:
Fernanda Pessorrusso

Fernanda Pessorrusso

Cirurgião geral, Endoscopista

Jundiaí

Alexandre Lopes de Carvalho

Alexandre Lopes de Carvalho

Coloproctologista

Salvador

Lucas Maradei Carneiro de Rezende

Lucas Maradei Carneiro de Rezende

Cirurgião geral, Coloproctologista

Uberlândia

Paula Alves da Conceição

Paula Alves da Conceição

Coloproctologista

Niterói

Anderson Freitas Silva

Anderson Freitas Silva

Endoscopista

São José dos Campos

JOAO FRANCISCO DE SOUZA

JOAO FRANCISCO DE SOUZA

Cirurgião geral

Mafra

Perguntas sobre Pólipos do intestino grosso (cólon e reto)

Nossos especialistas responderam a 277 perguntas sobre Pólipos do intestino grosso (cólon e reto)

São alterações microscópicas de pólipos que foram retirados, ou seja, lesões benignas que demandam seguimento conforme o tamanho e a quantidade encontrada. Procure um especialista Lara maiores…
1 respostas

Dr. Marcos Jose Prado Alves
Dr. Marcos Jose Prado Alves
Cirurgião geral, Médico clínico geral
São Paulo
Deve aguardar o resultado da biopsia para se poder diagnosticar com precisão .
1 respostas

Dra. Renata Bandini Vieira Guglielmi
Dra. Renata Bandini Vieira Guglielmi
Cirurgião geral, Coloproctologista
São Paulo
Boa tarde!
A classificação de Yamada tem a ver com o formato do pólipo e polipecomia quer dizer que ele foi retirado. A informação mais importante é o tamanho do pólipo e qual o resultado…
1 respostas

Especialistas falam sobre Pólipos do intestino grosso (cólon e reto)

São diagnosticados e tratados pelo exame de colonoscopia e eventualmente por cirurgia videolaparoscopica.

Paulo Machado Do Couto Soares

Coloproctologista, Endoscopista

Nova Iguaçu

Agendar uma visita

Tratamento de polipos por colonoscopia ou retossigmoidoscopia, incluindo mucosectomia endoscopica nos casos mais complicados diminuindo a necessidade de procedimento cirurgico.

Marison Koji Uratani

Cirurgião geral, Coloproctologista

Londrina


O pólipo intestinal é uma alteração causada pelo crescimento anormal da mucosa do intestino grosso (cólon e reto). É uma das condições mais comuns que afeta o intestino, ocorrendo em 15 a 20% da população, podendo aparecer em qualquer parte do intestino grosso. Quando provocam sintomas, podem provocar sangramento, saída de muco com as fezes e alterações no funcionamento do intestino. Porém, na maioria das vezes não apresentam sintomas. Inicialmente são diminutos e benignos (adenoma), podendo crescer até sofrerem transformação maligna (adenocarcinoma). Por este motivo é tão importante a remoção dos pólipos, com a finalidade de prevenir o câncer.

Rodrigo Rego Lins

Coloproctologista

Rio de Janeiro


A Colonoscopia é um exame endoscópico destinado ao diagnóstico de doenças do reto, dos cólons (intestino grosso) e do íleo terminal (intestino delgado). É realizado através do equipamento denominado colonoscópio, o qual chega até o interior do intestino através do ânus. Para realização do exame é necessário um preparo (limpeza) do intestino e, frequentemente, a sedação por via intravenosa. Alguns procedimentos podem ser decididos no momento do exame de acordo com os achados, conforme o explicado abaixo: Biopsia (ou retirada de um ou mais fragmentos da mucosa); Polipectomia (ou retirada um ou mais pólipos); Mucosectomia (ou retirada de um fragmento da mucosa intestinal ou pólipos) .

Os pólipos intestinais merecem extrema importância e atenção, pois dependendo do tipo histológico podem ser classificados como lesões com potencial para malignidade. Por isso os exames como anuscopia, retossigmoidoscopia e colonoscopia devem ser realizados periodicamente de acordo com a faixa etária e história clínica individual.

José Antonio Dias Da Cunha E Silva

Cirurgião geral, Coloproctologista

Rio de Janeiro

Agendar uma visita

Pólipos são lesões que se projetam para a luz do intestino e que podem ser vistas na colonoscopia. Alguns tipos de pólipos podem evoluir para câncer de intestino, dai a sua importância. A maioria dos pólipos podem ser retirados durante a própria colonoscopia, com um procedimento chamado polipectomia. Esta é uma forma de prevenir câncer de intestino. Pacientes que já tiveram pólipos precisam de uma vigilância maior pelo risco de aparecimento de novos pólipos.

Rafael Oliveira Ximenes

Gastroenterologista

Goiânia


Pólipos são lesões do intestino grosso que em alguns casos podem virar câncer. Como eles não causam sintomas o único jeito de prevenir e tratar é fazendo consultas e exames preventivos na época certa. Quem tem mais de 50 anos ou possui parente com pólipos ou câncer, deve procurar atendimento. O médico adequado para o atendimento é o coloproctologista.

Os pólipos no intestino grosso ou cólon, principalmente os adenomas, são lesões precursoras do adenocarcinoma ou câncer de intestino. Este, quando apresenta sintomas (sangramento nas fezes, alteração do hábito intestinal, dor abdominal, perda ponderal, etc), muitas vezes já se encontra em estágio avançado. Por outro lado, no estágio de pólipos, os pacientes podem ser assintomáticos. Portanto, a colonoscopia configura um exame muito importante na prevenção desse tipo de câncer na medida em que retiramos os pólipos. A próxima colonoscopia é sempre agendada a partir dos achados da última colono ou se o paciente apresentar sinais de alarme.

Adriana Ribas Andrade

Gastroenterologista

Salvador

Agendar uma visita

Pólipo intestinal é uma condição benigna comum em boa parte dos adultos acima dos 50 anos. É doença que pode evoluir para o câncer colo-retal. Não costuma apresentar sintomas em sua fase inicial e por vezes o sinal de alarme é a presença de sangue oculto nas fezes detectado em exame laboratorial. O diagnóstico é feito por exame proctológico ou por colonoscopia. Uma vez removidos precocemente através de sua remoção cirúrgica ou por colonoscopia, pode evitar a formação do câncer nessa região.

O principal objetivo na detecção de pólipos, especialmente pela colonoscopia (quando já é feita sua retirada), é a prevenção do câncer de cólon, reduzindo sua incidência em 75-90%. Cerca de 25% das pessoas com 50 anos tem adenomas, aumentando para 50% aos 75 anos e a maioria desses pólipos é assintomática, o que justifica o rastreio. Existem pólipos hiperplásicos, adenomas, inflamatórios e hamartomas, sendo que os dois primeiros são a grande maioria. O pólipo adenomatoso tem uma chance cumulativa de câncer em 5 anos de 2,5%, 10 anos de 8% e 80% dos cânceres de cólon derivam deles. Após a retirada de pólipos é imprescindível o acompanhamento do especialista para prevenir o câncer colorretal.

Thais Yuka Takahashi

Coloproctologista

São Paulo

Agendar uma visita

Pólipos são pequenos tumores, em sua grande maioria benignos, que podem surgir na mucosa (revestimento interno) de todo o aparelho digestivo. Os do Intestino Grosso são detectados pelo exame colonoscopia, realizado sob anestesia geral para melhor conforto ao paciente. Quando detectados ,são retirados no próprio exame para serem analisados histologicamente. Pacientes que já tiveram pólipos retirados devem fazer um segmento, pelo menos a cada 2 anos, para controle de novos pólipos que possam vir a surgir. A importância deste segmento é para serem detectados precocemente e retirados enquanto ainda pequenos, pois, com o passar dos anos, um pólipo benigno aumenta sua chance de degeneração maligna.

Cristiano De Magalhães Nunes

Cirurgião geral, Coloproctologista

Goiânia

Agendar uma visita

Quais profissionais tratam Pólipos do intestino grosso (cólon e reto)?


Todos os conteúdos publicados no doctoralia.com.br, principalmente perguntas e respostas na área da medicina, têm caráter meramente informativo e não devem ser, em nenhuma circunstância, considerados como substitutos de aconselhamento médico.